No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade

Sabesp31_Publicidade

Parte da documentação relativa à publicidade.

Esta é mais uma reportagem da série do DCM dedicada a investigar o papel da Sabesp e de seu controlador, o governo do estado de São Paulo, na crise da falta de água. As demais matérias estão aqui.

Pedro Zambarda de Araujo, via DCM em 15/6/2015

O DCM obteve as planilhas de investimento em publicidade da Sabesp nos anos de 2010, 2011, 2012, 2013, 2014 e 2015 até o mês de abril. De acordo com os documentos, a empresa gastou R$44.462.117,03 no ano passado, quando Geraldo Alckmin foi reeleito no auge da crise da falta de água com pouca cobrança na imprensa. As operações fazem parte do plano de investimentos de uma companhia com valor de mercado estimado em R$15 bilhões.

A Sabesp, que já investiu R$20.135.566,03 até o mês de abril em 2015, está numa tendência de alta. O valor é praticamente o dobro dos R$11.074.787,61 aplicados entre janeiro e junho do ano passado.

O aumento dos investimentos publicitários da Sabesp reforça as acusações de Renê Vicente dos Santos, presidente da Sintaema (Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente), ao Ministério Público do Estado no dia 6 de maio. Funcionário há 18 anos, ele disse aos promotores que a população não foi informada da gravidade da crise na Cantareira de propósito.

“Desde o mês de dezembro de 2013 já era notória, dentro da Sabesp, a gravidade da situação e que esta refletiria no fornecimento de água na região metropolitana. Ficou claro, no entanto, que por se tratar de um ano eleitoral, o assunto não deveria se tornar público”, disse Renê.

A Sabesp divide as propagandas em rádios, jornais, revistas, sites e em outras agências de comunicação. As campanhas são de economia de água e promoção da marca.

O aumento do investimento contrastou com a timidez ou o falso otimismo da cobertura jornalística da crise. A maior parte do montante foi para Globo Comunicações e Participações S.A., TV SBT Canal 4 de São Paulo, Universo Online S.A., Empresa Folha da Manhã S.A., S.A. O Estado de São Paulo.

Só na primeira metade de 2014, a Sabesp investiu mais de R$11 milhões. Com a seca, o valor aumentou. No segundo semestre do ano passado, o dinheiro de anúncios subiu para R$33.387.329,42, o triplo do valor, quando o governador Geraldo Alckmin foi reeleito e o diretor metropolitano Paulo Massato disse que os paulistanos teriam que abandonar a cidade se a seca do Cantareira piorasse.

A maior parte dessas empresas de comunicação é enquadrada como cliente de “demanda firme“ em suas contas de água. A Globo e a Folha, por exemplo, possuem descontos de até 75% em suas sedes.

Enquanto a Operação Lava-Jato mereceu menções diárias no Jornal Nacional, a seca do Cantareira só ganhou holofotes na Globo no programa Fantástico, e mesmo assim poupando o nome do governador ou de seu partido. O UOL deu manchetes positivas toda vez que o sistema Cantareira aumentava seu volume nas chuvas entre fevereiro e março de 2015. A Veja não deu nada sobre o assunto. A Veja São Paulo, principal revista da cidade, mencionou a questão en passant, sonegando informações importantes aos seus leitores.

Com investimentos milionários em comunicação e uma mãozinha da mídia amiga, a Sabesp mascara sua crise. Nada sobre, por exemplo, as denúncias de que pelo menos oito empresas terceirizadas teriam ex-funcionários em seus quadros e para vencer 42 licitações no projeto de perdas de águas, que é um dos fundamentais para manter o nível da Cantareira mais estável durante a crise.

Atualmente, a Sabesp perde cerca de 30% da sua água em tubulações, com picos de até 40% segundo seus funcionários. O exército já deu as caras na sede. As chuvas pararam em São Paulo em abril. Quando a empresa prezar por transparência e deixar de financiar os amigos com tanta vontade, talvez os paulistas tenham uma chance de passar pela seca com menos sofrimento.

Leia também:
Gestão tucana: Caos social por falta de água em São Paulo
ONU considera crise hídrica em SP uma violação aos direitos humanos
Depois de destinar R$4,3 bilhões a acionistas, Alckmin quer aumentar preço da água
Gestão tucana: Se o Tietê estivesse despoluído, ele poderia salvar São Paulo da crise hídrica
Sabesp é generosa com acionistas, mas não com investimentos em infraestrutura
Memória seletiva: Folha diz que alerta para crise hídrica desde 2001. De uma hora pra outra esqueceu
Vladimir Safatle: A crise da água e a transferência de responsabilidades
Diretor da Sabesp: “Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água.”
Enquanto a Petrobras é massacrada, a Sabesp é convenientemente esquecida
Lógica financeira da Sabesp marginaliza tratamento de esgoto e limpeza de rios
Escolas fechadas, fuga da cidade, caminhões-pipa: O cenário possível de São Paulo sem água
A fina flor da demagogia barata
Folha, 12/10/2003: São Paulo só atende demanda por água até 2010
Se o rodízio de 24 horas fosse feito em 2014, haveria economia de 12,3% do Cantareira
Está chegando o dia: Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo
Agora é oficial: Ministério Público aponta responsabilidade de Alckmin na crise da água
Alckmin pode não ter solução para a água, mas já tem estratégia de mídia
Estelionato eleitoral: Cronologia das pérolas ditas por Alckmin durante a crise hídrica
São Paulo: Por trás da falta d’água, privatização e ganância
Sabesp ignorou regra que reduziria risco de falta de água em São Paulo
Em 2013, devido à falta de manutenção nas tubulações, Sabesp desperdiçou uma Cantareira
“Oh, happy days”: A festa da Sabesp em Nova Iorque e a falta de água em São Paulo
Alguém precisa acordar Alckmin
Os 10 mitos sobre a crise hídrica
Os tucanos já gastaram US$3,6 bilhões para limpar o Tietê, mas o rio continua poluído
O que sai no jornal ou “o racionamento dos fatos”
Em 2009, Serra foi alertado para a crise hídrica de 2015. E não fez nada
Para entender a escassez de água
Sabesp se nega a publicar contratos de empresas que mais consomem água
Luciano Martins Costa: A ordem é preservar Alckmin e criminalizar a população
Empresas começam a deixar São Paulo pela falta d’água
Falta luz? Nos últimos anos, Eletropaulo cortou investimentos
Sabesp: Do Cantareira para a Bolsa de Nova Iorque
Em São Paulo, 360 quilômetros de Metro: Era a previsão de 1968
Secretário de Alckmin diz que reclamações sobre falta d’água em São Paulo são “exibicionismo”
Catástrofe social, econômica e ambiental ronda o estado de São Paulo
É hora de Fernando Haddad coordenar a luta contra a falta de água

Uma resposta to “No auge da crise hídrica e durante a campanha eleitoral, Sabesp triplicou gastos com publicidade”

  1. pintobasto Says:

    E o Povo de São Paulo elegeu Geraldo Alckmin no primeiro turno, dá para entender?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: