Paulo Moreira Leite: Dois pesos, duas leviandades em Marina Silva

Marina_Aroeira01

Paulo Moreira Leite

Depois que o nome de Eduardo Campos surgiu na delação de Paulo Roberto da Costa, Marina Silva tenta nos convencer de que é possível entrar na chuva e não se molhar.

Explico. Ao mesmo tempo em que tenta entrar no coro conservador ao falar do “apadrinhamento, da corrupção, do uso político” na Petrobras, Marina afirma que “não quer uma segunda morte de Eduardo Campos por leviandade.” Pode?

Ou a candidata denuncia a leviandade – e neste caso não lhe cabe fazer afirmações levianas sobre a maior empresa brasileira, colocando seu tijolo na preservação do mítico “mar-de-lama” criado por Carlos Lacerda para atacar as conquistas do governo Getúlio Vargas.

Ou então utiliza argumentos de natureza emocional (“segunda morte”) para fugir do debate real, finge que sua campanha não tem nada a ver com isso e segue na corrida atrás de votos procurando a criminalizar os adversários.

O que não dá é ficar em posturas opostas, quando convém. Ora vítima de uma possível injustiça, ora candidata imaculada. Existe algo mais “velha política”?

Governador do Estado onde foi construída a refinaria Abreu e Lima, apontada pelos adversários do governo como usina de um superfaturamento-monstro, o que está longe, muito longe, de ter sido demonstrado, Eduardo Campos chegou a ser arrolado como testemunha de defesa por Paulo Roberto da Costa e lutou arduamente para não ser ouvido. Por que o delator de hoje acreditava que Eduardo Campos pudesse ser útil em sua defesa de ontem?

Não sabemos.

O que ele poderia não dizer, atitude que, do ponto de vista jurídico, pode ser ainda mais decisiva?

Não sabemos.

Mas sabemos que o delator Paulo Roberto da Costa convocou uma testemunha para sua defesa – Eduardo Campos. Nenhum ministro, senador ou deputado foi acionado nessas mesmas condições. O tesoureiro do PT João Vacari não foi, nem o deputado Candido Vaccareza.

Contrariado com a convocação, Eduardo Campos travou uma negociação difícil para não ser obrigado a atender ao pedido.

Marina agiu de forma parecida quando se verificou que o PSB fazia campanha com um avião registrado em nome de laranjas.

Ela própria só não embarcou no voo da tragédia porque naquela manhã Eduardo Campos se dirigia para um seminário ao qual a vice não tinha interesse em comparecer.

Marina viajou seis vezes no Cessna que caiu em Santos. Segue normalmente em campanha. Prometeu solenemente dar explicações que nunca vieram. Mas segue falando em “corrupção”, “apadrinhamento”, “uso político.”

Isso acontece porque o moralismo – que é uso seletivo e maroto de princípios éticos com fins políticos – é uma moeda de troca eleitoral. O mensalão do PSDB-MG segue a grande prova definitiva a respeito.

Há outro caso ilustrativo, também.

Curiosamente, Júlio Delgado, deputado do PSB de Marina, é relator no processo de cassação do petista André Vargas, que segue em pauta no Congresso e deve ser resolvido até o final do ano. Em 2005, Delgado foi relator do processo que levou a cassação de José Dirceu. Procure na acusação um fiapo de prova contra o então deputado. Não vai encontrar.

O caso desta vez tem a ver com outro jatinho particular, também.

Após muitos murmúrios que nada provaram, Vargas encontra-se na mesma situação de sempre.

Sérgio Moro, o juiz que é responsável pela Operação Lava a Jato, escreveu que não foram encontrados indícios de “relações criminosas” entre André Vargas e Youssef. Repito: não foram encontrados indícios de relações criminosas.

A única acusação contra ele é ter viajado com a família num jatinho de Alberto Youssef, o doleiro do esquema de Paulo Roberto da Costa, aquele que considerou que Eduardo Campos poderia ser útil em sua defesa. Se a Justiça coloca suspeitas sobre os negócios de Youssef, não coloca em dúvida a propriedade do avião.

Embora o deputado tenha até pago pelo combustível usado na viagem, ele pode ser criticado por ter aceito favores indevidos de um empresário com vários interesses junto ao governo. Está certíssimo. É gravíssimo.

Mas, sendo assim, imagine o que se pode pensar de um jato que andava por aí, como um cachorro sem dono, com um candidato a presidente e sua vice a bordo, prometido a um proprietário de assinatura ilegível.

É disso que estamos falando.

Mesmo levando em conta as diferenças fundamentais que a visão convencional enxerga nos personagens é difícil deixar de imaginar que a aproximação entre Neca Setúbal e Marina tenha produzido grande influência nas ideias e propostas da candidata nos últimos quatro anos. Foi uma aproximação que incluiu o pagamento de 83% das receitas da ONG montada por Marina após a campanha presidencial. Uma mesada de mãe para filha.

O programa de governo de Marina inclui pontos de extrema importância para os negócios da família Setúbal, nós sabemos: desde a autonomia do Banco Central, que a própria candidata condenara meses antes, o fim dos créditos direcionados, a redução de impostos do sistema financeiro, e assim por diante. Não estamos falando de um negócio aqui, outro ali. Não é um caso Labogen, laboratório no qual Youssef tinha interesses, sem que se tenha demonstrado que André Vargas tenha feito qualquer esforço suspeito para lhe prestar auxílio.

Estamos falando de mudar o rumo de um país, a sétima economia do mundo, com um PIB de R$4,8 trilhões, alterando suas prioridades para a distribuição de renda, o mercado interno.

Você pode achar errado usar palavras feias, como “apadrinhamento, uso político” para falar a respeito dessa mudança.

Mas sabemos muito bem do que se trata, não é mesmo?

(Se você gostou do título, saiba de uma coisa: não passa de uma versão do célebre título de Janio de Freitas na cobertura da AP 470, o mensalão PSDB/MG e do esquema de Marcos Valério-Delúbio: “2 pesos, 2 mensalões”.

2 Respostas to “Paulo Moreira Leite: Dois pesos, duas leviandades em Marina Silva”

  1. Geraldo Lobo Says:

    Parece ser fato que a D Marina seja de uma ingenuidade à toda prova, dessas de se esconder atrás dos altares, onde só aparecem os santos e de falar como se fossem eles, santos, de paôco ou nem tanto, não importa, santo é santo. O que atrapalha é a sua certeza de que pensem que ela seja santa, mesmo se cercada por todos os lados de anjos caídos. Atrapalha, mas não engana, apenas confirma. Nada como jesuiticamente acender uma vela pra deus outra pro diabo: nunca se sabe quem vai estar no poder amanhã de tarde.

  2. José Jésus Gomesde Araújo Says:

    Concentrar a propaganda política no moralismo é vezo conservador, criado pela antiga UDN nos inícios da República Liberal, detonada pelos militares a serviço dos conservadores em 1964. Depois, Jânio Quadros com sua vassoura para varrer os corruptos – na campanha eleitoral, eram distribuídos broxes com forma de vassoura. Depois, Collor, prometendo acabar com os marajás. É sempre o mesmo discurso, agora utilizado por Marina e Aécio. Serve de biombo para ocultar os grandes problemas nacionais

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: