Metrô de São Paulo: Devagar, quase parando

Metro_Comparacao01Paulo Teixeira

Desde 1974, quando o Metrô de São Paulo começou a funcionar, foram inaugurados em média de 2,06 quilômetros por ano, até 1994. Depois disso, até 2014, os governos entregaram uma média de 1,9 quilômetro/ano, todos sob gestão tucana.

Nos últimos 20 anos, período que coincide com a permanência do PSDB à frente do governo do Estado, responsável pelas obras e pela gestão do Metrô, foram entregues 37,2 quilômetros, dos quais mais da metade tiveram suas inaugurações em anos eleitorais.

Seul, capital coreana, teve seu sistema de Metrô inaugurado no mesmo ano que o de São Paulo, 1974. Hoje a cidade conta com 326,5 quilômetros de malha, contra 80,6 paulistanos. As linhas de Xangai, que funcionam desde 1995, totalizam 548 quilômetros. É a maior taxa de expansão do mundo, com 24,3 quilômetros/ano. Nova Déli, na Índia, o Metrô existente desde 2002 tem 193 quilômetros de extensão, mais que o dobro de São Paulo.

Até mesmo a grande malha do Metrô de Londres, o mais antigo do mundo, mantém uma taxa de crescimento de 2,93 quilômetros/ano. No ritmo que estamos, alcançaríamos extensão atual dos trilhos da capital inglesa em 172 anos.

Não há justificativas para tamanha lentidão. Mesmo assim o governador Geraldo Alckmin insiste em continuar anunciando atrasos.

Como comparação, na imagem estão representadas as redes de Metrô de seis entre as 20 maiores cidades do mundo: 1. Seul, na Coreia do Sul, 2. São Paulo, 3. Cidade do México, 4. Xangai, na China, 5. Londres, na Inglaterra e 6. Moscou, na Rússia.

A lentidão foi tema de matéria na Folha de S.Paulo.

Sob gestões tucanas, Metrô de São Paulo cresce tão devagar quanto antes
Felipe Souza, via Folha online em 26/5/2015

O ritmo de expansão do Metrô de São Paulo desde 1995, quando o PSDB assumiu o governo do Estado, tem sido tão lento quanto o das gestões anteriores e muito inferior ao de outros países em condições comparáveis.

Dados obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação apontam que a gestão tucana investiu R$30 bilhões em trilhos, trens e estações do Metrô nos últimos 20 anos, quando inaugurou 37,2 quilômetros de linhas e 27 estações.

Isso significa uma entrega de menos de 2 quilômetros de novas linhas por ano. Trata-se de um valor semelhante ao obtido entre 1974, quando o Metrô entrou em operação, e 1994, quando governos da Arena, PDS e PMDB inauguraram 43,4 quilômetros e 41 estações.

O Metrô diz que as obras anteriores foram beneficiadas por investimentos iniciados em 1968 e que, nos governos do PSDB, houve também avanço significativo na melhoria de trens da CPTM.

Seul, na Coreia do Sul, inaugurou a sua malha de Metrô apenas um mês antes da capital paulista, em 1974. Mas hoje, enquanto os paulistanos contam com uma rede de 80,6 quilômetros, a cidade asiática possui 326,5 quilômetros – fazendo 8 quilômetros de Metrô por ano.

No ritmo atual, a capital paulista demoraria mais de 120 anos para ter uma malha similar à que dispõe atualmente a capital sul-coreana.

Também tiveram ritmo de expansão muito superior as redes de Santiago (Chile) e da Cidade do México, inauguradas em 1969 e 1975.

As perspectivas de ampliação do transporte sobre trilhos em São Paulo nos próximos anos também não são animadoras: as obras das linhas 5-lilás e 4-amarela, por exemplo, já tiveram seus cronogramas adiados neste ano.

Desde 2011, quando voltou ao poder no Estado, Alckmin entregou só 3,2 quilômetros de Metrô. A conta considera os 2,3 quilômetros da linha 15-prata, que segue em testes, operando cinco horas por dia, e que não é Metrô tradicional, mas um monotrilho, que usa trens com menor capacidade de usuários.

O governo atribui os atrasos a fatores como licenças ambientais e problemas com empreiteiras sob investigação.

Lentidão
Ao lado do canteiro de obras da futura estação Oscar Freire, da linha 4-amarela, a cabeleireira Vânia Matos, 59, se diz entediada devido ao ritmo dos trabalhos. A promessa era que a estação fosse entregue em 2010, ainda no governo José Serra (PSDB).

Cinco anos se passaram e agora seu novo prazo é 2016. “Eu trabalho há mais de 30 anos aqui. Não vejo nada mudar há meses, apenas este trânsito aumentar. Agora piorou com duas faixas da [rua] Oscar Freire bloqueadas.”

Ela conta que, quando visitou as redes de metrô de países europeus, ficou impressionada com a arquitetura pragmática das estações. “Aqui só tem obra de arte, coisa de luxo. Por que tudo isso? As pessoas só querem ir mais rápido, ter mais opções e deixar seu carro em casa.”

A demora na construção da linha poderia ter poupado dinheiro e tempo do universitário Bruno Bastida, 21.

Ele estuda na Universidade Mackenzie, ao lado de onde deveria estar a estação Higienópolis-Mackenzie desde 2010. “Eu desço na estação República e, de lá, tenho de pegar um ônibus que gasta mais 15 minutos até a universidade. Se a estação estivesse concluída, além de uns 30 minutos de tempo, também economizaria uns R$7 por semana só com ônibus”, diz.

Além da linha 4, a gestão Alckmin também postergou a entrega da linha 17-ouro (São Paulo Morumbi/Congonhas), prevista para a Copa de 2014, mas que agora só deve ficar pronta em 2016. As 11 estações da linha 5, prometidas na campanha de 2010 para serem entregues em 2014, deverão sair do papel só em 2017.

Metro_Comparacao02

Uma resposta to “Metrô de São Paulo: Devagar, quase parando”

  1. pintobasto Says:

    Quem votou em Geraldo Alckmin? Se vendeu o voto, merece beber água de esgoto e andar a pé em S.Paulo, agora quem não vendeu o voto, tem um cabecinha cheia de lixo!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: