A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha

Eduardo_Cunha_PMDB40_Gilmar_Mendes

Um retardou o julgamento no STF; outro manobrou para a Câmara aprová-lo: para ambos o financiamento empresarial de campanha era questão de honra.

Maria Inês Nassif, via Carta Maior em 28/5/2015

Se for definitivamente aprovada pelo Congresso a emenda constitucional que vai condenar o país a uma convivência forçada e duradoura com o financiamento empresarial de campanhas eleitorais, será graças a manobras de duas personalidades com grande dificuldade de conviver com o contraditório: o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o ministro Gilmar Mendes, do STF.

No STF, Mendes interrompeu com um pedido de vistas, em 2 de abril, o julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) de autoria da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que argui a constitucionalidade da doação empresarial de campanha. O ministro botou o julgamento de seus pares na sua gaveta e tem esperado. Aguardou tempo suficiente para Cunha tirar de outra gaveta, a da Câmara, uma proposta de emenda constitucional que, se aprovada, vai tornar muito complicado ao STF declarar a inconstitucionalidade da Adin.

Uma vez que o Congresso defina como direito constitucional dos políticos e partidos receberem doação de empresas, o STF vai arrumar uma encrenca brava com o Congresso se disser o contrário.

Essa era uma intenção explícita de Mendes. Pressionado a desengavetar o julgamento da Adin, ele afirmou: “Temos que saber antes, e o Congresso está discutindo, qual o modelo eleitoral, para saber qual o modelo de financiamento adequado.” Indagado se essa não era uma posição contrária à maioria do STF, Mendes afirmou: “Isso é provisório, o resultado de seis a um é quando se dá a votação. Depois mudam-se os votos.”

Mendes, portanto, sabia que iria ser voto vencido no julgamento da Adin– o placar de votação já estava em seis votos contra a permissão de financiamento empresarial e apenas um a favor – e passou por cima da decisão de seus pares. Não deu para ganhar no voto, foi no grito.

Se a Câmara confirmar a aprovação do financiamento empresarial, e se o Senado, em dois turnos, entender dessa forma, Mendes terá feito prevalecer a sua opinião minoritária sobre a de todos os outros ministros do STF que entenderam não ser constitucional uma empresa financiar campanha, porque empresa não é eleitor.

Do lado de lá da Praça dos Três Poderes, no Congresso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), armou para aprovar, em primeiro turno, a emenda constitucional que torna legítima a doação empresarial de campanha. Foi uma vacina contra uma futura decisão do STF, retardada pelo pedido de vistas de Mendes. A permissão para doação existe na lei que, se declarada inconstitucional, deixaria de valer. Tornando-se uma emenda constitucional, fica mais difícil ao STF manter esse entendimento.

Para garantir a aprovação do dispositivo, o presidente da Câmara amarrou uma série de compromissos, pressões e chantagens sobre as bancadas – em especial as dos parlamentares eleitos com forte financiamento empresarial e as dos pequenos partidos, que têm muito a perder se outros itens, como cláusula de barreira e fim das coligações, forem aprovados dentro dessa reforma constitucional de Cunha, que é a antítese de tudo o que se discutiu, entre entidades da sociedade civil, como mudança necessária para “democratizar a democracia” brasileira e reduzir o poder do dinheiro na política.

Na madrugada de quarta-feira, dia 27/5, esse era um assunto praticamente encerrado, pois o artigo da reforma política que constitucionaliza o financiamento empresarial de campanha não teve número suficiente de votos no plenário. Como o regimento do Congresso impede que um assunto derrotado em plenário seja recolocado à votação no mesmo ano, esse seria um risco encerrado para seus opositores. Não foi o que entendeu Cunha. Passando por cima de regimento, o presidente da Câmara recolocou o assunto em pauta, não no mesmo ano, mas na mesma votação. E ganhou.

Até agora, a vitória de Cunha foi ter mantido na reforma política que ele quer fazer o financiamento empresarial de campanha. Ainda faltam uma votação na Câmara e duas no Senado para que isso vire norma constitucional. O que essa semana traz de assustador, contudo, é a desenvoltura com que o império da vontade de duas únicas personalidades da República se impõe a todos os demais.

A rejeição do dinheiro de empresas em campanhas eleitorais tem tantas razões éticas que aparentemente é incompreensível uma mobilização tão grande de personalidades, forças e chantagens políticas para mantê-lo. O entendimento de que a democracia é mais democrática se todas as pessoas tiverem as mesmas condições de influenciar uma decisão pública não é uma questão ideológica, é um fato, uma obviedade. Cunha e Mendes, todavia, tomaram a permissão do financiamento empresarial de campanha como uma questão de honra e, para revesti-la de alguma nobreza, colocaram-na no rol de brigas a serem vencidas nas disputas frequentes com o governo, que rendem a simpatia da elite brasileira e dos meios de comunicação. Isso, todavia, é apenas uma tentativa de vender a decisão favorável à doação empresarial como um bom princípio. Mas não é. Suas manobras se prestam unicamente a manter o status quo de um sistema político em que valem os interesses dos eleitores mais poderosos, aqueles que detêm dinheiro suficiente para financiar políticos.

Leia mais sobre Gilmar Mendes:
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Para entender a revista Época sobre Gilmar Mendes
#OsAntiPira: TSE aprova contas da campanha de Dilma
Para entender a estratégia Gilmar-Toffoli no TSE
Gilmar Mendes, o tucano de toga
A manobra de Gilmar Mendes
No STF, Gilmar Mendes tenta melar proibição de doações de empresas para partidos e candidatos
A vaquinha profana dos petistas e a Constituição
Bandeira de Mello: Impeachment no STF faria bem para o Brasil
Eduardo Campos e Aécio acionam Gilmar Mendes para “fechar” o Congresso
Documentos revelam participação de FHC e Gilmar Mendes no mensalão tucano
Gilmar Mendes e o pitbull da Veja
Para agradar Marina, PSB vai lançar candidato de faz-de-conta
Serra, Gilmar, Demóstenes e Dantas: Operação Banqueiro revela as duas maiores fábricas de dossiês do Brasil
Operação Banqueiro: “Sem Gilmar Mendes, Daniel Dantas não conseguiria reverter o jogo.”
Cadê o Gilmar Mendes: Médica cubana está em apartamento da Câmara e recebe vaquinha do DEM
Para Bandeira de Mello, declarações de Gilmar Mendes sobre doações são “escandalosas”
Solidariedade da esquerda é bem maior do que Gilmar “habeas corpus” Mendes
Cadu Amaral: As estranhezas de Gilmar Mendes e seus habeas corpus
O impoluto Gilmar Mendes, André Vargas e os punhos sem renda
CNJ vai enquadrar o “vestal” Gilmar Mendes
O verdadeiro temor de Gilmar Mendes
Paulo Moreira Leite: Gilmar Mendes não sabe o que diz ou não diz o que sabe
Gilmar Mendes, o vigilante da “vaquinha”, já contratou a si mesmo para dar aulas a seus subordinados
Dalmo Dallari sobre Gilmar Mendes: “Eu não avisei?”
Gilmar Mendes: Entre a ignorância e o preconceito
Breno Altman: Gilmar Mendes é o cão de guarda do conservadorismo
Jurista da USP detona liminar de Gilmar Mendes
O precedente perigoso aberto por Gilmar Mendes
A controversa carreira de Gilmar Mendes
Gilmar Mendes é um irresponsável, empenhado em gerar crises institucionais
Como e por que Gilmar Mendes e o PSDB mantêm Marcos Valério refém
Gilmar Mendes suspende decreto de Lula que dava posse de terras aos índios Guarani-Kaiowá
Gilmar Mendes: Juiz? Não, réu!
Lobão, Marina, Gilmar Mendes… Os 10 piores casos de complexo de messias em 2014
Paulo Moreira Leite: A chance perdida por Gilmar Mendes no caso da Petrobras
Gilmar Mendes, o Lobão do STF
Gilmar Mendes reafirma sua parceria com a Veja e suspende direito de resposta do PT
Em cinco atos, a justiça ilícita de Gilmar Mendes
Médico estuprador: “Estou tranquilo. Sou amigo do Gilmar Mendes.”
Gilmar Mendes justifica por que engavetou ação do financiamento de campanha

Leia mais sobre Eduardo Cunha
Paulo Moreira Leite: A síndrome de Pelé
Fifa: Saiba por que o silêncio de Ronaldo e Pelé está ligado a J.Hawilla e aos EUA
Financiamento privado: Um caso claro de violação da Constituição
“Assisti, mas deletei”, diz deputado que viu vídeo pornô no plenário da Câmara
Shopping do Eduardo Cunha: Saiba o nome dos deputados que foram comprados para aprovar financiamento empresarial
Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado
Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?
A democracia, o financiamento empresarial e a corrupção
Financiamento público de campanha: #PanelaçoGilmarDevolva
Operação Lava-Jato confirma que financiamento privado nas eleições faz mal à democracia
Miguel Rossetto: “Financiamento empresarial corrói a transparência dos partidos.”
“O financiamento privado de campanha nada mais é que um empréstimo, pago depois com dinheiro público.”

2 Respostas to “A dobradinha Gilmar Mendes-Eduardo Cunha”

  1. Dayse Silva Says:

    É simplesmente inacreditável que possa haver esse tipo de ação, contrária a ética e a moralidade, que atinge toda a sociedade brasileira, a qual, contrariamente, estes Senhores deveriam zelar.
    De um membro do STF, Corte máxima deste País, é absolutamente, inaceitável.
    Se fosse na Alemanha, por ex., isto não seria tolerado. E em tantos outros países da Europa e E.U.A.

  2. pintobasto Says:

    Para grandes males, grandes remédios! A solução para acabar com golpes de dobradinhas de safardanas que abancam nos 3 poderes da República, nada mais eficiente que um movimento nacional pela expulsão de Eduardo Cunha e Gilmar Mendes de seus cargos, ficando impossibilitados de exercer qualquer cargo público para o resto da vida! São traidores da Pátria, algozes furibundos do Povo!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: