Pesquisa faz uma radiografia sociopolítica do paulistano

Sao_Paulo_Sociopolitica

Pesquisa revela metrópole complexa: libertária diante de casamento gay, legalização da maconha ou famílias heterodoxas; porém, individualista e rendida ao mito da meritocracia.

Anna Beatriz Anjos, via Revista Fórum em 1º/8/2015

A imagem do paulistano conservador, contrário a qualquer mudança, por mínima que seja, no status quo da cidade, defensor dos valores da família heteronormativa e admirador de máximas como “bandido bom é bandido morto” ganhou o imaginário coletivo. Isso ficou mais evidente durante os últimos anos, quando o prefeito Fernando Haddad (PT) tentou empreender algumas transformações na dinâmica da capital – com a implementação dos corredores exclusivos para ônibus e ciclovias, por exemplo – e encontrou enorme resistência de alguns setores da população que, respaldados por manchetes dos veículos de comunicação tradicionais, engrossaram o coro contra o mandatário.

Mas pode-se dizer, de fato, que o reacionarismo é um traço preponderante da sociedade paulistana? Foi essa pergunta que motivou a pesquisa “Conservadorismo e Progressismo na Cidade de São Paulo”, desenvolvida pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp/SP) e que será lançada em agosto. Realizado em todas as regiões da cidade durante oito dias na segunda quinzena de junho, o estudo, que levou em conta os depoimentos de 1.288 entrevistados, tem 95% de confiança e margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos.

“O que motivou [a realização da pesquisa] foi a constatação de que, desde junho de 2013, por conta das manifestações, passando pelo processo eleitoral, sobretudo no segundo turno, e culminando nos protestos de 2015, temos um clima de polarização política muito intensa no país e um reflexo disso muito forte na cidade [de São Paulo], que acabou aparecendo como uma espécie de epicentro dessa polarização”, explica o economista William Nozaki, coordenador do levantamento, para quem o objetivo da iniciativa era tirar uma radiografia sociopolítica do paulistano. “A pergunta inicial que fizemos foi: será que vivemos um momento de surgimento de um novo conservadorismo ou será que é um período de explicitação de um velho conservadorismo já entranhado na sociedade brasileira e em São Paulo?”.

Ciclovias_Paulista02

Ciclovia da Av. Paulista: Ruído das elites contra ações inovadoras não reflete opinião majoritária na cidade.

O questionário apresentado às pessoas ouvidas continha mais de 60 perguntas, elaboradas conforme quatro grandes eixos: visão de mundo e estilo de vida, relação com as diferenças e com o outro, construção de direitos e privilégios e avaliação de políticas públicas. Segundo Nozaki, a formulação das questões considerou principalmente assuntos polêmicos ou fortemente influenciados pelo senso comum.

Uma das respostas que a equipe responsável pela pesquisa já chegou, embora algumas informações obtidas ainda estejam sendo interpretadas, é que não se pode afirmar que o cidadão que habita a maior metrópole do Brasil é conservador em relação a todos os temas – ou então que a totalidade deles o é. “Para algumas questões, o paulistano é menos conservador do que achamos que ele é”, pontua o economista. “Há um conjunto de opiniões mais progressistas no que diz respeito às liberdades individuais e aos direitos civis e um grau de conservadorismo muito extremo quando partimos para a análise das políticas que tratam de igualdade de oportunidades sociais.”

Números ilustram a situação descrita pelo pesquisador. Em tópicos relacionados às liberdades do indivíduo, o paulistano se mostra mais propenso à aceitação de ideias liberais. Exemplos: 70% dos entrevistados concordam com o casamento entre pessoas do mesmo sexo; 54% assimilam outras configurações de família que não a chamada “tradicional”; 80% sinalizam respeito às diferentes expressões religiosas, 92% acham que os salários pagos a homens e mulheres devem ser equivalentes e 52% são favoráveis à legalização da maconha – uma pequena maioria, mas que não deixa de ser expressiva. Em contrapartida, 62,3% apoiam a redução da maioridade penal, 61,4% são a favor do uso do exército no combate à criminalidade e 42% afirmam que os Direitos Humanos têm como objetivo a defesa de bandidos.

Onibus20_Tarifa_Zero

O levantamento da Fesp/SP foi desenvolvido a partir da constatação que, desde junho de 2013, uma intensa polarização política vem se instalando no Brasil – e São Paulo parece ser o epicentro desse processo.

Na análise do sociólogo Rodrigo Estramanho de Almeida, também pesquisador e professor da Fesp/SP, a individualidade detectada pelo estudo é, de certa forma, normal às grandes metrópoles. “Não é difícil pensar que em uma cidade onde convivem tantas diferenças e desigualdades a opinião em algum momento aclive para questões mais individuais. Aliás, a questão do individualismo em grandes cidades não é exclusiva a São Paulo; individualismo e grandes cidades são termos que se combinam”, considera. “Sem contar que a dinâmica das atitudes e dos comportamentos das grandes cidades está em constante mudança, então provavelmente um estudo como esse realizado daqui a um ano pode revelar um aspecto diferente desse que aí está. É uma foto do momento.”

De acordo com Nozaki, os dados mostram, ainda, que nas periferias o progressivismo em relação a direitos civis é maior na comparação às regiões centrais. “Há uma aceitação das liberdades individuais maior do que a gente imagina nas camadas de menor renda da população. Isso provavelmente tem a ver com o fato de que a população da periferia tem que lidar com diversas estratégias de sobrevivência e articulação com a comunidade e vizinhança, com o Estado e com a igreja para poder organizar sua trajetória de vida. Não há uma narrativa progressista ou conservadora sólida, coerente e engessada”, argumenta.

O cenário descrito indica um caldo complexo de opiniões e ideias que nem sempre permite estabelecer relação simples e direta entre maneiras de pensar e posicionamento no espectro político. “A gente não consegue fazer uma associação direta entre ser conservador e ser de direita e ser progressista e ser de esquerda. Há um conservadorismo popular, assim como há um progressismo em parcela da elite. A nossa pesquisa foi sobre cultura política, não sobre comportamento ideológico propriamente, mas mostra que essas coisas não podem ser tratadas como sinônimos sem maiores qualificações. É um cenário mais complexo, que precisa ser olhado com mais minúcia”, esclarece o pesquisador.

Meritocracia e ascensão social
O levantamento realizado pela Fesp/SP revela também que há, difundido na sociedade paulistana, independente de renda, um desejo de ascensão social por meio de mérito. Mais uma vez, é possível comprovar com dados o apontamento: mais da metade das pessoas ouvidas, 52%, disseram que a política de cotas raciais nas universidades reforça a discriminação. Quando o assunto são programas de ajuda do Estado, o cenário é igual: 53% entendem que o Bolsa Família estimula que pessoas de baixa renda tenham mais filhos, e 60,5% acreditam que ele deixa os beneficiados mais preguiçosos.

Segundo a pesquisa, a crença de que o esforço individual é suficiente para se alcançar sucesso profissional e financeiro se acentua à medida em que cresce a renda. “Nas camadas médias, o nível de conservadorismo vai ficando maior. O discurso fica mais racionalizado, mais coerente, de defesa do indivíduo e do mercado e de crítica ao Estado e às relações comunitárias”, expõe William Nozaki. Os resultados que abrangem os recortes de classe estão sendo consolidados pela equipe da Fesp/SP.

Maconha02_Marcha_SP

A pesquisa aponta que 52% dos entrevistados são a favor da legalização da maconha.

O economista sublinha que, nas parcelas menos favorecidas economicamente da população paulistana, ainda está presente a ideia de que o Estado é necessário na garantia de alguns direitos. “Há uma espécie de liberalismo ‘à paulista’: o desejo de ascensão social pelo mérito, por meio dos mecanismos formais de educação e trabalho, que anda acompanhado, sobretudo entre as camadas populares, de uma demanda pela presença do Estado”, afirma. “Isso reflete um pouco da nossa trajetória histórica. Assim como no século 19 a gente teve um liberalismo que andava de mãos dadas com a escravidão, no século 21 temos uma meritocracia que anda junto com uma demanda por serviços estatais.”

O estudo chegou a outra informação que deve ser destacada, relacionada à percepção dos paulistanos sobre o regime político vigente no Brasil: 30% dos entrevistados declararam que, dependendo da conjuntura, a ditadura é preferível à democracia. “Não é maioria, mas é um número expressivo: um terço praticamente da população. Isso mostra que, ainda que a democracia esteja consolidada do ponto de vista institucional, do ponto de vista da cultura política ela não é um valor enraizado em toda a população”, observa Nozaki.

A ideia dos pesquisadores é que, depois de lançado, o levantamento não se difunda apenas no meio acadêmico, mas seja examinado inclusive por autoridades. “Ele pode servir, de fato, para o gestor público pensar maneiras de agir, caminhos, e de alguma maneira tentar compreender como pensa o paulistano. Não se pode tomar decisões somente a partir desses dados, mas eles podem ajudar a pensar modos de agir. Há um caldo importante de informações [na pesquisa]”, coloca Rodrigo Estramanho de Almeida.

Leia também:
O fim da gestão Haddad
Londres reduz limites para 32km/h em 25% das vias e mortes caem
Haddad: “Quem não tem projeto usa a irracionalidade para interditar o debate.”
Limites de velocidade nas ruas: Falácias, mitos e verdades
Folha mente: Fernando Haddad desmascara matéria mentirosa
Gestão Fernando Haddad fará em 4 anos o que o PSDB não fez em 20
Fernando Haddad: “O monotrilho de Alckmin custou R$6 bilhões e está há um ano em testes.”
A histeria patética em torno da redução da velocidade nas marginais de São Paulo
Depois de ontem, São Paulo não será mais a mesma
Ciclovia da Avenida Paulista é inaugurada
Depoimento de quem foi na inauguração da ciclovia da Avenida Paulista
Entrevista: Haddad expõe sua ousadia e as limitações que o cargo lhe impõe
Ciclovias de Haddad são premiadas nos Estados Unidos
Não vai dar na Globo: Domingo, dia 28 de junho, será inaugurada a ciclovia da Avenida Paulista
“São Paulo tem hoje o prefeito que deveria ter tido há mais de uma década”, diz urbanista
Haddad ironiza crítica de “coxinha” às ciclovias
Prefeito Fernando Haddad e a virtude de governar sem mídia
Programa Braços Abertos: “Antes dele, 9 em cada 10 viciados desistiam.”
Fernando Haddad aperta o cerco à corrupção e ao enriquecimento ilícito
Fernando Haddad: “A cidade de São Paulo é um desafio para qualquer político.”
Crack, Fernando Haddad e o jornalismo da Folha de S.Paulo
O dia em que Haddad deu uma aula para Sheherazade e Marco Antonio Villa
Enquanto Alckmin some, Haddad faz o trabalho do governador
Fernando Haddad: “Não aumentar a tarifa de ônibus seria demagogia, puro eleitoralismo.”
Fernando Haddad fala sobre Marta, Chalita, a lógica do MPL e o “caipirismo” do PSDB
O plano para as finanças da cidade de São Paulo
Não é pelos cinquenta centavos: Haddad desmonta manifestação do Passe Livre
Em 2015, Fernando Haddad voltará a dar aulas na USP
Fernando Haddad eleva piso e abre 3,5 mil vagas de professor
2016 já começou em São Paulo e Haddad é o alvo
Haddad: “PT está muito mais maduro do que em 2003.”
Secretário de Educação de Haddad desmonta factoide da Folha
Fernando Haddad e a derrota do cinismo
O que não se fala sobre o IPTU da cidade de São Paulo
A lógica inatacável do aumento do IPTU em São Paulo
O falso escarcéu sobre IPTU
Haddad diz que não vai tolerar “terrorismo do monopólio da comunicação”
Prefeitura de São Paulo isenta 3,1 milhões de famílias de pagamento do IPTU
Fernando Haddad pode alçar voos mais altos
Em rede social, Fernando Haddad critica policiamento na Cracolândia
Fernando Haddad quer aumentar o salário de médicos e ampliar fiscalização das OSSs
Como Fernando Haddad venceu a corrupção que outros não combateram em São Paulo?
Para professor da USP, gestão de Fernando Haddad pode virar marco em São Paulo
Em ato histórico, prefeito Haddad prioriza minorias no Programa Minha Casa, Minha Vida
Haddad assina decreto para notificar imóveis que não cumprem função social
Entrevista: Haddad, ano 2
Bob Fernandes: Descoberto outro propinoduto da máfia dos fiscais de São Paulo
MP investiga gestões de Serra e Kassab por desvio de R410 bilhões do IPTU
Fernando Haddad: “A elite de São Paulo é míope e pobre de espírito.”
Entrevista com Fernando Haddad: “A Prefeitura estava tomada por corrupção.”
MP abre inquérito civil contra Kassab por receber fortuna da Controlar
Kassab recebeu uma “verdadeira fortuna” da Controlar, diz testemunha da máfia do ISS
Máfia demotucana: A lista dos corruptores do ISS
Máfia demotucana: Planilha aponta que 410 empreendimentos pagaram propina a fiscais
Receita do município de São Paulo sobre R$30 milhões com o fim da máfia dos fiscais
Fernando Haddad: “A máfia não seria descoberta sem a ajuda de Donato.”
Antônio Lassance: Arroubo tucano é pânico
Máfia demotucana: Investigação de propina em São Paulo avança sobre a gestão Serra
Máfia demotucana: Haddad desmente Folha sobre repasse de informações à Polícia Civil
Paulo Moreira Leite: Cardoso, Donato e a fábula da classe dominante
A máfia dos fiscais quer pegar Haddad
Máfia demotucana: Secretário ligado a José Serra será convocado a depor em São Paulo
“Não como recuar, e não haverá recuo”, avisa prefeito Haddad
Máfia demotucana: Como a mídia protege Serra e Kassab
Máfia demotucana: Quadrilha zerou ISS de 107 prédios em São Paulo
Máfia demotucana: Situação era de degradação, diz Haddad sobre a quadrilha do ISS
MP/SP mira Kassab para livrar José Serra
Máfia demotucana: A dama do achaque abre o jogo
Máfia demotucana: “Arquiva”, manda Kassab
Máfia demotucana: A Folha se considera um papel pendurado na banca
Máfia demotucana: Líder da quadrilha diz que Kassab sabia do esquema e esperava que ele “ganhasse a eleição”
“O implacável braço direito de Serra” e o caso de corrupção em São Paulo
Seus problemas acabaram: Filie-se ao PSDB
Braço direito de José Serra mandou arquivar denúncias de pagamento de propina para construtoras
Prefeito Haddad e a lição de ética
Após investigações, Haddad manda prender ex-funcionários da gestão Kassab/Serra
mais envolvidos no esquema de corrupção do governo Kassab/Serra, diz Haddad
depois da posse de Haddad, a Veja percebeu que a cidade de São Paulo está um lixo
Para atacar Haddad, “Estadão” usa foto da guerra do Congo para ilustrar matéria
Desespero: Cabo eleitoral de Serra, Soninha xinga Haddad de “filho da p…” e diz que odeia o povo

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: