Bastou Zelotes chegar para a Zelite achar ideias de Moro “perigosas”

Globo_Golpe01_Logo

Logo quando a operação Zelotes flagrou grandes figurões da elite brasileira em práticas criminosas, a presunção de inocência resolveu dar o ar da graça.

Antonio Lassance, via Carta Maior em 7/4/2015

Nada como um dia após o outro. De repente, não mais que de repente, um editorial de O Globo considera o padrão Moro de “justiça” muito perigoso.

No texto “Lava-Jato inspira proposta de mudança na Justiça”, o jornal relata que juízes, “Sérgio Moro um deles, defendem que penas sejam cumpridas a partir da sentença de primeira instância, ideia perigosa, mas que Congresso precisa debater”.

Ideia perigosa? Como assim? Desde quando? Que curioso, não? Se prender suspeitos e mantê-los trancafiados até que confessem o que sabem e o que não sabem foi saudado até agora como um bom padrão de execução da judiciária, que medo é esse de uma sentença condenatória em primeira instância?

Manter o réu preso sem julgamento pode, mas prendê-lo depois do julgamento não pode? Estranho raciocínio. Muito estranho mesmo.

É muita coincidência que essa… tomada de consciência – chamemos assim – tenha acontecido quando um escândalo de proporções muito maiores do que qualquer petrolão evidenciou algo banal, trivial, óbvio: o maior escândalo de corrupção de todos os tempos, em qualquer época, em qualquer país, é a sonegação dos ricos, estejam eles ligados a que esquema for – do petrolão ao suiçalão do HSBC e, agora, ao esquema desbaratado pela operação Zelotes, da Polícia Federal.

Logo quando a Zelotes flagrou grandes figurões da elite brasileira em práticas criminosas, vis, tão dignas de escárnio quanto qualquer propina intermediada por doleiros, a presunção de inocência resolveu dar o ar da graça. Justo ela que andava tão sumida.

Justo agora que, entre outros, uma afiliada das organizações Globo (a gaúcha RBS) aparece na mira das investigações, se resolve falar novamente, alto e bom som, em presunção de inocência.

Esperemos para ver que juiz vai ter a coragem – não é assim que se chama? – de prender tais figurões e fazê-los ver o sol nascer quadrado até que confessem seus crimes já expostos e supliquem por delações premiadas. Se tem dinheiro público, se tem propina, sem tem lavagem de dinheiro, não vai ter prisão? Agora não vai ter? Por quê?

Afinal, O Globo está com medo de quê? Esse editorial terá sido feito por gente que nasceu ontem? Quem o escreveu não sabe que o padrão Moro de qualidade judicial já é corriqueiramente aplicado em nossa Justiça?

Em média, mais de 40% da população carcerária brasileira é formada por presos em situação provisória, ou seja, não têm condenação definitiva. Em alguns presídios, o número de presos provisórios ultrapassa 60%.

Depois de ter premiado Moro com o prêmio “Faz Diferença” de personalidade do ano, quem sabe o jornal não se disporia a conferir um troféu “Sérgio Moro” a presídios com as estatísticas mais altas de gente presa sem condenação, aguardando delações premiadas e julgamento a perder de vista?

O Globo assustou-se e alerta: o “Congresso precisa debater”. Claro! Os leitores de O Globo, pelo menos aqueles que não nasceram ontem, entenderam bem que a sugestão do jornal é para que a proposta encontre o caminho certo para ser imediata e solenemente sepultada, com o sinal verde de aplausos em futuros editoriais.

A defesa da presunção de inocência por parte de uma mídia que se vende, diariamente, atropelando essa mesma presunção de inocência mostra o quanto muitos de seus editoriais são meros exercícios de hipocrisia, assim como os pedidos de desculpas por seu golpismo entranhado.

A presunção de inocência de muitos veículos é ditada por um cálculo de conveniência. Tem dia em que ela está valendo, tem dia que não está.

Justiça seja feita, há momentos em que a grande e tradicionalíssima imprensa esforça-se muito e dedica todo amor e carinho a proteger a reputação de seus políticos prediletos, a ponto de até mesmo parentes envolvidos em escândalos serem chamados de “supostos parentes” – uma expressão que já deveria estar nos manuais de redação desses luminares.

Precisou da Zelotes para a turma de O Globo se lembrar que a Justiça, em qualquer lugar, é feita não apenas de leis, mas de juízes e de precedentes.

Juízes tratados como astros de rock se engraçam a dar seu show à parte e rasgam a lei como quem quebra a guitarra em pleno palco. Quem precisa delas – da lei, da guitarra? Os precedentes que alguns juízes criam podem ser ainda mais graves, pois tornam-se regras que, longe de serem uma homenagem às leis, espezinham-nas.

Que tipos de juízes preferimos? O Globo prefere um que atenda aos seus caprichos e proteja seus amigos diletos – convenhamos, um “princípio” que é o fim de qualquer noção razoável e responsável de justiça.

Leia também:
Suiçalão: A mídia golpista está envolvida até o pescoço
Suiçalão: Revelações sobre um sistema de fraude fiscal internacional
Por que 8 mil contas de brasileiros em paraíso fiscal não são notícia no JN?
Pela intervenção do Banco Central no HSBC Brasil
Paulo Pimenta: “Caso HSBC pode ser maior esquema já detectado de corrupção do mundo.”
Informante do caso HSBC diz que ainda há “um milhão” de dados por vir
SwissLeaks o caramba! O nome do negócio é Suiçalão doHSBC
Suiçalão: Jornal cede a pressões, abafa as denúncias e colunista pede demissão
Paraná: Suiçalão desvenda transação nebulosa entre Bamerindus e HSBC no governo do PSDB
HSBC e Beto Richa: Mídia esconde o que não lhe interessa
Petrobras e HSBC: Não precisam explicar, só queremos entender
Bancos pagam menos impostos que os assalariados
Suiçalão: Quem são os brasileiros com contas secretas no HSBC?
Quem nos governa?
Suiçalão: Governo federal vai pedir lista de brasileiros com conta no HSBC da Suíça
Suiçalão: Cinco perguntas para o HSBC, um banco fora de controle
Suiçalão: Amaury Jr., autor de A Privataria Tucana, deixa o ICIJ devido à cobertura tendenciosa das contas do HSBC
HSBC pagará quase US$2 bilhões aos EUA por lavagem de dinheiro
O relatório do Senado norte-americano sobre o Suiçalão
Paraísos fiscais, o preço que as democracias pagam
Por que 8 mil contas de brasileiros em paraíso fiscal não são notícia no JN?
Itaú e Bradesco deixam de pagar R$200 milhões em impostos com operações em paraíso fiscal
Trensalão: Executivo da Siemens foi instruído a destruir papéis de conta em paraíso fiscal
Sonegação: Ricos brasileiros têm a 4ª maior fortuna do mundo em paraísos fiscais
Império britânico comanda offshores e paraísos fiscais do planeta
Muito mais que bucólicos são os paraísos fiscais
Repórteres de todo o mundo se juntam para expor contas secretas dos paraísos fiscais
Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou Globo 776 vezes em dois anos
Chipre: Um paraíso fiscal que virou pesadelo para toda Europa
O caso de sonegação da Globo e o escândalo HSBC
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 1ª parte: “Injusto é pagar imposto no Brasil.”
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 2ª parte: Como o processo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime
Série do DCM sobre a sonegação da Globo, 3ª parte: A história da funcionária da Receita que sumiu com o processo
Vídeo: O documentário sobre o escândalo de sonegação da Globo
Vazou tudo: Sonegação da Rede Globo está na web
A sonegação da Globo, o Ministério Público e a PEC 37
Em 2014, sonegação deve atingir R$500 bilhões no Brasil
Paul Krugman e Banco Mundial avaliam o Brasil apesar da sonegação
Sonegação no Brasil supera orçamentos da Educação e Saúde
Sonegação dos ricos é 25 vezes maior que a corrupção nos países em desenvolvimento
Sonegação no Brasil é 20 vezes maior que gasto com Bolsa Família
Sonegação de impostos em São Paulo chega a R$132 bilhões por ano

3 Respostas to “Bastou Zelotes chegar para a Zelite achar ideias de Moro “perigosas””

  1. pintobasto Says:

    Temos que acabar com a esperteza de candidatos que não passam de meros lacaios dos donos do capital para enganar os incautos cidadãos.

  2. Dayse Silva Says:

    Estanhas certas idéias.
    Afinal, estamos sob a égide do Estado de Direito.
    Portanto, as leis são aplicáveis a todos sem distinção.

  3. Dayse Silva Says:

    São estranhas certas atitudes.
    Afinal, vivemos sob a égide do Estado de Direito, cujas leis são aplicáveis, igualmente, a todos os cidadãos.
    Portanto, sem distinções!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: