Toda a História em um Malecón

Cuba_Bandeiras10_EUA

Com a normalização das relações com Cuba, os norte-americanos querem ganhar espaço, ou ao menos não perder mais poder relativo com relação à China.

Martín Granovsky, via Carta Maior em 16/8/2015

Por um lado, era possível ver os carrões dos anos 50, por outro, o Caribe incrivelmente celeste. Bem ali, onde estava discursando ontem [15/8] o secretário de Estado norte-americano John Kerry termina o Malecón que começa na cidade velha de Havana, e que, por algum mistério de luz, forma e cor do mar e dos muros, oferece uma das orlas mais belas do mundo.

Cubanos e estadunidenses jamais economizaram símbolos. Nem o conflito aberto, nem o processo de pacificação atual. Para cada país, o momento que vivem hoje é novidade, mas cada um busca, ao mesmo tempo, marcar as continuidades. Jim, Mike e Larry, como Kerry ser referiu a James Tracy, Mike East e Larry Morris, içaram a bandeira das listras e estrelas, com o hino soando ao fundo. São os mesmos que, em 1961, então marines de pouco mais de vinte anos, foram os encarregados de guardar o pavilhão.

Parado no pátio do edifício dos Estados Unidos, que desde ontem voltou a ser a Embaixada Estadunidense em Cuba, Kerry pode contemplar um verdadeiro monte de 138 mastros, um por cada ano da história cubana desde a independência até a inauguração desse cenário, em 2006. Cada ano representava, segundo seus desenhadores, um ano da árdua história entre Cuba e as potências coloniais. É notório que 138 anos são mais que os 54 de bloqueio, ou os 56 de revolução. Convém fazer as contas: o primeiro mastro é o de 1868, o ano em que o empresário açucareiro Carlos Manuel Céspedes del Castillo liberou seus próprios escravos e se levantou contra o poder colonial da Espanha. Em 1868, não existia a União Soviética, e Céspedes não era um leninista (não poderia ser, porque Lenin só nasceria em 1870), mas sim um maçom libertário. Quer dizer que o cenário de ontem, ao menos em Havana, não marca somente o fim de um resquício da Guerra Fria entre Moscou e Washington. Neste jogo de símbolos e mensagens, os cubanos parecem ter decidido mostrar que a revolução cubana de Fidel Castro é um capítulo dentro de uma prolongada luta nacional. Primeiro contra a Espanha, logo, desde 1902, contra os Estados Unidos. Uma luta que, com a normalização, entrou num novo e diferente período, mas que ainda conserva suas tensões.

Normalmente, ali flameiam bandeiras negras com estrela branca, consideradas um símbolo da luta contra as agressões terroristas. Próximo às bandeiras, está a Tribuna Anti-Imperialista José Martí, um lugar reconhecido por suas construções de aço. Inaugurado no ano 2000, pode chegar a receber até 150 mil pessoas, se somados todos os espaços abertos. Tanto a tribuna como o monte tiveram seu objetivo: foram construídos junto ao edifício do que até ontem foi a Seção de Interesses dos Estados Unidos em Cuba, que o processo de normalização iniciada em dezembro passado por Raul Castro e Barack Obama transformou outra vez numa embaixada. No pátio da construção estadunidense, foram postos cartazes para criticar a situação das liberdades individuais na Ilha. Do outro lado, os atos populares desenvolviam seus próprios cantos e gritavam denúncias a respeito do bloqueio, considerado por eles o genocídio mais longo da História.

Nesse jogo de símbolos, Kerry não pode selecionar uma lembrança melhor para os ouvidos dos líderes cubanos. No discurso que pronunciou, sob o calor sufocante de agosto, disse que esteve em Hanói na semana passada, durante a comemoração dos 40 anos do momento em que o último soldado norte-americano se foi do Vietnã.

“Para Cuba, teria sido melhor uma democracia genuína, mas não seria realista normalizar as relações para transformar tudo a curto prazo”, disse Kerry. Não deixou de mencionar o seu país como o paladino da liberdade e da democracia, mas indicou que o modo de governar deveria ser decidido pelos próprios cubanos.

O Vietnã, assim como Cuba, é outro país atingido pelas guerras anticoloniais que não se transformou numa democracia liberal, mesmo depois da implosão de sua aliada União Soviética, em 1991, e costuma ser o modelo ao qual os dirigentes cubanos apelam diante dos questionamentos. Eles gostam do modo como os vietnamitas reciclaram sua economia, transformando-a num modelo misto, com um setor privado cada vez mais amplo, sem o risco de um colapso como o que houve com a perestroika e a glasnost de Mikhail Gorbachov. No caso cubano, o desafio é, entre outros, como criar desenvolvimento produtivo solidário, que permita reverter o esgotamento da hipertrofiada máquina estatal sem mandar os cubanos para o olho da rua, nem arruinar o sucesso de ter se transformado no único país da América onde as crianças não trabalham.

Um editorial do The New York Times publicado ontem [15/8] colocou a normalização dentro de um contexto regional: “Na América Latina, a diplomacia tranquila rende seus frutos”. Um exemplo seria a reaproximação com o governo boliviano de Evo Morales, que, em 2013, expulsou a Agência Norte-americana de Ajuda Internacional, a US AID, por supostas manobras de desestabilização. Outro exemplo, segundo o diário, é a melhora dos vínculos com o Brasil. No caso da Venezuela, menciona que um assessor de Kerry, Thomas Shannon, começou a manter diálogos discretos para diminuir a rispidez da relação. Shannon és um negociador realista que antes foi embaixador no Brasil, e encarregado de assuntos latino-americanos no Departamento de Estado. Segundo The New York Times, a maior abertura com Cuba poderia fortalecer um processo de cooperação “numa região que está sendo sistematicamente trabalhada pela China”, país que “financia vários projetos e expandiu seu comércio de maneira substancial” na América Latina.

Com a normalização, os norte-americanos querem ganhar espaço, ou ao menos não perder mais poder relativo com relação à China. Os cubanos, que querem viver melhor sem resignar as conquistas, necessitam ganhar tempo.

Política pura. Um cenário sem guerra, afortunadamente, e cheio de complexidades. Um cenário que para países como a Argentina e seus quatro sócios do Mercosul obriga a coordenar mais, e não menos, suas políticas para preservar a diversificação dos mercados e um maior grau de autonomia, que conseguiram a partir de um menor peso da dívida. Porque, além disso, os cubanos não querem ficar sozinhos jogando com o grandalhão no Malecón. Neste mundo, quem deixa o outro sozinho também termina sozinho.

Tradução: Victor Farinelli

Leia também:
John Kerry, secretário de Estado dos EUA, defende fim do bloqueio contra Cuba
Fidel Castro diz que EUA devem milhões de dólares a Cuba por danos desde fim de 2ª Guerra
Fidel Castro, 89 anos do homem que antecipou o futuro
10 ações de Obama para regularizar as torturas da CIA
Tortura nos EUA: O infame papel de alguns psicólogos
Programa Internacionalista Médicos Cubanos é indicado ao Nobel da Paz
Casa Branca vai pedir ao Congresso que permita envio de detentos de Guantânamo para EUA
Cuba pede fim do bloqueio e devolução de Guantânamo nas celebrações do Dia da Rebeldia
Mauro Santayana: Havana em Washington e os EUA nos Brics
Ah, se fosse Lula: Obama faz jantar para 70 empresários que fazem lobby pelo fim do bloqueio a Cuba
Emir Sader: Guantânamo, a vergonha mundial
De Santiago a Caracas, o golpismo de Washington
Bandeira de Cuba volta a Washington após 54 anos; Fidel é protagonista mesmo ausente
Um remédio cubano contra câncer de pulmão
Após referendo na Grécia, Fidel Castro saúda Tsipras pela “brilhante vitória política”
Cuba-EUA: A soberania nacional como pano de fundo
Em Cuba, Fidel Castro vai a debate com produtores de laticínios
Cuba é primeira nação do mundo a eliminar transmissão de HIV de mãe para filho
Por que em Cuba não há violência com armas de fogo?
Herói cubano fala sobre os 16 anos de prisão nos EUA
Antiterrorista cubano agradece a brasileiros por apoio a sua liberdade
Nos ovos sujos de Yoani Sanchez, a afonia da dissidência cubana
Cuba x Cosmos: Diplomacia ganhou por goleada
Cuba sai de uma lista onde nunca deveria ter estado
Em 8 de junho, os Cinco Heróis Cubanos visitarão o Brasil
Estudantes dos EUA nas escolas de medicina de Cuba
Cuba mostra a turistas dos EUA o outro lado da história
Dia histórico para a França: O Ocidente redescobriu Cuba
BNDES acelerou reatamento dos EUA e Cuba
Cuba pode se tornar uma potência em minério e petróleo?
Jornal norte-americano revela a identidade do terrorista oculto libertado por Cuba
Cuba terá luta “longa e difícil” para fim de bloqueio dos EUA, diz Raul Castro
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Entenda o que muda em Cuba e nos EUA com as novas políticas anunciadas
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Governo brasileiro marca golaço ao financiar o Porto de Mariel
Mauro Santayana: Pearl Harbor e Mariel
Beto Almeida: O porto de Mariel, Brasil, Cuba e o socialismo
Com Raul Castro, Lula visita Porto de Mariel e considera obra “referência” para o continente
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Apesar de dia histórico, Raul Castro lamenta que bloqueio econômico seja mantido
Por que investir em Cuba? E na África, e na América Latina? Não é caridade ideológica, é negócio
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Coxinhas indignados
Repercussão mundial: Os mais de 50 anos demonstraram que o isolamento dos EUA a Cuba não funcionou
Porto de Mariel: O que tucanos e aliados têm a dizer sobre isso?
Para desgosto dos reaças, cubanos não fogem da Ilha
Mais uma vez, Obama promete fechar a prisão de Guantânamo
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Geografia e estratégia
Cuba comemora 56º aniversário da Revolução liderada por Fidel Castro
Michael Löwy: “Duvido que Miami vá colonizar Cuba.”
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Cinco heróis: Sai da prisão mais um antiterrorista cubano preso nos EUA
René Gonzalez, herói cubano: “Foi muito difícil deixar o país.”

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: