Financiamento de campanha e distritão: Numa só noite, Eduardo Cunha teve duas derrotas

Atualizado em 27/5/2015 às 22:45 – Golpe: Eduardo Cunha consegue a aprovação do financiamento privado

Eduardo_Cunha_PMDB33_Descabelado

Eduardo Cunha: duas derrotas em uma noite.

O principal ponto da reforma política defendida por Eduardo Cunha (PMDB/RJ) foi rejeitado por 267 votos contra e 210 a favor. Com isso, o modelo eleitoral segue sem alteração.

Via CartaCapital em 27/5/2015

A Câmara rejeitou na noite de terça-feira, dia 26/5, por 267 votos contra e 210 a favor e 5 abstenções, o principal ponto da reforma política (PEC 182/07) defendido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ): o chamado distritão. Este modelo, defendido pelos caciques do PMDB, não é adotado em nenhuma democracia consolidada, estando presente apenas no Afeganistão, na Jordânia e em Vanuatu.

Caso o distritão fosse aprovado, as eleições para deputados e vereadores deixariam de ser proporcionais e passariam a ser majoritárias. Com isso, apenas os candidatos mais votados por estado ou cidade seriam eleitos.

O projeto contava com o apoio de PMDB, PP, DEM, PTB, PSC, PCdoB e Solidariedade, entre outros, enquanto que PT, PSB, PSOL, PPS, PDT e PSOL, entre outros ficaram contrários à proposta. O PSDB, PSD e Pros liberaram suas bancadas.

Entre os partidos que foram unânimes em rejeitar a proposta estão: PSOL, PR, PRB, PTC e PTdoB. Deputados do PT e PDT foram contra a proposta, mas tiveram uma abstenção cada. Por outro lado, PCdoB, PEN, PHS, PRTB e PSL tiveram todos os votos a favor do distritão. Até mesmo dentro do PMDB, não houve unanimidade em torno da proposta. O partido de Cunha teve 13 votos contrários à emenda constitucional do distritão.

Com a rejeição dos modelos de “lista fechada”, do distrital misto e do distritão pela Câmara, o modelo atual, com sistema proporcional para deputados e vereadores, será mantido. Hoje, a eleição para estes cargos leva em conta os votos recebidos individualmente pelos candidatos de um partido e os recebidos pela legenda.

Clique aqui para saber como votou cada deputado.

***

Financiamento de campanha

Na madrugada da quarta-feira, dia 27/5, o plenário da Câmara impôs a segunda derrota ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), ao rejeitar o financiamento empresarial de campanha para candidatos e partidos. Na ocasião, Cunha viu seus dois principais projetos de reforma política – o distritão e o financiamento misto de campanha com doações empresariais – serem vetados num intervalo de poucas horas.

Embora a constitucionalização das doações de empresas tenha vencido a votação por 264 votos favoráveis e 207 contrários, o projeto não será validado porque mudanças na Constituição precisam de, pelo menos, 308 votos a favor.

Apesar do revés, Cunha ainda pode aprovar o financiamento empresarial de campanha exclusivamente a partidos. Segundo o parlamentar, o texto deve voltar à votação do plenário na quarta-feira, dia 27/5, e o resultado é imprevisível. “Esse é o único tema que não dá para prever o que vai acontecer. A reforma política é igual à escalação da seleção brasileira, cada um tem a sua. Difícil você prever o movimento de cada um”, afirmou.

Caso as propostas que legalizem doações de empresas às campanhas eleitorais fracassem, o Supremo Tribunal Federal (STF) terá total liberdade para proibir este tipo de prática, como já decidiu a maioria da Corte em um processo que está há mais de um ano engavetado pelo ministro Gilmar Mendes.

Na votação em plenário, PT, PSOL, PCdoB, PDT e PPS, entre outros, votaram contra o projeto. Entre os partidos que apoiaram o financiamento empresarial de campanhas estão: PMDB, PSDB, PP, PSD, DEM e Solidariedade, entre outros. Apenas PSB, Pros e a bancada da Minoria não orientaram suas bancadas sobre a votação da questão.

Por unanimidade, PSOL, PCdoB, PPS, PRTB, PTdoB, PTC, PSL votaram contra o financiamento empresarial de campanha. No PT, todos votaram contra, exceto o deputado Welinton Prado (PT/MG), que se absteve.

Por outro lado, todos os deputados do PEN e PTB apoiaram o projeto. No PSDB, 47 deputados votaram a favor do financiamento empresarial, havendo duas abstenções e um voto contra, do deputado Marcus Pestana (PSDB/MG).

Dentro do PMDB, chama a atenção o voto do antigo relator da Comissão Especial de Reforma Política, Marcelo Castro (PMDB/PI), que foi contrário ao financiamento empresarial. Castro foi indicado como relator da comissão por Cunha, mas ambos se desentenderam quando Castro se recusou a ceder às pressões de Cunha e a comissão acabou por ser cancelada.

Clique aqui para saber como votou cada deputado.

Leia também:
A trama de Eduardo Cunha para privatizar o SUS
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha, o falsificador
A ficha de Eduardo Cunha, o homem que falta para “moralizar a política”
Cavalo não desce escada: PMDB não sai do governo
A rica biografia de Eduardo Cunha, o herói da oposição
Eduardo Cunha, o sabotador da República
Na lata do lixo da História, há um lugar especial para o PMDB atual
Entenda como funciona a oposição “extraoficial” de Eduardo Cunha
Presidência da Câmara: As diferenças entre Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha
Chinaglia avança após novo indício de cumplicidade entre Eduardo Cunha e doleiro
Cinismo não tem limite: Eduardo Cunha e Antônio Anastasia se queixam de vazamentos sem provas
Jornal Nacional atua como assessor de imprensa de Eduardo Cunha
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada
Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização
Terceirização: Como ficará seu emprego se Eduardo Cunha cumprir a promessa que fez aos empresários
STF autoriza buscas em gabinete de Eduardo Cunha
Mesmo envolvido no escândalo da Petrobras, Cunha continuará o queridinho da mídia?
Depoimento de ex-diretor complica ainda mais a situação de Eduardo Cunha
Doleiro diz que Eduardo Cunha era “destinatário final” de propina
Eduardo Cunha e Renan Calheiros são a cara do Brasil
Eduardo Cunha, o senhor do caos
R$1 bilhão: Eduardo Cunha consegue a aprovação de shopping para deputados
Quem se atreverá a dar um “rolezinho” no shopping de Eduardo Cunha?

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: