Janot, Collor, Aécio e o pau que não bate em tucanos

Collor13_Janot

Kiko Nogueira, via DCM em 27/8/2015

A sabatina épica de Rodrigo Janot na quarta-feira, dia 26/8, com mais de dez horas de duração, produziu momentos cômicos – a maioria deles –, tensos e francamente entediantes.

O velho Collor, cada vez mais descontrolado, fez questão de chegar mais cedo e sentou-se com uma montanha de papeis à sua frente. Atacou o procurador com um arsenal que incluía a acusação de que ele havia homiziado (escondido) bandidos em sua casa em Angra dos Reis.

Um dos criminosos, Janot mesmo revelou, era seu irmão, morto há cinco anos e que ele se recusava a “exumar”. Collor, inacreditável, balbuciava palavrões enquanto ouvia as respostas.

No decorrer da tarde de quarta-feira, dia 26/8, fez troça do tal “acordão” com Dilma e Renan para amenizar as investigações contra alguns dos suspeitos de envolvimento na Lava-Jato. É um factoide, apontou.

“A essa altura de minha vida eu não deixaria os trilhos de minha atuação técnica no Ministério Público para entrar em um processo que eu não domino, não conheço, que é o caminho da política”, disse.

No meio daquele circo em que sobrou bajulação – dez senadores investigados integravam a comissão –, ainda apareceram as figuras evangélicas de Marcelo Crivella e Magno Malta para reclamar da citação da Assembleia de Deus no esquema de Eduardo Cunha. Malta queria saber o que é “lavagem de dinheiro” e por que isso se aplicar à igreja (como se não soubesse).

Mas o que marcou o dia de modo especial foi uma expressão muito cara a Janot, que ele já havia repetido em outras ocasiões. Na abertura, reforçando sua isonomia republicana, falou: “Pau que dá em Chico dá em Francisco”.

Em seguida, numa espécie de advertência aos senadores, insistiu: “Todos são iguais perante a lei. Pau que dá em Chico, dá em Francisco”. E completou: “Não é assim que se fala em nossa terra, Aécio?”

A menção a Aécio Neves foi feita não de maneira provocadora, mas supostamente simpática. Os dois são mineiros. A câmera não focalizou Aécio, mas foi possível imaginar seu sorriso alvar brilhando na direção de Janot.

Serviu, no entanto, para lembrar que o tucano é um símbolo da impropriedade daquele clichê. Um dia antes, o doleiro Youssef relembrou o episódio de Furnas, que não deu em nada, assim como não deu em nada o mensalão mineiro e uma longa lista de etc.

“Me processa. Eu entro no Poder judiciário e por não ser petista não corro o risco de ser preso”, afirmou o deputado estadual Jorge Pozzobom, do PSDB do RS.

Algumas almas enxergaram ironia por parte de Rodrigo Janot, mas isso não faz parte de seu repertório, como se viu no resto da maratona. Foi um ato falho, afinal, revelador da vida nacional.

Leia Também:
Deputado Rogério Correia: “Se Janot não tem provas para condenar Aécio, eu tenho.”
Recordar é viver: Houve golpe eleitoral contra Dilma, confirma Janot
Quem foi o deputado do PSDB que intimidou Janot para proteger Aécio?
Mensalão tucano: Azeredo participou “efetivamente” dos desvios, afirma Janot


%d blogueiros gostam disto: