A escalada do ódio

Coxinhas_BandeiraPT02

Os coxinhas têm hábitos alimentares estranhos.

Há uma escalada perigosa e potencialmente explosiva do ódio e da intolerância. E a responsabilidade é daqueles que instigam práticas fascistas.

Jeferson Miola, via Carta Maior em 9/8/2015

Um comportamento antidemocrático, banalmente repercutido, se naturaliza no noticiário como uma característica original da sociedade brasileira. São cada vez mais comuns atitudes intolerantes e odiosas que soterram a convivência democrática baseada na pluralidade e no respeito.

O terrível, nisso tudo, é que essas disfunções totalitárias, que atentam contra a democracia e a Constituição, não são combatidas pela mídia e pelas instituições que deveriam zelar pela proteção da ordem política e jurídica e do regime democrático: o MP, a PF, o Congresso, o Judiciário.

Na Esplanada dos Ministérios, a menos de 500m distante do STF e do Congresso, e a não mais que 1.000 metros da sede do MP e da PF, bem à vista de tais instituições e autoridades, há meses estão instalados outdoors e painéis pedindo intervenção militar.

A noção de estar acima da lei – ou “fora da lei” – é uma crença que encontra guarida, por exemplo, na seletividade com que a corrupção é investigada e noticiada: escândalos de corrupção dos tucanos não são tratados com fervor ético e republicano pelos juízes, procuradores e delegados que partidarizam as instituições e selecionam somente a corrupção que interessa combater. Os tucanos corruptos, envolvidos em múltiplos escândalos, estão soltos, não são investigados e nem por milagre serão julgados.

A anomalia comportamental segue sem freios, e assim vai impregnando o sistema jurídico e político com lógicas discriminatórias e totalitárias. O cotidiano do país está ameaçado por essas práticas sinistras. Virou moda, por exemplo, insultar e constranger petistas e autoridades do governo em restaurantes, locais públicos, aviões, e, pasme-se, também em hospitais!

Nas escolas, as crianças são adestradas a praticar bullying com colegas cujos pais são “diferentes”. Nas Universidades, pobres e cotistas são discriminados porque, afinal, deveriam repetir a sina dos seus familiares ascendentes, e passar a vida sem diploma universitário.

No jornal O Globo, Merval Pereira responsabiliza o PT por crimes que, se cometidos, autorizariam o banimento legal do Partido. O ventríloquo do FHC se sente acima da lei e dispensado de apresentar provas que embasem as agressões escritas: se escora na imunidade do jornalismo para praticar a delinquência.

Durante a veiculação dos programas do PT na tevê, os conservadores descontentes agora promovem sempre panelaços, apitaços e foguetórios, numa prova de intolerância e de indisposição à escuta e ao diálogo.

Os deputados e senadores do PSDB, liderados por Aécio Neves – que tem no golpista venezuelano Leopoldo López seu líder inspirador – defendem a proposta sabidamente golpista de convocação de novas eleições. Em outras frentes, a direita convoca atos pelo impeachment da Dilma. Não existem bases legais que amparem estas propostas, mas unicamente o desejo de “acabar” com o governo do PT – pela simples razão de, até hoje, não se conformarem e não aceitarem a derrota na eleição de outubro de 2014.

Esses são momentos sombrios, da ofensiva conservadora obcecada em destruir o PT e a esquerda, mesmo que o efeito colateral disso seja a destruição da democracia e da institucionalidade brasileira.

Há uma escalada perigosa e potencialmente explosiva do preconceito, do ódio e da intolerância. A responsabilidade por essa escalada é daqueles setores que promovem e instigam práticas fascistas, assim como das instituições que silenciam e se acovardam diante delas.

Com o atentado perpetrado contra a sede do Instituto Lula, o ódio e a intolerância subiram na escala do terrorismo fascista. O episódio recebeu, porém, uma cobertura pífia no noticiário, apesar de ser um atentado terrorista não só contra um ex-presidente da República, mas contra a democracia brasileira e suas instituições.

A violência mudou de patamar: os vândalos da direita não se contentam com xingamentos e escaramuças; inconformados, esses agressores decidiram empregar bombas e promover atentados terroristas.

A escalada do ódio e da intolerância resultou nas vivências mais trágicas da humanidade, o nazismo e o fascismo. O mundo só se apercebeu da monstruosidade dessas vertentes ideológicas da direita quando conheceu Auschwitz e os outros macabros campos de concentração. Era tarde: naquele momento, milhões de seres humanos pagaram o preço da escalada do totalitarismo com as próprias vidas.

Leia também:
Paulo Teixeira: Solidariedade aos haitianos
E não é que o bandido que humilhou o haitiano era mesmo bandido?
Quem está celebrando o ataque brutal contra os seis haitianos?
Ódio: Atriz transexual que se “crucificou” em parada LGBT é esfaqueada
Flávio Aguiar: No Brasil, o buraco é mais em cima
PSTU bate panela junto com a pequena burguesia fascista
Guilherme Boulos: A política vai às ruas
E aí ministro Cardozo? Nos EUA, homem é detido por ameaçar Obama no Facebook
Só os diferenciados: Bairros da periferia de São Paulo não aderem a panelaço contra PT
Aos paneleiros: Programa do PT de quinta-feira, dia 6 de agosto
Os 11 princípios de Joseph Goebbels, o ministro da propaganda nazista
O fascismo não virá, ele já está
Não chame um nazista de nazista: A reação da extrema-direita a uma nota de jornal
Vídeo: Festival Internacional do Coxinha (Fico)
Documentário: O Negócio da Revolução
Luis Fernando Verissimo: Quando vamos acordar para a barbárie golpista que ameaça o Brasil?
Ódio: A dignidade feminina é atacada nas redes sociais
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Um grupo de criminosos, chefiado por um advogado, pede a morte de Lula no Facebook
Um texto para quem respeita o Direito no Brasil
Vídeo: Não somos nazistas!
Os extremistas “descobriram” quem orquestrou os ataques a Maju Coutinho: seu marido
Ação de fascista contra Dilma nos EUA foi montagem?
A influência de Danilo Gentili no caso de racismo contra Maju Coutinho
500 anos de perversidade geraram o povo mais ignorante do mundo
Três respostas sobre a direita brasileira
A moça do tempo, o racismo e o ódio nas redes sociais
A direita abraça as redes sociais
Verônica Serra, Mercado Livre e a punição para quem fez adesivo misógino contra Dilma
Como alguém pode fazer um adesivo tão ofensivo contra Dilma e não ir pra cadeia?
Luis Fernando Verissimo: O ódio está no DNA da classe dominante
Leandro Fortes: “O discurso do ódio foi construído pela mídia e pela oposição que ela tenta colocar no poder.”
Mico ou sinal dos tempos?: Jornazista, ameaçada por Chaves (o Chapolim, não o Hugo), vira madrinha do pelotão
Conservadores dos EUA financiam a nova direita latino-americana
“O pior analfabeto é o analfabeto político”: A atualidade de Bertold Brecht
Kim Kataguiri, o “defensor da democracia”, quer uma arma
Mauro Santayana: Os pilares da estupidez
Os “defensores da liberdade de expressão” atacam novamente
No Brasil, há um surto de hipocrisia
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
A “imparcialidade” do procurador do TCU que pediu a rejeição das contas de Dilma
Descolados e coxinhas 2.0 gourmetizam festas juninas
Líder do Revoltados Online quer “pegar Lula” na Bahia
Marcelo Rubens Paiva: O movimento coxinha micou
Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo
E não é que o bandido que humilhou o haitiano era mesmo bandido?
Guilherme Boulos: A direita e a falácia do caviar
Marcha pela “paz”, alma de Herodes
Racismo: A cria do ovo da serpente
A mão que ajuda o facismo
Leandro Fortes: A balada de Kim Kataguiri
Bandidos da facção Revoltados Online atacam com deputados petistas na Câmara
Kim, você é contra o Estado, mas ainda bem que o Samu te socorreu, né?
Marcha dos coxinhas: O mico da “coluna Aécio”
A cultura do ódio na internet e fora dela
Na marcha dos coxinhas a Brasília, quem andam são os carros e o ônibus de apoio
Parecer entregue por Reale Jr. a Aécio descarta impeachment de Dilma
Vai vendo o nível: Musa do impeachment serve champanhe e caviar ao próprio cachorro
Quem inspira os jovens conservadores que protestam contra Dilma e a esquerda?
Pesquisa confirma: Quem foi às ruas não foi “o povo”, mas leitores reaças da Veja
Vitória (ES): Líder do “Vem Pra Rua” batia o ponto na Câmara e ia para casa
Apoiadores de Dilma emplacam hashtag #AceitaDilmaVez entre mais usadas do mundo
O fracasso dos protestos encerra, enfim, o terceiro turno
Protestos de 12 de abril: Esvaziamento de público e de pautas
Paneleiro contra a corrupção vende pontos da CNH
Lula deu uma surra no panelaço
Tremei, paneleiros. Lula está de volta às ruas!
A neodireita preconceituosa e as eleições
Nasce uma nova classe: A lumpemburguesia!
Vitória (ES): Líder do “Vem Pra Rua” batia o ponto na Câmara e ia para casa
É preciso “coragem” para chamar uma mulher de “vaca” da janela do prédio
O panelaço da barriga cheia e do ódio da elite branca
Paulo Moreira Leite: Panelaço virou panelinha
A revolta da varanda: Onde estavam os paneleiros antes?
Só pra quem tem estômago forte: Ecos das manifestações de 15 de março
Brasil surreal: O corrupto Agripino foi protestar por um Brasil melhor e sem corrupção
Por que a presidenta é execrada e os governadores são poupados?
O que está por trás da contagem de pessoas nos protestos?
Afinal, do que se trata? Simples: destituir Dilma e liquidar o PT.
Manifestações da middle class: Polifonia e ódio de classes dos “filhos da mídia”
“Nunca subestimem o ódio, o medo e a ignorância.”
Ricardo Melo: Dilma, a hora é agora
Os coxinhas, Paulo Freire e a ONU
Suiçalão: Lista do HSBC inclui artistas, cineastas e escritores do Brasil
Os reais motivos do inconformismo da elite reacionária
Propaganda: Reaça, a cerveja do coxinha homofóbico e reacionário
Suiçalão: Aécio lidera doações de donos de contas secretas do HSBC
Comportamento de coxinhas paulistanos é tema de análise sociológica
Manual de Ouro do Manifestante Idiota
Dicas para não pagar mico em tempo de manifestações
A revolução dos coxinhas e seus estranhos amigos
O futuro dos coxinhas do Leblon e dos Jardins
Neofascismo coxinha tenta virar ideologia
Mentira do Revoltados On-line: Viúva de Che Guevara recebe aposentadoria no Brasil há 10 anos
Golpe: Deputado denuncia o grupo fascista Revoltados Online
Revoltados Online: Hélio Bicudo se junta à extrema-direita
Saiba quem são os nazifascistas do grupo Revoltados Online
Ao calar Faustão, Marieta Severo deve ser a próxima global a receber ameaça de morte
Quanto tempo até que um crime de ódio como o da Carolina do Sul ocorra no Brasil?
Kim Kataguiri, o “defensor da democracia”, quer uma arma
Por que o assassinato de 9 negros não é considerado um ato de terrorismo?
O ódio continua: Petista Maria do Rosário foi ameaçada de morte em shopping
Neodilmismo: A súbita conversão de Jô Soares
O tamanho do ódio por Lula, Dilma e PT
Os “defensores da liberdade de expressão” atacam novamente
Os 30 anos de ódio ao MST nas páginas de Veja
Joaquim Barbosa é o grande expoente do ódio
Vinda de médicos cubanos reforça ódio ideológico ao PT
A Petrobras é o alvo do ódio, mas fingem que a defendem

2 Respostas to “A escalada do ódio”

  1. pintobasto Says:

    Rogério Guimarães, disse tudo quando se referiu aos vandalos da razão alheia! Quantas vezes você ou mesmo eu, procuramos tratar dum assunto com bom senso e somos questionados ironicamente ou mesmo destratados? E na vida diária, as pessoas mais informadas e inteletualizadas evitam abordar assuntos que envolvem casos políticos atuais com receio de criar atritos com pessoas de suas relações que se manifestam como retransmissores das opiniões de comentaristas que venderam a razão.

  2. Rogério Guimarães Oliveira Says:

    O que se percebe nitidamente é que as pessoas ponderadas e de maior capacidade intelectual e cultural, de diferentes inclinações políticas e ideológicas, gente que é referência em seus grupos e que poderia contribuir para qualificar e desbastar o debate político da sociedade, estão se afastando cada vez mais dos foruns políticos em seus grupos sociais, profissionais e familiares. A dialética política entre os diferentes grupos sociais está cada vez mais rala e restrita às redes sociais, sendo protagonizada por pessoas e setores políticos mais radicais. Há aqueles que atuam cada vez mais como “vândalos da razão alheia”. Setores de ultra-direita estão hoje atuando, cada vez mais, como verdadeiras células terroristas, materializando as posturas e as linguagens que são forjadas nas redes sociais que pregam o culto ao ódio e à intolerância, em oposição à racionalidade de qualquer argumento que lhes seja contrário. O diálogo político está se estreitando e sendo, aos poucos, substituído por uma estética de violência política, algo que subentende uma forma de impaciência para a análise de atitudes ou argumentos racionais, por isso não os tolerando. A bomba lançada contra a sede do Instituto Lula, neste contexto, não foi mais sintomática deste grave fenômeno do que o silêncio sobre a própria bomba já detonada, que se viu depois, de parte de quem deveria condenar e apurar as responsabilidades. Afinal, este ato, em essência, foi um nítido atentado político terrorista cometido em solo brasileiro em tempos de democracia, o primeiro cometido desde o fim da ditadura. A Polícia Federal deveria estar investigando os autores deste grave crime contra nossa Democracia. Tal silêncio institucional e da própria mídia sobre o grave e preocupante acontecimento ainda mais grave do que a própria bomba lançada, pois vem legitimar esta nova forma primária de exercício da política pela manipulação coletiva do medo. De fato, percorre-se hoje um caminho que lembra as ocorrências sociais da época do surgimento do nazismo e do fascismo na Europa.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: