WikiLeaks: EUA armaram Estado Islâmico e se recusaram a ajudar Síria no combate ao grupo

Estado_Islamico03_Iraque

Armados pelos EUA, militantes do Estado Islâmico conseguiram lutar em cinco frente concomitantemente. Foto da Agência Efe.

Charles Nisz, via Opera Mundi em 12/8/2014

O presidente Bashar al-Assad tentou se aproximar de Washington em 2010, mas governo Obama continuou armando seus opositores e grupos islâmicos. Os Estados Unidos se recusaram a ajudar o governo da Síria a combater grupos radicais islâmicos como a Al-Qaeda e o ISIS (Exército Islâmico do Iraque e da Síria, que recentemente mudou de nome para Estado Islâmico). Além disso, segundo revelações feitas pelo site WikiLeaks, o governo norte-americano armou grupos como o ISIS. Os quase 3 mil documentos sobre essa questão foram vazados pelo site dirigido por Julian Assange na sexta-feira, dia 8/8.

Em 18 de fevereiro de 2010, o chefe da inteligência síria, general Ali Mamlouk, apareceu de surpresa em uma reunião entre diplomatas norte-americanos e Faisal a-Miqad, vice-ministro das relações exteriores da Síria. A visita de Mamlouk foi uma decisão pessoal de Bashar al-Assad, presidente sírio, em mostrar empenho no combate ao terrorismo e aos grupos radicais islâmicos no Oriente Médio, assinala o documento.

Neste encontro com Daniel Benjamin, coordenador das ações de contraterrorismo dos EUA, “o general Mamlouk enfatizou a ligação entre a melhoria das relações EUA-Síria e a cooperação nas áreas de inteligência e segurança”, afirmam os diplomatas norte-americanos em telegrama destinado à CIA, ao Departamento de Estado e às embaixadas dos EUA em Líbano, Jordânia, Arábia Saudita e Inglaterra.

Para Miqad e Mamlouk, essa estratégia passava por três pontos: com o apoio dos EUA, a Síria deveria ter maior papel na região, a política seria um aspecto fundamental para ações de cooperação contra o terrorismo e a população síria deveria ser convencida dessa estratégia com a suspensão dos embargos econômicos contra o país. Para Imad Mustapha, embaixador sírio em Washington, “os EUA deveriam retirar a Síria da lista negra”. Nas palavras de George W. Bush, o país fazia parte do “eixo do mal”, junto com Coreia do Norte e Afeganistão.

Apesar da discordância entre EUA e Síria quanto ao apoio de Assad a grupos como Hezbollah e Hamas, os dois países concordavam quanto à necessidade de interromper o fluxo de guerrilheiros estrangeiros para o Iraque e impedir a proliferação de grupos radicais, como a Al-Qaeda, o ISIS e o Junjalat, uma facção palestina com a mesma orientação política. Para Benjamin, as armas chegavam ao Iraque e ao Líbano contrabandeadas pelo território sírio.

Mamlouk reforçou a “experiência síria em combater grupos terorristas”. “Nós não ficamos na teoria, tomamos atitudes práticas”, foram as palavras do chefe de inteligência de Assad. Segundo o general, o governo sírio não mata ou ataca imediatamente esses grupos. “Primeiro, nós nos infiltramos nessas organizações e entendemos o funcionamento delas”. De acordo com Damasco, “essa complexa estratégia impediu centenas de terroristas de entrarem no Iraque”.

Guerra do Iraque e surgimento do Estado Islâmico
No entanto, apesar de afirmarem cooperar com a Síria para combater o terrorismo, os EUA também trabalharam para armar os opositores sírios e isso causaria um problema maior na região: a criação do atual Estado Islâmico. Segundo documentos obtidos pelo jornal britânico The Guardian, grande parte do armamento utilizado pelo ISIS (antigo nome do Estado Islâmico) veio de grupos armados pelos EUA e cooptados por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Califado Islâmico, que hoje controla territórios na Síria e no Iraque.

Saddam al-Jammal, líder do Exército de Libertação da Síria, outro grupo anti-Assad, também jurou lealdade ao Estado Islâmico desde novembro de 2013. Para garantir tal apoio, o ISIS mudou a sua estratégia de controle: dava autonomia a essas autoridades locais em vez de controlar diretamente a governança das cidades. Como resultado, o ISIS se expandiu e conseguiu lutar em cinco frentes: contra o governo e os opositores sírios, contra o governo iraquiano, contra o Exército libanês e milícias curdas.

O armamento começou a ser enviado para os opositores sírios em setembro de 2013. Na época, analistas davam o ISIS como terminado e a alegação para fortalecer esses grupos era a de que o governo Assad havia usado armas químicas. Para enviar as armas, o governo Obama usou bases clandestinas na Jordânia e na Turquia. Aliados dos EUA na região, como Arábia Saudita e Catar, também forneceram ajuda financeira e militar.

Ironicamente, os EUA sabem inclusive a real identidade do líder do Califado. Durante um ataque à cidade iraquiana de Falluja em 2004, os norte-americanos prenderam alguns dos militantes pelos quais procuravam. Entre eles, estava um homem de 30 e poucos anos e pouco importante na organização: Ibrahim Awad Ibrahim al-Badry; dez anos depois, ele se tornaria líder da mais radical insurgência islâmica contra o Ocidente, segundo informações de um oficial do Pentágono.

Leia também:
Estudante que fez ameaça de morte a Obama no Facebook vai cumprir 3 anos de liberdade vigiada
Joseph Stiglitz: Os Estados Unidos são o obstáculo para o desenvolvimento mundial
E aí Obama?: “Não queremos ir para a Europa. Só queremos que parem a guerra na Síria.”
A pobreza presente em Nova Iorque se espalha por cidades dos EUA
EUA controlam 90% das comunicações e vigiam informações há quase meio século, diz site
Segundo o Unicef, Brasil reduziu evasão escolar em 64%
Brasil atingiu meta do milênio em redução de pobreza e fome, diz ONU
Pablo Villaça: “Apesar da crise”, procure isso no Google
Uma em cada 5 crianças vive na pobreza nos EUA, diz pesquisa
Riqueza do 1% deve ultrapassar a dos outros 99% no mundo até 2016, diz ONG
American way of life: Brasil se torna o 4º maior credor dos EUA
Exemplo internacional de inclusão social, Bolsa Família é apresentado na Suíça
Governo federal gasta mais com a aposentadoria dos milicos do que com o Bolsa Família
Bolsa Família é modelo para programa que atende 5 mil famílias em Nova Iorque
Os EUA e os jornalistas com complexo de vira-lata
10 ações de Obama para regularizar as torturas da CIA
Tortura nos EUA: O infame papel de alguns psicólogos
Vídeo: A desigualdade nos EUA
Miséria: 20% dos nova-iorquinos dependem de ajuda de terceiros para se alimentar
Luiz Aguiar: Falácias e mentiras nas relações entre o Brasil e o mundo
O Brasil no mundo: Um desenho para quem tem complexo de vira-lata entender
Cuba mantém recorde e registra uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo
Em 2016, 1% da população terá mais dinheiro que o restante do mundo
15,5% da população: Alemanha tem maior nível de pobreza desde a reunificação
Rico ostentação: Hotel de luxo simula favela para turistas “experimentarem” pobreza
Secretário-geral da ONU diz que vitória de Dilma mostra reconhecimento à redução da pobreza
Mundo: O abismo entre ricos e pobres cresce
EUA têm 80 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
EUA têm mais de 1 milhão de crianças sem lar
Reino Unido têm 13 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
Combate à pobreza: Brasil é destaque em relatório da ONU
Os 400 mais ricos do mundo aumentaram fortuna em US$92 bilhões em 2014
O Bolsa Família está sendo copiado no mundo inteiro
Ex-jurista do Banco Mundial revela como a elite domina o mundo
Noam Chomsky: Manter o público na ignorância é o nome do jogo para os EUA
O mundo sem os EUA
Mauro Santayana: Como os bancos lucram com a fome no mundo
Para Banco Mundial e ONU, o Brasil é exemplo a ser seguido pelo mundo
Moniz Bandeira: EUA promovem desestabilização na América Latina
Depois de destruir o nacionalismo árabe, EUA preparam o bote na América do Sul
11 de setembro: Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA no atentado
Queda do preço do petróleo provoca onda de demissões nos EUA
Pesadelo norte-americano: Conheça 10 fatos chocantes sobre os EUA
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Geografia e estratégia
Noam Chomsky: “Os EUA são o maior estado terrorista do mundo e se orgulham disso.”
Usaid: EUA infiltram clandestinamente agente para desestabilizar Cuba
EUA: A corrupção nas Forças Armadas torna-se recorrente
Saúde nos EUA: Homem rouba para ser preso e ter assistência médica
Miami, o paraíso dos coxinhas, é a cidade mais miserável dos EUA
New York Times diz que os EUA são o maior estado terrorista do planeta
Mauro Santayana: Os 5 motivos para o declínio dos EUA
Minha Casa, Minha Vida é bem mais barato: EUA gastam US$2 bilhões por ano com habitação para sem-tetos
EUA manipulam os “protestos” em todo o mundo
EUA declaram guerra à democracia
Você sabia que os EUA têm um programa para fazer médicos cubanos desertarem?
EUA: Terra dos ladrões e lar dos escravos
EUA: Pesquisa em 68 países aponta o país como a maior ameaça à paz no mundo
EUA queriam invadir o Brasil, Jango não deixou
Noam Chomsky: EUA matavam quem praticava o que prega o Papa Francisco
Comunismo avança nos EUA como alternativa à crise capitalista mundial
Conheça 7 ataques químicos que os EUA se negam a comentar
Vídeo: OS EUA e a revolução delivery
EUA lutam contra seu próprio terrorismo
Bob Fernandes: Passo a passo de como os EUA espionaram o Brasil
Globo recebeu mensalão dos EUA
Os EUA são os maiores contrabandistas de armamento para regime antidemocráticos
As garras dos EUA na América Latina
Filme revela como os EUA deram golpe de 1964
Noam Chomsky: EUA, a maior ameaça à paz mundial
Margem de lucro das montadoras no Brasil é três vezes maior que nos EUA
Leonardo Sakamoto: E se os lucros das montadoras ficassem no Brasil?
Uma em cada três oficiais foi estuprada nas Forças Armadas dos EUA
Relatório da CIA mostra o declínio da influência dos EUA no mundo
De Santiago a Caracas, o golpismo de Washington
Conservadores dos EUA financiam a nova direita latino-americana
Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo
Por que o mundo odeia tanto os Estados Unidos?
Puro fascismo: EUA declararam guerra à democracia
Por que os norte-americanos não podem viver sem guerra?
10 falsas justificativas para o ataque dos EUA à Síria
Conheça 7 ataques químicos que os EUA se negam a comentar
Pesquisa aponta os EUA como a maior ameaça à paz no mundo
Guerra do Iraque contabiliza 174 mil mortes em dez anos
Tariq Ali: Às vésperas de uma guerra obscena
Uma breve história da guerra dos EUA contra a Síria: 2006-2014
Quem produz armas faz a guerra
Só é genocídio se quem o fizer não for aliado dos EUA
Por que os norte-americanos bombardearam Hiroshima se a guerra já estava ganha?
Noam Chomsky: À sombra de Hiroshima, não podemos esquecer essa história
Em agosto, o primeiro ataque terrorista completa 70 anos

Uma resposta to “WikiLeaks: EUA armaram Estado Islâmico e se recusaram a ajudar Síria no combate ao grupo”

  1. pintobasto Says:

    Os EUA são os maiores culpados de todos os conflitos armados que surgiram depois da 2 ª guerra mundial e são eles que intrometem em assuntos internos de paises de onde pretendem abocanhar riquezas naturais.
    Esqueceram de cuidar dos problemas internos e logo estarão enfrentando movimentos populares daqueles que foram ignorados e ainda o são.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: