Na Alemanha não existe saúde gratuita, além disso ter um plano é obrigatório, caro e ruim

Alemanha_Remedios01

Além dos altos preços dos planos, remédios custam mais caro do que no Brasil.

Ivana Ebel, via Fala, Alemôa em 18/6/2015

Eu já falei por aqui que nem tudo na Alemanha são flores. Não me entenda mal: eu adoro viver aqui e se a balança não pendesse para o lado alemão, pode ter certeza que eu já teria me mudado. Não tenho vocação para masoquista e nem sou uma árvore. Mas esta semana esbarrei com um daqueles perrengues que me deixam louca da vida: a saúde.

Para começar, um aviso. Não existe saúde gratuita na Alemanha. Não há nada parecido com o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. Não há assistência gratuita – a não ser em projetos de caridade – para quem não esteja no sistema. Isso vale também para turistas: quem não tem um seguro pode ser barrado na fronteira. Aqui se paga caro por saúde, bem caro e ter plano é obrigatório.

Bom, eu não cheguei aos 40 ainda e pago, por mês, mais de R$800,00 de plano. Ok que é para mim e para meu marido, que foi aceito como meu dependente e isso não altera o valor, mas convenhamos que a conta é bem salgada. Ainda mais que não tenho a opção de não pagar e, mesmo pagando, não tenho acesso aos serviços que deveria ter.

O esquema todo aqui é o seguinte. Existem uma série de planos de saúde públicos (incluindo o meu). Ou seja, mesmo com os mais de 30% de impostos descontados em média dos salários, o Estado me obriga a pagar, todos os meses, por um plano de saúde. Posso escolher ainda um plano privado, mas caso minha conta comece a subir muito ou determinados serviços que eu possa precisar não estejam cobertos pela apólice, a coisa complica. Existem raras situações que permitem um usuário retornar do seguro privado para o público. Nesse caso, a opção é: ser refém do governo ou de uma empresa.

Não quero dizer aqui que o SUS é perfeito: não é. Mas existe. Tem filas, faltam médicos, sobram queixas: mas muita gente é atendida, recebe remédios e exames de qualidade sem pagar um centavo por isso. Na Alemanha não. E o tempo que se leva para marcar um médico por aqui, com o plano bem pago, é de deixar qualquer um a beira da morte. Hoje, depois de ligar para todos os endocrinologistas da cidade, consegui uma consulta! Uhuuu… Para o final de novembro.

Leia também:
Cada vez mais, mulheres recorrem ao SUS para ter parto normal
“Mundo pode aprender com experiência do SUS”, diz jornal britânico
Programa Mais Médicos, o Bolsa Família da saúde
Em 2014, SUS registrou 1,4 bilhão de consultas médicas
Por que o Brasil forma médicos para elite
Médicos fantasmas: Brasil descobre por que o SUS não funciona
Mídia ignora operação da PF que prendeu “doutores” ladrões do SUS
Médicos simulavam cirurgia cardíaca sem necessidade para desviar recursos do SUS
A quem interessa desmoralizar o SUS? E quem ganha dinheiro com isso, e muito?
Médicos que fraudaram SUS abriram empresas para sonegar Imposto de Renda
Deputados financiados por planos de saúde declaram guerra ao SUS
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Banditismo: Máfia de médicos desvia milhões de reais do SUS
As estratégias de destruir o SUS para mercantilizar a saúde
Mais Médicos promove humanização da atenção básica no SUS
Conselho Federal de Medicina condena campanha do SUS contra racismo
Fantástico mostra hospital com atendimento em nível de excelência, mas omite que é 100% SUS
SUS, um direito a ser defendido
Período de formação no SUS aproximará médico da população
José Gomes Temporão: SUS, entre a hegemonia e a americanização
Leandro Fortes: Petralha usa SUS para fazer operação cardíaca
Recordar é viver: MP manda Serra tirar dinheiro do SUS do mercado financeiro e aplicar na saúde

6 Respostas to “Na Alemanha não existe saúde gratuita, além disso ter um plano é obrigatório, caro e ruim”

  1. Leandro Serra Seca Says:

    Minha dúvida seria, no caso de uma atendimento a uma pessoa ( turista ) que não tem nenhum seguro ou até mesmo o seguro não cobrir e não ter condições financeiras como o governo alemão agi nestas questões ???

  2. Moacir Says:

    E o SUS poderia ser igual ao Sistema de Saúde Inglês (que também já foi melhor, antes do “furacão Tatcher”), se não fosse nossa sonegação campeã e a oposição de poderosos interesses privados. Como diz o Dr. Gastão W. Campos: o SUS é melhor que o Brasil”. Por enquanto…

  3. edson tadeu Says:

    mais se um país nao dar a saúde publica para seu povo e nao dá condiçoes para que esse povo possa pagar um plano de saúde esse governo é facista como o dos EUA e outras naçoes que nao dao assistencia ao seu povo. Qualquer governo so tem 2 opçoes uma é dá bons salarios a todos para que possa pagar pela saúde educaçao alimentaçao e moradia, a outra é dá tudo isso gratuitamente ao seu povo. se nao for assim esse governo é facista neonazista capitalista e criminoso pois submete seu povo as mazelas do estado.
    Observamos que uim país que deixa a saúde nas maos de privados submete seu povo aos ditames privados e esse privado faz o que bem quer com o povo como preços altos, demora demais no atendimento, porque geralmente a procura é maior do que a oferta. Ja aqui tem uma parcela da sociedade que paga seus planos de saúde e uma grande parcela da populaçao que nao paga. e isso diminui o numero porque a primeira parcela quase que nao usa os serviços publicos. ou pelo menos nao deveria usar.

  4. Jackson Roberto Says:

    “primeiro mundo” é que foram primeiros que o Brasil (velho mundo)
    aqui tem muito que se fazer e demos os primeiros passos com Lula e Dilma, né?
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  5. Dayse Silva Says:

    Aqui no Brasil tem-se sempre a concepção de que tudo no “primeiro mundo” é melhor.
    Ao que parece, não é bem assim.
    Mas, ao contrário da Alemanha, na Inglaterra, por ex., qualquer pessoa que chegar a um hospital público, e quase todos os hospitais são públicos, é atendida.
    E, se alguém for a um hospital privado e lá for atendido, o hospital público paga todas as despesas àquele hospital, que prestou atendimento.
    Outro grande exemplo de excelência de serviço público de saúde é o de Cuba. É serviço universal e independente de nacionalidade.

  6. gustavo_horta Says:

    Pois é. Aqui em nossas bandas do Brasil a elite vive a criticar o serviço público de saúde. Atualmente, um conhecido meu, jovem de cinquenta e poucos anos, padecendo de câncer, é medicado gratuitamente, pago pelo povo brasileiro no serviço chamado SUS, ao custo de R$75 mil cada dose do medicamento. Ele é, ironicamente, da elite que vivia a criticar o tal SUS. A vida dá mesmo voltas.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: