Na versão 2015 de seus donos, Globo é quase uma vítima da ditadura

Roberto_Marinho08_Figueiredo

Figueiredo e Marinho: Globo, de braços dados com a ditadura.

Paulo Nogueira, via DCM em 24/4/2015

Não sei por que, ao ler a entrevista dos irmãos Marinhos no Valor me vieram à cabeça os Globoboys – Merval, Noblat etc. Quer dizer: sei sim.

É que, no ano passado, quando Lula concedeu uma entrevista a blogueiros, os Globoboys responderam com pedras.

Ali estava uma entrevista chapa branca, acusaram.

Eu gostaria muito de saber agora qual é a avaliação que estes destemidos jornalistas fazem da entrevista dos patrões.

Coube a Matias Molina, lendário jornalista da Gazeta Mercantil dos anos de 1980, a tarefa de estender o tapete para Roberto Irineu, João Roberto e José Roberto.

Molina repetiu, no papel, o que Alberto Dines fizera na tevê com João Roberto alguns meses atrás: evitar qualquer pergunta embaraçosa. Em favor de Molina é preciso lembrar que o Valor pertence aos Marinhos.

Se o mundo fosse menos imperfeito, os Marinhos teriam designado seus Globoboys para a entrevista. Eles mandaram embora Boni assim que puderam, mas parece que não o esqueceram.

Nestes dias, ao comentar Babilônia, Boni afirmou que quando uma história é ruim basta mudá-la. Vale para novela, mas a Globo parece tentar adotar a mesma estratégia para a vida real.

A Globo é quase uma vítima da ditadura, na versão 2015 de seus donos. O irrestrito apoio editorial que a emissora deu aos militares é substituído agora por uma faca nas costas.

A censura, segundo a nova fábula, forçou a Globo a ser aquilo que Médici definiu tão bem. “Como é bom ligar à noite a televisão e, num mundo tão convulsionado, ver o Brasil tão em paz no noticiário da Globo”. Mais um pouco e Roberto Marinho pegará em armas pela democracia, na história reescrita da Globo.

Como a realidade não é novela, essa versão terminará, merecidamente, no lixo e no escárnio. No livro Dossiê Geisel, feito com base em documentos do ex-presidente só liberados depois de sua morte, fica claro quanto Roberto Marinho pressionava os generais por mais e mais mamatas, sob o argumento de que era “o melhor amigo do regime na imprensa”.

Na entrevista, João Roberto diz que o pai evitou pedir favores para a ditadura. As insistentes solicitações de Roberto Marinho se deviam a uma cisma empresarial. Ele achava que uma empresa que não cresce começa a morrer. E assim ia passar o pires no poder, em busca de novas concessões, mais publicidade, mais financiamentos em bancos públicos – tudo em troca do mundo paradisíaco no jornalismo da Globo a que se referiu Médici.

Roberto Marinho usou com tamanha voracidade as instituições financeiras públicas – federais ou estaduais – que o Pasquim o chamou, a certa altura, de “maior assaltante de bancos do Brasil”. O pessoal do Pasquim estava particularmente cabreiro com a forma como a Globo construiu o Projac: com dinheiro do Banerj, o extinto banco estadual do Rio. O pagamento se deu em publicidade.

Já que o passado está sendo reescrito, por que não o presente também?

Roberto Irineu afirmou que são “ótimas” as relações da Globo com Dilma e Lula. E, na única pergunta menos indulgente, disse que a audiência da tevê aberta não cai. Quer dizer: novelas que davam 70, 80 pontos hoje vão chegando a 20. O JN tem os piores índices de sua história. Mas isso não significa queda de público, segundo a estranha lógica de Roberto Irineu.

Na entrevista, os irmãos anunciaram um investimento de R$3 bilhões rumo ao futuro digital. Cuidado com sua carteira: na tradição da Globo, investimentos são sempre à base de dinheiro público, como se a empresa fosse uma quitanda.

Que se festejem estes 50 anos, construídos com imensos favorecimentos. Com a era digital, dificilmente a Globo chegará aos próximos 50.

Roberto_Marinho18_Filhos

José Roberto, Roberto Irineu e João Roberto, os bilionários do Brasil.

Leia também:
Uma pequena história da mídia brasileira, nos 50 anos da Globo
O torcedor não é bobo e derruba a audiência da Globo
Globo é escrachada no dia de seu aniversário
Vídeo: Vinheta de descomemoração dos 50 anos da Globo
Aniversário da Globo: 10 motivos para descomemorar
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Terrorismo, mentiras e pedofilia na pedagogia das Organizações Globo
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
50 anos da TV Globo, o principal legado da ditadura militar
O declínio do Jornal Nacional é irreversível
Repórter da Globo resolve ser sincera: “A ordem é ouvir só o Paulinho da Força.”
Imperdível: Vídeo sobre o jornalismo da Globo e o golpe militar
Globo se desculpa pelo passado. Mas e o presente?
Golpe de 1964: A Globo devolverá o dinheiro que ganhou com ele?
O controle remoto pela qual a Globo comanda o Brasil
MP/SP é contra doação ao Instituto Lula, mas a favor de doação à Globo?
TV Globo: Desfiles e Fantástico têm as piores audiências da história, dentre outros programas
O Brasil é o paraíso dos milionários
Como a Globo manipula a Justiça brasileira por meio do Instituto Innovare
Jornal Nacional: William Bonner é corrigido ao vivo
Como o dinheiro público vem patrocinando a Globo há décadas
Globo orienta jornalistas a evitar “pautas positivas” sobre a Copa
Rede Globo tem contratos sigilosos com Marcos Valério
Andrea Hass, esposa de Pizzolato, pede o Darf para repórter da Globo
PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo
Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo
Metodologia da Rede Globo e sua “imparcialidade”
Globo: Eles foram contra o 13º salário
Globo abre o jogo: É contra o pobre
Os bilionários da Globo
Credores norte-americanos pedem falência de empresa da Rede Globo nos EUA
Rede Globo sonega milhões de reais em impostos
A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos
Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça
Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão
Leandro Fortes: O povo não é bobo
João, Irineu e José, os filhos de Roberto Marinho: Os bilionários donos do BV
Rede Globo: Quem planta terrorismo, colhe caos
Por que a Globo faz o que faz
Como a Globo manipula gente simples para defender sua visão predadora de impostos
Forbes: A famiglia Marinho tem fortuna de R$52 bilhões
Leandro Fortes: A TV Globo e a ópera bufa no Panamá
Apoio da Globo ao golpe de 1964 foi comercial, não ideológico
Ministério Público no DF abre apuração sobre o caso de sonegação envolvendo a Rede Globo
Rede Globo: Só falta o cadáver
Funcionária da Receita foi condenada por sumir com processo contra a Globo
Rede Globo é alvo de uma CPI na Câmara
Sonegação fiscal da Globo fica em segundo plano, agora o caso é de polícia
Processos contra a Globo podem reaparecer no Congresso
Dublê da Globo é o herói da Veja
Professor demonstra manipulação de “O Globo” sobre a Venezuela
Dia Nacional de Lutas: Trabalhadores ocupam as ruas com atos em todo o País
“Grande mídia” tenta abafar protestos contra a Globo
Baba-ovo: TV Globo fará série sobre a mãe de Joaquim Barbosa
Ligações suspeitas entre Globo e Banco Rural, mas ninguém investiga
A ingratidão da Globo
Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos
Por que a Globo é contra os venezuelanos
MPF denuncia coronel Ustra por ocultação de cadáver na ditadura militar
Ditadura militar: O algoz e o crematório
“Coronel Ustra comandava a tortura”, diz ex-sargento
Marco Aurélio Mello: Ministro que defende o golpe de 1964 pode ter lisura para julgar a AP470?
Mauro Santayana: O golpe da informação
O golpe de 1964 em filmes, livros e artigos
O golpe de 1964: Ranieri Mazzilli, o político Modess
O PIG apoiou a ditadura militar: As manchetes do golpe de 1964
Documentos da ditadura estarão disponíveis na internet
31 de março é um dia para lamentar
Dirigentes do PSOL acham que a Globo desempenha papel de vanguarda
Cadu Amaral: A Globo, o complexo de vira-lata e a Copa do Mundo no Brasil
STF paga viagem de jornalista de “O Globo”
Ação Penal 470: Globo dá sinais de que, se farsa reunir, Barbosa é quem vai pagar a conta
A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses
Como a Globo deu o golpe da barriga em FHC e enviou Miriam para Portugal

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: