Eduardo Cunha diz que OAB é cartel e não tem credibilidade

Eduardo_Cunha_PMDB56

“A OAB não tem muita credibilidade há muito tempo”, declarou Eduardo Cunha. Foto de J.Batista / Câmara dos Deputados.

Via Exame em 6/7/2015

Ao comentar pesquisa encomendada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que aponta 74% dos entrevistados contrários ao financiamento empresarial de partidos e políticos, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), criticou a entidade.

Cunha, que é favorável ao financiamento privado, disse que a OAB é um cartel e que não tem credibilidade. “A OAB não tem muita credibilidade há muito tempo. As minhas críticas à OAB são constantes”, afirmou Cunha.

“A credibilidade deles, que não têm eleição direta, que não prestam contas como autarquia que eles são, esse roubo do exame da Ordem, com aqueles que não conseguem ter o direito a exercer a profissão pela qual eles prestaram vestibular, exerceram a faculdade e se formaram, a OAB tem uma série de questionamentos”, afirmou.

“A OAB é um cartel, é um cartel de uma eleição indireta, de uma série de poder feito com movimento de milhões sem fiscalização. Então, a OAB tem que ser questionada em muitos pontos dela, a OAB precisa ser mais transparente”, disparou Cunha.

O presidente da Câmara também direcionou seus ataques ao presidente da OAB, Marcus Vinicius Coêlho. Cunha criticou Coêlho por ele ter se manifestado contra a redução da maioridade penal e por ser próximo ao deputado petista Alessandro Molon (PT/RJ), que deve questionar no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta semana a sessão em que a redução foi aprovada.

“Se você pegar os folhetos de campanha pela eleição do Molon no Rio de Janeiro, ele [Coêlho] faz parte dos folhetos de campanha do Molon. Ele é um agente do Molon, é um apoiador do Molon”, afirmou.

Sobre a pesquisa, Cunha disse que avaliará o “grau de legitimidade” do levantamento.

***
Maioria é contra doações de empresas a campanhas políticas
Via Jornal do “seu” Frias em 6/7/2015

A maioria dos brasileiros rejeita doações de empresas para campanhas eleitorais. Segundo pesquisa Datafolha encomendada pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), 74% dos entrevistados são contrários ao financiamento empresarial de partidos e políticos.

Apenas 16% são favoráveis a esses repasses, enquanto 10% não opinaram. O Datafolha ouviu 2.125 entrevistados, entre os dias 9 e 13 de junho, em 135 municípios de todas as regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de 2% para mais ou para menos.

Entre os pesquisados, 79% avaliou que a corrupção é estimulada por doações de empresários para o financiamento de campanhas – sendo que 12% não apontam relação, 3% acreditam que combate a corrupção e 6% não tem opinião formada a respeito.

Para o presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o levantamento mostra os efeitos das investigações do esquema de corrupção na Petrobras na sociedade. Segundo ele, é preciso aproveitar o momento de crise para aperfeiçoar o atual sistema eleitoral do país.

“As suspeitas sobre a origem do dinheiro que abasteceu campanhas, conforme revelado em delações premiadas da Lava-Jato, reforçam a necessidade de mudanças no sistema eleitoral brasileiro. O atual sistema contém brechas que permitem a eventual ‘legalização’ de recursos ilícitos através de doações formais a campanhas eleitorais”, afirmou o presidente da OAB.

“O mais adequado para limpar o Brasil, além da devida punição de eventuais culpados, respeitada a Constituição e o amplo direito de defesa, é acabar com o investimento empresarial em eleições e tornar crime a utilização do dinheiro não contabilizado, o chamado caixa dois”, completou.

A OAB é autora de uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) que pede a inconstitucionalidade de doações privadas para abastecer campanhas. O julgamento foi suspenso há mais de um ano pelo ministro Gilmar Mendes que pediu mais prazo para examinar o caso.

O ministro tem defendido que o Congresso defina questão. A maioria dos ministros já indicou voto pelo veto ao financiamento privado, mas há expectativa na Corte de mudança de posição, como no caso do ministro Dias Toffoli, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que votou pela inconstitucionalidade desses repasses.

Com o julgamento paralisado no STF, a Câmara aprovou, numa votação polêmica no fim de maio, permissão para que partidos recebam doações empresariais para campanhas. A aprovação ocorreu um dia após o tema ter sido rejeitado em plenário. O texto ainda precisa passar por uma segunda votação entre os deputados e, se aprovada, seguir para discussão no Senado.

Partidos
O levantamento também ouviu os entrevistados sobre a preferência partidária, sendo que 75% declararam que “não tem preferência” por nenhuma legenda. Em cada 100 brasileiros, sete disseram preferir o PT, cinco o PSDB e outros cinco o PMDB.

Leia também:
Cada preso é um cliente: O que se esconde por detrás da redução da maioridade penal
Quando vão bater panelas contra Eduardo Cunha?
Luciano Martins Costa: O que há por trás desse empenho em aprovar a redução da maioridade penal?
Gilson Caroni Filho: Além de reduzir a maioridade penal, Cunha reduziu a democracia
As máquinas de vender intolerância e preconceito
Maioridade penal: A lista de deputados vira-casacas
#CunhaGolpista: Em menos de 24 horas, 20 deputados mudam voto e redução da maioridade é aprovada
Derrota de Eduardo Cunha: Câmara rejeita redução da maioridade penal
Financiamento público: Deputados são office-boys de empresas na hora de apresentar emenda parlamentar
Brizola previu: O aparelhamento do estado pelos evangélicos e a ascensão de Cunha
As falcatruas de Eduardo Cunha na Telerj e na Cehab/RJ
O Congresso Nacional tem dono. E, definitivamente, não é o povo
Reforma política do Eduardo Cunha é um deboche com o povo brasileiro
Eduardo Cunha desengaveta projeto que legaliza o jogo do bicho
A reforma política de Eduardo Cunha
A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: A síndrome de Pelé
Paulo Moreira Leite: Marco Aurélio Mello deu uma aula de Constituição e democracia
Fifa: Saiba por que o silêncio de Ronaldo e Pelé está ligado a J.Hawilla e aos EUA
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
“Assisti, mas deletei”, diz deputado que viu vídeo pornô no plenário da Câmara
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha
O engavetador tucano Gilmar Mendes acusa OAB de ser laranja do PT

4 Respostas to “Eduardo Cunha diz que OAB é cartel e não tem credibilidade”

  1. Marcus Mendes Says:

    Agora a OAB não pode processar esse bandido. Mas, assim que ele for chutado do congresso taca-lhe pau!!!!

  2. José Cordeiro Says:

    Eu ficaria preocupado se Eduardo cunha aplaudisse a OAB!!!

  3. gustavo_horta Says:

    Olha só quem está falando!
    Mas, para pensar um pouco mais: este cretino aí é apenas o fantoche, espantalho, a distrair a atenção do povo e da nação, centralizando as culpas por todos os golpes perpetrados.
    Deve-se observar que a quadrilha, “o melhor congresso que o dinheiro pode comprar”, como já ensinou o lobista da multinacional agrícola, tem aprovado em goleadas históricas todas as iniciativas contra o povo e a nação.
    É como eu tenho dito: PINTO NÃO TEM OMBRO.
    E os caras estão mesmo dispostos a esculachar, a esculhambar.

  4. Rita Says:

    Somente o cartel dele é que possui credibilidade. Este homem me dá náusea.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: