A Editora Abril agoniza em praça pública

Augusto_Nunes12_Veja

Um disparate.

Paulo Nogueira, via DCM em 4/6/2015

Em 1989, a revista Veja deu uma capa que provocou uma barulhenta polêmica. Cazuza estava morrendo de Aids, e seu emagrecimento avassalador vinha sendo acompanhado por todos em fotos. Na etapa final, Cazuza parecia uma caveira.

A capa da Veja estampava Cazuza na etapa final com a seguinte chamada: agonia em praça pública. A Veja matou em vida Cazuza.

Era um tempo em que os autores não assinavam textos na Veja. Aos curiosos, quem escreveu o texto final foi Mario Sergio Conti, um dos jornalistas mais maldosos que conheci. Hoje, Conti faz os espectadores dormir num programa de entrevistas na Globonewzzzzzzzz.

Bem, mas o que eu ia dizer é que, passados cerca de 25 anos, a Veja poderia dar uma outra capa na mesma linha agônica. Apenas, em vez de Cazuza, o personagem seria a Editora Abril, que publica a Veja.

A Abril parece também estar com Aids, não na versão controlável de hoje, mas no modelo fatal dos dias de Cazuza. O emagrecimento da editora é extraordinário.

Nesta semana, no que já se tornou uma rotina, mais revistas foram fechadas (ou despachadas para a semimorte na Editora Caras, da qual os Civitas são sócios) e mais demissões foram feitas.

Entre alguns ex-abrilianos, houve uma comoção. No Facebook, uma jornalista veterana que trabalhou mais de 20 anos na Abril postou a informação e disse que sentia vontade de chorar. Mas ponderaram a ela que a Abril de hoje em nada parece com a Abril de um passado já remoto.

A alma da empresa se transformou, ou se revelou, ainda não tenho meu diagnóstico definitivo, mesmo tendo passado 25 anos na empresa. A Abril é maligna.

A Veja faz mal ao país. Pratica um jornalismo criminoso – ou de exceção, como definiu seu diretor Eurípides Alcântara, seja lá o que isso representa. Mente, distorce, estimula o ódio e a divisão entre os brasileiros. Investe sem pudor nenhum contra a democracia, como se viu na capa lançada um dia antes do 2º turno das últimas eleições. O único objetivo era interferir, com um golpe sujo, no resultado.

A Veja se infestou de discípulos de Olavo de Carvalho, o que significa uma visão de mundo ultraconservadora, homofóbica e outras coisas sinistras do repertório dos olavetes.

Veja_Cazuza01

Em 1989, a Veja matou Cazuza em vida.

A ex-abriliana chorosa se confortou quando lhe foi dito, por algumas pessoas, que já não era a Abril dela. Ela reconheceu que já não lia nada da Abril fazia muito tempo, por discordar inteiramente da linha da Veja e da empresa. “Sequer em consultório de dentista”, afirmou.

A Abril agoniza em parte como resultado da emergência da era digital e em parte como fruto da inépcia de seus donos. Como um dinossauro, a editora não conseguiu se adaptar aos novos tempos. Demorou para aceitar que a internet iria engolir a mídia impressa (e as demais, como agora ficou claro).

Numa de minhas últimas conversas com Roberto Civita, pouco antes de eu sair da Abril, ele me perguntou, aflito: “Onde estão as fotos como as da Life?” Ora, elas estavam, e estão, na internet, mas Roberto não conseguia enxergá-las.

Hoje, você vê a Abril fazendo bobagens extraordinárias na internet. Uma das maiores, e escrevi sobre isso, é a TVeja. Veteranos jornalistas têm conversas intermináveis sob uma câmara em geral estática, numa negação completa à cultura digital.

No canal da TVeja, no YouTube, você encontra os resultados desse voo cego. Visualizações miseráveis, às vezes na casa das dezenas. É claro que ninguém da Veja e da Abril se deu ao trabalho de pesquisar melhores práticas mundiais de tevê no jornalismo digital.

Quanto dura a agonia?

Revistas têm consistentemente cada vez menos leitores e cada vez menos anunciantes. Como carruagem ou filmes para máquinas fotográficas, revistas se transformaram num produto em extinção. E o que Abril sabe, ou sabia, fazer era revistas.

É previsível que num prazo entre curto e médio sobrem do quilométrico portfólio da Abril umas três ou quatro revistas, e mesmo assim condenadas, elas também, à morte. Veja, Exame, talvez a Claudia, talvez a 4 Rodas, e vamos parando.

Um próximo passo inevitável vai ser a saída do caro prédio da Marginal do Pinheiros. A Abril alugava as duas torres. Já devolveu uma, e não deve tardar a entregar a outra também.

Quanto aos funcionários, os que sobreviveram aos cortes recentes sabem que podem perfeitamente estar no próximo. E isso faz da Abril uma empresa tóxica para trabalhar.

Uma coisa particularmente bizarra é que mesmo agonizando e fazendo bobagens notáveis, a Abril, pela Veja, dá aulas diárias ao governo de como administrar o país.

Parece o Estadão, que uma vez publicou um editorial no qual dizia: “Como vínhamos alertando a Casa Branca etc. etc.” Os Mesquitas não conseguiam deixar de pé seu jornal e mesmo assim ofereciam conselhos ao presidente norte-americano.

Não creio em outra vida, em nada disso. Sou um clássico e irremediável ateu. Mas fico aqui pensando que Cazuza bem que merecia, de algum lugar, observar a Veja sofrer a agonia em praça pública que ela impiedosamente colocou na capa sobre ele em 1989.

Leia também:

Veja: Numa conversa entreouvida por um servidor…

Ricardo Melo: O linchamento de José Dirceu

Joaquim Barbosa é responsável pelos crimes da Veja

Depois de morto, Luiz Gushiken derrota Veja: o caso das falsas contas no exterior

Veja acusou o filho de Lula. E agora?

A Veja entregou o milionário tucano Álvaro Dias sem querer

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Dublê da Globo é o herói da Veja

Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

A Editora Abril traiu Aécio?

O jeito é Jânio: Operação Barbosa tem a Veja como porta-voz

A Globo, a Folha e a Veja versus José Genoíno

O doutor Joaquim Barbosa, a Veja, o domínio do fato e o apartamento em Miami

Se ainda tinha algum, Veja perde o pudor e prega vaia contra cubanos

Gilmar Mendes e o pitbull da Veja

Os 30 anos de ódio ao MST nas páginas de Veja

Revista Veja é a Mãe Dinah do PIG: Erra todas as previsões

Veja: O “jornalismo” ficcional mau caráter para leitores boimate

Veja produz seu segundo caso Boimate

Veja descobre que Brasil não acabou e pede: “Sorria!”

Resposta à Veja: Onde está o Brasil? Acorrentado ao poste, como aquele negro. A corrente é a mídia

Demóstenes da Veja vai para a cadeia?

É guerra: Veja manda recado cifrado ao PT

A Veja vendida a preço de banana mostra a agonia das revistas no Brasil

Novo rei da Veja deve R$55 mil de IPTU

A Veja São Paulo e o “Rei dos Coxinhas”

Veja abandona o crime e vai dedicar-se ao humor

Alckmin torra R$3,8 milhões da educação em assinaturas da Folha, Estadão e Veja

Em 1999, no (des)governo FHC, a Veja comemorou a vinda dos “doutores de Cuba”

Resenha desmonta livro de repórter da Veja contra José Dirceu

Jornalismo Wando: Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

O canibalismo comunista da Veja

Até a Forbes sabe que Veja se envolve em corrupção no caso Cachoeira

Breve explicação sobre como funciona nossa mídia

Assassinato de reputação: Erenice Guerra foi inocentada. Com a palavra a Folha e a Veja

Reinaldo Azevedo, o rola-bosta da Veja, faz previsões para as eleições 2014

Morte de Chavez: Época e Veja entre facciosismo e demonização

Só depois da posse de Haddad, a Veja percebeu que a cidade de São Paulo está um lixo

Para atacar Haddad, “Estadão” usa foto da guerra do Congo para ilustrar matéria

TJ/SP confirma direito de resposta a Luis Nassif contra Veja

Renan, o candidato da Globo e da Veja

PSDB usa Folha, Estadão, Globo e Veja para justificar ação contra Dilma

Veja lamenta a criação de 1,3 milhão de empregos em 2012

Luciano Martins Costa: A “barriga” de alto custo da Veja

O futuro da Abril e das grandes empresas de mídia

Associação de historiadores repudia “matéria” da Veja sobre Eric Hobsbawm

Niemeyer é homenageado pelo mundo, mas a Veja o chama de “idiota”

3 Respostas to “A Editora Abril agoniza em praça pública”

  1. Jonas Barbosa Leite Filho Says:

    Ué, o Cazuza não agonizou em praça pública? Achei de mau gosto usar esta comparação. Se a Abril quebrar o comentário sera: “ela deu a notícia que a empresa X quebrou em tal data…”. Por favor, notícias são para ser dadas.

  2. gustavo_horta Says:

    Olha só. Hipocrisia e mato nascem em todo canto. Não precisa cultivar.
    Cretinos e canalhas nascem sem pais e sem país.
    Covardes abundam neste meio de hipócritas.

  3. Bene Nadal Says:

    A Abril carregou tanto “entulho” em seu “caminhãozinho”, que os pneus esborracharam, os eixos quebraram, e o motor já era! Eu explico: a Abril nos tempos da ditadura, e nos governos “neo liberais”, Sarney, Itamar, Collor, FHC… Encheu as burras… Todavia, desde que o PT(povo) chegou ao poder, essa editora, vem gastando o que pode e o que não pode para recuperar “as galinhas dos ovos de ouro”; o neoliberalismo, onde tudo(para seus donos) “rola fácil… No entanto deram com os burros n’água, pois não contavam com a internet, onde as pessoas comuns passaram a ter voz, pessoas essas capazes de quebrar; redes de tv e de rádio, jornais e revistas escritos, etc… E o exemplo característico é o “carro chefe” da Abril; a veja. Esperamos que em breve outros órgão de mídia tomem o rumo do despenhadeiro… Até que aprendam a trabalhar para todos os brasileiros, e não apenas para “meia dúzia” de alienados!
    O grande número de pseudo jornalistas mercenários, contratados pelos órgão de mídia para “trabalhar” contra o povo; enganando-o, alienando-o, idiotizando-o… Já estão servindo de “âncora”, para prender todo esse “lixo midiático” no fundo do mar, que é o lugar apropriado para esse lixo todo…

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: