Golpistas usam mentiras na rede para inflar protesto anti-Dilma

Face_Mutacao01A

A curiosa estratégia dos que afirmam enfrentar a corrupção enganando a população com mentiras tão absurdas que era mais simples dizer a verdade.

Rodrigo Gomes, via RBA em 7/8/2015

Na tarde de quinta-feira, dia 6/8, muitas pessoas perceberam que estavam confirmadas nos chamados eventos das redes sociais pelo impeachment da presidenta da República, Dilma Rousseff, mesmo sem nunca terem aceitado tal convite e nem sequer cogitarem participar, por posicionamento ideológico. Fato é que eventos criados com outros objetivos – do apoio a presidenta à repulsa ao clima de golpismo – tinham sido alterados propositalmente para aumentar o alcance da convocação para os protestos marcados para o dia 16 de agosto.

Um dos eventos modificados era relacionado às eleições do ano passado e se chamava “eu não voto em Aécio Neves”. Como o site não exclui eventos já realizados, alguém mudou o nome do evento para “16 de agosto eu vou pra rua #ForaPT”. E os defensores do impeachment ganharam, automaticamente, 70 mil apoiadores. No entanto, permaneceu a foto de fundo com o rosto do candidato tucano. Ao perceber a farsa, de de um dia para outro 30 mil retiraram seus apoios ao evento.

Esse tipo de prática tem sido comum entre os grupos que tentam convencer a sociedade de que a corrupção no Brasil foi inventada por Dilma, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo  PT. Utilizam de todo tipo de fraudes e enganações com a justificativa de “salvar o Brasil”.

O expediente não é novo, e ficou mais intenso com as redes sociais e o acesso à internet por dispositivos com celulares e tablets. No dia de ir às urnas na última eleição, uma mensagem de que o doleiro Alberto Youssef, primeiro delator relevante da operação Lava-Jato, havia sido envenenado na prisão inundou celulares em todo o país, a ponto de a Polícia Federal (PF) emitir nota garantindo que ele gozava de plena saúde.

16_Agosto02_MentirasAs informações falsas estão na estrutura na convocação das manifestações de rua. No ato realizado em 15 de março, seus organizadores bradavam dos carros de som que “Dilma cortou a internet na Avenida Paulista, para impedir a revolução”. Em uma aglomeração tão grande de pessoas é comum que a internet não funcione. O mesmo ocorre com rádio. É rara uma estação que pegue bem na Paulista devido à quantidade de transmissores instalados na região. Mas o que importa é o “efeito manada” com que a fúria se espalha.

Também naquele domingo, os golpistas exaltaram um “relatório de uma auditoria em Washington que garantiu que as eleições de 2014 foram fraudadas”. O “ativista” Marcello Reis, do grupo Revoltados Online, se emocionava ao berrar “Dilma não foi eleita”. Só não explicava de onde saía a tese fantasiosa – e de explicações convincentes os seguidores dessa onda de ódio não fazem mesmo muita questão. Como pode ter sido fraudada só a eleição presidencial, num pleito que elegeu governadores, deputados e senadores? Não importa.

Os usuários desse expediente são criativos: “Dilma vai proibir as religiões”, “Dilma vai pegar o dinheiro das poupanças”, “Dilma vai acabar com a família”, “o PT vai instaurar uma ditadura comunista no Brasil”, “O PT trouxe os haitianos para votar na Dilma”.

Até mesmo um “combo” de pedidos de impeachment publicado numa rede social viralizou. Segundo o boato, seria preciso registrar o pedido em um cartório, pedindo “combo de quatro impeachments”, para garantir que os petistas não assumissem de novo e o tucano Aécio Neves pudesse ser o novo presidente.

Mas não se mente à toa. O recurso tem fundamento. Uma pesquisa coordenada pelo professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP, Pablo Ortellado, e pela professora de relações internacionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Esther Solano, detectou que a crença em boatos era muito forte entre os participantes paulistas da manifestação de 12 de abril.

Os pesquisadores ouviram 541 pessoas na Avenida Paulista, e identificaram que 47,3% dos entrevistados “confiam muito” em informações obtidas pelo Facebook. Outros 26,6% têm a mesma percepção de informações repassadas pelo aplicativo de celular Whatsapp.

Nada menos que 71,3% dos manifestantes entrevistados acreditam que Fabio Luiz, o Lulinha, filho do ex-presidente Lula, é sócio da Friboi – aquela mesma que contratou Roberto Carlos e Toni Ramos como garotos-propaganda. A informação já foi desmentida muitas vezes, inclusive pelo presidente do grupo JBS, que controla a Friboi, José Batista Júnior.

Outros 53,2% dos manifestantes anticorrupção disseram acreditar que “o PCC é um braço armado do PT”. E 42,6% que “o PT trouxe 50 mil haitianos para votar na Dilma nas últimas eleições”.

Nas redes também são comuns postagens, vídeos e textos com “denúncias”, que precisam ser repassadas “antes que sejam censuradas”. Alguns grupos têm até “veículos de comunicação” próprios, para dar mais credibilidade às notícias forjadas, misturadas a notas retiradas de portais da grande imprensa. Nessa bagunça, os golpistas se esbaldam.

A “notícia” de de sexta-feira, dia 7/8, foi que a carta-renúncia de Dilma Rousseff estaria pronta, aguardando o momento certo para ser divulgada. Quem dá o “furo” é o colunista do jornal Metro e blogueiro limpinho Cláudio Humberto, que foi porta-voz do ex-presidente Fernando Collor de Mello e é uma espécie de Reinaldo Azevedo fora da Veja. Se os manifestantes estão lutando contra a corrupção, como podem crer em uma informação sem fontes, passada por um ex-aliado do Collor?

Os combatentes contra a corrupção parecem se importar tanto com a origem da corrupção no Brasil quanto com a veracidade das notícias que engolem, quando lhes convêm. Para acabar com Dilma, Lula e o PT, vale-tudo, até mesmo esses exemplos bem-acabados de corrupção da verdade como estratégia política.

Leia também:
Paulo Teixeira: Solidariedade aos haitianos
E não é que o bandido que humilhou o haitiano era mesmo bandido?
Quem está celebrando o ataque brutal contra os seis haitianos?
A escalada do ódio
Ódio: Atriz transexual que se “crucificou” em parada LGBT é esfaqueada
Flávio Aguiar: No Brasil, o buraco é mais em cima
PSTU bate panela junto com a pequena burguesia fascista
Guilherme Boulos: A política vai às ruas
E aí ministro Cardozo? Nos EUA, homem é detido por ameaçar Obama no Facebook
Só os diferenciados: Bairros da periferia de São Paulo não aderem a panelaço contra PT
Aos paneleiros: Programa do PT de quinta-feira, dia 6 de agosto
Os 11 princípios de Joseph Goebbels, o ministro da propaganda nazista
O fascismo não virá, ele já está
Não chame um nazista de nazista: A reação da extrema-direita a uma nota de jornal
Vídeo: Festival Internacional do Coxinha (Fico)
Documentário: O Negócio da Revolução
Luis Fernando Verissimo: Quando vamos acordar para a barbárie golpista que ameaça o Brasil?
Ódio: A dignidade feminina é atacada nas redes sociais
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Um grupo de criminosos, chefiado por um advogado, pede a morte de Lula no Facebook
Um texto para quem respeita o Direito no Brasil
Vídeo: Não somos nazistas!
Os extremistas “descobriram” quem orquestrou os ataques a Maju Coutinho: seu marido
Ação de fascista contra Dilma nos EUA foi montagem?
A influência de Danilo Gentili no caso de racismo contra Maju Coutinho
500 anos de perversidade geraram o povo mais ignorante do mundo
Três respostas sobre a direita brasileira
A moça do tempo, o racismo e o ódio nas redes sociais
A direita abraça as redes sociais
Verônica Serra, Mercado Livre e a punição para quem fez adesivo misógino contra Dilma
Como alguém pode fazer um adesivo tão ofensivo contra Dilma e não ir pra cadeia?
Luis Fernando Verissimo: O ódio está no DNA da classe dominante
Leandro Fortes: “O discurso do ódio foi construído pela mídia e pela oposição que ela tenta colocar no poder.”
Mico ou sinal dos tempos?: Jornazista, ameaçada por Chaves (o Chapolim, não o Hugo), vira madrinha do pelotão
Conservadores dos EUA financiam a nova direita latino-americana
“O pior analfabeto é o analfabeto político”: A atualidade de Bertold Brecht
Kim Kataguiri, o “defensor da democracia”, quer uma arma
Mauro Santayana: Os pilares da estupidez
Os “defensores da liberdade de expressão” atacam novamente
No Brasil, há um surto de hipocrisia
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
A “imparcialidade” do procurador do TCU que pediu a rejeição das contas de Dilma
Descolados e coxinhas 2.0 gourmetizam festas juninas
Líder do Revoltados Online quer “pegar Lula” na Bahia
Marcelo Rubens Paiva: O movimento coxinha micou
Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo
E não é que o bandido que humilhou o haitiano era mesmo bandido?
Guilherme Boulos: A direita e a falácia do caviar
Marcha pela “paz”, alma de Herodes
Racismo: A cria do ovo da serpente
A mão que ajuda o facismo
Leandro Fortes: A balada de Kim Kataguiri
Bandidos da facção Revoltados Online atacam com deputados petistas na Câmara
Kim, você é contra o Estado, mas ainda bem que o Samu te socorreu, né?
Marcha dos coxinhas: O mico da “coluna Aécio”
A cultura do ódio na internet e fora dela
Na marcha dos coxinhas a Brasília, quem andam são os carros e o ônibus de apoio
Parecer entregue por Reale Jr. a Aécio descarta impeachment de Dilma
Vai vendo o nível: Musa do impeachment serve champanhe e caviar ao próprio cachorro
Quem inspira os jovens conservadores que protestam contra Dilma e a esquerda?
Pesquisa confirma: Quem foi às ruas não foi “o povo”, mas leitores reaças da Veja
Vitória (ES): Líder do “Vem Pra Rua” batia o ponto na Câmara e ia para casa
Apoiadores de Dilma emplacam hashtag #AceitaDilmaVez entre mais usadas do mundo
O fracasso dos protestos encerra, enfim, o terceiro turno
Protestos de 12 de abril: Esvaziamento de público e de pautas
Paneleiro contra a corrupção vende pontos da CNH
Lula deu uma surra no panelaço
Tremei, paneleiros. Lula está de volta às ruas!
A neodireita preconceituosa e as eleições
Nasce uma nova classe: A lumpemburguesia!
Vitória (ES): Líder do “Vem Pra Rua” batia o ponto na Câmara e ia para casa
É preciso “coragem” para chamar uma mulher de “vaca” da janela do prédio
O panelaço da barriga cheia e do ódio da elite branca
Paulo Moreira Leite: Panelaço virou panelinha
A revolta da varanda: Onde estavam os paneleiros antes?
Só pra quem tem estômago forte: Ecos das manifestações de 15 de março
Brasil surreal: O corrupto Agripino foi protestar por um Brasil melhor e sem corrupção
Por que a presidenta é execrada e os governadores são poupados?
O que está por trás da contagem de pessoas nos protestos?
Afinal, do que se trata? Simples: destituir Dilma e liquidar o PT.
Manifestações da middle class: Polifonia e ódio de classes dos “filhos da mídia”
“Nunca subestimem o ódio, o medo e a ignorância.”
Ricardo Melo: Dilma, a hora é agora
Os coxinhas, Paulo Freire e a ONU
Suiçalão: Lista do HSBC inclui artistas, cineastas e escritores do Brasil
Os reais motivos do inconformismo da elite reacionária
Propaganda: Reaça, a cerveja do coxinha homofóbico e reacionário
Suiçalão: Aécio lidera doações de donos de contas secretas do HSBC
Comportamento de coxinhas paulistanos é tema de análise sociológica
Manual de Ouro do Manifestante Idiota
Dicas para não pagar mico em tempo de manifestações
A revolução dos coxinhas e seus estranhos amigos
O futuro dos coxinhas do Leblon e dos Jardins
Neofascismo coxinha tenta virar ideologia
Mentira do Revoltados On-line: Viúva de Che Guevara recebe aposentadoria no Brasil há 10 anos
Golpe: Deputado denuncia o grupo fascista Revoltados Online
Revoltados Online: Hélio Bicudo se junta à extrema-direita
Saiba quem são os nazifascistas do grupo Revoltados Online
Ao calar Faustão, Marieta Severo deve ser a próxima global a receber ameaça de morte
Quanto tempo até que um crime de ódio como o da Carolina do Sul ocorra no Brasil?
Kim Kataguiri, o “defensor da democracia”, quer uma arma
Por que o assassinato de 9 negros não é considerado um ato de terrorismo?
O ódio continua: Petista Maria do Rosário foi ameaçada de morte em shopping
Neodilmismo: A súbita conversão de Jô Soares
O tamanho do ódio por Lula, Dilma e PT
Os “defensores da liberdade de expressão” atacam novamente
Os 30 anos de ódio ao MST nas páginas de Veja
Joaquim Barbosa é o grande expoente do ódio
Vinda de médicos cubanos reforça ódio ideológico ao PT
A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

2 Respostas to “Golpistas usam mentiras na rede para inflar protesto anti-Dilma”

  1. pintobasto Says:

    A turma dos burraldões não come alfafa, muito menos sardinha frita, dizem ser coisa de pobre, de fato é coisa de pobre. Comem o comercial do boteco mais próximo e depois arrotam a lagosta e caviar. São os burrldões da mamãe que tem imensa vergonha de ter parido estas aberrações que não gostam de trabalhar, queimam uns baseados muito falsificados e entram em toda a onda financiada por espertalhões que vivem de arranjar confusões. No meio da confusão é mais fácil roubar! Os espertalhões roubam enquanto os burraldões dão coices na multidão.

  2. Dayse Silva Says:

    Independência de pensamento e capacidade de percepção própria e sistêmica de questões político-sociais por exemplo, fazem parte de um tipo de inteligência, que, infelizmente, nem todos têm.
    Daí, por que alguns poucos conseguem, com sucesso, manipular grande número de pessoas, em defesa de seus próprios interesses.
    Foi assim que Hitler e o seu grupo nazista levou o mundo a guerra mundial e a toda sorte de sandices contra os judeus, negros, ciganos, homossexuais, sobretudo.
    Precisamos pensar e refletir com a nossa própria inteligência e não nos deixarmos manipular por interesses, que, de fato, não são nossos.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: