Ricardo Melo: O príncipe que virou sapo

Aecio_FHC06

Ricardo Melo

Conforme previsto, boa parte da campanha eleitoral vem sendo dominada por vazamentos seletivos sobre a Petrobras. Neles ressaltam a falta de cuidado quanto às circunstâncias e alcance do que falam os “delatores”. Um áudio ali, uma declaração aqui, documentos secretos acolá – vale tudo. O julgamento parece estar feito.

Personagens surgem e desaparecem subitamente. O ex-candidato Eduardo Campos era um dos citados nas “denúncias” sobre propinas. Pois bem, o nome dele sumiu como que por encanto. Será que a evaporação tem a ver com o apoio do que sobrou do PSB a Aécio Neves? Cada um pense o que quiser.

Mas quem tocou no ponto central foi um candidato fora da cédula: Fernando Henrique Cardoso. Num tom quase acusatório, disse que o voto do PT vem dos pobres. Claro, tentou tucanar o próprio preconceito. “O PT está fincado nos menos informados, que coincide de ser os mais pobres [sic]. Não é porque são pobres que apoiam o PT, é porque são menos informados”.

Bem, caro ex-presidente, e antes, como explicar seus votos no Nordeste à custa de alianças com o finado PFL e oligarquias reacionárias? Pelo mesmo raciocínio, pode-se chegar à conclusão de que a derrocada tucana começou depois que os pobres se informaram. E não gostaram do que viram. Ou seja, o contrário do que deduz o ex-presidente. Isso sem falar que os bem ou mal informados, tanto faz, derrotaram o genérico Aécio em plena Minas Gerais. Danem-se as urnas: o outrora festejado “príncipe dos sociólogos” escolheu inverter a fábula e se transformar em sapo dos endinheirados.

Talvez o que mais incomode não seja propriamente a decomposição intelectual. É a soberba quando se trata de dar aulas de ética, moral e bons costumes. FHC protagonizou um dos maiores estelionatos eleitorais: promoveu a desvalorização abrupta do real, negada de pés juntos por ele durante a campanha de 1998. Para aprovar a reeleição, o esquema oficial subornou parlamentares a peso de ouro. Sua obsessão privatizante nem sequer gerou dinheiro em caixa, ao menos para o contribuinte honesto. Pelas contas do jornalista Aloysio Biondi, a liquidação estatal deu um prejuízo de cerca de R$2,5 bilhões ao povo. Para quem se interessar, os números estão lá, na página 100 do livro O Brasil Privatizado.

Aécio parece ir pelo mesmo caminho. Inútil perder tempo com as caudalosas entrevistas do candidato. Bastam alguns exemplos de disparates. Com a modéstia habitual, Aécio compara sua candidatura ao movimento que derrubou a ditadura militar! Diz ainda que fará um governo dos pobres (mal ou bem informados?) e que pretende ser o presidente da educação. Silencia sobre o fato Minas Gerais pagar aos professores, com base na contabilidade criativa tão criticada pelos tucanos, um piso inferior ao nacional. Chega a afirmar que obras como o aeroporto familiar construído com dinheiro público visaram ao interesse coletivo. Parece galhofa.

Quantos ministérios vai cortar? A gasolina custará quanto? Quantos cargos serão eliminados? Respostas: “Não posso antecipar cenários específicos”, “no momento em que anunciar o novo desenho da máquina pública”, “encontraremos o caminho legal adequado”. Para fechar com chave de ouro, diz opor-se “violentamente a qualquer tipo de cerceamento de liberdade […] em especial a liberdade de imprensa.” Os jornalistas de Minas que o digam.

Enfim, declarações que soam tão verdadeiras quanto a marquetagem do choque de gestão aecista. A esse respeito, vale ler a manchete da Folha de domingo, dia 12. O perigo é se informar e trocar de candidato.

2 Respostas to “Ricardo Melo: O príncipe que virou sapo”

  1. Marcos Pinto Basto Says:

    O imortal traidor da Pátria FHC, ainda solta alguns grunhidos sobre politicalha, mas até o boy Néscio sabe que sua imagem faz os eleitores recordarem os tenebrosos tempos de seu desgoverno muito entreguista e ele, um boy com muito maior desenvoltura, fará muito melhor em menos tempo.

  2. marielfernandes Says:

    Não vazou que a Petrobras não bancou com o nosso dinheiro a campanha do PT? Ah, talvez porque isso não tenha acontecido.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: