Luiz Flávio Gomes: Os próximos passos para a prisão de Eduardo Cunha

Eduardo_Cunha_PMDB81_Cadeia_Pataxo

Jurista aponta os caminhos que podem levar o presidente da Câmara até a prisão.

Luiz Flávio Gomes, via Carta Maior em 4/10/2015

Chegaram da Suíça todos os detalhes de, pelo menos, quatro contas bancárias clandestinas de Eduardo Cunha (PMDB/RJ) e família. Movimentação de cerca de US$5 milhões de propinas. Durante um bom tempo, com ar de “mocinho” salvador da pátria, Eduardo Cunha, batendo forte em Dilma e no PT (como mandava o figurino), gerou imensa alegria na população e até mesmo a esperança de que iria conseguir tirá-los do poder antes de 2018. As massas rebeladas, indignadas com as crises, aplaudiram suas travessuras, chamadas de “pautas-bombas”, mesmo quando destrutivas do país. Mas isso não é novidade. Como dizia Ortega y Gasset, “as massas quando protestam contra a falta de pão costumam quebrar e destruir tudo, inclusive as padarias. Jogam a bacia cheia d’água com a criança dentro”.

Seis delatores (até aqui) estão revelando que o presidente da Câmara dos Deputados, na verdade, não é o “mocinho” que aparenta. Eles o acusam de ser um grande Al Capone (lavagem de dinheiro, corrupção passiva, crime organizado etc.). Em apenas uma das “negociatas” atribuídas ao peemedebista, ele teria recebido US$5 milhões de propina (que teriam sido pagos pela Samsung e Mitsui). Agora o Ministério Público da Suíça (que o investigou desde abril) mandou todas as provas colhidas para o Ministério Público brasileiro.

Em março, Eduardo Cunha, na CPI da Petrobras, afirmou que não tinha conta fora do Brasil. Mentiu. Essa falta de decoro tem de lhe custar, no mínimo, o mandato de presidente da Câmara. Sua tropa, até aqui conivente com suas extravagâncias e vulgaridades, se não cassar seu cargo diretivo (ou mesmo seu mandato) vai para o Otary Club.

Juridicamente falando, os próximos passos (dentro do Estado de Direito) que podem levar Eduardo Cunha para o presídio da Papuda são os seguintes:

1) É preciso que o STF receba a denúncia já oferecida (assim como as que serão oferecidas) contra ele (há indícios mais do que suficientes para isso). Esse ato é do Plenário (não só da 2ª Turma, por onde tramita o caso Petrobras), por se tratar do presidente da Câmara dos Deputados.

2) Nossa tese (de Márlon Reis e minha) é no sentido de que o recebimento da denúncia contra qualquer um dos ocupantes de cargos na linha sucessória da Presidência da República (vice-presidente e presidentes da Câmara, do Senado e do STF) gera automaticamente o seu afastamento do cargo diretivo (tal como se dá no afastamento do Presidente da República, nos termos do art. 86, § 1º, da CF). Se esse afastamento não for automático, cabe impô-lo por força do art. 319, VI, do CPP (porque o réu está usando a estrutura da Câmara para fazer sua defesa, já teria ameaçado testemunhas, há indícios de destruição de provas etc.).

3) Outra hipótese possível, para além de sua cassação imperiosa por falta de decoro, é sua renúncia ao cargo de presidente da Câmara (tal como fizera Severino Cavalcanti, por exemplo). Aliás, logo que for mostrado um extrato bancário das suas contas na Suíça, torna-se insustentável sua permanência nesse cargo diretivo. Sob pena de subir nosso grau de “investimento”, ou melhor, nosso grau de “mafiocracia”. Nenhum poder pode ser chefiado por quem tem conta bancária de propinas na Suíça. Até a desfaçatez tem limite. Ninguém pode ficar impune quando se enrola em sua própria esperteza (Josias de Souza).

4) Em nenhum país do mundo com cultura menos corrupta que a do Brasil (os dez melhores colocados no ranking da Transparência Internacional, por exemplo), a presidência de um poder seria ocupada por alguém acusado (com provas exuberantes) de ter recebido US$5 milhões de propina. A cultura desses países (do império da lei e da certeza do castigo) é totalmente distinta da permissividade que vigora nas mafiocracias (cleptocracia com envolvimento de grandes corporações econômicas e financeiras).

5) A prisão de Eduardo Cunha (se todas as acusações ficarem provadas) só pode ocorrer depois de condenação criminal com trânsito em julgado. Não cabe prisão preventiva contra deputados e senadores, desde a expedição do diploma respectivo (CF, art. 53, § 2º). Eles só podem ser presos em flagrante, em crime inafiançável. Fora do flagrante, nenhuma outra prisão cautelar (antes da sentença final) cabe contra deputado ou senador (trata-se de um privilégio que jamais deveria existir, salvo quando em jogo está a independência parlamentar).

6) Ninguém pode ser condenado criminalmente sem provas válidas. As provas são produzidas dentro do devido processo legal. As delações premiadas, isoladamente, não podem ser utilizadas para condenar quem quer seja. As delações são válidas somente quando comprovadas em juízo. No caso de Eduardo Cunha as provas estão aparecendo diariamente. Com base nessas provas sua condenação será inevitável.

7) Depois da condenação penal definitiva cabe à Câmara decidir sobre a perda do mandato parlamentar (CF, art. 55, § 2º). Caberia ao STF rever esse ponto, para dar eficácia imediata para sua sentença condenatória assim como para a perda do cargo (decretada por força do art. 92 do CP).

8) Na condenação de Eduardo Cunha (se tudo ficar provado) caberá ao STF definir o tempo de duração da pena de prisão assim como o regime cabível (fechado, semiaberto ou aberto). Pena acima de quatro anos, no mínimo é o regime semiaberto. Pena superior a oito anos, o regime é obrigatoriamente o fechado. Pela quantidade de crimes imputados a Eduardo Cunha e pelo volume de dinheiro que foi surrupiado do povo brasileiro, é muito grande a chance de acontecer o regime fechado (terá que ir para um presídio, como a Papuda, por exemplo).

9) Logo após o trânsito em julgado a Corte Suprema emite a carta de guia e o condenado começa a cumprir sua pena, em estabelecimento penal compatível com o regime fixado na sentença (reitere-se, muito provavelmente o fechado).

Esse decrépito e maligno estilo de fazer política (por meio da fraude, do financiamento mafioso de campanha, dos privilégios indecorosos, dos salários e vantagens estapafúrdios etc.) tem que ser banido do nosso horizonte. A mudança cultural necessária passa pelo sentimento de vergonha (ver Kwame Anthony Appiah). Isso precisa ser recuperado. O ato de corrupção precisa gerar vergonha (no eleito, em seus familiares assim como nos eleitores coniventes com ela). Foi a vergonha que acabou com a tradição milenar de amarrar os pés das chinesas, com o duelo etc. A vergonha promove mudanças culturais.

Eduardo Cunha, com suas espalhafatosas “pautas-bombas”, manipulou como ninguém as emoções das massas jogando inescrupulosamente para elas. Faltou na sua estratégia, no entanto, reler Nietzsche, que nos adverte que o que mais gera prazer na população (certamente depois dos orgasmos) é a condenação e prisão de um criminoso, sobretudo quando poderoso. A vingança é festa (Nietzsche). Na performance de “mocinho” ele promoveu imenso entretenimento ao povo; mas nada supera o escalofriante frisson gerado pela condenação criminal de um poderoso que, eleito como bode expiatório, traz um imenso alívio para as almas dos pecadores espectadores. O cadeião, para muitos devassos do dinheiro público, é o preço que os larápios pagam pelos seus prazeres. Mas isso (que é necessário) é puro espetáculo. Faz parte do carnaval. O Brasil, no entanto, para ter um futuro civilizado, precisa de algo que represente muito mais que um carnaval. Mudança de cultura, que passa pelo restabelecimento da vergonha.

Luiz Flávio Gomes é jurista, fundador da primeira rede de ensino telepresencial da América Latina, presidente do Instituto Avante Brasil e co-editor do Portal Atualidades do Direito.

Leia também:
O “pacto com o diabo” da oposição pelo impeachment de Dilma
Eduardo Cunha deixou a mídia e a oposição nuas em praça pública
As denúncias contra Eduardo Cunha se acumulam
Oposição silencia sobre Eduardo Cunha para não inviabilizar impeachment
Para as revistas semanais brasileiras, Eduardo Cunha não existe
O que mais Eduardo Cunha tem de fazer para ser detido?
Ao tentar blindar Cunha, jornalismo da Globo coleciona vexames
Novo delator reafirma Cunha como líder do esquema da Petrobras com PMDB
Nem num manicômio Eduardo Cunha poderia liderar um movimento contra a corrupção
Juiz do Rio desarquiva inquérito sobre Eduardo Cunha e o envia ao STF
Dilma veta anistia de R$2 bilhões em multas a planos de saúde
A tropa de choque de Eduardo Cunha
Impeachment hoje serve a corruptores e corruptos, diz sociólogo
E então Eduardo Cunha falou o que a classe média queria ouvir
Eduardo Cunha já gastou R$50 milhões com sessões extras na Câmara
“Não vou cair sozinho”: Eduardo Cunha prepara sua saída da cena política
Projeto de Eduardo Cunha favorece saúde privada e pode enfraquecer o SUS
Filha de Eduardo Cunha ganhou três contas de deputados desde que pai assumiu a Câmara
Denúncia contra Eduardo Cunha pode ligar Lava-Jato à privataria tucana
Plano de saúde é um dos maiores financiadores da base aliada de Eduardo Cunha
“Bancada do retrocesso” recebeu mais de R$280 milhões de empresas para campanhas eleitorais
Procuradoria Geral pede 184 anos de prisão para Eduardo Cunha
Paulinho da Força para Cunha: “Você é a pessoa mais correta que eu já encontrei na vida.”
É irônico a oposição pedir saída de Dilma e defender Cunha, diz leitor
Ricardo Melo: TCU, Tribunal Criminoso da União
Delator fez doação de R$125 mil à igreja de Eduardo Cunha, diz PF
Eduardo Cunha faz reunião (secreta?) na Globo
Ministro do TCU admite pressão para rejeitar contas de Dilma
Filho de ministro do TCU envolvido na Lava-Jato é o todo-poderoso do Solidariedade
TCU: Ministro que ameaça rejeitar as contas de Dilma é denunciado por receber propina
Ministro do TCU é acusado de receber verba desviada
A “imparcialidade” do procurador do TCU que pediu a rejeição das contas de Dilma
Ministro do TCU é acusado de receber verba desviada
“Coincidência”: Eduardo Cunha tem escritório político no andar de cima da UTC
Dilma Bolada, a nova inimiga de Eduardo Cunha
Eduardo Cunha prepara pacote de maldades anti-OAB para o 2º semestre
Dalmo Dallari: “Não vai haver golpe nem impeachment.”
Bob Fernandes: Eduardo Cunha vai viver sangramento e solidão
Luiz Flávio Gomes: Os dez passos para colocar Eduardo Cunha na cadeia
STF pede informações a Moro sobre citação de Eduardo Cunha
Provas contra Eduardo Cunha envolvem contas na Suíça
A CBN/Globo lança Eduardo Cunha para a Presidência da República
Antonio Lassance: Acuado e aloprado, Cunha tenta um golpe em causa própria
João Paulo e Eduardo: Dois pesos e duas medidas para os dois Cunha de dois partidos diferentes
As novas eleições presidenciais já estão marcadas
PSDB se cala sobre Cunha e #CadeAecio bomba no Twitter
Fascistas digitais elegem Eduardo Cunha seu mais novo herói
Hipocrisia da mídia: Dono da Globo também estava em jantar de Lula com Odebrecht
O ferro será malhado ainda quente em Eduardo Cunha
Tropa de choque de Eduardo Cunha está em vários partidos, estados, na oposição e na situação
Janio de Freitas: Na moda de collorir
O fim da vergonhosa era Eduardo Cunha
Reunião de Cunha, Mendes e Paulinho: Conspiração não entra em recesso
Repórter da Globo resolve ser sincera: “A ordem é ouvir só o Paulinho da Força.”
Vídeo: Deputado Sílvio Costa aponta bipolaridade dos golpistas da oposição
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
O investigado que intimida
Leandro Fortes: Asteroide atingiu o Brasil e matou todos os eleitores de Collor
Bob Fernandes: Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Luis Fernando Verissimo: Quando vamos acordar para a barbárie golpista que ameaça o Brasil?
Em 2014, Lauro Jardim, “colonista” da Veja, já achava que Eduardo Cunha era meio esquecido
Recordar é viver: Furnas pagou R$73 milhões a mais por ações vendidas a empresários ligados a Eduardo Cunha
Lobista descreveu o caminho do dinheiro até Eduardo Cunha
Deputado pede afastamento imediato de Cunha: “Não tem condições morais.”
Sob “barulhaço”, Eduardo Cunha vai a tevê exaltar “independência” e não cita corrupção
Eduardo Cunha é como cão bravo: Sob pressão, parte para o ataque
Em defesa do banditismo, da corrupção e da família cristã tradicional
Chega ao fim a presidência de Eduardo Cunha
Vídeo mostra como Eduardo Cunha exigiu os US$5 milhões
Eduardo Cunha e os Três Poderes
Emenda de Eduardo Cunha livra Soares e Malafaia de dívida milionária
O que Eduardo Cunha quer com sua proposta de parlamentarismo?
O Globo começa a “apertar” Cunha. E a lembrá-lo que seu papel é de coadjuvante, não de líder
Guilherme Boulos: Assim dissolve-se a democracia brasileira
“Padrão Fifa” elegeu Congresso “padrão Blatter”. Não eram só R$0,20. Era o pré-sal…
Jornal O Globo acusa Eduardo Cunha de corrupção
Eduardo Cunha diz que OAB é cartel e não tem credibilidade
Cada preso é um cliente: O que se esconde por detrás da redução da maioridade penal
Quando vão bater panelas contra Eduardo Cunha?
Luciano Martins Costa: O que há por trás desse empenho em aprovar a redução da maioridade penal?
Gilson Caroni Filho: Além de reduzir a maioridade penal, Cunha reduziu a democracia
As máquinas de vender intolerância e preconceito
Maioridade penal: A lista de deputados vira-casacas
#CunhaGolpista: Em menos de 24 horas, 20 deputados mudam voto e redução da maioridade é aprovada
Derrota de Eduardo Cunha: Câmara rejeita redução da maioridade penal
Financiamento público: Deputados são office-boys de empresas na hora de apresentar emenda parlamentar
Brizola previu: O aparelhamento do estado pelos evangélicos e a ascensão de Cunha
As falcatruas de Eduardo Cunha na Telerj e na Cehab/RJ
O Congresso Nacional tem dono. E, definitivamente, não é o povo
Reforma política do Eduardo Cunha é um deboche com o povo brasileiro
Eduardo Cunha desengaveta projeto que legaliza o jogo do bicho
A reforma política de Eduardo Cunha
A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: A síndrome de Pelé
Paulo Moreira Leite: Marco Aurélio Mello deu uma aula de Constituição e democracia
Fifa: Saiba por que o silêncio de Ronaldo e Pelé está ligado a J.Hawilla e aos EUA
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
“Assisti, mas deletei”, diz deputado que viu vídeo pornô no plenário da Câmara
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
“Se presidir a Câmara, engaveto a regulação da mídia”, diz o “aliado” Eduardo Cunha
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha
O engavetador tucano Gilmar Mendes acusa OAB de ser laranja do PT

2 Respostas to “Luiz Flávio Gomes: Os próximos passos para a prisão de Eduardo Cunha”

  1. pintobasto Says:

    CNC – CUNHA NA CADEIA! Mas com a teia jurídica que envolvem casos escabrosos como o de Cunha, é muito provável que ele se livre desta embrulhada roubalheira.
    Já deveria estar preso porque imunidade parlamentar é mais uma das gritantes vantagens que os parlamentares possuem!
    Preso para cumprir 30 anos de prisão em regime fechado, servindo de exemplo para pretensões de todos os ladrões, mas para escrever a verdade, Cunha tinha que ser chicoteado em praça pública pelo Povo! Só 80 chicotadas no lombo, depois 30 anos de prisão!

  2. Eliane Barroso Says:

    #CunhaNaCadeia. Fora, mafioso!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: