Alô Sérgio Moro: Eduardo Cunha usou o mesmo banco que ex-diretores da Petrobras na Suíça

Eduardo_Cunha_PMDB133

Instituição teve como clientes Pedro Barusco, além de RenatoF Duque e Jorge Zelada.

Jamil Chade de Genebra, via Estadão Conteúdo e com informações do Brasil Post

O deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) usou o mesmo banco que foi utilizado pelos ex-diretores da Petrobras para desviar milhões de dólares em propinas. Fontes próximas à investigação confirmaram que a instituição usada por Cunha foi o Julius Baer, que também teve como clientes o ex-gerente Executivo de Engenharia da Petrobras, Pedro Barusco, além de Renato Duque e Jorge Zelada.

Em Berna, fontes confirmam que o banco Julius Baer está colaborando e que foi do banco que veio em abril um informe apontando para suspeitas de lavagem de dinheiro. Oficialmente, a instituição se recusa a comentar o caso indicando em um e-mail à reportagem que não falará sobre o assunto. O Estado apurou que um dos fatores que criou surpresa entre os gerentes das contas foi a diferença entre a renda de Cunha e os valores movimentados.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o valor congelado teria sido de US$2,4 milhões. Procurado pelo Estado, o Ministério Público da Suíça não comentou a informação. Pessoas próximas ao processo também indicaram que as contas chegaram a ter perto de US$5 milhões e a suspeita em Brasília é de que Cunha possa ter outras contas no exterior.

Investigadores, porém, apontam que o esquema usado por Cunha se assemelha ao de outros envolvidos na Operação Lava-Jato. Quem também era cliente do Julius Baer era o ex-gerente Executivo de Engenharia da Petrobras, Pedro Barusco. Em março de 2014, suas contas foram bloqueadas. Barusco, assim como Cunha, criou empresas offshore para tentar esconder o dinheiro.

Em 2013, Barusco abriu uma conta em nome de uma empresa de fachada, a Canyon Biew, no banco RBC da Suíça e transferiu do Julius Baer cerca de US$7,1 milhões.

No caso de Cunha, ele abriu empresas de fachada e aparecia apenas como “beneficiário” desses depósitos, ao lado da esposa.

Barusco ainda indicou que, para a abertura das contas na Suíça, utilizou os serviços do mesmo intermediário que ajudou Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras e que tem US$23 milhões bloqueados nos bancos suíços. O intermediário era Bernardo Friburghaus, com escritórios no Rio de Janeiro e que desde a eclosão da operação se mudou para Genebra.

Os ex-diretores da petroleira Renato Duque e Jorge Zelada também contrataram o banco Julius Baer para investir propina recebida de fornecedores da Petrobras em Mônaco e na Suíça.

Investigação
No Brasil, o Julius Baer é mencionado em investigação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal em inquérito de lavagem de dinheiro, crime contra o sistema financeiro e sonegação fiscal envolvendo uma empresa controlada pela instituição no Brasil.

A suspeita é que GPS Investimentos Financeiros, comprada pelo banco entre 2010 e 2014, estaria facilitando a evasão de divisas de clientes brasileiros para paraísos fiscais como Ilhas Jersey, Mônaco e Suíça. A denúncia sob investigação é de que esses “recursos depositados no exterior e não declarados às autoridades competentes seriam provenientes de sonegação fiscal (caixa dois) e estariam sendo enviados pelo grupo empresarial GPS Planejamento Financeiro.”

O Julius Bär é hoje o maior private bank independente da Suíça, com mais de 120 anos de atividade. A instituição atua aplicando o dinheiro dos clientes em outras instituições financeiras, comprando bens de valor, como jóias e obras de arte, entre outros. No total, o banco administra fortunas no valor de US$372 bilhões e conta com escritórios em Genebra, Hong Kong, Montevidéu, Mônaco, Lugano, Cingapura e Dubai. As investigações sobre as atividades da GPS, contudo, não tem relação com a Lava-Jato.

Em nota ao Estado, o Julius Baer informou que “a GPS é regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e sob nenhuma circunstância apoia lavagem de dinheiro ou evasão de divisas, seguindo estritos padrões de compliance com todos seus clientes.” Conforme o banco, a GPS “não é corretora nem casa de câmbio e não faz nada em desacordo com a Receita Federal.”

PGR pode apresentar nova denúncia
O procurador da República Andrey Borges de Mendonça, que auxilia o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e há dois anos trabalha nas investigações da Operação Lava-Jato, disse, na quarta-feira, dia 7/10, que o MPF depende do acesso a todos os documentos enviados pela Procuradoria da Suíça sobre as contas bancárias de Eduardo Cunha para decidir se haverá ou não uma nova denúncia contra o deputado.

Os documentos enviados pelo Ministério Público suíço ainda estão em tramitação e não chegaram completos às mãos dos investigadores. “Se os fatos (a serem investigados com base nos documentos suíços) forem diversos do que foi apurado no Brasil, pode haver nova denúncia. Os documentos ainda estão no canal de comunicação”, disse Mendonça, em entrevista após fazer palestra no 21º Congresso Nacional do Ministério Público, que ocorre até sexta-feira, dia 9/10, no Rio de Janeiro.

Oposição quer a cassação de Cunha
Um grupo de 29 deputados de sete partidos entregou na quarta-feira, dia 7/10, uma representação na Corregedoria da Câmara contra Eduardo Cunha por suposta quebra de decoro. Eles alegam que há contradição entre as declarações dadas por Cunha em março, na CPI da Petrobras, e as informações do Ministério Público da Suíça, que afirma que o peemedebista tem contas no exterior.

Agora, a Corregedoria precisa encaminhar o pedido ao presidente da Câmara, no caso o denunciado, para que ele envie à Mesa da Casa para que haja um parecer que permita a instauração de um processo de cassação de mandato no Conselho de Ética, da Câmara. Como Cunha é o acusado, pelo código da Corregedoria, ele pode ou não se declarar impedido e passar a avaliação ao vice-presidente, o deputado Waldir Maranhão (PP/MA). Maranhão é aliado de Cunha e também tem suposto envolvimento na Lava-Jato.

Em 12 de março deste ano, Eduardo Cunha foi voluntariamente à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga o esquema de corrupção da Petrobras. “Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu imposto de renda”, afirmou à época. Em sua declaração de bens à Justiça Eleitoral para disputar as eleições de 2014, Cunha disse ter apenas uma conta no banco Itaú.

“As referidas contas jamais foram declaradas no Imposto de Renda do parlamentar, tampouco constam de sua prestação de contas junto ao TSE. Mais do que isso, em várias oportunidades, perante seus pares e a imprensa, o presidente da Casa negou possuir contas no exterior”, diz o documento. Inicialmente, o vice-líder do PPS, Arnaldo Jordy (PA), apresentaria uma representação em separado. No entanto, ele preferiu unir-se ao grupo de parlamentares e eles apresentaram uma única peça.

A posição é diferente entre aliados de Cunha, como o PSDB na Câmara. A avaliação entre os tucanos nos bastidores é que a situação está ficando “insustentável” e já se cogita buscar uma “saída honrosa” para o peemedebista, mas o líder do PSDB na Casa, Carlos Sampaio (SP), afirmou nesta semana que Cunha “tinha o benefício da dúvida”.

Eduardo_Cunha_PMDB128_Malafaia

Pastor Everaldo, Malafaia e Cunha: Se deus existir, elas irão pro inferno.

Líderes evangélicos estão divididos
Líderes evangélicos não têm um discurso unificado em relação à acusação feita pela Procuradoria Geral da República contra o presidente da Câmara de possuir na Suíça contas ilegais e com US$5 milhões, sob sua titularidade e de seus familiares. Religiosos próximos a Cunha dividiram-se entre o silêncio e um tímido apoio ao parlamentar. No estante do campo evangélico, há cobrança por uma atuação mais crítica da bancada ligada às igrejas em relação às denúncias que envolvem o deputado.

Desde que Cunha foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em agosto, o pastor Abner Ferreira, presidente da Igreja Assembleia de Deus em Madureira, no Rio, não atende a pedidos de entrevista. Em fevereiro, Cunha chegou a participar de um culto de mais de duas horas em comemoração a sua eleição para a Presidência da Câmara junto com outros políticos na congregação. Na ocasião, declarou ter deixado a Igreja Sara Nossa Terra. Na denúncia ao STF, o lobista Júlio Camargo disse que pagou parte da propina de Cunha em forma de doação à filial paulista da Assembleia, cujo dirigente é Samuel Ferreira, irmão de Abner.

O bispo Francisco Almeida, coordenador da Sarah Nossa Terra no Rio, disse ao Estado que conheceu Cunha entre 1997 e 1998. Segundo ele, o deputado teria chegado sozinho à igreja, que naquela época ficava no Teatro da Barra. Almeida diz que Cunha frequentou os cultos somente até 2000. Para o bispo, o deputado é um homem inteligente, mas, diferente do que anuncia, está distante da congregação há bastante tempo. “Ele botava no perfil que era (da Sarah), e eu brigava. Aí ele dizia que frequentava em Brasília, mas também não ia. As pessoas lá na igreja nem conhecem o deputado”, afirmou Almeida ao Broadcast Político, serviço em tempo real do jornal O Estado de S.Paulo.

Sobre as contas no exterior, o bispo diz que não quer “jogar a primeira pedra”. “Ele sempre foi um homem de negócios. Agora, depois disso não posso falar mais nada. Uma pessoa pública está sujeita a todo tipo de coisas. O MP encontrou, então vai ter de provar. Vamos ver o que acontece. De toda forma, estamos tristes com o andamento disso tudo”, completou.

O pastor Everaldo Dias, presidente do PSC e antigo apoiador de Cunha, diz que prefere acreditar no deputado até a comprovação da existência das contas. “Outro dia também falaram que o (senador) Romário tinha conta na Suíça e uma semana depois disseram que não tinha mais. Por enquanto, prefiro acreditar na palavra do deputado Eduardo Cunha. Se ele diz que não tem, vou acreditar nele até provar o contrário”, disse.

O discurso do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, é semelhante. Ele diz que apoiou o deputado apenas na eleição para a Presidência da Câmara. Para Malafaia, Cunha pode perder apoio de votos na comunidade evangélica, “se as contas forem comprovadas”. “Se deve, paga. Aqui não tem refresco para ninguém. Para mim a Justiça é para todo mundo. Se for comprovado que ele tem contas no exterior sem declarar, se for comprovado que perca o cargo, que seja processado”, afirma Malafaia.

Entre os líderes evangélicos distantes de Cunha, há crítica também à bancada que segue dando apoio ao deputado. O pastor Ed René Kivitz, da Igreja Batista de Água Branca, afirma que atualmente é mais fácil encontrar vozes evangélicas críticas fora da atuação político-partidária. “Existem evangélicos que apoiam a atuação do deputado. Mas existe um considerável contingente de evangélicos – entre os quais me incluo – que deplora sua história e trajetória política, desde suas participações nos governos Fernando Collor e Anthony Garotinho”, disse Kivitz, por e-mail.

O pastor batista Henrique Vieira, vereador pelo PSOL em Niterói, avalia que há uma crise na identidade evangélica no Brasil. Vieira sustenta que o setor ao qual Cunha pertence monopoliza a imagem do que é ser evangélico com o uso dos meios de comunicação, e isso se traduz na defesa de um projeto político extremamente conservador. “O projeto deles não é laico e não respeita os direitos humanos. Não me surpreende a possível corrupção associada à figura do Cunha. E essas lideranças evangélicas que sustentam o poder de Eduardo Cunha o fazem porque estão sustentando o próprio poder”, disse Vieira.

Para Marcos Gladstone, pastor da Igreja Cristã Contemporânea, a bancada que o sustenta também demonstra estar comprometida. “Se eles são tão moralistas assim, se eles brigam tanto pela família e pela moral, como em um escândalo de corrupção desses eles não tomam nenhuma providência? “, critica Gladstone.

***

Eduardo_Cunha_PMDB134_Sabotador

SUÍÇA CONFIRMA: EDUARDO CUNHA SABIA DE CONTAS BLOQUEADAS
Fernando Brito, via Tijolaço em 6/10/2015

Do excelente repórter do Estadão na Suíça, Jamil Chade:

“O Ministério Público da Suíça nega a versão do deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) de que desconhece o teor das notícias veiculadas sobre suas contas no país europeu e garante que o parlamentar foi alertado sobre o congelamento de seu dinheiro. “Eduardo Cunha foi informado sobre o congelamento de seus ativos”, declarou a Procuradoria Geral da Suíça em um comunicado oficial ao Estado.”

Fica-se sabendo que Cunha sabe exatamente de que contas o Ministério Público se refere – embora estejam sendo buscadas outras – até porque o primeiro aviso que recebeu foi do próprio banco, que o comunicou que “estavam atrás dele”.

O comunicado oficial da Suíça do “congelamento de seus ativos”, se algum deputado que, ao contrário do líder do PSDB, Carlos Sampaio, que dá a Cunha “o benefício da dúvida” (tão raro hoje, não é?) pedir a cassação de Cunha por quebra de decoro parlamentar.

Por quê? Porque Cunha não declarou, na sua posse, como é obrigatório, que possuía “ativos” no estrangeiro, ou na Suíça, especificamente.

E há não um, mas dois documentos de autoridades estrangeiras dizendo que tem e que sabe disso.

Cunha está mentindo descaradamente diante do Parlamento e da população e o aviso que recebeu é a prova de que não há “benefício da dúvida” a lhe dar, porque se não tivesse os tais “ativos” que a Justiça suíça confiscou, ao ser avisado, deveria ter denunciado a possibilidade de uma “armação” e pedido uma investigação.

Mas ficou, como se diz na terra de meus avós, “no mocó”.

Não tem salvação, embora nossa “valente” imprensa faça diariamente orações para que ele leve o impeachment à votação antes que apareçam os papéis que mostram a “atividade” dos “ativos” do deputado.

Porque, tanto quanto Cunha sabia, todos eles sabem das falcatruas do “rei do impeachment”. Sabem, mas fingem que “ainda não há elementos” para que lhe tirem o “benefício da dúvida”. Nem os “benefícios” do que o nada duvidoso presidente da Câmara pode lhes trazer.

Leia também:
Bob Fernandes: Faltou quórum na Câmara, mas sobram farsantes, podridão, velhacaria…
Luiz Flávio Gomes: Os próximos passos para a prisão de Eduardo Cunha
O “pacto com o diabo” da oposição pelo impeachment de Dilma
Eduardo Cunha deixou a mídia e a oposição nuas em praça pública
As denúncias contra Eduardo Cunha se acumulam
Oposição silencia sobre Eduardo Cunha para não inviabilizar impeachment
Para as revistas semanais brasileiras, Eduardo Cunha não existe
O que mais Eduardo Cunha tem de fazer para ser detido?
Ao tentar blindar Cunha, jornalismo da Globo coleciona vexames
Novo delator reafirma Cunha como líder do esquema da Petrobras com PMDB
Nem num manicômio Eduardo Cunha poderia liderar um movimento contra a corrupção
Juiz do Rio desarquiva inquérito sobre Eduardo Cunha e o envia ao STF
Dilma veta anistia de R$2 bilhões em multas a planos de saúde
A tropa de choque de Eduardo Cunha
Impeachment hoje serve a corruptores e corruptos, diz sociólogo
E então Eduardo Cunha falou o que a classe média queria ouvir
Eduardo Cunha já gastou R$50 milhões com sessões extras na Câmara
“Não vou cair sozinho”: Eduardo Cunha prepara sua saída da cena política
Projeto de Eduardo Cunha favorece saúde privada e pode enfraquecer o SUS
Filha de Eduardo Cunha ganhou três contas de deputados desde que pai assumiu a Câmara
Denúncia contra Eduardo Cunha pode ligar Lava-Jato à privataria tucana
Plano de saúde é um dos maiores financiadores da base aliada de Eduardo Cunha
“Bancada do retrocesso” recebeu mais de R$280 milhões de empresas para campanhas eleitorais
Procuradoria Geral pede 184 anos de prisão para Eduardo Cunha
Paulinho da Força para Cunha: “Você é a pessoa mais correta que eu já encontrei na vida.”
É irônico a oposição pedir saída de Dilma e defender Cunha, diz leitor
Ricardo Melo: TCU, Tribunal Criminoso da União
Delator fez doação de R$125 mil à igreja de Eduardo Cunha, diz PF
Eduardo Cunha faz reunião (secreta?) na Globo
Ministro do TCU admite pressão para rejeitar contas de Dilma
Filho de ministro do TCU envolvido na Lava-Jato é o todo-poderoso do Solidariedade
TCU: Ministro que ameaça rejeitar as contas de Dilma é denunciado por receber propina
Ministro do TCU é acusado de receber verba desviada
A “imparcialidade” do procurador do TCU que pediu a rejeição das contas de Dilma
Ministro do TCU é acusado de receber verba desviada
“Coincidência”: Eduardo Cunha tem escritório político no andar de cima da UTC
Dilma Bolada, a nova inimiga de Eduardo Cunha
Eduardo Cunha prepara pacote de maldades anti-OAB para o 2º semestre
Dalmo Dallari: “Não vai haver golpe nem impeachment.”
Bob Fernandes: Eduardo Cunha vai viver sangramento e solidão
Luiz Flávio Gomes: Os dez passos para colocar Eduardo Cunha na cadeia
STF pede informações a Moro sobre citação de Eduardo Cunha
Provas contra Eduardo Cunha envolvem contas na Suíça
A CBN/Globo lança Eduardo Cunha para a Presidência da República
Antonio Lassance: Acuado e aloprado, Cunha tenta um golpe em causa própria
João Paulo e Eduardo: Dois pesos e duas medidas para os dois Cunha de dois partidos diferentes
As novas eleições presidenciais já estão marcadas
PSDB se cala sobre Cunha e #CadeAecio bomba no Twitter
Fascistas digitais elegem Eduardo Cunha seu mais novo herói
Hipocrisia da mídia: Dono da Globo também estava em jantar de Lula com Odebrecht
O ferro será malhado ainda quente em Eduardo Cunha
Tropa de choque de Eduardo Cunha está em vários partidos, estados, na oposição e na situação
Janio de Freitas: Na moda de collorir
O fim da vergonhosa era Eduardo Cunha
Reunião de Cunha, Mendes e Paulinho: Conspiração não entra em recesso
Repórter da Globo resolve ser sincera: “A ordem é ouvir só o Paulinho da Força.”
Vídeo: Deputado Sílvio Costa aponta bipolaridade dos golpistas da oposição
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
O investigado que intimida
Leandro Fortes: Asteroide atingiu o Brasil e matou todos os eleitores de Collor
Bob Fernandes: Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Luis Fernando Verissimo: Quando vamos acordar para a barbárie golpista que ameaça o Brasil?
Em 2014, Lauro Jardim, “colonista” da Veja, já achava que Eduardo Cunha era meio esquecido
Recordar é viver: Furnas pagou R$73 milhões a mais por ações vendidas a empresários ligados a Eduardo Cunha
Lobista descreveu o caminho do dinheiro até Eduardo Cunha
Deputado pede afastamento imediato de Cunha: “Não tem condições morais.”
Sob “barulhaço”, Eduardo Cunha vai a tevê exaltar “independência” e não cita corrupção
Eduardo Cunha é como cão bravo: Sob pressão, parte para o ataque
Em defesa do banditismo, da corrupção e da família cristã tradicional
Chega ao fim a presidência de Eduardo Cunha
Vídeo mostra como Eduardo Cunha exigiu os US$5 milhões
Eduardo Cunha e os Três Poderes
Emenda de Eduardo Cunha livra Soares e Malafaia de dívida milionária
O que Eduardo Cunha quer com sua proposta de parlamentarismo?
O Globo começa a “apertar” Cunha. E a lembrá-lo que seu papel é de coadjuvante, não de líder
Guilherme Boulos: Assim dissolve-se a democracia brasileira
“Padrão Fifa” elegeu Congresso “padrão Blatter”. Não eram só R$0,20. Era o pré-sal…
Jornal O Globo acusa Eduardo Cunha de corrupção
Eduardo Cunha diz que OAB é cartel e não tem credibilidade
Cada preso é um cliente: O que se esconde por detrás da redução da maioridade penal
Quando vão bater panelas contra Eduardo Cunha?
Luciano Martins Costa: O que há por trás desse empenho em aprovar a redução da maioridade penal?
Gilson Caroni Filho: Além de reduzir a maioridade penal, Cunha reduziu a democracia
As máquinas de vender intolerância e preconceito
Maioridade penal: A lista de deputados vira-casacas
#CunhaGolpista: Em menos de 24 horas, 20 deputados mudam voto e redução da maioridade é aprovada
Derrota de Eduardo Cunha: Câmara rejeita redução da maioridade penal
Financiamento público: Deputados são office-boys de empresas na hora de apresentar emenda parlamentar
Brizola previu: O aparelhamento do estado pelos evangélicos e a ascensão de Cunha
As falcatruas de Eduardo Cunha na Telerj e na Cehab/RJ
O Congresso Nacional tem dono. E, definitivamente, não é o povo
Reforma política do Eduardo Cunha é um deboche com o povo brasileiro
Eduardo Cunha desengaveta projeto que legaliza o jogo do bicho
A reforma política de Eduardo Cunha
A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: A síndrome de Pelé
Paulo Moreira Leite: Marco Aurélio Mello deu uma aula de Constituição e democracia
Fifa: Saiba por que o silêncio de Ronaldo e Pelé está ligado a J.Hawilla e aos EUA
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
“Assisti, mas deletei”, diz deputado que viu vídeo pornô no plenário da Câmara
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
“Se presidir a Câmara, engaveto a regulação da mídia”, diz o “aliado” Eduardo Cunha
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha
O engavetador tucano Gilmar Mendes acusa OAB de ser laranja do PT

2 Respostas to “Alô Sérgio Moro: Eduardo Cunha usou o mesmo banco que ex-diretores da Petrobras na Suíça”

  1. Robson Roberto da Silva Says:

    gente para de sandice, segio moro é cupinchinha dos tucanos, esquece esse verme de toga!!!

  2. Eliane Barroso Says:

    Moro, surdo e cego por conveniência. Quanto terá custado a sua cegueira e a sua surdez?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: