Allianz Parque: O dia em que a Globo e a CBF censuraram um estádio

SEP_Allianz_Parque01

O nome Allianz foi tampado em todo o estádio.

Fabio Chiorino, via Esporte Fino em 10/5/2015

A 30 minutos do início do Campeonato Brasileiro de 2015, surgiu um branco. Alguns torcedores se entreolharam, outros forçaram a vista para entender melhor o que estava acontecendo.

Minutos depois, as redes sociais já estavam infestadas de informações e revoltas dos palmeirenses. Todas as placas do estádio Allianz Parque, palco da partida entre Palmeiras e Atlético Mineiro, foram parcialmente cobertas com faixas. Ficou o Parque, esconderam o Allianz, a seguradora alemã que pagou R$300 milhões pelo naming rights da nova casa alviverde.

A inusitada censura ganhou uma justificativa minutos depois. Segundo Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, um acordo com a TV Globo sobre os espaços publicitários fez com que a CBF recomendasse os tampões improvisados. No regulamento da Série A, consta que os letreiros do estádio são classificados como espaços estáticos secundários e não pertencem aos clubes.

CBF e Rede Globo não se pronunciaram até agora, mas qualquer cidadão menos ingênuo é capaz de elucubrar mais algumas hipóteses para o veto. A emissora que domina os direitos de transmissão do futebol brasileiro praticamente ignora o Palmeiras em sua grade de programação, mas, para promover o início do Campeonato Brasileiro, abriu o sinal do pay per view para a partida inaugural. E mais uma vez decidiu deixar claro quem manda no futebol brasileiro. Para quem já adulterou o distintivo do Red Bull Brasil para evitar propaganda involuntária, o tampão ao letreiro do Allianz Parque estava dentro do script.

Mas por que só agora o veto, e não, por exemplo, na primeira final do Campeonato Paulista, disputada no mesmo local? Aí entra a CBF, patrocinada pela Seguros Unimed, uma concorrente direta da patrocinadora do Palmeiras. Ou seja, ambas tinham o interesse de impedir a exposição demasiada de uma empresa que não contribui para os seus respectivos cofres. Foi o recado implícito que deram ao presidente palestrino. Como toda decisão arbitrária feita na base do improviso, a censura ajudou a expor ainda mais a marca. A hashtag #AllianzParque ganhou o topo do Twitter, o Facebook foi inundado com fotos e vídeos dos palmeirenses relatando o ocorrido.

Em um universo de clubes endividados, abarrotados de processos trabalhistas, e culpados pela bolha de salários astronômicos, a abertura para os acordos com patrocinadores parece um fio de esperança para evitar a falência completa. CBF e Globo parecem não se atentar que clubes financeiramente debilitados tornarão o produto cada vez pior, afetando audiência, venda de produtos agregados e até mesmo a chegada de novos investidores.

O branco que se viu nas arquibancadas do Allianz Parque antes mesmo do primeiro apito é um sinal claro da mesquinharia, da arrogância e do abuso de poder. É um sinal de que os clubes perderam o bonde da mudança e são reféns de um simples telefonema exigindo que se tampe aqui, retire ali e pinte lá. Os torcedores revoltados que arrancaram as faixas com as próprias mãos mostraram a mentalidade de revolta que inexiste entre os presidentes dos clubes que ano após ano entram na fila das cotas de tevê com o pires na mão.

Acho estúpido aplaudir renda de jogo, mas é ainda mais grotesco desrespeitar as empresas que ainda insistem em investir dinheiro nessa ofensa que se tornou o futebol brasileiro, nesse ambiente moldado por arenas modernas e mentalidade sempre arcaica. Mais uma vez, começou mal o maior torneio do país. Será um longo e tenebroso inverno.

Atualizado às 14 horas, do dia 10/5/2015: Segundo reportagem da ESPN, a CBF afirma que o veto no Allianz Parque foi de responsabilidade de uma terceirizada por ela contratada para cuidar da operação dos jogos e que a seguradora, dona dos naming rights do estádio do Palmeiras, está autorizada a manter o nome na publicidade estática secundária.

Leia também:
O torcedor não é bobo e derruba a audiência da Globo

4 Respostas to “Allianz Parque: O dia em que a Globo e a CBF censuraram um estádio”

  1. bene nadal Says:

    Assino em baixo cesar augusto giometti!

  2. cesar augusto giometti Says:

    Já há algum tempo estou desmotivado pelo futebol, pois o melhor futebol do mundo é o europeu (dizem), mas não consigo assistir mais que dez ou quinze minutos. Não gosto de truculência e pouco me lixo para tática, o espetáculo desapareceu das telas de tv… E agora, essa! É, a TV Globo é campeã da pasteurização do show… E ninguém mais aguenta Galvão…

  3. bene nadal Says:

    Já fui muito fã de futebol… De ir aos estádios, assistir na tv e até no rádio…Mas, infelizmente a globo conseguiu afastar-me desse emocionante esporte! Desde que a globo passou a mandar e desmandar no futebol, não vou mais a estádios, nem assisto na tv… Perdi completamente o “gosto”, por esse esporte, tal é a avacalhação provocada pela globo, que transformou o futebol em máquina de ganhar dinheiro e de alienação… HÁ MUITO NÃO ASSISTO FUTEBOL, NEM NADA QUE PASSA NA GLOBO!

  4. Marcos Pinto Basto Says:

    A Globo e a CBF estão pedindo um tremendo corretivo do Governo. Muita pilantragem para tão pouca paciência em aturar malandros.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: