Fernando Haddad já pode alçar voos mais altos

Haddad_PT

Luis Nassif

Duas decisões recentes permitirão avançar a mais ousada experiência metropolitana das últimas décadas no país: a do prefeito Fernando Haddad em São Paulo.

A primeira delas foi a renegociação das dívidas de estados e municípios, aprovada esta semana pelo Congresso. Permite um desafogo não apenas no pagamento anual da dívida, mas na capacidade de endividamento dos entes federados – à medida que reduz de imediato o valor presente do passivo.

A segunda, foi a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo de corrigir o abuso do ano passado, quando impediu que prefeitura de reajustar a planta do município e definir os novos valores do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).

No próximo biênio, Haddad terá recursos à sua disposição para avançar nos seus experimentos. Nos primeiros dois anos, abriu espaço para colocar São Paulo em linha com o século 21 e com as políticas urbanas de centros mais modernos.

O ponto focal foi o enfoque humanizador, de colocar o homem como centro de todas as políticas. Há muito a ideia de que políticas metropolitanas dependem apenas de concreto e aço foram superadas em países mais modernos. Grandes intervenções urbanas, de Nova Iorque a Barcelona, fracassaram por não levar em conta que uma cidade é, acima de tudo, o ambiente de convivência entre seus cidadãos.

Esse processo civilizatório avançou na saúde pública, a Operação Braços Abertos, na Cracolândia, inaugurou uma nova etapa, mais humana, da luta contra o crack.

Em outras gestões, alguns secretários de Saúde ousaram entrar nessa linha. Mas foram demovidos pela ação repressiva da Polícia Militar e pela falta de coragem de sucessivos prefeitos em quebrar o padrão de repressão.

O segundo avanço foi o de ter enfrentado finalmente o dogma da civilização do automóvel.

A implantação da faixa única de ônibus, o bilhete único, a criação de um ambiente mais saudável nos coletivos – inclusive com a implantação de wi-fi –, mais as ciclovias, colocaram na pauta os limites para o automóvel.

A discussão está na mesa sem os dogmas anteriores.

As ciclovias e a humanização da avenida Paulista tiveram um amplo efeito no estado de espírito da cidade. Marcam uma nova etapa, em que o fator gente insere-se definitivamente nas políticas públicas metropolitanas.

O Plano Diretor foi o marco maior, ao definir regiões de adensamento, novas maneiras dos prédios interagirem com o ambiente externo e retomar para a Prefeitura o controle da expansão urbana – que nas últimas décadas foi conduzida pela indústria imobiliária.

E Haddad mostrou habilidade política ao negociar com o Secovi (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado) e superar as resistências da Câmara Municipal.

Toda política modernizante enfrenta um forte tiroteio inicial. O governante precisa correr o risco inicial, sem ter a garantia de que colherá os frutos mais adiante.

A diferença entre os meramente obreiros – como Paulo Maluf e José Serra (um Maluf sem a mesma capacidade de trabalho) – e os estadistas reside na capacidade de ousar, de entender o novo e apostar no futuro, correndo riscos.

Daqui até 2016 muita água vai rolar. Mas, pela sua obra até agora – no Ministério da Educação e na Prefeitura –, Haddad se habilita como a melhor vocação pública que surgiu no país nas últimas décadas.

Uma resposta to “Fernando Haddad já pode alçar voos mais altos”

  1. Antonio Clair de Freitas Says:

    Haddad terá mais 4 anos para ser lançado a presidencia.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


<span>%d</span> blogueiros gostam disto: