37 mil afetados: Alckmin reduz programa de leite para crianças carentes

Leite_Programa_Alckmin01

Mães aguardam a chegada do lote de leite em UBS do município de Hortolândia, no interior de São Paulo. Foto de Juca Varella / Folhapress.

Venceslau Borlina Filho, via Folha online em 4/7/2015

Ataília de Souza, 30, vai duas vezes por semana à igreja perto de sua casa buscar o leite que reforça a alimentação do filho Paulo Henrique, de cinco anos. Quando o garoto completar seis anos, porém, essa rotina vai mudar.

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) mudou o critério de distribuição do projeto Viva Leite, que atende à população mais carente do Estado.

Antes, o programa que garante 15 litros de leite ao mês aos beneficiados atendia crianças de seis meses a seis anos e 11 meses de idade. Mas desde o dia 1º passou a atender apenas as de um ano a cinco anos e 11 meses.

O corte foi anunciado pela Secretaria de Desenvolvimento Social às prefeituras, responsáveis pela distribuição. De um total de 353 mil crianças beneficiadas no programa, 37 mil foram excluídas.

A pasta sofreu um congelamento de 10% da verba neste ano, mas a secretaria estadual nega que o corte de leite tenha relação com a falta de dinheiro. Segundo o secretário Floriano Pesaro, a decisão foi técnica e legal.

Prefeituras ouvidas pela Folha relataram, porém, que o Viva Leite vem registrando desde o começo do ano uma redução da oferta, seja na quantidade fornecida, seja na inclusão de beneficiários.

Ataília mora com o filho e dois primos na Vila Esperança, em Campinas. Aposentada por invalidez, ela ganha um salário mínimo (R$788,00).

“Eu pego o leite porque ele gosta. Não acho justo retirar, porque a gente vai ter que comprar e, às vezes, não tem dinheiro”, disse. A entrega na região onde ela vive ocorre duas vezes por semana. São, em média, dois litros a cada entrega. “Dá pra dois dias.”

Leite_Programa_Alckmin02

No bairro Santa Mônica, Fátima Ferreira, 35, lamenta a mudança. Ela conta que recebe o benefício há dez anos e que o leite ajudou na alimentação de seus filhos, agora com 13, 11 e 7 anos de idade.

“Tem muita mãe que precisa desse leite para a alimentação dos filhos em casa. Às vezes a criança não quer comer e o leite acaba sendo o alimento”, disse Fátima.

Em Hortolândia, mães ficaram apreensivas com a notícia da redução no Viva Leite. Nesta sexta-feira (3), elas aguardavam a chegada do produto junto com os filhos.

“A gente vem porque precisa. Sem o programa vai ficar muito difícil”, disse a auxiliar de limpeza Maria Sobrinho, 29, desempregada e mãe de três filhos de 6, 4 e 2 anos.

Desnutrição
De acordo com a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), o consumo de leite na faixa etária dos seis anos é tão importante quanto nas outras. “[Possivelmente] o governo precisou fazer o corte e optou pela maior faixa etária”, afirma o pediatra Tadeu Fernandes, presidente do departamento de pediatria ambulatorial da entidade.

“Mas essas crianças são carentes, a desnutrição está presente, e o leite é uma fonte de vitaminas e, principalmente, de cálcio e proteínas. Ele ajuda no crescimento, na formação óssea e no desenvolvimento cognitivo.”

De acordo com o médico, a criança com mais de cinco anos precisa tomar dois copos (de 200 ml cada um) por dia de leite. Para crianças menores de cinco, o ideal são três copos. Já as pequenas, abaixo de dois anos, precisam ingerir quatro copos de leite diariamente.

Para Fernandes, o leite entregue pelo programa é importante para complementar a alimentação fornecida nas creches e escolas.

Leite_Programa_Alckmin03

Ataília de Souza, 30, mostra o leite que busca para o filho de cinco anos, que perderá o benefício. Foto de Juca Varella / Folhapress.

Outro Lado
O secretário de Desenvolvimento Social do governo Geraldo Alckmin (PSDB), Floriano Pesaro, afirmou que a decisão de reduzir a faixa etária dos beneficiários do projeto Viva Leite foi “técnica”.

Pesaro disse que ela se fundamenta no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), pelo qual as crianças de seis anos matriculadas já recebem alimentação suplementar nas escolas.

O secretário afirmou ainda que o corte do leite para bebês de até um ano visa incentivar o aleitamento materno.

Pesaro negou que o contingenciamento da pasta tenha afetado o Viva Leite. Porém, afirmou que, com a exclusão das crianças de seis anos, será possível atender 100% das crianças na faixa de um ano a cinco anos e 11 meses.

Pelos dados do governo, o Viva Leite atende 83% das crianças de um ano a cinco anos e 11 meses. Com a saída das que tem seis anos (27.164), diz que será aberto espaço para outras (cerca de 64 mil).

O secretário disse que será utilizado todo o recurso do programa, de R$240 milhões.

A estimativa é atender neste ano 788.659 pessoas (entre crianças e idosos).

“Não se trata de perder. Estamos focalizando o programa e dividindo por esferas de governo [federal, estadual e municipal] quem é responsável por cada faixa etária.”

Procurado, o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) informou que não iria comentar a decisão da esfera estadual.

O Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome afirmou que a decisão do Estado não tem relação com políticas federais.

Leia também:
Em São Paulo, pedágio mais caro do país é reajustado
São Paulo: O encarceramento em massa como política de segurança
Person of the year: FHC fala mal do Brasil e espanta investidores que Alckmin queria atrair
Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?
Marcha da Família conta com o apoio de Geraldo Alckmin
Para especialistas, fuga espetacular do PCC foi jogada eleitoral e arriscada
Documento acusa Alckmin de criar “falsa impressão” ao tentar atenuar desabastecimento de água
Plínio de Arruda Sampaio: “Ponho a mão no fogo pelo Alckmin.”
Choque de gestão: Alckmin tira recursos da segurança e educação
E se faltar água em São Paulo?
Racionamento de água e a sina do PSDB
Luciano Martins Costa: A reportagem que nunca foi escrita
Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência
Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos
Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira
Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC
Documentos secretos revelam a relação entre PCC e parte da PM de São Paulo
Geraldo Alckmin usou ameaça do PCC para se promover
Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin
Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin
A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin
Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política
E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos
Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?
O feito extraordinário de Alckmin
Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp
Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin
Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin
Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações
Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia
Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64
Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira
O jovem velho que é a cara do PSDB
Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin
Endireita, São Paulo: Os depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin
Conheça a biografia de Geraldo Alckmin
José Serra deflagra operação Sabesp
Vídeo: Da crise hídrica à crise democrática
No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade
Gestão tucana: Caos social por falta de água em São Paulo
ONU considera crise hídrica em SP uma violação aos direitos humanos
Depois de destinar R$4,3 bilhões a acionistas, Alckmin quer aumentar preço da água
Gestão tucana: Se o Tietê estivesse despoluído, ele poderia salvar São Paulo da crise hídrica
Sabesp é generosa com acionistas, mas não com investimentos em infraestrutura
Memória seletiva: Folha diz que alerta para crise hídrica desde 2001. De uma hora pra outra esqueceu
Vladimir Safatle: A crise da água e a transferência de responsabilidades
Diretor da Sabesp: “Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água.”
Enquanto a Petrobras é massacrada, a Sabesp é convenientemente esquecida
Lógica financeira da Sabesp marginaliza tratamento de esgoto e limpeza de rios
Escolas fechadas, fuga da cidade, caminhões-pipa: O cenário possível de São Paulo sem água
A fina flor da demagogia barata
Folha, 12/10/2003: São Paulo só atende demanda por água até 2010
Se o rodízio de 24 horas fosse feito em 2014, haveria economia de 12,3% do Cantareira
Está chegando o dia: Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo
Agora é oficial: Ministério Público aponta responsabilidade de Alckmin na crise da água
Alckmin pode não ter solução para a água, mas já tem estratégia de mídia
Estelionato eleitoral: Cronologia das pérolas ditas por Alckmin durante a crise hídrica
São Paulo: Por trás da falta d’água, privatização e ganância
Sabesp ignorou regra que reduziria risco de falta de água em São Paulo
Em 2013, devido à falta de manutenção nas tubulações, Sabesp desperdiçou uma Cantareira
“Oh, happy days”: A festa da Sabesp em Nova Iorque e a falta de água em São Paulo
Alguém precisa acordar Alckmin
Os 10 mitos sobre a crise hídrica
Os tucanos já gastaram US$3,6 bilhões para limpar o Tietê, mas o rio continua poluído
O que sai no jornal ou “o racionamento dos fatos”
Em 2009, Serra foi alertado para a crise hídrica de 2015. E não fez nada
Para entender a escassez de água
Sabesp se nega a publicar contratos de empresas que mais consomem água
Luciano Martins Costa: A ordem é preservar Alckmin e criminalizar a população
Empresas começam a deixar São Paulo pela falta d’água
Falta luz? Nos últimos anos, Eletropaulo cortou investimentos
Sabesp: Do Cantareira para a Bolsa de Nova Iorque
Em São Paulo, 360 quilômetros de Metro: Era a previsão de 1968
Secretário de Alckmin diz que reclamações sobre falta d’água em São Paulo são “exibicionismo”
Catástrofe social, econômica e ambiental ronda o estado de São Paulo
É hora de Fernando Haddad coordenar a luta contra a falta de água

4 Respostas to “37 mil afetados: Alckmin reduz programa de leite para crianças carentes”

  1. welbi Says:

    O título da matéria não condiz com seu conteúdo. Os dados exibidos mostram que a verba este ano aumentou. Como explicou o secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro não houve diminuição de crianças atendidas, e sim uma readequação dos critérios. Como também explicou Pesaro, os demais entes federativos, municípios e União, tem que assumir suas responsabilidades. O Governo de SP tem arcado com muitas responsabilidades federais e municipais. Cada um tem que cumprir seu papel.

  2. gustavo_horta Says:

    PRECISA LER NÃO.
    APENAS UMA NOTÍCIA DE UM PETRALHA, PETISTA, COMUNISTA, FDP, …
    OLHA SÓ, NA VERDADE, ESTOU MUITO MAIS À ESQUERDA DO QUE ELES TODOS! rs rs
    MAS EU LERIA! rs rs
    PELO MENOS SABERIA QUEM É QUE ESTÁ A ME ESTUPRAR.

    COISAS ASSIM VOCÊ NÃO VERÁ NA MÍDIA CRETINA: “37 mil afetados: Alckmin reduz programa de leite para crianças carentes”

    MAS ELE É DO PSDB, ENTÃO NÃO TEM PROBLEMA, NÃO É NOTÍCIA.

  3. laide Says:

    GERALDO ALCKMIN psdb governador de São Paulo, PAGA R$ 669.240,00 A REVISTA VEJA. O Diário Oficial do Estado publicou a compra – SEM LICITAÇÃO – de 5.200 assinaturas semestrais da revista VEJA para serem distribuídas nas escolas da rede pública. O valor contratado foi de R$ 669.240,00, a ser desembolsado em nome da Fundação para o Desenvolvimento da Educação, órgão do governo estadual. A linha editorial da publicação da revista VEJA é simpática ao governo paulista e hostil à oposição dentro do estado. VEJA serve aos interesses políticos do governador, mas é péssima para os cofres públicos paulistas e para os estudantes das escolas pública

  4. pintobasto Says:

    São cada vez maiores os fatores que nos mostram como Alckmin tem péssima imagem junto do Povo! Não se entende como conseguiu tantos votos para se eleger logo no 1º turno ou por outra, dá para acreditar mais nos boatos que circulam por todo o lado: HOUVE COMPRA DE VOTOS P/Alckmin, Aécio e Serra!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: