O nazilacerdismo de Arnaldo Jabor

Arnaldo_Jabor09_Golpe

Miguel do Rosário em seu O Cafezinho

Na terça-feira (19), o dia começou difícil por causa do veneno injetado por Arnaldo Jabor no debate público. Rasgando fantasias democráticas, ele faz um discurso abertamente golpista, com uma defesa enfática da violência política.

Ele diz que não se trata de uma eleição comum, mas de um embate entre democratas e não-democratas. Igualzinho ao que falavam os golpistas de 64. Alguém deveria lembrar a Jabor que a empresa para a qual ele trabalha pediu desculpas por apoiar o golpe de 64. Ora, pediu desculpas e, no ano em que se completam 50 anos do golpe, volta a criminalizar a política exatamente como fez em 1964?

Há tempos que Jabor é golpista. Afinal, esta é a característica política mais profunda, arraigada e orgânica da Globo, e ele é âncora do Jornal da Globo, comentarista da CBN e colunista mondo cane do Segundo Caderno.

Jabor é o porta-voz da Globo, assim como Reinaldo Azevedo é da Veja.

Dois Black Blocs da direita. Com todo o respeito aos Black Blocs, que são cordeirinhos perto dessas raposas.

O caso de Jabor, no entanto, me parece o mais grave, o mais patológico. Seu artigo de hoje [20/8] é um caso psiquiátrico de imaturidade própria de bilionários golpistas de terceiro mundo. Jabor quer reviver o lacerdismo, mas lhe falta a autenticidade de Carlos Lacerda, que nunca negou a política. Lacerda filiou-se a um partido, disputou eleição e depois cometeu o erro, trágico para ele mesmo, de apoiar o golpe de 64.

Recentemente, em entrevista para o programa de Nassif na TV Brasil, o professor Wanderley Guilherme falou um pouco sobre Lacerda. Observou que o jornalista e político não era movido por ódio. O lacerdismo original tinha paixão, não ódio. Lacerda não era apenas um clown de segundo caderno. Foi governador, construiu escolas, fez túneis, articulava-se politicamente. Tinha seu próprio jornal. Não era lacaio de nenhum barão da mídia.

Seu erro foi mergulhar de cabeça na onda de fascismo midiático que se alevantou. Dava entrevistas nas quais falava todo o tipo de mentira e grosserias contra o governo João Goulart. Lembro de uma, que li num microfilme da Biblioteca Nacional, em que Lacerda afirma que Goulart preparava um golpe bolchevique em 15 dias. Loucura total. O governo Goulart não preparava nenhum golpe, quanto mais um golpe comunista.

A violência que assistimos hoje de setores midiáticos contra Dilma é a mesma que havia contra Vargas e Jango. Jabor não disfarça o seu golpismo. Ele compara o PT a Jango e emula o discurso golpista de 1963 e 1964.

Fala de Vargas e Brizola, e diz que não precisamos de varguismo e brizolismo.

Precisamos de quê? De Margareth Thatcher? De Ronald Reagan?

O que precisamos hoje é exatamente de Vargas e Brizola. Grandes lideranças políticas, preocupados com o povo e que viveram, no inverno de suas vidas, experiências democráticas vitoriosas para o conjunto dos trabalhadores.

Ele fala em “desastre econômico”, o que nos faz voltar à guerra da informação. Ora, não há desastre econômico nenhum.

O governo FHC, que Jabor louva tanto, entregou um país quebrado à Lula. A dívida externa parecia impagável. O desemprego galopava. A inflação estava várias vezes maior que agora. Éramos um país que devia ao FMI, ao Banco Mundial, ao mundo inteiro, e hoje nós temos reservas de quase US$400 bilhões e articulamos a criação de um banco internacional, o banco dos Brics, que é maior que o Bird e o Banco Mundial.

O desemprego é o mais baixo da história. Os salários, os mais altos. Nunca houve tal quantidade de obras de infraestrutura. Que raio de desastre econômico é esse?

A mídia cria um Brasil paralelo, irreal, onde só acontece o que ela quer nos fazer acreditar que acontece.

Eu moro numa rua centenária e decadente do centro do Rio. Até pouco tempo, mesmo sendo otimista em relação ao Brasil, não botava muita fé nos destinos dessa parte do centro. De um ano para cá, todavia, iniciou-se a construção de seis hotéis em minha rua. Seis hotéis! Com empresas boas, do ramo. O projeto mais próximo do meu prédio é um Íbis.

Considerando o quarteirão, são dezenas de obras, um barulho infernal que inferniza minhas manhãs outrora tranquilas. Essa é a “crise que vivemos”.

Saí para dar uma caminhada hoje, e não parava de ouvir barulho de obras. O bairro inteiro está se transformando rapidamente.

De uns anos para cá, surgiram dezenas, centenas, de novas academias de ginástica no bairro, salões de beleza, praticamente todos os bares reformaram suas instalações, ou foram comprados por novos investidores.

Os anúncios de emprego nas paredes dos bares hoje são comuns e às vezes permanecem lá por semanas.

Ontem [19/9] o Ministério do Trabalho divulgou o resultado do emprego formal até 2013. Confirmamos a teoria de que a geração de empregos novos começa a cair a partir de 2010, junto com a taxa de desemprego, pela razão óbvia de que, com menos desemprego, há menos mão-de-obra ociosa para gerar saldo de vagas.

Mesmo assim, houve um aumento em 2013 sobre o ano anterior, o que reflete a entrada de gente no mercado de trabalho que já tinha desistido de procurar emprego.

Emprego12

A mídia quer apenas fazer sensacionalismo com os problemas da saúde, mas não mostra os avanços na área. Não há programas médicos respeitáveis em nossa mídia, apesar de que, atualmente, a informação é fundamental para se prever inúmeras doenças. O Ministério da Saúde, e as secretárias estaduais, apenas conseguem veicular propagandas essenciais pagando preços cheios das tabelas de publicidade.

Na entrevista de Dilma no Jornal Nacional, o ponto que eu mais gostei foi quando ela fala de saúde pública. Num momento de interrupção de sua fala por Bonner, a Dilma lembra do sistema público de ambulância, o Samu, implantado nacionalmente pelo governo federal, ainda na gestão Lula.

Dilma mencionou o Samu atropeladamente, porque os entrevistadores não a deixavam falar. Ela conseguiu falar, porém, do Mais Médicos. Poderia ter falado também do Brasil Sorridente.

Na minutagem, registrou-se que Bonner ocupou mais de 40% do tempo da entrevista, interrompendo e atacando a presidenta.

Ele e Poeta foram grosseiros com todos os candidatos. Mas com Dilma, a postura foi de ódio deliberado, explícito.

A primeira pergunta foi uma tentativa de explorar a principal vitória da mídia contra o PT: o “mensalão”, um problema menor de caixa 2 que foi ampliado para se tornar um grande caso de corrupção.

O maior do Brasil? O maior da história da república?

O julgamento do “mensalão” foi um golpe da mídia.

Não interessa se os juízes foram nomeados pelo PT. Eles se venderam à mídia. Ayres Brito é um caso emblemático. Dias depois de sair da presidência do STF, assinou prefácio do livro de Merval Pereira, o colunista mais engajado na farsa que foi a Ação Penal 470. Em seguida, obteve uma sinecura no Instituto Innovare, que pertence à Globo.

Sobre Joaquim Barbosa, sem comentários. Melhor virar essa página.

O “mensalão” foi uma jogada genial da mídia, porque gerou um tensionamento que radicalizou o debate. Os partidos envolvidos foram emparedados pelo moralismo midiático, pela lógica de linchamento, pelo sensacionalismo fascista.

A mídia promoveu uma injustiça e agora tenta faturar com as manifestações de protesto contra as arbitrariedades cometidas.

Mas Dilma se saiu bem, ao se eximir de fazer qualquer comentário, pois qualquer coisa que dissesse seria usada contra ela.

“Tenho minhas próprias opiniões, mas enquanto for presidente, não falarei nada”, defendeu-se.

À presidenta cabe evitar conflito entre Executivo e Judiciário.

A agressividade quase descontrolada dos entrevistadores soou risível. Não é a primeira vez que Bonner age como cão raivoso diante de Dilma Rousseff.

Dilma cresce sempre que é atacada diretamente.

A raiva hidrófoba de Bonner é a mesma que vemos em âncoras de extrema-direita de tevês fechadas nos Estados Unidos, que dão suas opiniões na Fox e concorrem a cargos políticos pelo partido republicano. Mas que não entrevistam presidentes.

Sobre os programas que tiveram início hoje, evitarei comentários sobre os de Eduardo Campos e Aécio. Sobre o primeiro, por respeito à tragédia. Sobre o segundo, porque é ruim demais. Se o PSDB ganhar, será com a força da Globo, não com a de seu marketing, pesado, opressivo, apresentando um Aécio esquisitão, olhando o nada. Bem o tipo do qual esperaríamos a implementação de medidas “impopulares”.

O de Dilma reflete um equilíbrio bem mais rico, mais delicado, entre conteúdo e emoção, política e marketing, do que em 2010, provavelmente em virtude de maior atenção da equipe para o debate nas redes sociais.

Entretanto, assistindo todos os programas, dei-me conta de uma coisa. Por que os partidos não têm espaço o ano inteiro nas tevês abertas? Por que as concessões públicas, que recebem bilhões de reais por ano em recursos estatais, não dão espaço para os parlamentos, executivo, judiciário, ministério público, sociedade civil, exporem seus projetos?

É necessário haver oposição, claro, e por isso mesmo cabe lhes outorgar, às forças de oposição, autonomia para criticarem o governo diretamente, sem o intermédio de mídias corrompidas ou ligadas, por laços de família ou comerciais, a ocupantes de cargos políticos.

Aliás, em seu artigo, Jabor fala da aliança do PT com os oligarcas do PMDB nordestino. Hipocrisia pura. Esses oligarcas só têm força porque contam com o apoio da Rede Globo em seus estados. Muitos são donos de canais de tevê que repassam o sinal da Vênus.

Um dos políticos mencionados por Jabor, o senador Romério Jucá, líder do governo até 2012, acaba de abrir seu voto: Aécio Neves. Todos os outros representam setores políticos do conservadorismo aliados aos grandes meios de comunicação. Não me espantaria nada se votassem todos em Aécio. A direita brasileira, por medo do fantasma “bolivariano”, sempre se aproxima da Globo e do PSDB.

Ingrato, esse Jabor. São justamente essas figuras que travam qualquer debate sobre a democratização da mídia, e o fazem porque o status quo lhes beneficia. Eles são donos ou amigos dos donos da mídia em seus estados. São o lobby da Globo no Congresso.

O discurso contra o pessimismo de Dilma, por sua vez, só adquirirá um sentido completo se ele se desdobrar numa crítica à falta de um sistema de informação democrático. Só será compreendido plenamente pela população, se for feito em conjunto com uma convocação para que indivíduos e empresas tenham uma visão crítica da mídia, e procurem formar sua opinião a partir de fontes variadas.

Entretanto, já ficou claro, para qualquer analista econômico, que as profecias estão se auto realizando. O nervosismo eleitoral, a radicalização ideológica natural à polarização, travam decisões de investimento. Momentos de polarização política cobram um preço alto, mas passam.

Também não é difícil prever que, definido o resultado eleitoral, seja qual for, os investimentos privados aumentarão com força, livres da insegurança causada pelo terrorismo político e econômico da mídia.

Compare os programas, para a gente debater no blog.

1º Programa eleitoral de Dilma Rousseff – clique aqui

1º Programa eleitoral de Aécio Neves – clique aqui

1º Programa eleitoral do PSB – clique aqui

3 Respostas to “O nazilacerdismo de Arnaldo Jabor”

  1. roulette games online Says:

    roulette games online

    O nazilacerdismo de Arnaldo Jabor | bloglimpinhoecheiroso

  2. pintobasto Says:

    Arnaldo Sem Sabor é um falastrão que se especializou em atacar o PT e seus maiores representantes. Quantas ofensas ele já fez à Presidente? Muitas, mas não se toca que ela nunca se insurgiu contra ele na justiça porque as bobagens que posta são tão grandes , próprias de quem sofre de insanidade mensal, mas uma hora a casa cai…

  3. José Jésus Gomesde Araújo Says:

    Ora! Todos esses execrados oligarcas participaram do governo Collor, ao governo FHC; certamente, se a política virar, se ligarão aos novos governantes. Eu me pergunto se eles viraram capetas depois de se aliarem ao PT.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: