Brizola previu: O aparelhamento do estado pelos evangélicos e a ascensão de Cunha

Eduardo_Cunha_PMDB45_FSP2000Kiko Nogueira, via DCM em 16/6/2015

Bem que Brizola avisou.

Em dezembro de 1998, ele e Anthony Garotinho, então governador do Rio, tiveram uma briga em torno da escolha do secretariado.

Dizia uma matéria da Folha: “Brizola não aceita a indicação do ex-presidente da seção fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil Sérgio Zveiter para secretário de Justiça, nem a de Eduardo Cunha, presidente da Telerj no governo Collor (1990-1992), para a Habitação.”

A questão envolvendo Cunha era, para começar, o desconforto pelo fato de ele ter sido presidente da Telerj por obra de Fernando Collor.

Cunha era uma indicação de um deputado federal evangélico chamado Francisco Silva, que apoiou Garotinho na campanha. Dono da rádio Melodia, do Rio, Silva fez fortuna produzindo o inesquecível Atalaia Jurubeba, beberagem para o fígado.

Foi ele quem levou Cunha para os cultos da Igreja Sara Nossa Terra há 20 anos, introduzindo-o no pentecostalismo (hoje o presidente da Câmara é membro da Assembleia de Deus em Madureira, maior e mais influente). Cunha ainda faz inserções diárias na Melodia, encerradas com o bordão “afinal de contas, o povo merece respeito” [rs].

De volta: em 2000, o aparelhamento evangélico no Rio de Janeiro chamou a atenção de Brizola. “O governo tem de ser mais discreto, está vivendo um protestantismo exagerado”, declarou.

Brizola estava incomodado com a Cehab, comandada por Cunha, dona de um dos maiores orçamentos do governo fluminense. Organizou um abaixo assinado pedindo o afastamento de Eduardo Cunha “devido à má-gestão e também aos seus antecedentes”, de acordo com outra reportagem da Folha de S.Paulo.

Seu descontentamento incluía o subsecretário do Gabinete Civil, uma figura chamada Everaldo Dias Ferreira – que viria a se transformar no Pastor Everaldo, aquele que formou com Aécio Neves uma das duplas mais desprezíveis das corridas eleitorais em todos os tempos. Everaldo era ligado à vice-governadora Benedita da Silva, do PT, também evangélica.

“Qual a legitimidade de tantos pastores no governo? Quem são esses pastores da Benedita?”, dizia Brizola. “Vivem posição ambígua, se queixam de tudo, começam a fazer denúncias, mas não deixam os cargos que ocupam. Ora, se o caminhão tá ruim, é só pedir para desembarcar.”

Cunha deixou o cargo naquele ano, após denúncias de irregularidades em licitações. Os processos abertos no Tribunal de Contas do Estado foram arquivados em 2004 e reabertos em 2012.

Brizola enxergou a ocupação evangélica e os monstros que se criavam. O capeta quis que Cunha se tornasse, 15 anos depois, o messias do fundamentalismo religioso no Brasil. Morto em 2004, Leonel Brizola escapou de testemunhar o país ser subjugado por um exército de fanáticos de ocasião.

Leia também:
As falcatruas de Eduardo Cunha na Telerj e na Cehab/RJ
O Congresso Nacional tem dono. E, definitivamente, não é o povo
Reforma política do Eduardo Cunha é um deboche com o povo brasileiro
Eduardo Cunha desengaveta projeto que legaliza o jogo do bicho
A reforma política de Eduardo Cunha
A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: A síndrome de Pelé
Paulo Moreira Leite: Marco Aurélio Mello deu uma aula de Constituição e democracia
Fifa: Saiba por que o silêncio de Ronaldo e Pelé está ligado a J.Hawilla e aos EUA
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
“Assisti, mas deletei”, diz deputado que viu vídeo pornô no plenário da Câmara
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha
O engavetador tucano Gilmar Mendes acusa OAB de ser laranja do PT

Uma resposta to “Brizola previu: O aparelhamento do estado pelos evangélicos e a ascensão de Cunha”

  1. Tiago Says:

    Em 98 Garotinho não era governador. Era Marcello Alencar do PSDB.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: