Livro acusa Globo de “delação” no período da ditadura militar

Palmerio_Doria21_Globo_Ditadura

Via Brasil 247

Lançado na sexta-feira, dia 3/7, Golpe de Estado, escrito por Palmério Dória e Mylton Severiano, revela como o jornal O Globo se comportou durante o período da ditadura militar no país. A obra traz para a atualidade uma das publicações do jornal de Roberto Marinho que revelava nomes daqueles que haviam trabalhado “ativamente pela implantação do regime comunista do Brasil”, numa espécie de “delação premiada” aos militares, o que garantiu às Organizações Globo farto apoio durante o regime de exceção no país.

“No dia 7 de abril [de 1964], terça-feira, enquanto os grandes jornais, com exceção do Última Hora, continuam comemorando a “vitória da democracia”, o carioca O Globo presta um serviço extra aos militares que derrubaram o presidente João Goulart, que o povo chamava de Jango: um serviço extra de delação, função para a qual o jornalista e humorista Stanislaw Ponte Preta – diante da proliferação de ‘dedos-duros’ em todas as áreas – criou o neologismo ‘deduragem’, do verbo ‘dedurar’. Nessa época, O Globo figura na rabeira dos grandes jornais. No Rio, os maiores, além do popular Última Hora, eram o Correio da Manhã e o Jornal do Brasil. Na capital paulista fica a sede do mais importante do país, O Estado de S.Paulo, único que se pode considerar como jornal de alcance nacional. Os outros, Folha de S.Paulo, Diário de S.Paulo, Correio Paulistano, figuram em segundo plano. Todos os citados, sempre com a exceção do Última Hora, já depredado por asseclas de Carlos Lacerda, haviam participado da campanha de desmoralização do governo Jango e deram apoio à quartelada. Agora, uma semana depois, O Globo ocupa quase uma página inteira para um texto encimado por esta manchete: ‘Fundação do Comando dos Trabalhadores Intelectuais (CTI)’. Dizem as quatro linhas da abertura: ‘Este é o manifesto do chamado Comando dos Trabalhadores Intelectuais, que trabalhou ativamente pela implantação do regime comunista no Brasil. Republicando-o agora, chamamos a atenção do alto-comando Militar para os nomes que o assinaram’”, relata o livro Golpe de Estado.

Segundo a publicação, assinavam o manifesto, divulgado em 7 de outubro de 1963, o crítico de cinema Alex Viany; crítico literário Álvaro Lins; jornalista Barbosa Lima Sobrinho; dramaturgo Dias Gomes; escritor Edson Carneiro; editor Ênio Silveira; escritor Jorge Amado; romancista e crítico Cavalcanti Proença; poeta e escritor Moacyr Félix; militar e historiador Nelson Werneck Sodré; arquiteto Oscar Niemeyer; e o juiz, jornalista e escritor Osny Duarte Pereira. A eles juntavam-se até ali 211 membros fundadores do CTI, totalizando 223 intelectuais que O Globo indicava ao alto-comando militar da “revolução” como candidatos ao paredão de fuzilamento.

A obra será lançada em São Paulo, a partir das 19h, no Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé na rua Rego Freitas, 454, conjunto 83, próximo à estação República do Metrô. Na oportunidade também haverá um debate sobre Mídia, golpe e ditadura: ontem e hoje, com a participação de Emiliano José (Secretário de Serviços de Comunicação Eletrônica do Ministério das Comunicações) e os jornalistas e escritores Palmério Dória, Hildegard Angel e Fernando Morais.

Abaixo o texto de divulgação sobre o livro:

O ENTULHO QUE A DITADURA NOS DEIXOU: PAGAMOS ATÉ HOJE PELO GOLPE DE 1964
Um livro indispensável para quem quer conhecer e entender a história do país pós-1964, ano de implantação da ditadura militar que conduziu o país até 1984, quando foi eleito – de forma indireta – o presidente Tancredo Neves, que morreu e foi substituído pelo vice José Sarney – assim pode ser visto Golpe de Estado, mais uma obra polêmica de Palmério Dória e Mylton Severiano da Silva, autores dos best-sellers Honoráveis Bandidos e O Príncipe da Privataria, todos pela igualmente polêmica Geração Editorial.

Ao relembrar como uma elite financeira, industrial e agrária conservadora levou a classe média à histeria no início dos anos 60, preparando o terreno para o golpe militar de 1964, o livro lança luzes sobre os dias de hoje, quando jornais, rádios e tevês clamam aos céus contra a “corrupção”, levando com eles os desinformados que desfilam nas ruas e batem panelas de suas varandas.

“A corrupção – ressalta o editor Luiz Fernando Emediato – foi sempre a palavra de ordem dos golpistas nos anos 50 [para derrubar o governo eleito de Getúlio Vargas, que se matou] e, aliada à ameaça comunista, também nos anos 60, para seduzir os militares fiéis aos norte-americanos. A palavra voltou agora, quando se pretende destruir um partido, o PT”.

Mas, cuidadoso, o editor acrescenta: “Claro que nenhum de nós, cidadãos honestos, podemos aceitar a corrupção. No entanto, quando as denúncias vêm daqueles que sempre a praticaram, aí é bom desconfiar”.

Testemunhas da história
Os jornalistas Palmério Dória e Mylton Severiano da Silva (que morreu antes de ver o livro lançado) recuperam histórias da época, muitas das quais eles mesmos participaram, como agentes ou testemunhas, algumas delas pouco conhecidas. Eles pesquisaram os fatos e entrevistaram outros jornalistas, políticos e personalidades que, assim como eles, viveram os fatos e sofreram suas consequências.

A ideia que os norteia é simples: provar que a ditadura nos legou um entulho de que estamos nos livrando, mas de maneira precária, com fortes recaídas no autoritarismo e com uma sociedade que, em matéria de desigualdade, violência, elitismo e exclusão, continua imbatível. Uma sociedade dividida e grande parte dela igualmente autoritária e conservadora.

Uma frase de Walter Benjamin, afirmando que o estado de exceção é o de regra geral, dá o tom do livro, que tem 32 capítulos e uma providencial linha do tempo com os fatos de maior importância entre 1882 e 2014, quando o golpe militar “comemorou” 50 anos.

O autores, algo saudosos do jornalismo heroico da primeira metade do século 20, lamentam o fato de o jornalismo ter se transformado um negócio comercial, com mais espaço para frivolidades e serviços; a cultura massacrada e transformada em mero objeto de consumo; o predomínio das finanças (agora sob o império global) sobre o investimento, que gera riqueza real; e a persistência da pobreza, da desigualdade e da injustiça social, tendo em vista o estancamento das reformas que tornariam possível o crescimento do país e uma melhor distribuição da renda e das riquezas.

O livro resgata também a imagem do presidente deposto João Goulart, tido na época como homem fraco e dispersivo, mas que, na verdade, tinha grandes projetos sociais para o país e antes do golpe, segundo o Ibope, contava com 86% de popularidade.

Um país pronto para decolar – como aconteceu com a Coreia do Sul – é revelado, com o chocante estancamento do processo que tornaria o desenvolvimento possível, segundo Goulart e seu cunhado, o então ex-governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola. O que se seguiu ao golpe – violações de direitos humanos, prisões, torturas, assassinatos de adversários políticos e até de inocentes – é revelado cruamente, o que pode chocar quem não tem muita informação sobre o período.

Sobre os autores
Mylton Severiano
e Palmério Dória – Envolvidos na análise dos fatos que precipitaram 1964 e em suas consequências nefastas, Mylton Severiano e Palmério Dória testemunharam os crimes e desmandos daquela era, pois Severiano esteve na lendária revista Realidade, extinguida pelo AI-5 em 1968, e Palmério Dória, entre outros feitos, escreveu o único livro existente sobre o pistoleiro Alcino João de Nascimento, envolvido no polêmico “atentado de Toneleros”, que precipitou o suicídio de Getúlio Vargas em 1954. Ambos documentaram também a era Sarney e a era FHC em livros de denúncia que foram grandes sucessos de vendagem e leitura, Honoráveis Bandidos e O Príncipe da Privataria.

Leia também: Livro*
Dinheiro da CIA para FHC
Seria o Estadão um jornal “nascido para perder”?
Lista de Furnas: Amaury Ribeiro já tem documentos para o livro A Privataria Tucana 2
Operação Banqueiro: Daniel Dantas é personagem central do livro que a Folha não quis publicar
Operação Banqueiro: “Sem Gilmar Mendes, Daniel Dantas não conseguiria reverter o jogo.”
Turba sarneysista provoca pancadaria no lançamento do livro Honoráveis Bandidos
Paulo Moreira Leite lança “A outra história do mensalão”
Honoráveis Bandidos 2: A compra de votos que permitiu reeleição de FHC vira livro
Palmério Dória lança versão atualizada do livro “Crime de imprensa”
Protógenes Queiroz lança livro-bomba contra banqueiro Daniel Dantas

4 Respostas to “Livro acusa Globo de “delação” no período da ditadura militar”

  1. pintobasto Says:

    Fruto das alianças estapafúrdias que Lula fez com meio mundo pilantra e já se deu muito mal com isso, mas continua muito moderado, não voltou a chamar Sarney de ladrão e os deputados de picaretas.

  2. Jackson Roberto Says:

    Essa é a Grande Verdade!!!

  3. luizmullerpt Says:

    E como prêmio da delação a Globo ganhou muitas concessões espalhadas pelo Brasil inteiro. O curioso é que o PT nasceu combatendo a ditadura mas ao assumir o poder, continuou e continua colocando neste grupo boa parte dos recursos de publicidade do Governo Federal e não faz nenhum movimento sério como governo, para exigir que a Rede Globo honre as concessões que tem, defendendo o Brasil. A Globo é a mãe das serpentes fascistas que estão pelas ruas hoje.

  4. pintobasto Says:

    O PT e o próprio Governo têm a obrigação de fazer grande divulgação destes livros que se tornaram páginas deploráveis da nossa história.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: