Na surdina, Câmara aprova nova isenção de impostos para igrejas

Homofobia08_Jesus_Cura

Sofia Fernandes e Valdo Cruz, via Folha online

Enquanto a equipe econômica da presidente Dilma Rousseff pedia aval do Congresso ao pacote fiscal, uma isenção tributária a igrejas foi incluída na surdina em uma MP (medida provisória) aprovada no fim de maio.

O benefício pode garantir a anulação de autuações fiscais a igrejas que extrapolam R$300 milhões. Segundo a Folha apurou, foi incorporado por intermédio do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), que é evangélico.

O artigo foi incluído na MP 668, que tratava originalmente do aumento de impostos sobre produtos importados. Para vigorar, precisa ainda passar pela sanção de Dilma.

Esse “jabuti” – nome dado a temas estranhos inseridos em MPs – aumenta a isenção fiscal de profissionais da fé, ao livrar da cobrança de impostos as chamadas “comissões” que líderes religiosos ganham por arrebanhar fieis ou recolher mais dízimos.

A medida beneficia sobretudo as evangélicas neopentecostais, vertente em que o pagamento de comissões a pastores é mais comum.

A Constituição garante imunidade tributária a templos. Já os profissionais que neles trabalham e que recebem salário, como pastores, pagam contribuição previdenciária e Imposto de Renda sobre a remuneração.

Mas não há tributação sobre ajudas de custo –moradia, transporte e formação educacional, entre outros itens, desde que esse dinheiro seja para subsistência do profissional.

Muitos dos casos de sonegação religiosa são de pastores que recebem, por exemplo, um salário mínimo e, por fora, “comissões”, a título de “ajuda de custo”, que chegam à casa dos R$100 mil. Valores sempre vinculados ao desempenho do profissional em angariar fieis.

As “comissões”, no entender da fiscalização, não configuram ajuda para subsistência; por isso, religiosos passaram a ser atuados.

O jabuti colocado na MP amplia o conceito de ajuda de custo ao dizer que as condições descritas na lei atual são “exemplificativas” e não “taxativas”. Ou seja, o dinheiro não precisa ser exclusivamente para subsistência e pode ser vinculado ao desempenho do pastor.

O texto também deixa claro que valores pagos aos religiosos como “ajuda de custo”, ainda que em “montantes diferenciados”, não constituem remuneração.

Cunha, que era da Igreja Sara Nossa Terra e hoje pertence à Assembleia de Deus, afirmou que o artigo não cria uma regra nova. “Apenas esclarece a regra antiga, porque do jeito que estava, dava desculpa para lavrar auto de infração contra as igrejas.”

Segundo a Folha apurou, uma das principais beneficiárias da medida seria a Igreja Internacional da Graça de Deus, do missionário R.R. Soares, multada em cerca de R$60 milhões em 2014.

Membros da bancada evangélica dizem que não há modificação na lei, que já prevê imunidades, e que o artigo foi acordado com o governo, com o conhecimento de Dilma.

Os pastores Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, e Robson Rodovalho, da Sara Nossa Terra, participaram da articulação com o vice-presidente Michel Temer (PMDB) sobre a inclusão do artigo.

A Receita Federal não quis se manifestar.

Eduardo_Cunha_PMDB43

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), evangélico da Assembleia de Deus.

Leia também:
Pelo fim da imunidade tributária para entidades religiosas

3 Respostas to “Na surdina, Câmara aprova nova isenção de impostos para igrejas”

  1. Bene Nadal Says:

    Um traidor mercenário é “guindado” a presidente da Câmara… E em poucos meses a reforma política e fiscal, pela qual as esquerdas tando lutaram… Vai “pro barro”! O mesmo aconteceu recentemente no Supremo; um mercenário foi guindado ao posto máximo, e todo um julgamento de corrupção virou “uma grande “frente político/partidária de extrema direita”! E assim vai… A direita política, lança o plano “A”… Sucesso total… Lança o plano “B”… Sucesso total… Lança o plano “C”… Sucesso total… Enquanto isso a esquerda política… Bem a esquerda política agoniza nos próprios erros, nas próprias fraquezas, na própria inação… Quem sabe esperando por um milagre…

  2. gustavo_horta Says:

    “É… Assistimos meio que passivamente essa corja, esse ovo de serpente, crescendo sem parar… Estamos mesmo é fodidos!”

    PINTO NÃO TEM OMBRO!

    A quadrilha ao redor do Cunha é muito unida!
    – Terceirização do trabalho, incluindo a atividade fim
    – Autorização de financiamento privado nas eleições
    – Redução da maioridade penal
    – Isenção de impostos para as igrejas, agremiações e arrecadadores para as religiões
    – Fim da reeleição nos cargos executivos
    – Fim do fator previdenciário
    – Extinção da lei contra o armamento individual
    – Eliminação da identificação de transgênicos nos alimentos comercializados
    – …

  3. José Jésus Gomes de Araújo Says:

    Os documentos legais vêm com esta epígrafe:” Determina …. (matéria da lei) e dá outras providências. Esse “Dá outras providência” é imoral, faz inserir no texto matéria que nada tem a ver com o objeto da legislação. Foi graças outro jabuti que os bancos ganharam o poder de somar os juros ao capital, aumentando com isto o débito. Esse pessoal preocupado em cassar nossa Presidenta “para moralizar o país” não vê essas coisas. A prática do jabuti é imoral e desonesta.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: