Prefeitura de São Paulo fecha 2014 com investimento recorde, apesar de déficit

Fernando_Haddad31

Haddad comemorou revisão da dívida, que só terá impacto ano que vem. “Vai ter muita sorte quem ganhar a eleição.”

Decisão judicial do IPTU, contingenciamento do PAC e redução de repasses do ICMS derrubam receita em 18% em relação à previsão e leva a déficit de R$2,1 bilhões. Tribunal aprova contas da administração.

Rodrigo Gomes, via RBA em 31/7/2015

A prefeitura da capital paulista teve déficit orçamentário de R$2,1 bilhões em 2014, segundo relatório do Tribunal de Contas do Município (TCM) de São Paulo. Os conselheiros aprovaram as contas do prefeito Fernando Haddad (PT), por unanimidade, e atribuíram o resultado a três fatores: erro na previsão de arrecadação de impostos; redução do repasse de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelo governo estadual; e redução do repasse de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras na cidade. Apesar disso, a gestão Haddad conseguiu investir R$4,2 bilhões, maior patamar em 15 anos.

Investimentos são as despesas em infraestrutura destinadas a melhoria dos equipamentos e dos serviços. O orçamento previa receita de R$47,4 bilhões, mas a arrecadação chegou somente a R$38,4 bilhões, uma diferença de R$9 bilhões (18,2% a menos). “Esse erro de previsão foi o maior verificado nos últimos exercícios e calcou-se em expectativas superotimistas quanto ao recebimento de receitas de capital, em especial às provenientes de transferências do governo federal, que acabaram não se concretizando”, disse o conselheiro corregedor do TCM, Domingos Dissei.

Uma parte dessa diferença deveu-se à decisão judicial que impediu o reajuste do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) na capital paulista, o que reduziu a arrecadação em cerca de R$800 milhões. A perda equivale a 10,9% do total de arrecadação esperada por meio desse tributo. Com a regularização da situação, o problema deve ser corrigido este ano.

Outra parte deveu-se à redução de 2% na cota-parte do ICMS – valor repassado pelo governo estadual aos municípios. O percentual equivale a uma redução de R$141,6 milhões.

A parte mais significativa do déficit deu-se por conta da redução no repasse das verbas do PAC, que haviam sido prometidas em 2013. Do pacote de R$8,1 bilhões, que incluía obras como corredores de ônibus, creches, viárias, entre outras, a prefeitura recebeu somente R$418 milhões.

A soma desses três itens corresponde a R$8,6 bilhões que não entraram nos cofres municipais. Outras previsões não efetivadas somam R$400 milhões.

Ocorreu também uma queda na média de aumento das receitas municipais. Até 2013, as receitas totais aumentaram, em média 10,2% ao ano, mas em 2014 o aumento foi de 7,2%. Ao mesmo tempo, as despesas cresceram 11,5%, em 2014, indo a R$40,6 bilhões.

Com toda essa situação, o Tesouro Municipal chegou ao seu primeiro déficit em cinco anos, ficando negativo em R$1,8 bilhão. O caixa apresentava queda nos anos anteriores: Em 2010, havia R$1,7 bilhão; em 2011, R$1,1 bi; em 2012, R$800 milhões bi; e em 2013, R$600 milhões.

A prefeitura explicou, porém, que “não existe qualquer tipo de ‘rombo’ nas finanças do município”. “Nesta gestão, a cidade teve suas finanças estruturalmente saneadas, com destaque para os cortes de gastos e renegociação da dívida, o que propiciará a ampliação do patamar de investimentos na cidade por décadas”, diz nota publicada no portal da prefeitura. “Se a prefeitura pagasse todos os compromissos assumidos no curto prazo, ainda assim ficaria com R$1,6 bilhão para suportar novas despesas”, diz a nota.

“Vai ter muita sorte quem ganhar a eleição do ano que vem, porque vai encontrar uma situação muito diferente do que eu encontrei”, disse recentemente Fernando Haddad a jornalistas. Segundo ele, a renegociação da dívida foi “espetacular”.

O acordo da dívida da cidade de São Paulo foi firmado em 2000, entre a administração Celso Pitta e o governo FHC. Previa correção pelo IGP-DI mais 6% a 9% ao ano. O montante estava na ocasião em R$11 bilhões. De lá para cá foram pagos mais de R$25 bilhões e a cidade ainda deve R$62 bilhões. Com o acordo que muda o indexador para o IPCA mais 4% ao ano, esse volume tem uma redução de 42%.

“Uma coisa é você pedir a troca do indexador; outra é, praticamente sozinho, fazer o Congresso aprovar o recalculo da dívida a partir da assinatura do contrato. Só aí são R$26 bilhões. Se eu não tivesse feito nada, apenas isso, teria sido a melhor coisa nos últimos 20 anos da cidade”, avaliou o prefeito.

O TCM estabeleceu cinco recomendações para a prefeitura, com vista a melhorar as contas em 2015. Entre elas, que fortaleça com mão de obra e recursos as áreas de fiscalização e monitoramento dos gastos; que melhore o planejamento relacionado à estimativa de receita e de gastos anuais; e que promova a atualização dos dados sobre o déficit habitacional na capital paulista.

Metas
Os problemas orçamentários impactaram diretamente a cumprimento das metas de 2014 pela prefeitura. A pior situação ficou na área de habitação, onde 56,9% das metas para o ano não foram cumpridas. Os conselheiros destacaram, no entanto, que grande parte destas obras dependia de recursos federais. No setor de saneamento básico, 47,1% das metas não foram cumpridas.

E no setor de transportes, 28,6% das obras não foram realizadas. Essas correspondem aos corredores de ônibus, também dependentes de recursos do PAC. A prefeitura planejava entregar 150 quilômetros de corredores até 2016, mas até agora só conseguiu iniciar as obras de 33 quilômetros.

O déficit não afetou o cumprimento do empenho orçamentário constitucional em saúde e educação. Foram aplicados 31% do orçamento em educação – 6% acima do mínimo exigido pela Constituição Federal – e 18,42% em saúde pública, também acima do exigido em lei, que é de 15%. No caso da educação, a gestão Haddad aplicou 99% dos recursos destinados ao setor, entre manutenção e investimentos.

Leia também:
Pesquisa faz uma radiografia sociopolítica do paulistano
O fim da gestão Haddad
Londres reduz limites para 32km/h em 25% das vias e mortes caem
Haddad: “Quem não tem projeto usa a irracionalidade para interditar o debate.”
Limites de velocidade nas ruas: Falácias, mitos e verdades
Folha mente: Fernando Haddad desmascara matéria mentirosa
Gestão Fernando Haddad fará em 4 anos o que o PSDB não fez em 20
Fernando Haddad: “O monotrilho de Alckmin custou R$6 bilhões e está há um ano em testes.”
A histeria patética em torno da redução da velocidade nas marginais de São Paulo
Depois de ontem, São Paulo não será mais a mesma
Ciclovia da Avenida Paulista é inaugurada
Depoimento de quem foi na inauguração da ciclovia da Avenida Paulista
Entrevista: Haddad expõe sua ousadia e as limitações que o cargo lhe impõe
Ciclovias de Haddad são premiadas nos Estados Unidos
Não vai dar na Globo: Domingo, dia 28 de junho, será inaugurada a ciclovia da Avenida Paulista
“São Paulo tem hoje o prefeito que deveria ter tido há mais de uma década”, diz urbanista
Haddad ironiza crítica de “coxinha” às ciclovias
Prefeito Fernando Haddad e a virtude de governar sem mídia
Programa Braços Abertos: “Antes dele, 9 em cada 10 viciados desistiam.”
Fernando Haddad aperta o cerco à corrupção e ao enriquecimento ilícito
Fernando Haddad: “A cidade de São Paulo é um desafio para qualquer político.”
Crack, Fernando Haddad e o jornalismo da Folha de S.Paulo
O dia em que Haddad deu uma aula para Sheherazade e Marco Antonio Villa
Enquanto Alckmin some, Haddad faz o trabalho do governador
Fernando Haddad: “Não aumentar a tarifa de ônibus seria demagogia, puro eleitoralismo.”
Fernando Haddad fala sobre Marta, Chalita, a lógica do MPL e o “caipirismo” do PSDB
O plano para as finanças da cidade de São Paulo
Não é pelos cinquenta centavos: Haddad desmonta manifestação do Passe Livre
Em 2015, Fernando Haddad voltará a dar aulas na USP
Fernando Haddad eleva piso e abre 3,5 mil vagas de professor
2016 já começou em São Paulo e Haddad é o alvo
Haddad: “PT está muito mais maduro do que em 2003.”
Secretário de Educação de Haddad desmonta factoide da Folha
Fernando Haddad e a derrota do cinismo
O que não se fala sobre o IPTU da cidade de São Paulo
A lógica inatacável do aumento do IPTU em São Paulo
O falso escarcéu sobre IPTU
Haddad diz que não vai tolerar “terrorismo do monopólio da comunicação”
Prefeitura de São Paulo isenta 3,1 milhões de famílias de pagamento do IPTU
Fernando Haddad pode alçar voos mais altos
Em rede social, Fernando Haddad critica policiamento na Cracolândia
Fernando Haddad quer aumentar o salário de médicos e ampliar fiscalização das OSSs
Como Fernando Haddad venceu a corrupção que outros não combateram em São Paulo?
Para professor da USP, gestão de Fernando Haddad pode virar marco em São Paulo
Em ato histórico, prefeito Haddad prioriza minorias no Programa Minha Casa, Minha Vida
Haddad assina decreto para notificar imóveis que não cumprem função social
Entrevista: Haddad, ano 2
Bob Fernandes: Descoberto outro propinoduto da máfia dos fiscais de São Paulo
MP investiga gestões de Serra e Kassab por desvio de R410 bilhões do IPTU
Fernando Haddad: “A elite de São Paulo é míope e pobre de espírito.”
Entrevista com Fernando Haddad: “A Prefeitura estava tomada por corrupção.”
MP abre inquérito civil contra Kassab por receber fortuna da Controlar
Kassab recebeu uma “verdadeira fortuna” da Controlar, diz testemunha da máfia do ISS
Máfia demotucana: A lista dos corruptores do ISS
Máfia demotucana: Planilha aponta que 410 empreendimentos pagaram propina a fiscais
Receita do município de São Paulo sobre R$30 milhões com o fim da máfia dos fiscais
Fernando Haddad: “A máfia não seria descoberta sem a ajuda de Donato.”
Antônio Lassance: Arroubo tucano é pânico
Máfia demotucana: Investigação de propina em São Paulo avança sobre a gestão Serra
Máfia demotucana: Haddad desmente Folha sobre repasse de informações à Polícia Civil
Paulo Moreira Leite: Cardoso, Donato e a fábula da classe dominante
A máfia dos fiscais quer pegar Haddad
Máfia demotucana: Secretário ligado a José Serra será convocado a depor em São Paulo
“Não como recuar, e não haverá recuo”, avisa prefeito Haddad
Máfia demotucana: Como a mídia protege Serra e Kassab
Máfia demotucana: Quadrilha zerou ISS de 107 prédios em São Paulo
Máfia demotucana: Situação era de degradação, diz Haddad sobre a quadrilha do ISS
MP/SP mira Kassab para livrar José Serra
Máfia demotucana: A dama do achaque abre o jogo
Máfia demotucana: “Arquiva”, manda Kassab
Máfia demotucana: A Folha se considera um papel pendurado na banca
Máfia demotucana: Líder da quadrilha diz que Kassab sabia do esquema e esperava que ele “ganhasse a eleição”
“O implacável braço direito de Serra” e o caso de corrupção em São Paulo
Seus problemas acabaram: Filie-se ao PSDB
Braço direito de José Serra mandou arquivar denúncias de pagamento de propina para construtoras
Prefeito Haddad e a lição de ética
Após investigações, Haddad manda prender ex-funcionários da gestão Kassab/Serra
mais envolvidos no esquema de corrupção do governo Kassab/Serra, diz Haddad
depois da posse de Haddad, a Veja percebeu que a cidade de São Paulo está um lixo
Para atacar Haddad, “Estadão” usa foto da guerra do Congo para ilustrar matéria
Desespero: Cabo eleitoral de Serra, Soninha xinga Haddad de “filho da p…” e diz que odeia o povo

2 Respostas to “Prefeitura de São Paulo fecha 2014 com investimento recorde, apesar de déficit”

  1. Rita Says:

    Um aparte: grande parte dos paulistanos. Não quero generalizar.

  2. Rita Says:

    Só não vê quem não quer, ou seja, os paulistanos. Triste.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: