Ministro do TCU é acusado de receber verba desviada

TCU_Vidal_Rego01

Vital do Rego, ministro do TCU.

Via Brasil 247 em 27/7/2015

O ex-tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande (PB) Rennan Farias afirma que, em 2010, entregou dinheiro em espécie ao então candidato ao Senado Vital do Rego (PMDB/PB), hoje ministro do TCU (Tribunal de Contas da União).

Segundo declaração feita para o TV Folha, ele diz que a verba foi desviada de um contrato de R$10,3 milhões da prefeitura com uma empreiteira que não executou os serviços.

“[Eu] deixava lá o pacote, ou a caixa, ou a sacola, a caixa de uísque [com o dinheiro desviado], depois ele [Vital do Rego] fazia toda a repartição e resolvia seus problemas de campanha”, diz.

Além dos desvios da prefeitura, ele afirma ter levantado cerca de R$10 milhões junto a agiotas para as campanhas dos Vital do Rego.

Diz ainda ter feito entregas também ao irmão do ministro, o deputado federal Veneziano Vital do Rego (PMDB/PB), e a firmas que atuavam nas campanhas da família. Os dois negam as acusações.

No TCU, Vital será um dos nove ministros a analisar as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff. Se rejeitadas, elas podem abrir caminho para um processo de impeachment no Congresso (leia mais).

Confira abaixo reportagem do portal Wscom, com a resposta do ministro:

Vital explica acusação como forma de constrangê-lo, mas que Justiça lhe ampara
Ministro revela que Farias chantageia há meses sem provas, agora a serviço de grupo.

O ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rego Filho, revelou em contato com a reportagem do Portal WSCOM, que inexiste qualquer procedência da acusação feita pelo ex – tesoureiro da Prefeitura de Campina Grande, Renan Farias, de ter repassado recursos indevidos anos atrás. “Trata-se de caso recorrente de um ex-comissionado da gestão da Prefeitura, mas que já interpelamos na Justiça e este nada apresentou”, afirmou ele, dizendo-se vítima de uma estratégia para constrangê-lo na votação do caso das “Pedaladas” do governo Dilma Rousseff.

Vital do Rego Filho foi direto ao assunto: “há anos que temos sofrido a chantagem de alguém que às vésperas da minha posse tentou vender a matéria para a revista Veja e esta recusou por inexistir procedência na acusação, que não passa, repito, de querer gerar constrangimento”.

O ministro explicou que as obras da gestão de Veneziano Vital foram auditadas pelas instâncias de fiscalização, portanto, a acusação de Renan foi tratada como matéria requentada.

“Infelizmente a vida pública submete pessoas de bem a estes vexames absurdos frutos de questões de disputa paroquial, em face de disputas das quais não faço mais parte pois tenho me dedicado ao mister no TCU mas, neste momento, tem objetivo claro de me constranger, entretanto, não vão conseguir porque tenho histórico e vida ilibados”.

Para o ministro, as informações existentes são de que toda a ira do ex-tesoureiro se deveu à constatação de desvios de conduta quando no exercício do cargo, por isso foi afastado da função.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: