Especialista de Harvard alerta sobre interesses dos EUA em crise na Fifa

Fifa_John_Shulman01_Harvard

Daniel Lisboa, via UOL

“Eu estou chocado, você não está?”, diz John Shulman ao atender a reportagem do UOL. Ele tem uma opinião diferente sobre o envolvimento dos Estados Unidos no escândalo da Fifa. Professor convidado da Fundação Dom Cabral, especialista em mediação de negociações, cofundador do Centro para a Negociação e a Justiça dos EUA, e formado em Direito pela Universidade de Harvard, ele acredita que a intervenção “não teve cunho legal, mas geopolítico”.

“Com essa ação, os EUA enviam dois recados. Para o mundo, o de que o nosso sistema legal pode te pegar se você estiver fazendo algo errado. Internamente, mostramos que tomamos a iniciativa de resolver a corrupção dos outros”, diz o professor.

E John entende tanto de geopolítica quanto de futebol. Seu currículo de mediador inclui diversos trabalhos ao redor do mundo, incluindo no Oriente Médio, na Índia e em Ruanda. Sobre o “soccer”, uma curiosidade: o hoje professor já jogou profissionalmente na Índia, onde, segundo ele, foi o primeiro jogador ocidental por aquelas bandas.

“Os Estados Unidos nunca deram a menor bola para o futebol. De repente, pela primeira vez na história, o The New York Times vem com a primeira página inteira falando do assunto. Aí eu me pergunto: por quê?”, questiona John. Para o professor, há vários pontos obscuros no envolvimento norte-americano. “A logística de uma operação internacional deste porte simplesmente não vale a pena. Até porque não há um número de vítimas nos EUA que justifiquem tamanha mobilização”, argumenta ele. “Há empresas nos EUA muito mais corruptas do que a Fifa, pode ter certeza”, crava o especialista.

“Para mim, trata-se claramente do seguinte: são os EUA mobilizando seu aparato legal interno em prol de questões geopolíticas. No caso, para colocar pressão na Rússia (sede da Copa de 2018), com quem o país tem tido problemas recentemente, e no Qatar (sede da Copa de 2022), onde também existem questões geopolíticas”.

John cita ainda a chance para os EUA desestruturarem uma organização que, corrupta ou não, tem tentáculos de poder que fogem ao seu alcance. “A ONU está presente em vários países, mas os EUA têm poder sobre ela. Isso não acontece com a Fifa, o que causa uma ruptura da hegemonia norte-americana.”

Quer dizer, se você está feliz que alguém finalmente tomou a iniciativa de enquadrar a Fifa, comemore com moderação. “É claro que a Fifa é corrupta. Todo mundo sabe disso. Mas os EUA não estão fazendo isso pelo bem do futebol”, completa John.

Leia também:
Leão vai pra cima dos sonegadores do futebol
Fifa: Globo esconde que J.Hawilla é sócio de filho de João Roberto Marinho
Golpe imperialista: EUA pedem cancelamento da Copa na Rússia e o afastamento de Blatter
Será que tem alguém que ainda quer alguma coisa padrão Fifa?
Prender Dirceu e Genoíno é fácil. Difícil, no Brasil, é prender Marin
O escândalo da Fifa “é só o começo”, diz polícia norte-americana
Recordar é viver: Marin e Aécio Neves, uma tabelinha impagável
Vídeo: A prisão de José Maria Marin e a compra de resultados no futebol
Recordar é viver: Dilma quer Marin fora da CBF
O jornalista que expôs a corrupção da CBF
Jornalista que investigou Ricardo Teixeira é condenado sem conhecer acusação
É intolerável ver Marin na abertura da Copa 2014, diz filho de Herzog
Futebol e ditadura: Filho de Vladimir Herzog cria petição online para tirar Marin da CBF
Após denúncias, Marin, presidente da CBF, garante R$100 mil por mês a Teixeira
Comissão da Verdade pode citar José Maria Marin pela morte de Herzog
José Maria Marin foi o responsável pela prisão de Herzog
CBF: Alguém explique pra Globo a diferença entre comissão e propina
CBF: A Globo está envolvida no suborno de Havelange e Ricardo Teixeira
Tremei TV Globo: João Havelange e Ricardo Teixeira recebiam propina
Depois das denúncias vindas da Suíça, a Globo vai blindar Havelange e Teixeira?
Globo não revela seus codinomes no relatório da propina a Ricardo Teixeira
Allianz Parque: O dia em que a Globo e a CBF censuraram um estádio
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça
Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão
Leandro Fortes: O povo não é bobo
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 1ª parte: “Injusto é pagar imposto no Brasil.”
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 2ª parte: Como o processo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 3ª parte: A história da funcionária da Receita que sumiu com o processo
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Vazou tudo: Sonegação da Rede Globo está na web
A sonegação da Globo, o Ministério Público e a PEC 37
Saiba como funcionava a empresa de fachada das Organizações Globo nas Ilhas Virgens

2 Respostas to “Especialista de Harvard alerta sobre interesses dos EUA em crise na Fifa”

  1. Bene Nadal Says:

    Os EUA não “dão ponto sem nó”, isso é fato! Qual o interesse deles no futebol, nenhum é claro! O interesse real deles como diz o texto, está logicamente na FIFA, uma organização na qual os EUA não “puxam as rédeas”! E isso para eles é uma “acinte”! Onde já se viu uma organização de cunho mundial não sendo “controlada” por eles! No entanto vamos esperar para ver! Novidades vem aí… E por enquanto, nós brasileiros vamos comemorar a prisão do Marin, que já é um premio, pois se dependesse do Brasil ele iria “deitar e rolar” pelo resto da vida! E quem sabe “respinga” em figuras lendárias dessa trama digna de uma investigação do “chefe do Watson” como: Avelange, Teixeira, etc., etc., etc….

  2. gustavo_horta Says:

    Pelo menos é um esboço de explicação das razões que levariam os estadunidenses a se envolverem com a corrupção na Fifa, havendo tantas empresas e organizações corruptas dentro do próprio EUA.
    Pelo menos joga um pouco de luz!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: