“Crise de pessimismo é crime contra o país”, diz presidente da Anfavea

Anfavea_Luiz_Moan01

Luiz Moan: “A partir do segundo semestre do ano que vem, o país retomará o nível de crescimento mais alto e sustentável.”

Flávia Albuquerque, via RBA em 31/8/2015

O presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Veículos (Anfavea), Luiz Moan, disse na segunda-feira, dia 31/8, em São Paulo, no 1º Encontro Estratégico das Lideranças do Setor Automotivo, que para superar a crise econômica atual é preciso ter primeiro “visão de futuro” e depois, de “médio e curto prazos”. Segundo ele, para o futuro, seria necessário considerar que o Brasil ainda tem uma taxa de motorização baixa, quando comparada à de outros países, o que significa um potencial alto de crescimento.

“Acredito que, a partir do segundo semestre do ano que vem, o país retomará o nível de crescimento mais alto e sustentável. A crise de pessimismo é um crime contra o país e, se deixarmos nos envolver, vamos desenvolvendo o mal-estar e o clima de pessimismo. A sugestão da Anfavea é a de que o núcleo que envolve o setor automotivo tenha reuniões periódicas, para dar continuidade a um trabalho que não funcione só nas crises”, disse.

Para o presidente da Associação Brasileira de Consórcios (Abac), Paulo Roberto Rossi, um dos desafios para o setor é a dificuldade atual do consumidor em assumir compromissos financeiros de médio e longo prazos. “Este é um momento de confiança abalada. Paralelo a isso, temos a dificuldade do setor produtivo e de ter o consórcio como ferramenta de venda futura. Seria importante que o consórcio fosse considerado como estratégia comercial de todos os participantes da indústria automobilística.”

Rossi ressaltou que a solução para a crise é a mudança de comportamento do consumidor e do setor produtivo. “Não é fácil, mas confiamos que unidos poderemos fazer acontecer. A Abac seguirá estimulando programas de educação financeira por meio de ações de divulgação da modalidade de consórcio, focando sobretudo em suas características básicas: autofinanciamento, custos mais baixos e planejamento financeiro”.

O diretor da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Leandro Vilain, destacou que os bancos mantêm um compromisso firme com o setor, e que a legislação vem contribuindo para evitar a inadimplência. Para ele, é preciso unir esforços para preservar os empregos no setor, mas é preciso, também, melhorar os mecanismos de localização do bem retomado.

“A Febraban trabalhará nos próximos meses em uma proposta a ser apresentada à Fenabrave e à Fenauto para aumentarmos a eficiência nesse processo, e repassarmos esses ganhos para o setor. Hoje, o processo de localização do veículo é ineficiente, gerando perda da garantia do empréstimo e aumento dos custos da inadimplência.”

O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Alarico Assumpção, ressaltou que os principais desafios na avaliação da entidade é o cenário político e econômico, o PIB negativo, as crise de água e de energia elétrica, o abalo no índice de confiança dos consumidores e investidores, o aumento do desemprego e endividamento, a inflação alta. “Além disso, há a retração na oferta de crédito, o automóvel visto como vilão da mobilidade urbana. O país precisa realizar ajuste fiscal, e retomar a estabilidade política e econômica.”

Na avaliação do presidente do Sindicato Nacional da Industria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), Paulo Butori, é preciso reconhecer que a crise une as entidades, que todas estão no mesmo barco e não querem que afunde. “É uma oportunidade de todos remarem juntos para uma solução comum, para a soma de pequenas soluções para tirar este setor da situação atual.”

Leia também:
É a crise: Brasil é o terceiro país mais atrativo para investimentos estrangeiros
Por que é importante comprar no mercadinho da esquina
É a crise: Brasileiros compram 60% de condomínio de luxo com garagem de iate em Miami
Vídeo: Apesar da crise e apesar de você
Tudo culpa da petralhada: Brasil atingiu meta do milênio em redução de pobreza e fome, diz ONU
Pablo Villaça: “Apesar da crise”, procure isso no Google
É a crise: Embraer bate novo recorde e encomendas atingem R$87 bilhões
Dívida pública: A verdadeira pedalada fiscal não aparece nos jornais
Antonio Lassance: Governo federal financia mídia cartelizada para falar dele mesmo
O “drama” de quem ganha R$8 mil por mês
O controle do que vemos, ouvimos e lemos
As máquinas de vender intolerância e preconceito
Comparando as crises de 1998 e 2015
Crise alimentada pela oposição pode se voltar também contra ela
Luis Fernando Verissimo: Estranho, os brasileiros lotam a Broadway. Cadê a crise?
Dilma: “Muito do que chamam de crise ocorre sistematicamente.”
Quando a criação de 1,1 milhão de empregos é crise: O governo invisível não quer Dilma
Natal: Como a “grande mídia” transformou em crise 5% de crescimento nas vendas
Norte-americanos “não estão nem aí” para crise, diz assessor da Petrobras
O tamanho da crise da Petrobras
Um recorde após outro: E a Petrobras está em crise?
Mídia golpista: A disputa entre Davi e Golias pela narrativa da crise
Danuza é o emblema da crise estrutura da “grande mídia”
A crise e as receitas do PSDB para o Brasil
Emir Sader: A crise de credibilidade da velha mídia
Mídia golpista escondeu o lado obscuro dos protestos
Suiçalão: A mídia golpista está envolvida até o pescoço
Mídia golpista: A disputa entre Davi e Golias pela narrativa da crise
Com medo de 2018, Lula vira alvo número 1 da mídia golpista
Por que a criminalização da política interessa à mídia golpista?
Luciano Martins Costa: A mídia golpista está atirando para todos os lados
Mídia golpista prepara o bote
Stanley Burburinho: Entenda o motivo de a mídia golpista atacar a Petrobras
Mídia golpista: O inútil esforço para destruir um mito
“Grande imprensa” não sabe a diferença entre privatização e concessão
Vídeo: Lula diz que “grande imprensa” tenta incriminá-lo, mas ele é bom de briga
A maior perdedora de 2014 foi a “grande imprensa”
“Grande imprensa” × governo Dilma: Por que tanta má vontade?
Lula: “A internet pode furar bloqueio da grande imprensa à esquerda.”
Lista de Furnas: O caso de corrupção que a mídia mais esconde
Dilma paga pelo golpe: Globo, Veja e UOL lideram fatias da publicidade do governo federal
Leandro Fortes: Publicidade governamental, um caso de crime de responsabilidade?
A liberdade e a proteção de usuários da internet estão no Marco Civil
As agências de publicidade e o modelo de financiamento à informação
Regula Dilma: 72% da publicidade do governo federal na web vai pro PIG
Se não for regulada, a mídia privada corrompida destruirá o Brasil
Regulação da mídia não é censura, dizem especialistas
Como será a regulamentação da mídia
Franklin Martins: No Brasil, tentam demonizar a regulação da mídia e interditar o debate
Como funciona a regulação de mídia em outros países
FHC sobre regulação da mídia: “Não vou falar mal de meus amigos.”
“Se presidir a Câmara, engaveto a regulação da mídia”, diz o “aliado” Eduardo Cunha
Venício Lima: Marco regulatório é a gota d’água
Reforma política e marco regulatório da mídia ganham destaque na pauta de Dilma
Venício Lima: Os donos da mídia expuseram-se. E agora?
Magoado, Joaquim Barbosa adere à regulação da mídia
Franklin Martins: “Todas as concessões são reguladas. Só rádio e televisão não.”
Inglaterra aprova novo sistema regulador da imprensa
O temor dos donos da mídia e a “regulação” defendida pelo Globo
Mídia: A autorregulamentação fracassou espetacularmente no Brasil
Regula Dilma: Inglaterra aprova novo marco regulatório da imprensa
Regula Dilma: 72% da publicidade do governo federal na web vai pro PIG
PT pede ao governo reforma do marco regulatório da comunicação
João Brant: A mídia como exército regular
Beto Almeida: A regulamentação da mídia e o golpismo
Marco regulatório da mídia no Reino Unido pressiona a discussão no Brasil
Regulação da mídia: A síndrome Jango, aos 50

Uma resposta to ““Crise de pessimismo é crime contra o país”, diz presidente da Anfavea”

  1. Moacir R. de Pontes Says:

    …taxa de motorização baixa porque não se investe para o benefício de todos mas para o privilégio de uma minoria.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: