Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização

PM_Terceirizacao02

Repressão a ato de sindicalistas em Brasília. Foto de Wilson Dias, Agência Brasil.

PL da terceirização torna nítidos os conflitos de classes no país, afirma Vannuchi

Empresariado interessado no lucro e trabalhadores lutando pela preservação de direitos configuram embate em torno do PL 4.330.

Via Rede Brasil Atual em 7/4/2015

As manifestações a serem realizadas na terça-feira, dia 7/4, pelas centrais sindicais e movimentos sociais contra o PL 4.330, que trata da terceirização, têm por objetivo barrar mais uma tentativa de suprimir direitos, no bojo da ofensiva conservadora e reacionária, afirma Paulo Vannuchi, analista político da Rádio Brasil Atual. A ofensiva, segundo o analista, é liderada pelo presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ). Tal episódio deixa nítidos os conflitos de classe, afirma.

Cunha, que conseguiu recursos financeiros extraordinários para eleger uma grande bancada de deputados fieis a ele, afirma Vannuchi, vendeu aos empresários o seu compromisso de aprovar o PL 4.330, que tramita há dez anos.

O projeto de lei que determina terceirização foi primeiramente proposto pelo ex-deputado e empresário Sandro Mabel (PMDB/GO) e o substitutivo a ser votado hoje é de autoria do deputado Arthur Maia, do partido Solidariedade, criado por Paulo Pereira, da Força Sindical.

Vannuchi afirma que tal iniciativa é uma radiografia de que a força política liderada por Paulinho representa um sindicalismo que se alia a interesses empresariais em troca de recursos, atacando direitos trabalhistas.

O comentarista ressalta que todos os direitos trabalhistas e tudo o que se conseguiu, na busca de um estado de bem estar social, foi fruto da mobilização dos trabalhadores. Greves, rebeliões, partidos políticos, pressões, enfrentamentos, com sangue, suor, mortes e lágrimas.

As posições em torno do projeto de lei demonstram, de maneira cristalina, a divergência entra a classe empresarial e patronal, de um lado, interessada no lucro e na reprodução ampliada do capital e, do outro lado, os trabalhadores, que querem mais direitos, dignidade e trabalho descente, diz Vannuchi.

Vannuchi lembra que o processo de terceirização conservava certa lógica quando era executado nas ditas funções-meio, quando, por exemplo, uma montadora contrata uma empresa responsável pela alimentação dos funcionários. No caso, seria essa a função-meio, a função-fim de uma montadora é produzir carros. Pela legislação atual, as funções-fim são impedidas de serem terceirizadas.

O PL 4.330 visa a acabar com essa separação e libera a terceirização ampla, geral, e irrestrita, segundo Vannuchi, que frisa também que os trabalhadores terceirizados ganham 25% menos, trabalham mais, mais expostos a acidentes, e têm 3,4 mais chance de morrer no local de trabalho. Atualmente, no Brasil, já são mais de 13 milhões trabalhadores expostos a tal condição.

Vannuchi diz que a mobilização das centrais sindicais e movimentos vai pressionar por adiamento ou uma mudança profunda na concepção do projeto de lei, aos moldes da proposta defendida pelo deputado Vicentinho (PT/SP), volta a estabelecer critérios e limites para a terceirização. O comentarista espera uma vitória da resistência dos trabalhadores contra o retrocesso.

Leia também:
Terceirização: Saiba como votou cada deputado
Lewandowski às centrais sindicais: “Aqui vocês são bem-vindos.”
Terceirização: R$4,6 milhões é o preço do PL 4.330?
Terceirizados trabalham 3 horas a mais e ganham 25% menos
Terceirizada, mulher de Eduardo Cunha ganhou ação contra Globo e foi contratada

Uma resposta to “Eduardo Cunha vendeu aos empresários o compromisso de aprovar a terceirização”

  1. bene nadal Says:

    Atenção você, que é filiado a um sindicato ligado à força, ou a farça sindical que sustenta esse deputado da força, ou da farsa, como queira, desfilie desse sindicato pelego, desse deputado traidor, pois o projeto que tira os direitos trabalhistas é do partido dele, e os únicos interessados em tirar os direitos dos trabalhadores são os empresários que financiam políticos para votar contra você trabalhador! Sabemos todos que a Câmara dos deputados está sob o comando do maior traidor dos trabalhadores, e esse deputado da farsa está mancomunado com o traidor, por isso é traidor também! Se eu fosse filiado a um sindicato pelego, traíra, como esse teu que se filiou a essa força, ou melhor farsa, me desfiliaria na hora e levaria os demais colegas de trabalho, a fazer o mesmo… Já pensou você pagar, descontado em folha, para um sindicato que luta contra você? Contra os direitos trabalhistas que você conquistou a duras penas?? Pense nisso!!! Leia o texto e fique por dentro!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: