A criminalização da diplomacia comercial brasileira

Lula_Moro02

Lula mediou parcerias entre empreiteiras nacionais com outros países, Sérgio Cabral é suspeito de participação em corrupção de contratos. As duas atuações são equiparadas pela imprensa à Lava-Jato.

Patricia Faermann, via Jornal GGN em 22/6/2015

Na tentativa da imprensa de criminalizar relações diplomáticas brasileiras, Época, O Globo, Folha de S.Paulo e outros veículos enfatizaram a relação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com empreiteiras, setor da economia que mais se internacionalizou. “Papéis mostram proximidade de Lula com empreiteiros”, publica o jornal paulista, abafando o que seria a notícia da segunda-feira, dia 22/6: “Preso liga ex-governador a obra suspeita”, imprimiu, ao lado.

O “ex-governador” não nomeado no título é Sérgio Cabral (PMDB/RJ), que foi identificado em participação para incluir a Odebrecht – mesma companhia relacionada à Lula – em consórcio que conquistou no Complexo Petroquímico do Rio (Comperj).

A citação ao ex-governador foi encontrada em e-mail, de 4 de outubro de 2007, pela equipe da Polícia Federal que investiga a Operação Lava-Jato. O diretor da Odebrecht Rogério Araújo escreveu a outros executivos: “Petrobras/PR [que seria o então diretor da estatal Paulo Roberto Costa] vai conversar com o governador sobre este novo arranjo para a participação da CNO [Construtora Noberto Odebrecht]. É importante Sérgio Cabral ratificar! E também definir o seu interlocutor neste assunto que atualmente junto a Petrobras e Mitigue é o Eduardo Eugenio Gouvea [presidente da Federação das Indústrias do Rio]”.

O documento integra a última fase da Operação Lava-Jato, que levou à prisão executivos da empreiteira e da Andrade Gutierrez. O contrato do consórcio que reunia Toyo, UTC e Odebrecht foi o maior do Comperj, para a construção do ciclo de água e utilidades, recebendo US$3,8 bilhões (R$11,59 bilhões).

Até hoje paralisada, o custo que já chega a US$47 bilhões, por aditivos e novas estimativas, foi questionado pelo TCU, e dois executivos em delação premiada – Júlio Camargo e Augusto Mendonça, da Toyo – afirmaram que houve o pagamento de propina no contrato. Documentos mostram a transferência de R$18 milhões para uma empresa de Júlio Camargo, que seria usado para pagar propina a dirigentes da Petrobras.

“O ex-governador Sérgio Cabral jamais interferiu em quaisquer obras da Petrobras, inclusive as da Comperj”, afirmou a assessoria do peemedebista ao jornal Folha de S.Paulo.

Os indícios de envolvimento de Cabral no esquema de corrupção da Petrobras dão espaço, entretanto, para o destaque das notícias republicadas sobre Lula, que criminalizam o papel do ex-presidente em relações exteriores das empresas brasileiras: “documentos obtidos na Operação Lava-Jato trouxeram à tona a relação do ex-presidente com executivos das maiores empreiteiras do país”, inicia a Folha.

O jornal conta que em seminário, em 2013, Lula dirigiu-se ao presidente do Peru, Ollanta Humala, sugerindo aliança com as empresas OAS, Camargo Corrêa, Odebrecht, Andrade Gutierrez, Embraer e Eletrobras, além de viajarem também à Colômbia e ao Equador, papel normal na atuação de presidentes da República dos Estados Unidos, por exemplo.

Em outro momento, em uma conversa por mensagem de texto vazada pela PF, o então presidente da OAS, Léo Pinheiro, afirma a executivo da empreiteira Cesar Uzeda: “a agenda nem de longe produz os efeitos das anteriores do governo do Brahma [como se referiam a Lula], no entanto acho que ajuda a lubrificar as relações. (A senhora [Dilma] não leva jeito, discurso fraco, confuso e desarticulado, falta carisma)”.

Não foram apontadas, contudo, suspeitas de ilegalidade ou propina na articulação de Lula para as empresas brasileiras expandirem seus negócios no exterior.

Leia também:
Odebrecht descarta delação e faz manifesto
Agora é Lula quem está na mira de Sérgio Moro
A ficha suja dos defensores do impeachment de Dilma
O tamanho do ódio por Lula, Dilma e PT
Não sobrou pedra sobre pedra: A resposta de Lula à Época
Diego Escosteguy é o Kim Kataguiri do jornalismo
Espumando, FHC adverte os golpistas divididos: “O alvo é Lula”.
O terceirizado que jogou o Ministério Público no show bizz
MPF arrasa revista Época: Não há provas contra Lula
Denúncia da revista Época contra Lula mancha Ministério Público Federal
A prova da mentira de Época contra Lula
Lula deu uma surra no panelaço
Mujica, O Globo e o “chupa petralhas!”
Tremei, paneleiros. Lula está de volta às ruas!
Revista Época questiona Lula por contrato do governo de FHC
“Confissão” de Lula a Mujica é mais um crime de imprensa
Depois de Dilma, Lula novamente
Época não consegue inovar e repete a farsa
Mujica deveria aceitar o convite sem-noção de Caiado para falar no Brasil
Carta aberta a Mujica: “Perdão pela mídia canalha brasileira, dom Pepe.”
Réquiem para o jornalismo
Lula é odiado porque deveria ter dado errado
Corra, Lula, corra
Como funciona a fábrica de infâmias contra Lula na internet
Lula ironiza pastores evangélicos em palestra: “Jogam a culpa em cima do diabo.”
Vai pro pau: Lula topa a polêmica que FHC pediu na tevê
Chico Buarque: “O alvo não é a Dilma, mas o Lula.”
Na Itália, Lula fala sobre importância do combate à fome
Histórico plano de investimento prevê R$198,4 bilhões para promover crescimento no Brasil
Mentiras e omissões sobre o pacote de concessões
Sorry, coxinhas! Lula é aplaudido na ONU
Lula recebe homenagem da Prefeitura de Roma
Paulo Moreira Leite: Apesar do massacre, memória de Lula persiste
Doações: com Lula é “imoral”, com FHC é “cultural”. A hipocrisia da mídia e o sapato do Brizola
Líder do Retardados Online quer “pegar Lula” na Bahia
Lula se antecipa a nova armação da Veja
Lula: “O PT continuará vivo enquanto os trabalhadores sonharem com uma vida melhor.”
Por que o MCCE parou de fazer ranking da corrupção por partido?
1994-2014: A inflação dos períodos FHC e Lula/Dilma
Lula mostrou o Darf. Quem falta mostrar?

Uma resposta to “A criminalização da diplomacia comercial brasileira”

  1. pintobasto Says:

    Tratar Lula como lobista das grandes empreiteiras junto de governos estrangeiros, é muita falta de honestidade moral e, sobretudo, de nacionalismo. Atuando Lula junto de governos para contratarem nossas grandes empreiteiras, está fazendo algo que merece elogios, não críticas maldosas e partindo de meios jurídicos, pressupondo algum dolo nessas relações, chegam ao ridículo e são duma ingenuidade que parece ser muito velhaca. Lula agiu muito corretamente em favor das empreiteiras nacionais. Se houver algum juiz que tenha o desplante de incluir Lula em processo de averiguações, terá que apresentar fortes indícios de comportamento doloso porque vai ter contra ele todos os brasileiros honestos que prezam sua Pátria.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: