Bandeira de Cuba volta a Washington após 54 anos; Fidel é protagonista mesmo ausente

Cuba_EUA03_Bandeira

“Sem Fidel, isso não seria possível. Capacidade para negociar em condições de igualdade com EUA é fruto da resistência cubana sob sua condução”, diz analista.

Vanessa Martina Silva, via Opera Mundi em 19/7/2015

Era 3 de janeiro de 1961. Pensando que o rompimento das relações entre os Estados Unidos e Cuba seria resolvido rapidamente, uma mulher dobrou cuidadosamente a bandeira cubana e a levou consigo. Passados 54 anos do anúncio de rompimento com a Ilha, feito pelo então presidente Dwight D. Eisenhower, não será essa que foi guardada por anos, mas a bandeira cubana voltará a tremular em Washington na segunda-feira, dia 20/7, como fruto da retomada das relações diplomáticas entre ambos os países.

Às vésperas do acontecimento, cubanos lembram histórias relacionadas à Ilha e à nação vizinha. Entre elas, está a viagem que o líder da Revolução Cubana fez aos Estados Unidos, meses após a vitória do levante armado. Em abril de 1959, Fidel falou com a imprensa, com estudantes, visitou pontos turísticos e até mesmo um zoológico no Bronx. Mas é uma frase dita na ocasião que tem sido rememorada.

Questionado, durante o primeiro encontro com jornalistas na embaixada cubana, se tinha ido aos Estados Unidos em busca de ajuda estrangeira, o jovem líder respondeu: “Não. Estamos orgulhosos de ser independentes e não temos a intenção de pedir nada a ninguém”. No dia seguinte, disse mais claramente ao Secretário de Estado Christian Herter: “Não viemos pedir dinheiro”.

Fidel não irá a Washington, mas para o primeiro chefe da Seção de Interesses de Cuba nos Estados Unidos, Ramón Sánchez Parodi, “o principal protagonista desta saga, do começo ao fim, é Fidel Castro. Foi ele que concebeu desde o primeiro momento a importância e a necessidade de estabelecer relações adequadas entre Cuba e os Estados Unidos. Ele ensinou e educou o povo e os líderes cubanos que nossa confrontação era e é com o imperialismo norte-americano e não com o povo dos Estados Unidos”, como disse em declarações ao site CubaDebate.

Parodi classificou esta segunda como “o dia memorável da história do direito de uma pequena nação a falar com voz própria”. Ele ocupou o cargo entre 1977 e 1989 e estará presente durante a cerimônia de abertura da embaixada.

Cuba_Embaixada_EUA01

Vista da embaixada cubana em Washington. Foto de Ismael Francisco / CubaDebate.

O protagonismo do líder da Revolução Cubana foi ressaltado também por Jesus Arboleya, analista das relações Cuba-Estados Unidos. Segundo ele, “sem Fidel, nada do que está acontecendo seria possível, porque a capacidade para negociar em condições de igualdade e soberania com os Estados Unidos, algo raro no mundo atual, é fruto da resistência cubana sob sua condução”.

Sílvio Rodríguez, um dos mais importantes cantores cubanos da atualidade, também estará presente no ato desta segunda. Sobre esse passo que está sendo dado pelos governos, o artista diz ter dúvidas, mas estar otimista ao mesmo tempo.

Ele explica que “as dúvidas surgem da nossa larga história de abusos do grande contra o pequeno; da biologia; da natureza de muitas coisas. O otimismo, porque creio na razão, e, portanto, no diálogo. Os desencontros têm, acaso como nunca, a oportunidade de contatos reveladores de ambas as partes. Como quase tudo o que se propõe o homem, o que vem também é uma luta contra o escuro da natureza. É preciso crer na lucidez do espírito humano”.

Leia também:
Um remédio cubano contra câncer de pulmão
Após referendo na Grécia, Fidel Castro saúda Tsipras pela “brilhante vitória política”
Cuba-EUA: A soberania nacional como pano de fundo
Em Cuba, Fidel Castro vai a debate com produtores de laticínios
Cuba é primeira nação do mundo a eliminar transmissão de HIV de mãe para filho
Por que em Cuba não há violência com armas de fogo?
Herói cubano fala sobre os 16 anos de prisão nos EUA
Antiterrorista cubano agradece a brasileiros por apoio a sua liberdade
Nos ovos sujos de Yoani Sanchez, a afonia da dissidência cubana
Cuba x Cosmos: Diplomacia ganhou por goleada
Cuba sai de uma lista onde nunca deveria ter estado
Em 8 de junho, os Cinco Heróis Cubanos visitarão o Brasil
Estudantes dos EUA nas escolas de medicina de Cuba
Cuba mostra a turistas dos EUA o outro lado da história
Dia histórico para a França: O Ocidente redescobriu Cuba
BNDES acelerou reatamento dos EUA e Cuba
Cuba pode se tornar uma potência em minério e petróleo?
Jornal norte-americano revela a identidade do terrorista oculto libertado por Cuba
Cuba terá luta “longa e difícil” para fim de bloqueio dos EUA, diz Raul Castro
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Entenda o que muda em Cuba e nos EUA com as novas políticas anunciadas
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Governo brasileiro marca golaço ao financiar o Porto de Mariel
Mauro Santayana: Pearl Harbor e Mariel
Beto Almeida: O porto de Mariel, Brasil, Cuba e o socialismo
Com Raul Castro, Lula visita Porto de Mariel e considera obra “referência” para o continente
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Apesar de dia histórico, Raul Castro lamenta que bloqueio econômico seja mantido
Por que investir em Cuba? E na África, e na América Latina? Não é caridade ideológica, é negócio
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Coxinhas indignados
Repercussão mundial: Os mais de 50 anos demonstraram que o isolamento dos EUA a Cuba não funcionou
Porto de Mariel: O que tucanos e aliados têm a dizer sobre isso?
Para desgosto dos reaças, cubanos não fogem da Ilha
Mais uma vez, Obama promete fechar a prisão de Guantânamo
Reatamento diplomático Cuba-EUA: Geografia e estratégia
Cuba comemora 56º aniversário da Revolução liderada por Fidel Castro
Michael Löwy: “Duvido que Miami vá colonizar Cuba.”
Vídeo: Os três últimos heróis cubanos presos injustamente nos EUA chegaram em sua Pátria
Cinco heróis: Sai da prisão mais um antiterrorista cubano preso nos EUA
René Gonzalez, herói cubano: “Foi muito difícil deixar o país.”

Uma resposta to “Bandeira de Cuba volta a Washington após 54 anos; Fidel é protagonista mesmo ausente”

  1. Bene Bugrao Says:

    O interesse maior nesse “”reatamento””, é dos EUA, cuja intenção nada tem a ver com “amizade”, mas sim com a DETONAÇÃO do regime cubano, mesmo que demore alguns anos…

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: