Celso Amorim: “Acusar Lula de fazer lobby é absurdo.”

Celso_Amorim12_CUT

Ex-ministro afirmou que outros presidentes fizeram o mesmo, em benefício da economia nacional. Sobre política externa, ele apontou conservadorismo da mídia, com sua “intermediação da dependência”.

Vitor Nuzzi, via RBA em 28/7/2015

Chanceler no governo Lula, Celso Amorim considera “absurdo” afirmar que o agora ex-presidente faz lobby no exterior em benefício de empresas, o que motivou até um pedido de investigação no Ministério Público. “Não vou ficar citando nomes, todos os ex-presidentes apoiam, e mesmo os presidentes no cargo. Claro que você não vai apoiar uma empresa brasileira contra outra. Agora, apoiar empresa brasileira em coisas que são boas para o Brasil – claro que dentro da honestidade, da legitimidade – é perfeitamente cabível. Seria até surpreendente um presidente não fazer isso”, afirmou Amorim, que participou na quarta-feira, dia 28/7, de evento na sede da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT), em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

O ex-ministro defendeu a política externa brasileira no período Lula e criticou o que chamou de conservadorismo na imprensa em relação a esse tema. “A minha sensação é que a mídia brasileira tinha uma posição mais conservadora do que a média da elite brasileira. É uma coisa que sociologicamente ainda não consegui explicar totalmente. Você tem exceções de pessoas, mas ela faz a intermediação da dependência. A dependência se faz por outros meios, por meio de passagens de certas ideias”, comentou.

Ainda sobre a questão da atuação do ex-presidente no exterior, Amorim afirmou que “isso realmente mostra a que ponto chegou a politização”. “Você não está defendo aquela empresa, o lucro daquela empresa, mas os brasileiros que trabalham aqui, que dão a sua força de trabalho para determinado produto ou serviço. Você está defendendo a renda nacional. Isso é uma coisa descabida, as pessoas perderam a noção total da coisa. Claro que sempre – como eu tenho certeza de que sempre foi – dentro dos padrões de legitimidade, de honestidade.”

Ele separou essa questão de investigações em curso, como o que ocorre na Operação Lava-Jato. “Não vamos defender o que é errado, o que aconteceu aqui, esse problema dos escândalos da Petrobras, tudo deve ser apurado. Ninguém deve assumir isso para si. A esquerda brasileira não tem de assumir para si os eventuais erros, crimes ou delitos cometidos.”

Estabilidade política
Da mesma forma, disse Amorim, não se pode negar que o país enfrenta uma situação grave do ponto de vista econômico – em parte motivada pela queda de preços das commodities –, que piora com a conjuntura política. “É muito importante não perder de vista que o aprofundamento da crise política não interessa à classe trabalhadora. Temos de trabalhar pela estabilidade e, ao mesmo tempo, pela manutenção dos direitos e de tudo aquilo o que foi obtido. Claro que, num momento de instabilidade, alguma coisa pode não ser a ideal. “É muito importante compreender que há um modelo que visa a uma maior participação do povo na renda nacional, que deve ser preservado, mas para isso também devemos manter uma estabilidade política.”

Cauteloso e sem comentar a atual política externa, o ex-ministro considera que houve um “pequeno retrocesso” no Mercosul, mas lembra que em período recente esse bloco econômico multiplicou seu comércio em 12 vezes, enquanto o comércio mundial aumentou em cinco. Em sua palestra, ele destacou o grande aumento da participação dos países em desenvolvimento no comércio internacional. “Houve uma verdadeira revolução no processo decisório. Como os países (em desenvolvimento) passaram a ter maior poder de decisão, construtiva, logicamente a negociação tornou-se complexa.”

Amorim se declarou um “sul-americanista”. E contou que certa vez um jornalista perguntou por que tanto interesse no continente. “Porque eu moro aqui” foi a resposta.

Ele também considera que o Brasil acertou na escolha da Suécia para compra de jatos. “Acho que foi uma escolha técnica da Força Aérea”, afirmou, destacando três aspectos levados em conta: performance do avião, preço e transferência de tecnologia. “A melhor resposta, indiscutivelmente, foi o Gripen (jato sueco).” Amorim ressaltou outro benefício: “A Suécia não é um país membro da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte, uma associação militar), e está menos sujeita a certas restrições.” Também há o ganho “lateral” de estabelecimento de uma indústria da defesa em São Bernardo do Campo, acrescentou.

Na visão do embaixador, o mundo vive hoje uma espécie de conflito, em termos de política externa, entre a solidariedade e o interesse nacional. A preocupação do governo Lula, por exemplo, foi exatamente “matizar o interesse nacional com a solidariedade internacional”. Ao identificar certa “perda de intensidade” na política brasileira atual, ele afirmou que os países pobres ainda “esperam muito do Brasil”.

Amorim considera um ponto positivo da gestão Dilma a criação de um banco dos Brics, bloco que inclui a África do Sul, a China e a Rússia. “Os Brics criam um maior equilíbrio nas relações internacionais, favorecem o que nós chamamos de multipolaridade, e nos dão alternativa. Até o fato de existir o banco dos Brics vai levar o Banco Mundial a repensar algumas de suas práticas.” Sobre a atual situação da Grécia, ele vê um teste para a União Europeia, “que tem repercussão para outras organizações que buscaram fazer da solidariedade o seu cimento”.

Em relação à imprensa, ele citou duas passagens que considera ilustrativas da visão da mídia sobre ações recentes do governo brasileiro. “Fomos tão criticados por causa da nossa política com Cuba (sobre o porto Mariel), e hoje ninguém fala mais. Claro, depois que os empresários de Nova Iorque estão chegando lá em penca. Com o Irã, o Brasil se empenhou muito, eu me empenhei pessoalmente, em chegar a uma declaração unilateral do Irã, que seria uma construção de confiança com o Ocidente, que teria ajudado muito (no acordo anunciado em abril, sobre o programa nuclear iraniano). O ponto de partida seria muito melhor. Uma revista brasileira chegou a botar uma foto minha ao lado do Ahmadinejad (o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad) para fazer um paralelo como se fossem dois inimigos de Israel.”

Esses exemplos remetem a recentes inflexões dos Estados Unidos em relação tanto a Cuba como ao Irã. Sobre o primeiro caso, um jornalista norte-americano, amigo de Amorim, escreveu que se trata do maior legado do governo Obama. O ex-ministro escreveu para o jornalista dizendo que a política externa norte-americana estava ficando cada vez mais parecida com a brasileira. “Assim é bom que não falam tão mal da nossa”, diz o embaixador, rindo.

Encontro
A CNM/CUT fez nos dias 27 e 28 de julho um encontro dos coordenadores das redes sindicais nas empresas. Com aproximadamente 50 trabalhadores, o evento faz parte de projeto feito em parceria com a CUT, o Instituto Observatório Social e um centro de formação ligado à DGB, central sindical alemã.

Leia também:
Não passarão: Instituto Lula é alvo de atentado terrorista
Repórteres da Veja saem do Facebook após serem desmascarados por Romário
Lula processa Veja por capa criminosa
Globo 1989-2015: 26 anos de campanhas sujas contra Lula
Novo premiê sueco: “Lula é, sem dúvida, uma de minhas maiores inspirações.”
Reagan pode, Lula não
Folha repete 2007: Agora usa até morte trágica de adolescente para atacar legado de Lula
Lula sobre os golpistas: “Agem como nazistas.”
As cinco piores mentiras de O Globo contra Lula em 2015
Ah, se fosse Lula: Obama faz jantar para 70 empresários que fazem lobby pelo fim do bloqueio a Cuba
Paulo Moreira Leite: Conselho Nacional do Ministério Público deve colocar ordem na casa
Paulo Moreira Leite: Para perseguir Lula, basta uma simples dúvida
Dalmo Dallari: “Não vai haver golpe nem impeachment.”
Procurador anti-Lula será investigado pelo Conselho Nacional do Ministério Público
Em alto nível, Lula faz a lista do “compare e comprove” com a gestão FHC
Espalhe a verdade: Mitos sobre Lula
Stanley Burburinho sabe quem pôs a tarja preta em Serra
Polícia do ministro Cardozo esconde o nome de Serra no celular de Marcelo Odebrecht
A guerra da Veja contra o retorno de Lula
Jornal O Globo omite informações para atacar Lula
Lula defende o Bolsa Família e esculacha os hipócritas que foram contra o programa
Hipocrisia da mídia: Dono da Globo também estava em jantar de Lula com Odebrecht
Franklin Martins: “Se Lula não tivesse sido eleito em 2002, o Brasil tinha explodido.”
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Um grupo de criminosos, chefiado por um advogado, pede a morte de Lula no Facebook
A cobra vai fumar: Lula entra com queixa-crime contra o Ronaldo Caiado
Crise grega: Sardenberg merece ganhar o prêmio IgNobel de Economia
Lula: Quem quebrou o país foram os governos tucanos
Vídeo: Não somos nazistas!
A fortuna de Lula e os setores masoquistas da classe média brasileira
#OsAntiPira: Relação completa de prêmios recebidos por Lula após deixar a Presidência
Lula defende a Petrobras e convoca petroleiros a preservar maior empresa do Brasil
Ecce homo ou esse é o cara
Habeas corpus: Ombudsman da Folha esculacha a Folha
Instituto Lula à Época: É a última vez que perderemos tempo. Agora terá o mesmo tratamento de Veja
Financial Times: O patrimônio de Lula
Diretor de Veja revela “acordo” com Valério e farsa contra Lula
Forbes publica texto ridicularizando coxinhas anti-Lula
Descobriram a pólvora: Lula não está entre os bilionários da Forbes
Em sua capa, Veja desenha golpe contra Lula e Dilma
Quem vai dar o golpe no Brasil?
Novas denúncias ferem a credibilidade da Ação Penal 470 e da mídia conservadora
Veja confessa: Não há entrevista
Advogado de Valério nega entrevista de seu cliente à Veja
Instituto Lula: “Se Lula quisesse falar com a Folha de S.Paulo, falaria com a Folha de S.Paulo.”
Na ânsia de atingir Lula, Folha esqueceu de ler o hilário habeas corpus que ataca Moro
Luciano Martins Costa: A “barriga” intencional da Folha
Hildegard Angel: Lula, o que você faria se só lhe restasse um dia?
Histeria contra Lula expõe baixarias de Caiado
Janio de Freitas: O que Lula mostrou? Que ele está se movendo e chamando para mudar
Instituto Lula: “A Folha passou agora de qualquer limite.”
Habeas corpus: Folha espalha notícia falsa e depois, singelamente, diz “erramos”
Autor de habeas corpus em favor de Lula tem mais de 140 ações no STF
Para Dalmo Dallari, direita “intolerante, vingativa e feroz” quer atingir Lula
Prender Lula? Terão esta coragem?
Em nota, senadores do PT denunciam “sórdida campanha” contra Lula
É hora de reagir em defesa de Lula
A criminalização da diplomacia comercial brasileira
Quem quer prender Lula?
Odebrecht descarta delação e faz manifesto
Agora é Lula quem está na mira de Sérgio Moro
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
O tamanho do ódio por Lula, Dilma e PT
Não sobrou pedra sobre pedra: A resposta de Lula à Época
Diego Escosteguy é o Kim Kataguiri do jornalismo
Espumando, FHC adverte os golpistas divididos: “O alvo é Lula”.
O terceirizado que jogou o Ministério Público no show bizz
MPF arrasa revista Época: Não há provas contra Lula
Denúncia da revista Época contra Lula mancha Ministério Público Federal
A prova da mentira de Época contra Lula
Lula deu uma surra no panelaço
Mujica, O Globo e o “chupa petralhas!”
Tremei, paneleiros. Lula está de volta às ruas!
Revista Época questiona Lula por contrato do governo de FHC
“Confissão” de Lula a Mujica é mais um crime de imprensa
Depois de Dilma, Lula novamente
Época não consegue inovar e repete a farsa
Mujica deveria aceitar o convite sem-noção de Caiado para falar no Brasil
Carta aberta a Mujica: “Perdão pela mídia canalha brasileira, dom Pepe.”
Réquiem para o jornalismo
Lula é odiado porque deveria ter dado errado
Corra, Lula, corra
Como funciona a fábrica de infâmias contra Lula na internet
Lula ironiza pastores evangélicos em palestra: “Jogam a culpa em cima do diabo.”
Vai pro pau: Lula topa a polêmica que FHC pediu na tevê
Chico Buarque: “O alvo não é a Dilma, mas o Lula.”
Na Itália, Lula fala sobre importância do combate à fome
Histórico plano de investimento prevê R$198,4 bilhões para promover crescimento no Brasil
Mentiras e omissões sobre o pacote de concessões
Sorry, coxinhas! Lula é aplaudido na ONU
Lula recebe homenagem da Prefeitura de Roma
Paulo Moreira Leite: Apesar do massacre, memória de Lula persiste
Doações: com Lula é “imoral”, com FHC é “cultural”. A hipocrisia da mídia e o sapato do Brizola
Líder do Retardados Online quer “pegar Lula” na Bahia
Lula se antecipa a nova armação da Veja
Lula: “O PT continuará vivo enquanto os trabalhadores sonharem com uma vida melhor.”
Por que o MCCE parou de fazer ranking da corrupção por partido?
1994-2014: A inflação dos períodos FHC e Lula/Dilma
Lula mostrou o Darf. Quem falta mostrar?
Manchetômetro: Noticiário das Organizações Globo massacra Dilma
Gilmar Mendes suspende decreto de Lula que dava posse de terras aos índios Guarani-Kaiowá
IDH: Comparação entre os governos do PT e PSDB
Salário mínimo: As diferenças entre os governos FHC e Lula/Dilma
Era Lula cria mais empregos que FHC, Itamar, Collor e Sarney juntos
Desigualdade caiu 1,89 com FHC e 9,22 com Lula
Inflação anual de Dilma é próxima à do Lula e inferior à de FHC

Uma resposta to “Celso Amorim: “Acusar Lula de fazer lobby é absurdo.””

  1. Dayse N. Silva Says:

    Excelente a fala do ex-Ministro Amorim: esclarecedora, verdadeira, inteligente.
    Um grande Brasileiro.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: