A pobreza presente em Nova Iorque se espalha por cidades dos EUA

EUA_Nova_Iorque_Pobreza01

Bairro periférico de Nova Iorque.

Durante seu discurso de posse no cargo, em 1º de janeiro de 2014, o novo prefeito da cidade de Nova Iorque, Bill de Blasio, se comprometeu a enfrentar como prioridade principal a obscena diferença na distribuição de riqueza na Grande Maçã, como a cidade é conhecida nos Estados Unidos. Ele havia chamado este problema de uma “história de duas cidades” ao longo de sua campanha, mas no discurso de posse reafirmou que o fim das “desigualdades econômicas e sociais que ameaçam desintegrar a cidade que amamos” não era um discurso barato, uma promessa eleitoral, mas o princípio básico do programa de sua administração.

Teresa Albano, via People’s Worker e lido no Vermelho em 28/8/2015

Os outros altos funcionários da cidade que acabavam de assumir o cargo, a defensora pública Leticia James e o procurador Scott Stringer, também fizeram promessas semelhantes, embora tenham ampliado ainda mais o alcance delas. Leticia, a primeira negra eleita para ocupar um cargo oficial, que é responsável por toda a cidade de Nova Iorque, criticou as políticas favoráveis a Wall Street aplicadas pelo prefeito que deixava o cargo, Michael Bloomberg, e que levaram a cidade “à idade dourada da desigualdade, na qual refúgios para desamparados e projetos de urbanização decrépitos para pessoas de recursos escassos foram esquecidos para dar lugar a brilhantes condomínios de vários milhões de dólares”.

Stringer disse que adotaria uma agenda progressista, baseada na “responsabilidade fiscal” que pudesse “levantar a todos os nova-iorquinos”, destacando que os dois elementos não são mutuamente excludentes.

Nova Iorque é uma cidade excepcional, mas seus problemas não são únicos. O que de Blasio descreveu como uma “crise silenciosa” das disparidades em matéria de riqueza afeta a todas as cidades dos EUA. De fato, se trata de um trem fora do controle que ameaça criar o caos, não só para os setores urbanos, mas também para as periferias, reservas e povoados de forma geral. Para o escritor, procedente de Chicago e onde o atual prefeito ganhou o título de “prefeito do um por cento”, a promessa de mudar as políticas que favorecem os multimilionários é música para os ouvidos.

Entretanto, a crise não é igual em todos os lugares. Detroit – uma cidade que também poderia ser descrita como singular – enfrenta uma falência provocada por anos de desigualdades raciais e de classe, condições econômicas e sociais que, talvez somente nos detalhes, sejam muito diferentes das de Nova Iorque, mas todas as cidades estão com dificuldades, de um modo ou de outro, em áreas de interesse público, como educação pública, aposentadorias, impostos, empregos e salários, moradias acessíveis e prejuízos raciais nas políticas de aplicação das leis e da justiça penal.

Os moradores das grandes e pequenas cidades veem que suas escolas públicas precisam desesperadamente de financiamento, enquanto que as corporações privadas e as escolas particulares seguem absorvendo recursos públicos. Os empregos com baixos salários na indústria de alimentos e no comércio varejista travam as economias urbanas. Os sistemas de transporte em massa são sucateados e as políticas em matéria de policiamento são dirigidas para acossar a juventude negra e seguir alimentando o “complexo industrial de prisões”, com novas gerações de jovens.

A lista poderia continuar indefinidamente e com cada problema aumentam e intensificam as desigualdades raciais e de classe. Alguns chamam isto de “o urbanismo neoliberal”, no qual os mercados de capitais regem livremente a economia local e, com isso, assumem o controle social, político e ideológico. Para dizer de outro modo, a crise das cidades tem sua origem no capitalismo.

A luta pelo progresso tem muitas formas e é livrada em muitos âmbitos, com diferentes coalizões e movimentos. A vitória de de Blasio ofereceu uma nova esperança de que se pode produzir uma mudança progressiva nacionalmente, em relação à luta contra as desigualdades raciais e de distribuição da riqueza que assolam as cidades dos Estados Unidos.

No início de dezembro, de Blasio e mais de uma dezena de outros prefeitos eleitos foram convidados para a Casa Branca, para se encontrarem com o presidente Obama. Depois do evento, de Blasio descreveu o que se poderia definir como um “consenso de interesses” entre os prefeitos que poderia ser a base de um movimento nacional.

“Algo está ocorrendo aqui”, quando prefeitos de todo o país dizem ao presidente o mesmo com relação à pobreza e à educação infantil”, disse de Blasio depois da reunião.

“A luta contra a desigualdade é a missão da nossa era”, disse.

Esse movimento – que combina as lutas contra as desigualdades raciais e de classe – tem preocupado os titãs corporativos e seus cães de guarda. De Blasio, da mesma forma que Obama, será desafiado pelos acontecimentos e uma oposição feroz, em primeiro lugar por parte da extrema-direita. Wall Street se assegurará disso. As grandes corporações se alimentaram dos contribuintes durante décadas, seja mediante a privatização dos recursos públicos ou por meio de incentivos fiscais e créditos com a promessa de criar postos de trabalho.

Um exemplo, há pouco tempo a Bolsa de Mercadorias de Chicago (CME na sigla em inglês) – uma das maiores instituições financeiras do mundo – recebeu US$15 milhões da cidade de Chicago para pagar a renovação de seu balneário, em troca de algumas centenas de postos de trabalho e a promessa de permanecer em Chicago até o ano de 2017. Em outras palavras, a cidade estava disposta a pagar o “resgate” depois que a Bolsa ameaçou abandonar a cidade. Depois que os cidadãos repudiaram e protestaram contra a negociata, a Bolsa voltou atrás e “recusou” o dinheiro.

O movimento progressista também terá o objetivo de sair de sua zona de conforto e construir coalizões com aliados, começando com o movimento operário, para ampliar seu alcance. Para fazer frente aos problemas da desigualdade é essencial aplicar uma nova política industrial, verde, que seja baseada nos salários propostos pelos sindicatos. Reconstruir pontes e fábricas e proporcionar moradias acessíveis é inevitável. Isso significa soluções a nível nacional e estatal. Entretanto, as eleições legislativas de 2014 foram parte do desafio e a derrota para os republicanos e para o Tea Party, renovando o domínio deles sobre o Congresso, criou um obstáculo muito maior para o movimento progressista nos Estados Unidos.

Tradução: Humberto Alencar.

Leia também:
EUA controlam 90% das comunicações e vigiam informações há quase meio século, diz site
Segundo o Unicef, Brasil reduziu evasão escolar em 64%
Tudo culpa da petralhada: Brasil atingiu meta do milênio em redução de pobreza e fome, diz ONU
Pablo Villaça: “Apesar da crise”, procure isso no Google
Uma em cada 5 crianças vive na pobreza nos EUA, diz pesquisa
Riqueza do 1% deve ultrapassar a dos outros 99% no mundo até 2016, diz ONG
American way of life: Brasil se torna o 4º maior credor dos EUA
Exemplo internacional de inclusão social, Bolsa Família é apresentado na Suíça
Governo federal gasta mais com a aposentadoria dos milicos do que com o Bolsa Família
Bolsa Família é modelo para programa que atende 5 mil famílias em Nova Iorque
Os EUA e os jornalistas com complexo de vira-lata
10 ações de Obama para regularizar as torturas da CIA
Tortura nos EUA: O infame papel de alguns psicólogos
Vídeo: A desigualdade nos EUA
Miséria: 20% dos nova-iorquinos dependem de ajuda de terceiros para se alimentar
Luiz Aguiar: Falácias e mentiras nas relações entre o Brasil e o mundo
O Brasil no mundo: Um desenho para quem tem complexo de vira-lata entender
Cuba mantém recorde e registra uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo
Em 2016, 1% da população terá mais dinheiro que o restante do mundo
15,5% da população: Alemanha tem maior nível de pobreza desde a reunificação
Rico ostentação: Hotel de luxo simula favela para turistas “experimentarem” pobreza
Secretário-geral da ONU diz que vitória de Dilma mostra reconhecimento à redução da pobreza
Mundo: O abismo entre ricos e pobres cresce
EUA têm 80 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
EUA têm mais de 1 milhão de crianças sem lar
Reino Unido têm 13 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza
Combate à pobreza: Brasil é destaque em relatório da ONU
Os 400 mais ricos do mundo aumentaram fortuna em US$92 bilhões em 2014
O Bolsa Família está sendo copiado no mundo inteiro
Ex-jurista do Banco Mundial revela como a elite domina o mundo
Noam Chomsky: Manter o público na ignorância é o nome do jogo para os EUA
O mundo sem os EUA
Mauro Santayana: Como os bancos lucram com a fome no mundo
Para Banco Mundial e ONU, o Brasil é exemplo a ser seguido pelo mundo
Moniz Bandeira: EUA promovem desestabilização na América Latina
Depois de destruir o nacionalismo árabe, EUA preparam o bote na América do Sul
11 de setembro: Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA no atentado
Queda do preço do petróleo provoca onda de demissões nos EUA
Pesadelo norte-americano: Conheça 10 fatos chocantes sobre os EUA
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Geografia e estratégia
Noam Chomsky: “Os EUA são o maior estado terrorista do mundo e se orgulham disso.”
Usaid: EUA infiltram clandestinamente agente para desestabilizar Cuba
EUA: A corrupção nas Forças Armadas torna-se recorrente
Saúde nos EUA: Homem rouba para ser preso e ter assistência médica
Miami, o paraíso dos coxinhas, é a cidade mais miserável dos EUA
New York Times diz que os EUA são o maior estado terrorista do planeta
Mauro Santayana: Os 5 motivos para o declínio dos EUA
Minha Casa, Minha Vida é bem mais barato: EUA gastam US$2 bilhões por ano com habitação para sem-tetos
EUA manipulam os “protestos” em todo o mundo
EUA declaram guerra à democracia
Você sabia que os EUA têm um programa para fazer médicos cubanos desertarem?
EUA: Terra dos ladrões e lar dos escravos
EUA: Pesquisa em 68 países aponta o país como a maior ameaça à paz no mundo
EUA queriam invadir o Brasil, Jango não deixou
Noam Chomsky: EUA matavam quem praticava o que prega o Papa Francisco
Comunismo avança nos EUA como alternativa à crise capitalista mundial
Conheça 7 ataques químicos que os EUA se negam a comentar
Vídeo: OS EUA e a revolução delivery
EUA lutam contra seu próprio terrorismo
Bob Fernandes: Passo a passo de como os EUA espionaram o Brasil
Globo recebeu mensalão dos EUA
Os EUA são os maiores contrabandistas de armamento para regime antidemocráticos
As garras dos EUA na América Latina
Filme revela como os EUA deram golpe de 1964
Noam Chomsky: EUA, a maior ameaça à paz mundial
Margem de lucro das montadoras no Brasil é três vezes maior que nos EUA
Leonardo Sakamoto: E se os lucros das montadoras ficassem no Brasil?
Uma em cada três oficiais foi estuprada nas Forças Armadas dos EUA
Relatório da CIA mostra o declínio da influência dos EUA no mundo
De Santiago a Caracas, o golpismo de Washington
Conservadores dos EUA financiam a nova direita latino-americana
Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo
Por que o mundo odeia tanto os Estados Unidos?
Puro fascismo: EUA declararam guerra à democracia
Por que os norte-americanos não podem viver sem guerra?
10 falsas justificativas para o ataque dos EUA à Síria
Conheça 7 ataques químicos que os EUA se negam a comentar
Pesquisa aponta os EUA como a maior ameaça à paz no mundo
Guerra do Iraque contabiliza 174 mil mortes em dez anos
Tariq Ali: Às vésperas de uma guerra obscena
Uma breve história da guerra dos EUA contra a Síria: 2006-2014
Quem produz armas faz a guerra
Só é genocídio se quem o fizer não for aliado dos EUA
Por que os norte-americanos bombardearam Hiroshima se a guerra já estava ganha?
Noam Chomsky: À sombra de Hiroshima, não podemos esquecer essa história
Em agosto, o primeiro ataque terrorista completa 70 anos

3 Respostas to “A pobreza presente em Nova Iorque se espalha por cidades dos EUA”

  1. Monteverdy (@Monteverdy_) Says:

    Esa foto de Nueva York es falsa, se nota claramente que es luego de algún desastre natural, y hasta así luce mucho más organizado que Brasil después de una tormenta.

  2. Vanderlei Hermes (@vanderleihermes) Says:

    O capitalismo da forma como o conhecemos, sempre foi e será excludente, devido principalmente a concentração de renda. Enquanto poucos velejam e comem caviar, muitos dormem nas ruas e comem até ratos para não morrerem de fome. O que vamos fazer para acabar com este sistema? Não sei.

  3. Jackson Roberto Ferreira da Silva Says:

    Po…., como o Capitalismo é muito frágil e desumano, basta uma “crisezinha” o povo (tão admirado pelos coxinhas) vão pra merd.. e poucos ricos ficam mais afortunados. Se Capitalismo é isso eu passo bem longe, tá?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: