Suiçalão: Prestes a ser pego, ocultador de capital no exterior pediu anistia

Eduardo_Cunha_PMDB110

Quando acordos globais dificultam esconder dinheiro, Fazenda e Senado acertam lei de regularização. Por obra de Eduardo Cunha, Câmara terá palavra final.

André Barrocal, via CartaCapital em 12/9/2015

O Brasil vai aceitar a legalização de bens e dinheiro escondidos no exterior por pessoas e empresas. A regularização seguirá uma fórmula já testada em alguns países. O dono dos recursos declara-os às autoridades e paga o imposto de renda devido e uma multa.

Em troca, será anistiado dos crimes que provavelmente cometeu ao ocultar o patrimônio, como sonegação, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. A ideia ganhou força nas últimas semanas graças ao ajuste fiscal, a empurrar governo e Congresso atrás de fontes de arrecadação. Uma dádiva para os ocultadores neste momento.

Agora em setembro, Brasil e Estados Unidos começam a compartilhar as primeiras informações financeiras sobre seus contribuintes. O intercâmbio nasceu de um acordo bilateral, conhecido como Fatca.

Funciona assim: um banco nos EUA terá de fazer relatórios anuais sobre os brasileiros correntistas de suas agências, entregar o balanço ao fisco norte-americano e este repassará o material à Receita Federal do Brasil. O mesmo acontecerá no caminho Brasil-EUA.

A partir de 2018, um acordo similar permitirá ao Brasil realizar a mesma troca de informações com cerca de 90 nações já signatárias de um entendimento global redigido nos moldes do Fatca. Entre elas, alguns famosos paraísos fiscais, como Suíça, Ilhas Cayman, Ilhas Jersey e Luxemburgo.

Com os relatórios recebidos do estrangeiro, o fisco poderá conferir se as declarações anuais de imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas dizem a verdade. No caso do acordo com os EUA, a checagem será possível já nas declarações de IR do ano que vem.

Na iminência de serem descobertos, os ocultadores de capital fizeram chegar ao Congresso e ao governo pedidos de uma solução. “O Fatca e outros mecanismos de exigência de regularidade dos recursos nos principais bancos do mundo criaram uma demanda de que se regularizassem os recursos brasileiros no exterior”, disse o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ao anunciar na quinta-feira, dia 10/9, o envio de uma proposta do governo ao Congresso.

Pelo projeto, os ocultadores de capital terão 180 dias para se acertarem com as autoridades. Terão de entregar ao fisco 35% do valor escondido, sendo metade a título de imposto de renda e metade a título de multa.

Em contrapartida, estarão a salvo de processos por sonegação (de dois a cinco anos de cadeia), evasão de divisas (de dois a seis anos), lavagem de dinheiro (de três a dez anos), falsificação de documento público (de dois a seis anos) ou privado (de um a cinco anos) e falsidade ideológica (de um a cinco anos).

Nos últimos anos, vários países adotaram programas de regularização do gênero. A Alemanha o fez entre 2004 e 2005, com multa de 25% a 35%. O México, de 2005 a 2006, ao cobrar 25%. O Canadá em 2005, com juros, multas e alíquotas normais de IR. Os EUA, de 2003 a 2009, com cobrança de tributos, juros e multa. O Reino Unido, em 2007, com alíquotas normais e multa reduzida em 10%. A Espanha, em 2012, com alíquotas normais.

A legalização mais recente ocorreu na Itália, neste ano, com pagamento de 1% a 43% do valor ocultado. O país recuperou €100 bilhões, segundo o Ministério da Fazenda brasileiro. Aqui, a Fazenda estima arrecadar de R$100 bilhões a R$150 bilhões, caso a lei seja aprovada nos termos propostos. O órgão trabalha com dados a indicar a existência no exterior de US$400 bilhões não-declarados.

Pelo projeto, só poderão ser regularizados capitais de origem lícita. Não vale para tráfico de drogas, terrorismo ou corrupção, por exemplo. De acordo com a Fazenda, há muitos casos de brasileiros que mandaram dinheiro para o estrangeiro durante planos econômicos como Cruzado I e II (1986), Bresser (1987), Verão (1989), Collor I e II (1990 e 1991) e Real (1994). O motivo seriam as incertezas cambiais e políticas locais ou crises internacionais.

Levy diz ter uma “expectativa de votação rápida” da lei no Congresso. Os parlamentares estavam prestes a votar um projeto de regularização de capitais escondidos, quando o governo mandou uma proposta nova ao Legislativo.

O projeto era do senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) e previa multa de 30% de regularização, em troca de anistia penal. Havia recebido parecer favorável do líder do governo na Casa, Delcídio Amaral (PT/MS), nos termos agora propostos pela Fazenda.

O envio do novo texto foi uma exigência do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), em meio ao ajuste fiscal. Caso o projeto de Rodrigues fosse aprovado, ele iria aos deputados e, em caso de alterações, voltaria ao Senado.

Em suma, a última palavra seria do Senado. Com o envio de um projeto pelo Executivo, o texto começará a tramitar entre os deputados, irá aos senadores e, em caso de mudanças, regressará à Câmara. Ou seja, a palavra final será dos deputados.

Rodrigues protestou, classificando o acordo Cunha-Levy de “pirataria legislativa”. Lamenta o fato de agora ser mais difícil ele ter a paternidade de uma lei a enquadrar ocultadores de patrimônio, bandeira de interesse do eleitorado progressista do senador do PSOL.

Há mais razões para protestar. Cunha é um especialista em defender patrões e endinheirados. No ano passado, o governo mandou ao Congresso uma medida provisória (MP) com regras sobre a tributação de multinacionais brasileiras no exterior.

O relator era Cunha. O peemedebista deixou um texto na medida para empresas financiadoras de campanha. Esticou prazos de pagamento e reduziu multas. Pior para o Tesouro Nacional. Fará o mesmo agora?

Leia também:
Sonegação bilionária: Ministro do TCU, Augusto Nardes, foi pego na Operação Zelotes
Receita Federal inicia operação de cobrança de R$20,6 bi devido por grandes contribuintes
Por não ter nenhum petista, a “grande mídia” esconde Operação Zelotes
Conheça os super-ricos e saiba como você financia a fortuna deles
Sonegadores fiscais: Distraído, Ronaldo Caiado diz a quem representa
CPI do HSBC ouve delator do caso SwissLeaks e propõe prorrogar trabalhos
“Imposto sobre grandes fortunas renderia R$100 bilhões por ano.”
Pesquisa indica que patrimônio dos ricos tem crescido mais que o PIB
R$200 bilhões: Fortuna de ricos brasileiros é protegida do IR da pessoa física
Países ricos bloqueiam, de novo, luta contra evasão fiscal
HSBC, o paraíso da fraude
CPI do HSBC decide blindar empresários que mantêm recursos não declarados no exterior
Leandro Fortes: McDia sonega Esperança
Comparando as crises de 1998 e 2015
Para a “grande mídia”, crime de sonegação não é notícia
Os documentos da sonegação da Globo
Lula mostrou o Darf. Quem falta mostrar?
Fiscos investigam 50 escolas de São Paulo por sonegação de impostos
Como o HSBC “ajudou” milionários a sonegar impostos
HSBC anuncia que pretende encerrar atividades de sua lavanderia no Brasil e na Turquia
Sonegadores protegem sonegadores: Como a mídia enterrou o caso Swissleaks
Por que não taxar os ricos? Ora, porque isso é “proibido”
Empresários que apoiaram o golpe de 64 construíram grandes fortunas
Imposto sobre grandes fortunas tem apoio de 59,8% dos deputados
Corrupção é escândalo, sonegação é detalhe
Sonegação dos ricos rouba R$200 bilhões em cinco meses
Leão vai pra cima dos sonegadores do futebol
Sonegação no país alcança a marca de R$415 bilhões no ano
Sonegação de imposto em São Paulo chega a R$132 bilhões por ano
Ricos brasileiros têm 4ª maior fortuna do mundo em paraísos fiscais
Saiba como os ricos evitam impostos
Empresários brasileiros sonegam 10% do PIB
Sonegação no Brasil é 20 vezes maior que gasto com Bolsa Família
Paul Krugman e Banco Mundial avaliam o Brasil apesar da sonegação
No Brasil, rico é menos taxado do que na maioria do G20
Cadê os indignados?: Sonegação de impostos no Brasil supera orçamentos de Educação e Saúde
Edir Macedo é o pastor mais rico do Brasil com uma fortuna de US$950 milhões
Álvaro Dias, o Tio Patinhas do Paraná, há anos omite sua fortuna
Os 400 mais ricos do mundo aumentaram fortuna em US$92 bilhões em 2014
Forbes: A famiglia Marinho tem fortuna de R$52 bilhões
Governo responde editorial do Financial Times sobre economia brasileira
Luciano Martins Costa: O inexorável peso dos fatos
Desigualdade social: 124 pessoas concentram 12,3% do PIB brasileiro
Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que corrupção nos países em desenvolvimento
Sonegômetro vai calcular quanto o país deixa de arrecadar com sonegação de impostos
O PIG se cala: A importância didática do sonegômetro
Ali Kamel processa blogueiro que denunciou sonegação de impostos da Globo
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
Áecio Neves é denunciado por ocultar patrimônio e sonegar imposto
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
Mexeu com o Itaú, mexeu com a Marina: Banco é autuado por sonegar R$18,7 milhões
Áecio Neves é denunciado por ocultar patrimônio e sonegar imposto
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça
Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão
Tributação dos ricos: O debate interditado
De onde surgiu a fortuna do ministro Toffoli do STF?
PF desmonta mais um esquemão gigante de sonegação
Governo federal aumenta taxação sobre lucro de instituições financeiras
Manipulação da cotação do real pode deixar Lava-Jato “no chinelo”. E o BC, vai agir?
Cotação do real sofreu manipulação em esquema internacional
O homem que “inventou” a atual instabilidade econômica
Operação Zelotes: O abafa começou. Como evitar?
Suiçalão: A mídia golpista está envolvida até o pescoço
Suiçalão: Revelações sobre um sistema de fraude fiscal internacional
Pela intervenção do Banco Central no HSBC Brasil
Paulo Pimenta: “Caso HSBC pode ser maior esquema já detectado de corrupção do mundo.”
Informante do caso HSBC diz que ainda há “um milhão” de dados por vir
SwissLeaks o caramba! O nome do negócio é Suiçalão do HSBC
Suiçalão: Jornal cede a pressões, abafa as denúncias e colunista pede demissão
Paraná: Suiçalão desvenda transação nebulosa entre Bamerindus e HSBC no governo do PSDB
HSBC e Beto Richa: Mídia esconde o que não lhe interessa
Suiçalão: Aécio lidera doações de donos de contas secretas do HSBC
Petrobras e HSBC: Não precisam explicar, só queremos entender
Bancos pagam menos impostos que os assalariados
Suiçalão: Quem são os brasileiros com contas secretas no HSBC?
Quem nos governa?
Suiçalão: Governo federal vai pedir lista de brasileiros com conta no HSBC da Suíça
Suiçalão: Cinco perguntas para o HSBC, um banco fora de controle
Suiçalão: Amaury Jr., autor de A Privataria Tucana, deixa o ICIJ devido à cobertura tendenciosa das contas do HSBC
HSBC pagará quase US$2 bilhões aos EUA por lavagem de dinheiro
O relatório do Senado norte-americano sobre o Suiçalão
Paraísos fiscais, o preço que as democracias pagam
Por que 8 mil contas de brasileiros em paraíso fiscal não são notícia no JN?
Itaú e Bradesco deixam de pagar R$200 milhões em impostos com operações em paraíso fiscal
Trensalão: Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal
Sonegação: Ricos brasileiros têm a 4ª maior fortuna do mundo em paraísos fiscais
Império britânico comanda offshores e paraísos fiscais do planeta
Muito mais que bucólicos são os paraísos fiscais
Repórteres de todo o mundo se juntam para expor contas secretas dos paraísos fiscais
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou Globo 776 vezes em dois anos
Chipre: Um paraíso fiscal que virou pesadelo para toda Europa
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 1ª parte: “Injusto é pagar imposto no Brasil.”
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 2ª parte: Como o processo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 3ª parte: A história da funcionária da Receita que sumiu com o processo
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Vazou tudo: Sonegação da Rede Globo está na web
A sonegação da Globo, o Ministério Público e a PEC 37
Em 2014, sonegação deve atingir R$500 bilhões no Brasil
Sonegação no Brasil supera orçamentos da Educação e Saúde
Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que a corrupção nos países em desenvolvimento
Sonegação de impostos em São Paulo chega a R$132 bilhões por ano
Bastou Zelotes chegar para a zelite achar ideias de Moro “perigosas”
Evasão fiscal anual no Brasil “equivale a 18 copas do mundo”
Operação Zelotes envolve bancos, grandes empresas e afiliada da Globo
Operação Zelotes: Procurador diz que Justiça dificulta investigações
O plano terrorista de Aécio e Armínio
Abaixo intermediários: Armínio “Gordon” Fraga para presidente
Como Armínio Fraga acabou com a economia brasileira em 2002
Cynara Menezes: 10 perguntas que queria fazer para Armínio Fraga, mas ele não quis responder
Armínio Fraga, o guru de Aécio, quer acabar com o BNDES, CEF e Banco do Brasil
Os bons tempos de Armínio Fraga, o “futuro” ministro de Aécio
Um escândalo chamado Armínio Fraga
Operação Zelotes envolve bancos, grandes empresas e afiliada da Globo
Operação Zelotes: Procurador diz que Justiça dificulta investigações
Folha de S.Paulo ataca quem investiga a Operação Zelotes
Réus graúdos levam Zelotes para longe dos holofotes
Não precisa desenhar: Divisão dos impostos entre os governos federal e estadual

2 Respostas to “Suiçalão: Prestes a ser pego, ocultador de capital no exterior pediu anistia”

  1. Moacir R. de Pontes Says:

    No meio do caminho tem um Cunha.

  2. pintobasto Says:

    Enquanto permitirem que Eduardo Cunha continue à frente da câmara de deputados, o governo Brasileiro vai ter enormes dificuldades para adminstrar o País.
    Esse Cunha é um tremendo escroque criminoso que está sendo usado pelo que temos de pior no Brasil para torpedear a administração do País dentro de procedimentos padronizados conscientes. O velhaco muito atrevido não respeita a lei e tenta furar tudo que já foi estabelecido como correto.
    Mas quem foi que votou neste crápula? Seus eleitores podem limpar as mãos na parede porque fizeram grande sujeira. O lugar de Eduardo Cunha é na cadeia!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: