Para FAO, o Fome Zero é a principal solução mundial contra fome e miséria

Jose_Graziano10

Via Instituto Lula em 7/10/2015

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês), José Graziano, foi o convidado especial da 10ª edição do Conversas sobre África, série de debates organizados pela Iniciativa África, do Instituto Lula. A um conjunto de gestores públicos e representantes de organizações e movimentos sociais, ele apresentou um panorama do trabalho da entidade junto à África e a posição central que o Brasil hoje ocupa no debate mundial sobre o combate à fome.

“Antes do governo Lula, o Brasil era um demandante de ajuda internacional. Ou seja, solicitava apoio para erradicar a fome. Hoje, é o décimo maior doador da FAO. E não se trata apenas de doação financeira, mas técnica e política”, afirmou Graziano, que elogiou o esforço do país pela cooperação Sul-Sul, modelo de desenvolvimento em que países em condições análogas se apoiam mutuamente para superar problemas, ao contrário da parceria desigual que ocorre entre países em desenvolvimento e países já desenvolvidos.

De acordo com Graziano, a FAO tem até dificuldades para atender à demanda que recebe para ajudar a aplicar programas nos moldes do Fome Zero, por exemplo. “Aprendemos, nos últimos anos, que há um conjunto de políticas relativamente eficiente para combater a fome. E, no topo delas, está o Fome Zero. Hoje, não conseguimos dar conta de atender a demanda de países da África, da Ásia e até da Europa para implantar o Fome Zero”, contou.

O diretor-geral da FAO citou o caso da Nigéria como exemplo da aplicação do programa. Lá, o conjunto de programas se chama 3N – Nigerianos Nutrem Nigerianos. “Na África subsaariana, 20% da população já é atendida por programas de transferência de renda, a maioria intermediados pela FAO. A grande dificuldade ainda é que esses programas sejam tornados permanentes. É difícil colocar o pobre no orçamento, como diz Lula. Ainda mais onde não há uma CUT, um MST, um movimento organizado da sociedade civil para pressionar por mudanças”, ponderou.

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) é outra agente importante de modernização dos sistemas alimentares da África, ajudando a agricultura familiar a se estruturar e profissionalizar. Graziano destacou que, enquanto o Brasil tem cerca de 4 milhões de propriedades rurais familiares, em Angola são 10 milhões de propriedades de agricultura familiar, quase todas sob a responsabilidade das mulheres.

A agricultura familiar é essencial para qualificar a alimentação e beneficia principalmente as crianças, por meio dos programas de alimentação natural nas merendas escolares. As complexas estruturas sociais da África permitem a coexistência, até entre pessoas da mesma família, da subnutrição e da obesidade. “A alimentação africana, de forma geral, tem muita mandioca e frituras, e eles praticamente não comem peixe”, explicou.

O contraste no continente africano é sintoma de um desequilíbrio mundial. Graziano afirma que a FAO atestou que produzimos alimentos para todos no planeta, mas o desperdício ainda é muito grande. “Hoje nossos números mostram que o mundo produz mais do que suficiente para alimentar o mundo inteiro. Sobra alimento. E vai continuar sobrando até 2030, mas nós seguimos desperdiçando ou jogando fora mais de um terço dos alimentos. Só o desperdício da OCDE daria para acabar com a fome no mundo. São quase 2 bilhões de toneladas de alimentos em condição de consumo que são perdidos anualmente”, lamentou.

Leia também:
Brasil atingiu meta do milênio em redução de pobreza e fome, diz ONU
Mauro Santayana: Como os bancos lucram com a fome no mundo
Para Banco Mundial e ONU, o Brasil é exemplo a ser seguido pelo mundo
A “grande mídia” se cala: Relatório da ONU diz que fome cai 82% no Brasil
ONU: Brasil sai do mapa da fome
ONU diz que vitória de Dilma mostra reconhecimento à redução da pobreza
Combate à pobreza: Brasil é destaque em relatório da ONU
ONU atesta coerência do Programa Mais Médicos
Para Banco Mundial e ONU, Brasil é exemplo a ser seguido pelo mundo
Lula recebe prêmio em Nova Iorque por combater a fome e a miséria
Na Itália, Lula fala sobre importância do combate à fome
Brasil surge como ator principal na ONU
15,5% da população: Alemanha tem maior nível de pobreza desde a reunificação
Rico ostentação: Hotel de luxo simula favela para turistas “experimentarem” pobreza
Mundo: O abismo entre ricos e pobres cresce
EUA têm 80 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
EUA têm mais de 1 milhão de crianças sem lar
Reino Unido têm 13 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
Combate à pobreza: Brasil é destaque em relatório da ONU
Os 400 mais ricos do mundo aumentaram fortuna em US$92 bilhões em 2014
O Bolsa Família está sendo copiado no mundo inteiro
Bolsa Família foi decisivo para reduzir a pobreza e custa muito pouco
Ipea diz que mais de 1 milhão de pessoas saíram da extrema pobreza em 2012
Inspirado em Lula, México lança seu Fome Zero
10 coisas que você precisa saber sobre a fome em 2013
Vídeo: Jornal Nacional diz que na gestão de FHC a fome matava 280 crianças por dia

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: