Ah, se fosse Lula: Obama faz jantar para 70 empresários que fazem lobby pelo fim do bloqueio a Cuba

Obama_Cuba02

Obama e empresários estão de olho no potencial mercado da Ilha, esperando pelo fim do bloqueio.

Presidentes atuarem a favor de empresas de seus países é até um dever dentro das políticas de estado, uma obrigação com a economia nacional e com a geração de empregos.

Helena Sthephanowitz, via RBA em 24/7/2015

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu em um jantar a portas fechadas na Casa Branca cerca de 70 empresários estadunidenses que fazem forte lobby pelo fim do bloqueio comercial, econômico e financeiro a Cuba instituído em 1961. A informação foi apurada pelo jornal espanhol El País.

Com o bloqueio empresas estadunidenses tem severas restrições para atuar no país, que é a maior economia da América Central e visto como o de maior potencial de crescimento pela abertura na economia. Os empresários norte-americanos estão ansiosos para não perder grandes oportunidades de negócios que veem no país.

O governo Obama defende o fim do bloqueio, mas o Congresso estadunidense, com perfil mais conservador e de maioria oposicionista ao presidente, ameaça impedir qualquer mudança nesta questão.

Os Estados Unidos já reataram relações diplomáticas com a Ilha. As embaixadas já foram reabertas em ambos os países. Houve libertação de presos pelos dois lados, considerados presos políticos sob a ótica de cada lado. Mas o bloqueio econômico continua em vigor até que o Congresso norte-americano o suspenda.

O jantar na Casa Branca foi visto como uma união de forças para pressionar, ou seja, fazer lobby, sobre o Congresso para dar fim ao bloqueio. Se visto apenas como vitória da política externa do presidente, as chances de o Congresso oposicionista aprovar são menores. Se houver pressão vinda de uma demanda do setor empresarial, as chances são maiores de, pelo menos, flexibilizar o bloqueio.

Imagine como esta notícia sairia na imprensa oligárquica brasileira se o país fosse o Brasil em vez dos EUA e se a presidenta fosse Dilma Rousseff ou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em vez de Obama.

Não precisa imaginar. A imprensa oposicionista já faz um esforço para criminalizar a diplomacia comercial legítima e necessária no governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva em busca da abertura de mercados para empresas brasileiras. Obama age de forma muito semelhante, inclusive com Cuba, atrasado em relação a Lula.

Presidentes atuarem a favor de empresas de seus países é até um dever dentro das políticas de estado, uma obrigação com a economia nacional e com a geração de empregos. Suspeito seria se não atuassem. Tão suspeito como um jogador de futebol que entrega o jogo para o adversário. Pois é isso que boa parte da oposição partidária e midiática está pregando.

Fazer oposição a um governo ou a lideranças de outros partidos jamais deve se confundir com fazer oposição a políticas de estado, ou fazer oposição “ao” Brasil, como disse, em ato falho, o senador Aécio Neves (PSDB/MG).

Se levarmos para o lado do humor, desse jeito a oposição se comporta como aquele passageiro que torce para seu avião cair porque não gosta do piloto. Se levarmos a sério, sabotar a economia nacional diante dos interesses de outros países é traição à pátria.

Leia também:
De Santiago a Caracas, o golpismo de Washington
Bandeira de Cuba volta a Washington após 54 anos; Fidel é protagonista mesmo ausente
Um remédio cubano contra câncer de pulmão
Após referendo na Grécia, Fidel Castro saúda Tsipras pela “brilhante vitória política”
Cuba-EUA: A soberania nacional como pano de fundo
Em Cuba, Fidel Castro vai a debate com produtores de laticínios
Cuba é primeira nação do mundo a eliminar transmissão de HIV de mãe para filho
Por que em Cuba não há violência com armas de fogo?
Herói cubano fala sobre os 16 anos de prisão nos EUA
Antiterrorista cubano agradece a brasileiros por apoio a sua liberdade
Nos ovos sujos de Yoani Sanchez, a afonia da dissidência cubana
Cuba x Cosmos: Diplomacia ganhou por goleada
Cuba sai de uma lista onde nunca deveria ter estado
Em 8 de junho, os Cinco Heróis Cubanos visitarão o Brasil
Estudantes dos EUA nas escolas de medicina de Cuba
Cuba mostra a turistas dos EUA o outro lado da história
Dia histórico para a França: O Ocidente redescobriu Cuba
BNDES acelerou reatamento dos EUA e Cuba
Cuba pode se tornar uma potência em minério e petróleo?
Jornal norte-americano revela a identidade do terrorista oculto libertado por Cuba
Cuba terá luta “longa e difícil” para fim de bloqueio dos EUA, diz Raul Castro
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Entenda o que muda em Cuba e nos EUA com as novas políticas anunciadas
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Governo brasileiro marca golaço ao financiar o Porto de Mariel
Mauro Santayana: Pearl Harbor e Mariel
Beto Almeida: O porto de Mariel, Brasil, Cuba e o socialismo
Com Raul Castro, Lula visita Porto de Mariel e considera obra “referência” para o continente
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Apesar de dia histórico, Raul Castro lamenta que bloqueio econômico seja mantido
Por que investir em Cuba? E na África, e na América Latina? Não é caridade ideológica, é negócio
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Coxinhas indignados
Repercussão mundial: Os mais de 50 anos demonstraram que o isolamento dos EUA a Cuba não funcionou
Porto de Mariel: O que tucanos e aliados têm a dizer sobre isso?
Para desgosto dos reaças, cubanos não fogem da Ilha
Mais uma vez, Obama promete fechar a prisão de Guantânamo
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Geografia e estratégia
Cuba comemora 56º aniversário da Revolução liderada por Fidel Castro
Michael Löwy: “Duvido que Miami vá colonizar Cuba.”
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Cinco heróis: Sai da prisão mais um antiterrorista cubano preso nos EUA
René Gonzalez, herói cubano: “Foi muito difícil deixar o país.”

2 Respostas to “Ah, se fosse Lula: Obama faz jantar para 70 empresários que fazem lobby pelo fim do bloqueio a Cuba”

  1. Arivaldo Mendonça Says:

    Vamos buscar novos mercados de forma democrática e justa para ambos os lados!..

  2. Dayse Silva Says:

    Pois é, Obama que preside uma das maiores democracias e economias deste Planeta pode, livremente, conversar com os empresários daquele país. Enquanto aqui…..
    A impressão que se tem sobre toda esta confusão, que tentam criar em nosso País, é que se trata de algo maléfico, irracional, mixórdia engendrada por alguns, que, claramente, não respeitam e nem querem o bem do Povo Brasileiro. Salvo o seu próprio bem.
    É como a gestação do “ovo da serpente”….

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: