No acordo entre PCC e Alckmin, o Estado de São Paulo se rendeu ao mundo do crime

Alckmin_PCC06

Luis Nassif em 27/7/2015

O Estadão de hoje [27/7] publica uma bela reportagem de Alexandre Hisayasu sobre o acordo celebrado em 2006, entre o estado de São Paulo e o PCC. Não foi acordo: foi rendição.

A reportagem faz um balanço das vítimas do PCC: 23 PMs, 7 policiais civis, 3 guardas, 8 agentes penitenciários, 4 civis e 107 supostos criminosos. Faltaram mais de 600 inocentes nessa conta.

Descreve os encontros entre os dois secretários do governo paulista – Saulo de Castro Abreu, da Segurança, Nagashi Furukawa, da Administração Penitenciária – com Marcola e como, depois do encontro, cessaram os ataques.

Antes disso, Marcola tinha dois pedidos: autorizar visitas no Dia das Mães e permitir que os detentos pudessem falar com seus advogados. Saulo preferiu partir para o enfrentamento. Terminou rendendo-se aos fatos e aceitando o acordo.

A reportagem para por aí, para não entrar no terreno minado do maior massacre da história de São Paulo, que ocorreria nos dias seguintes por determinação expressa do Secretário Saulo de Castro Abreu.

O então governador Cláudio Lembo certamente irá se lembrar de um encontro que tivemos no Palácio dos Bandeirantes. Ele havia demitido Nagashi e reforçado o poder de Saulo. Fui até o Palácio e alertei que Saulo estava fora de si. O alucinado Saulo invadira a Assembleia Legislativa acompanhado de dezenas de PMs; ameaçara de prisão o dono de um restaurante, meramente por não conseguir estacionar seu carro.

Contei-lhe das conversas que tivera com Nagashi e o Secretário de Justiça Alexandre Morais. Ambos relataram que se reuniam com Alckmin para traçar a política de segurança. E as reuniões foram interrompidas pela radicalização de Saulo, transformando as discussões em questões pessoais. Em vez de enquadrar Saulo, Alckmin optou por interromper as reuniões e, com isso, esfacelou o sistema de segurança do estado. Os criminosos eram presos, ficavam sob a guarda da Secretaria de Administração Penitenciária, mas as investigações tinham que ser conduzidas pela Secretaria de Segurança. E Saulo considerava-se rompido com Nagashi e nada fazia.

Foi em vão. Lembo não estava a par. Disse-me que a informação que recebera era a de que Saulo era eficiente e Nagashi muito mole. Naqueles dias trágicos, Saulo tornou-se seu principal interlocutor.

Foi o período em que PM saiu às ruas das periferias de São Paulo e da Baixada Santista com os rádios desligados para não serem acessados por jornalistas, com a missão de matar qualquer vulto que se movesse. Foram mais de 600 assassinatos em poucos dias. A raiva não foi despejada em membros do PCC, mas – na maioria absoluta dos casos – em jovens inocentes de periferia, estudantes indo para as escolas. Assassinaram a sangue frio até uma jovem cujo parto estava marcado para o dia seguinte.

Foi um espetáculo dantesco, mil vezes pior que o massacre de Carajás. Homens encapuçados, em motos, alvejavam as pessoas. Em seguida, apareciam viaturas da polícia para destruir as provas. Os corpos eram encaminhados ao IML (Instituto Médico Legal) para as provas finais serem destruídas em laudos inconclusivos.

A matança só cessou quando bravos procuradores federais e médicos do Conselho Regional de Medicina correram para o IML para acompanhar os laudos. A experiência com os mortos da ditadura demonstrava que o laudo era a peça central para a abertura de inquéritos. Ao chegarem no IML, os médicos se depararam com dezenas de cadáveres com tiros na nuca, nas costas, em clara comprovação de execução. Assim que assumiram a vigília o número diário de corpos caiu de uma centena para menos de dez.

Aqui, o Blog criado pelas mães de maio para denunciar o massacre. Nada foi apurado pelo Ministério Público Estadual, pela Justiça de São Paulo, pela imprensa paulista. Uma brava procuradora federal levantou o caso enviou para Brasília, para federalizar a apuração. O procurador-geral Rodrigo Janot sentou em cima do caso, que não anda.

Restaram apenas os lamentos e as denúncias das mães de maio.

***
O QUE O PCC GANHOU, REALMENTE, NO ACORDO COM O GOVERNO DE SÃO PAULO?
Kiko Nogueira, via DCM em 27/7/2015

Alckmin em 2010 com o então candidato a deputado estadual Ney Santos, acusado de ligação com o PCC

O que o PCC ganhou no acordo com o governo paulista em 2006?

Na época, a facção realizou vários ataques, especialmente a postos da Polícia Militar, de maneira coordenada. Eles foram interrompidos após uma reunião no presídio de Presidente Bernardes, no interior do estado.

De acordo com o Estadão, a solução foi encaminhada pela advogada Iracema Vasciaveo, então presidente da ONG Nova Ordem, que defendia os direitos dos presos e representava o PCC.

Iracema esteve com Marcola, o líder. O substituto de Geraldo, Cláudio Lembo, deu aval para o encontro, bem como os secretários da Segurança Pública e da Administração Penitenciária – Saulo de Castro Abreu Filho e Nagashi Furukawa, respectivamente.

A história foi revelada pelo delegado José Luiz Ramos Cavalcanti, que depunha num processo contra advogadas supostamente ligadas ao crime organizado. “Eu apenas autorizei a viagem. O que aconteceu lá dentro, não tenho detalhes”, afirma Lembo.

O diabo está nos detalhes. Em tese, garantiu-se a rendição dos criminosos, desde que se assegurasse a integridade física deles. Os atentados cessaram, subitamente, e o poder do PCC só fez crescer. Geraldo sempre negou qualquer tipo de acordo, mas o fato é que a relação com o Primeiro Comando da Capital só se tornou mais confusa, para usar um eufemismo, com o passar do tempo.

O deputado Conte Lopes, ex-delegado, declarou, certa vez, que “essa facção criminosa é cria do PSDB”. O PCC nasceu em 1993 na Cadeia Pública de Taubaté e sua relação com o governo paulista é recheada de episódios assombrosamente estranhos.

Alckmin_PCC00A

Em 2010, Alckmin prestigiou evento do candidato Ney Santos.

Em 2010, Alckmin pediu votos para um candidato a deputado estadual do PSC chamado Claudiney Alves dos Santos, conhecido como Ney Santos.

Pouco depois, Santos foi preso, acusado de adulteração de combustível, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e formação de quadrilha. Era também investigado por envolvimento com o PCC. Em seu nome, possuía um patrimônio de R$50 milhões, incluindo uma Ferrari e um Porsche.

Ok. Alckmin muito provavelmente não sabia do passado, do presente e do futuro de Santos. Mas nem sua equipe?

Em 2012, um inquérito sobre o envolvimento de PMs com o PCC foi arquivado. Um ano depois, aconteceu outro episódio de ampla repercussão, em que o governador saiu-se como herói na luta contra os bandidos.

Ele teria sido ameaçado de morte, segundo um recado interceptado. “Os bandidos dizem que as coisas ficaram mais difíceis para eles, pois eu quero dizer que vai ficar muito mais difícil”, disse GA, triunfal, em Mirassol. “Nós não vamos nos intimidar. É nosso dever zelar pelo interesse público.”

Não contavam com a astúcia do ex-secretário Antônio Ferreira Pinto, que revelou que a escuta dos membros do PCC circulava desde 2011.

“Esse fato não tinha credibilidade nenhuma. A informação é importante desde que você analise e veja se ela tem ou não consistência. Essas gravações não tinham. Tanto que o promotor passou ao largo delas”, falou.

“Aí vem o governo e diz: ‘Não vou me intimidar’. Ele está aproveitando para colher dividendos políticos”. De novo: Geraldo, muito possivelmente, não tinha ideia de que as tais ameaças tinham dois anos de idade e nunca foram levadas a sério.

No início de 2014, outro evento inacreditável. Um relatório vazado do Ministério Público dava conta de um esquema para tirar Marcola e outros três chefões da penitenciária de Presidente Venceslau.

O plano estaria sendo arquitetado há oito meses. Os homens já tinham serrado as grades das janelas de suas celas, colocando-as de volta em seguida, devidamente pintadas. Eles sairiam dali para uma área do presídio sem cobertura de cabos de aço, de onde seriam içados por um helicóptero com adesivos da Polícia Militar.

O “vazamento” do documento criou situações surreais. Policiais ficaram de tocaia aguardando os meliantes. Jornalistas correram para lá. No Jornal Nacional, um repórter perguntava, sussurrando, a um franco atirador como funcionava a arma dele. Diante da falta de ação, era o jeito.

Claro que não aconteceu nada. Alckmin, no entanto, estava pronto para faturar. Na Jovem Pan, elogiou “o empenho da polícia de São Paulo, 24 horas, permanentemente, contra qualquer tipo de organização criminosa, tenha a sigla que tiver. São Paulo não retroage, não se intimida”. Para ele, “lamentavelmente, isso acabou vazando”.

Nomeado em janeiro, o secretário de segurança pública Alexandre Moraes é advogado em ao menos 123 processos de uma cooperativa denominada Transcooper, citada em investigações que apuram lavagem de dinheiro do PCC. Em nota, avisou que “renunciou a todos os processos que atuava como um dos sócios do escritório de advocacia”.

O PCC, hoje, controla áreas inteiras da cidade, as cadeias, tem ligação com escolas de samba e mantém bases no Paraguai e na Bolívia. Um fenômeno.

Naquele ano de 2006, Geraldo deu uma entrevista a uma rede de televisão australiana. A jornalista quis saber sobre os “grupos de extermínio” e sobre as ações da facção. Irritado, ele se levantou da cadeira e encerrou o papo.

“Esse é um problema do governo estadual. Você deveria ir falar com eles. Tchau, tchau. Bye, bye”, diz. “Se eu soubesse que era sobre isso, não tinha entrevista. Não faz o menor sentido”. A entrevistadora ainda tentou, inutilmente, um apelo: “Alguém precisa falar sobre isso”.

O que o PCC levou, de fato, no tal acordo permanece uma incógnita. Geraldo Alckmin, ao menos, vem levando excelentes dividendos políticos com um pacto cujo preço é pago por seus eleitores.

Leia também:
Recordar é viver: Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC
Enquanto PCC atacava, secretário de Segurança de Alckmin torcia pelo Corinthians na Argentina
Geraldo Alckmin provoca diarreia em São Paulo
Manobra de Alckmin na Nota Fiscal Paulista pode prejudicar arrecadação de impostos
Corrupção na Receita paulista: Cadê o Alckmin?
Alckmin diz que plano de contingência contra racionamento é “papelório inútil”
Vídeo: Deputado Sílvio Costa aponta a bipolaridade dos golpistas da oposição
Alckmin fura fila e é vaiado em São Paulo
Dilma chamou golpistas pra briga. Vão encarar?
Choque tucano de gestão: Alckmin afirma que “ninguém ficou sem água” em São Paulo
Choque tucano de gestão: Sabesp cobra mais de escola pública do que de vips
O PSDB e a falta de respeito pela democracia
37 mil afetados: Alckmin reduz programa de leite para crianças carentes
Em São Paulo, pedágio mais caro do país é reajustado
São Paulo: O encarceramento em massa como política de segurança
Person of the year: FHC fala mal do Brasil e espanta investidores que Alckmin queria atrair
Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?
Marcha da Família conta com o apoio de Geraldo Alckmin
Para especialistas, fuga espetacular do PCC foi jogada eleitoral e arriscada
Documento acusa Alckmin de criar “falsa impressão” ao tentar atenuar desabastecimento de água
Plínio de Arruda Sampaio: “Ponho a mão no fogo pelo Alckmin.”
Choque de gestão: Alckmin tira recursos da segurança e educação
E se faltar água em São Paulo?
Racionamento de água e a sina do PSDB
Luciano Martins Costa: A reportagem que nunca foi escrita
Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência
Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos
Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira
Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC
Documentos secretos revelam a relação entre PCC e parte da PM de São Paulo
Geraldo Alckmin usou ameaça do PCC para se promover
Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin
Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política
E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos
Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?
O feito extraordinário de Alckmin
Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp
Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin
Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin
Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações
Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia
Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64
Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira
O jovem velho que é a cara do PSDB
Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin
Endireita, São Paulo: Os depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin
Conheça a biografia de Geraldo Alckmin
José Serra deflagra operação Sabesp
Vídeo: Da crise hídrica à crise democrática
No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade
Gestão tucana: Caos social por falta de água em São Paulo
ONU considera crise hídrica em SP uma violação aos direitos humanos
Depois de destinar R$4,3 bilhões a acionistas, Alckmin quer aumentar preço da água
Gestão tucana: Se o Tietê estivesse despoluído, ele poderia salvar São Paulo da crise hídrica
Sabesp é generosa com acionistas, mas não com investimentos em infraestrutura
Memória seletiva: Folha diz que alerta para crise hídrica desde 2001. De uma hora pra outra esqueceu
Vladimir Safatle: A crise da água e a transferência de responsabilidades
Diretor da Sabesp: “Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água.”
Enquanto a Petrobras é massacrada, a Sabesp é convenientemente esquecida
Lógica financeira da Sabesp marginaliza tratamento de esgoto e limpeza de rios
Escolas fechadas, fuga da cidade, caminhões-pipa: O cenário possível de São Paulo sem água
A fina flor da demagogia barata
Folha, 12/10/2003: São Paulo só atende demanda por água até 2010
Se o rodízio de 24 horas fosse feito em 2014, haveria economia de 12,3% do Cantareira
Está chegando o dia: Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo
Agora é oficial: Ministério Público aponta responsabilidade de Alckmin na crise da água
Alckmin pode não ter solução para a água, mas já tem estratégia de mídia
Estelionato eleitoral: Cronologia das pérolas ditas por Alckmin durante a crise hídrica
São Paulo: Por trás da falta d’água, privatização e ganância
Sabesp ignorou regra que reduziria risco de falta de água em São Paulo
Em 2013, devido à falta de manutenção nas tubulações, Sabesp desperdiçou uma Cantareira
“Oh, happy days”: A festa da Sabesp em Nova Iorque e a falta de água em São Paulo
Alguém precisa acordar Alckmin
Os 10 mitos sobre a crise hídrica
Os tucanos já gastaram US$3,6 bilhões para limpar o Tietê, mas o rio continua poluído
O que sai no jornal ou “o racionamento dos fatos”
Em 2009, Serra foi alertado para a crise hídrica de 2015. E não fez nada
Para entender a escassez de água
Sabesp se nega a publicar contratos de empresas que mais consomem água
Luciano Martins Costa: A ordem é preservar Alckmin e criminalizar a população
Empresas começam a deixar São Paulo pela falta d’água
Falta luz? Nos últimos anos, Eletropaulo cortou investimentos
Sabesp: Do Cantareira para a Bolsa de Nova Iorque
Em São Paulo, 360 quilômetros de Metro: Era a previsão de 1968
Secretário de Alckmin diz que reclamações sobre falta d’água em São Paulo são “exibicionismo”
Catástrofe social, econômica e ambiental ronda o estado de São Paulo
É hora de Fernando Haddad coordenar a luta contra a falta de água

3 Respostas to “No acordo entre PCC e Alckmin, o Estado de São Paulo se rendeu ao mundo do crime”

  1. Dayse Silva Says:

    As ações reportadas acima, lembram-me, de certo modo, os velhos coronéis do nordeste e suas práticas, apenas acrescidas de falso brilho.
    O Estado de São Paulo e o seu Povo , certamente, não merecem isto.
    No mínimo, a população deve negar a esse tipo de político, chances de retorno a cargos políticos ou a funções públicas.
    Precisamos de políticos probos e responsáveis, que governem e chefiem com moralidade, pelo bem de todos os membros da sociedade.
    Penso que isto não é querer demais. É direito dos cidadãos brasileiros.

  2. bene bugrao Says:

    É O ESTILO PSDB DE GOVERNAR…

  3. pintobasto Says:

    Em muitos países deste mundo, um membro da Opus Dei não tem futuro político e se entram no jogo, têm o cuidado de não conhecerem seus passos. Aqui no Brasil jogam às claras, Geraldo Alckmin é membro da seita que auto nomeia como Obra de Deus e tem membros importantes como o maior acionista do banco Santander. Conhecida por sua manobras velhacas que envolvem sempre grandes quantias de capital, francamente não é obra de Deus em lugar algum.
    Temos oportunidade verificar como a seita atua, analisando os desgovernos de Geraldo Alckmin, marcados por grandes prejuízos financeiros e grandes agressões aos direitos sociais dos cidadãos do estado. O exemplo mais flagrante da desonestidade de Geraldo Alckmin está na Sabesp da qual vendeu mais de 30% das ações na bolsa de valores de Nova Iorque/USA e depois o colapso do sistema Cantareira que fornece água a grande parte da capital do estado. Quem o autorizou a vender ações da Sabesp no estrangeiro? Nem as podia vender aqui dentro quanto mais no exterior! Tem votado a USP ao abandono com várias medidas que a prejudicam muito, nomeou um reitor que era um verdadeiro demolidor da Universidade de São Paulo conhecida em meio mundo!
    Mas sua carreira teve o momento mais alto de grande cristão do Opus Dei quando mandou a PM desalojar mais de 6.000 moradores do bairro Pinheirinho em S.José dos Campos. Foram corridos à cacetada e tiros de bala de borracha. Depois demoliram parte das casas com todos os pertences dentro. A tremenda violência correu nos jornais do mundo inteiro.
    E o mais engraçado é o fulano ainda sonhar em concorrer à presidência da república. Deus nos livre e guarde!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: