Prender Dirceu e Genoíno é fácil. Difícil, no Brasil, é prender Marin

Jose_Maria_Marin13_FHC_Aecio

José Maria Marin e seus aliados.

Paulo Nogueira, via DCM em 27/5/2015

No Brasil, um intocável. A prisão de José Maria Marin é um retrato do Brasil: ele foi obrigado a viajar para ser preso.

Marin é, ou era, um daqueles intocáveis no país. Apesar da ficha carregada de delinquências, ele jamais foi importunado pela justiça, pela polícia e, muito menos, pela imprensa.

Isso com 83 anos.

Fosse mais comedido, ou menos ávido por propinas e atividades, Marin teria chegado ao túmulo bem longe de coisas desagradáveis como cadeia.

Prender Dirceu e Genoíno é fácil no Brasil destes tempos. Mas Marin pertence a outra casta: a do 1%. Isso significa imunidade.

Por exemplo: ele só virou notícia policial na Globo por causa dos investigadores norte-americanos que descobriram, com trabalho duro, a fábrica de propinas que ele montou na CBF.

A CBF sempre foi parceira da Globo na rapinagem do futebol brasileiro. Enquanto ao longo dos anos ambas acumularam fortunas fabulosas com o futebol brasileiro, este, em si, virou uma ruína.

Estádios vazios e precários, times incapazes de segurar os melhores jogadores e por aí vai: não pode funcionar uma parceria em que alguém ganha muito e o outro só perde.

É o jeito Globo de operar.

Também no cinema é o mesmo quadro. A Globofilmes se dá bem e os outros – produtores, diretores, atores – vivem de migalhas.

O caso Marin oferece também uma chance de confrontar o trabalho policial entre os Estados Unidos e o Brasil.

Os investigadores norte-americanos não fizeram, ao contrário do que é tão comum na Polícia Federal, coisas como basear ações em recortes de jornais e revistas.

É patético ver juízes e policiais acusarem alguém e, impávidos, citarem uma reportagem da Veja, ou da Folha, como se a mídia não tivesse fortíssimos interesses por trás de denúncias frequentemente sem nenhum fundamento.

No Mensalão, um juiz começou um magnífico pronunciamento dizendo que não havia um dia que não abrisse os jornais e encontrasse um escândalo.

A quem apelar?

Mais arguto, ele teria questionado a obsessão da mídia em publicar escândalos contra o PT. Mas não: o juiz tratou a mídia como se ela também pertencesse ao STF.

(Recentemente, Marta Suplicy fez o mesmo ao explicar por que saiu do PT. Citou a mídia.)

No episódio Marin, os policiais dos Estados Unidos suaram. Não entraram no Google para ver o que a imprensa tinha a falar de Marin.

Uma das cenas mais marcantes da Operação Lava-Jato foi uma em que um réu perguntou respeitosamente a Moro se fazia sentido ele estar preso fazia cinco meses quando a grande evidência que pesava contra ele era uma reportagem da Veja.

Como disse Mino Carta, a Veja mente todos os dias. Mas a Justiça brasileira enxerga nela uma fonte de informações acima de qualquer suspeita.

O caso Marin oferece muitas reflexões. A principal delas é o caráter hipócrita e partidário do combate à corrupção promovido pelo 1%, ao qual interessa apenas a manutenção de privilégios e mamatas.

Leia também:
O escândalo da Fifa “é só o começo”, diz polícia norte-americana
Recordar é viver: Marin e Aécio Neves, uma tabelinha impagável
Vídeo: A prisão de José Maria Marin e a compra de resultados no futebol
Recordar é viver: Dilma quer Marin fora da CBF
O jornalista que expôs a corrupção da CBF
Jornalista que investigou Ricardo Teixeira é condenado sem conhecer acusação
É intolerável ver Marin na abertura da Copa 2014, diz filho de Herzog
Futebol e ditadura: Filho de Vladimir Herzog cria petição online para tirar Marin da CBF
Após denúncias, Marin, presidente da CBF, garante R$100 mil por mês a Teixeira
Comissão da Verdade pode citar José Maria Marin pela morte de Herzog
José Maria Marin foi o responsável pela prisão de Herzog
CBF: Alguém explique pra Globo a diferença entre comissão e propina
CBF: A Globo está envolvida no suborno de Havelange e Ricardo Teixeira
Tremei TV Globo: João Havelange e Ricardo Teixeira recebiam propina
Depois das denúncias vindas da Suíça, a Globo vai blindar Havelange e Teixeira?
Globo não revela seus codinomes no relatório da propina a Ricardo Teixeira
Allianz Parque: O dia em que a Globo e a CBF censuraram um estádio
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça
Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão
Leandro Fortes: O povo não é bobo
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 1ª parte: “Injusto é pagar imposto no Brasil.”
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 2ª parte: Como o processo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 3ª parte: A história da funcionária da Receita que sumiu com o processo
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Vazou tudo: Sonegação da Rede Globo está na web
A sonegação da Globo, o Ministério Público e a PEC 37
Saiba como funcionava a empresa de fachada das Organizações Globo nas Ilhas Virgens

2 Respostas to “Prender Dirceu e Genoíno é fácil. Difícil, no Brasil, é prender Marin”

  1. Dayse Silva Says:

    O nosso País precisa superar este lado de desconhecimento das nossas instituições e as finalidades de cada uma.
    É triste que façamos confusão entre coisas absolutamente, distintas, como empresas de jornalismo e Órgãos que compõem a estrutura do Estado Brasileiro e cujas atribuições estão determinadas na Constituição Federal.
    Portanto, entre a Veja, o Globo, a Folha de S.P., etc., etc., e o Judiciário, o Parlamento e o Executivo, nada há de comum. Absolutamente nada.
    É, incompreensível, portanto, que membro de Instituições do Estado possam, também, cometer tal equívoco.

  2. Bene Nadal Says:

    A ESPERANÇA É QUE ESSE LIXO TODO FIQUE PRESO LÁ FORA, PORQUE AQUI, PARA RICOS, SAI HABEAS CORPUS, “ATÉ DE MADRUGADA”… NÃO É MESMO GILMAR MENDES???

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: