11 de setembro: Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA no atentado

11_Setembro08_Jornalistas

Mortes suspeitas: Bob Simon, David Carr e Ned Colt morreram durante a investigação do 11 de setembro.

Via Aporrea e tradução do Diário Liberdade

Três jornalistas que trabalhavam em um documentário sobre o envolvimento do governo norte-americano na destruição das torres gêmeas morreram nos últimos dias. São o ex-repórter internacional da NBC Ned Colt, o correspondente da CBS News Bob Simon e o jornalista do The New York Times David Carr.

Bob Simon, de 73 anos, foi assassinado na quarta-feira, dia 11/2, na cidade de Nova Iorque em um acidente automobilístico e na quinta-feira, dia 12/2, Ned Colt, de 58 anos, faleceu devido a um derrame cerebral. Horas depois, David Carr, de 58 anos, teve um colapso e morreu em seu escritório na redação do The New York Times.

Os três jornalistas, além de Brian Williams, que pediu demissão da NBC após não concordar com as notícias sobre o Iraque veiculadas pela emissora, tinham criado uma empresa de vídeo independente em janeiro e apresentaram os documentos sigilosos do arquivo mais secreto do Kremlin, onde existiam provas relacionadas com os atentados de 11 de setembro de 2001. Em relação a esses arquivos do 11/9 em poder do Kremlin, o presidente Vladimir Putin tinha alertado que iria divulgá-los.

Os especialistas norte-americanos acham que, apesar do fato de as relações entre os EUA e a Rússia terem chegado no ponto mais grave desde a Guerra Fria, Putin levou a Barack Obama problemas menores. Os analistas acham que isto é só a “calma antes da tormenta”.

Putin vai bater mais uma vez e estaria preparando o lançamento de provas da participação do governo dos Estados Unidos e dos serviços de inteligência nos ataques do 11 de setembro.

O motivo para o engano e o assassinato de seus próprios cidadãos terá servido aos interesses petroleiros dos Estados Unidos no Médio Oriente e de suas empresas estatais.

A ponta de lança da empresa de notícias em vídeo independente que pretendia descobrir a verdade do 9/11 foi David Carr, quem no The New York Times foi um intermediário de Edward Snowden e após ter visto o documentário Citizenfour, tratou de ir dormir, “mas não podia”

Carr estava seriamente desiludido com o The New York Times por suas reportagens sobre a guerra da Ucrânia “e não só por não dizer a verdade, mas também pelos emblemas nazistas nos capacetes de soldados leais ao regime da Ucrânia lutando contra os rebeldes”.

Outro que trabalhava muito com Williams e Carr neste projeto do vídeo do 11/9 foi Ned Colt, que após sair de NBC News continuava sendo amigo de Williams e aperfeiçoou suas habilidades humanitárias enquanto trabalham no Comitê Internacional de Resgate. Por sua vez, Bob Simon considerava “extremamente lamentável” a manipulação dos meios de comunicação no período da guerra dos Estados Unidos contra o Iraque.

Após a destruição da imagem de Williams e a estranha morte de Carr, Colt e Simon, o regime de Obama enviou uma “mensagem clara” à elite norte-americana quanto à exposição de seus segredos mais obscuros.

Pior ainda, as elites dos meios de comunicação nos EUA agora fogem de medo e o regime de Obama ameaça a mídia alternativa, prometendo banir todos os sites que não concordam com governo norte-americano. Para punir os futuros “infratores”, foi criada uma norma, a Ordem Fraternal da Policial Nacional, para classificar as críticas nas redes sociais contra a polícia estadunidense como um “crime de ódio”.

Leia também:
Vídeo: Professor dinamarquês desmascara a versão oficial do 11 de setembro
A indústria do 11 de setembro
Quem matou Phillip Marshall, escritor que denunciou a fraude do 11 de setembro?
O verdadeiro 11 de setembro: Ele mudou, para pior, a América Latina

3 Respostas to “11 de setembro: Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA no atentado”

  1. Marco Antonio Says:

    Pelo que sei, a CIA só atua fora dos EUA. Internamente a coisa fica a cargo do FBI. Marco Antonio

  2. José Jésus Gomesde Araújo Says:

    Faz-me lembrar o excelente filme de Vermeil, com esplêndido desempenho de Yves Montand, I Como Ícaro; baseado na história de um promotor que não aceitou o Relatório Warren sobre o assassinato de John F. Kennedy e decidiu investigar por conta própria. Segundo a mitologia grega, Ícaro, filho de Dédalo, voou tão alto com as asas de cera que o pai fabricara, que se aproximou do calor e da claridade do sol, as asas se derreteram e ele se precipitou no mar. Quantos Ícaros, aqui e nas demais plagas, se aproximaram da luz da verdade e se precipitaram no mar. O seguro é contentar-se com as informações fornecidas pelo Sistema através de seus jornais. O Sistema guarda ciosa e implacavelmente seus segredos. Estão vendo a Petrobrás? Bate recordes de produção, mas está desclassificada pelas agências internacionais(que não previram a crise nos EUA!), para não poder contrair empréstimos, entrar em falência e ser vendida a preço de bananal, levando o Pré-Sal, que vale 20 trilhões.

  3. Valdeci Pereira Mendes Says:

    A se confirmar tais notícias, fica evidente que o 11/09 não passou de uma armação para envolver pessoas inocentes em uma guerra entre povos que já se matinham em trégua.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: