Eleições acirraram a luta de classes no país, diz filósofo

Marcos_Nobre01_Unicamp

Via Folha on-line

“A eleição acirrou a luta de classes. Estamos num momento em que a democracia brasileira tem que se decidir se vai se aprofundar ou se vai continuar patinando. As instituições até agora funcionaram para bloquear a diminuição da desigualdade no país. É a ideia de que todo mundo tem de andar em bloco para que todos fiquem mais ou menos onde estão.”

As ideias são de Marcos Nobre (foto), doutor em Filosofia pela Unicamp. Para ele, as eleições foram “uma guerra em torno da grade de classes do país”: o que está em jogo é a manutenção ou não dessa grade.

Nobre participou na noite de terça-feira, dia 28/10, de debate sobre eleições no 16º Encontro Nacional da Anpof (Associação Nacional de Pós-Graduação de Filosofia) que ocorre nesta semana em Campos do Jordão (SP). Para ele, “as revoltas de junho abriram um horizonte que parecia fechado, e essas eleições já são expressão de que alguma coisa mudou no sistema político”.

Uma das coisas mais extraordinárias de 2014 “é que a direita trocou os blindados do Exército por blindados privados – esses carros enormes, que parecem militares, e que têm o adesivo do Aécio”.

Sua fala arrancou aplausos e risos da plateia (mais de 350 pessoas) que lotou a sala.

“Fico feliz que exista uma direita no Brasil que ache que a rua é dela. É um avanço democrático enorme, mas pode haver formas de convivência na rua menos brutais. A direita descobriu que a rua é dela também em junho de 2013, quando a esquerda também descobriu que pode ter mobilização de massa”, disse.

Alguém perguntou sobre o ódio na eleição: “Estou contente que esse ódio tenha aparecido nesta eleição, porque não aguentava a pasmaceira de antes. É uma coisa que deve ser cultivada. Não devemos recuar de medo, dizendo que isso é muito perigoso. É preciso ver esse ódio como manifestação de uma sociedade que quer aprofundar sua democracia. Redemocratizar demorou 30 e poucos anos; democratizar espero que demore séculos. Mas junho de 2013 foi um bom começo”.

Nobre expôs sua tese sobre o peemedebismo, nome que dá ao bloco conservador no país. Reunindo múltiplas forças políticas e formando um bloco hipermajoritário no Congresso e na sociedade, o peemedebismo surgiu como forma de afastar golpes do início da redemocratização. O processo de impeachment, em 1992, reforçou a ideia da necessidade do blocão, sem oposição forte, para garantir a governabilidade –uma marca do governo FHC.

Para ele, Lula ocupou esse bloco pela esquerda, desidratando a oposição: “O sistema político funciona num grande condomínio peemedebista: é sempre o mesmo bloco, o que muda é o síndico”. Em 2014, porém, a polarização está de volta: “Voltamos a ter pelo menos a disputa, para valer, pelo posto de síndico”.

Uma resposta to “Eleições acirraram a luta de classes no país, diz filósofo”

  1. Dayse Silva Says:

    Depois de 500 anos de história, é chegada a hora de uma distribuição de renda mais justa, de escolas de qualidade e universal, indistintamente, do pré ao superior.
    É este o momento de nos direcionarmos, todos juntos, na construção de uma Grande Nação.
    A Grande Nação do Sul.
    Necessário, portanto, elevarmos nossas idéias e ideais, aplicando-os na transformação deste nosso amado País.
    Miremo-nos nas grandes nações do Planeta.
    Ao futuro construtivo,Brasil!!!

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: