O declínio do Jornal Nacional é irreversível

JN_03_Cid_Sergio

Velhos tempos, com audiências de 70%.

Paulo Nogueira, via DCM

Nos anos 1980, quando eu era um jovem repórter da Veja, a redação, no 7º andar do prédio da Abril na Marginal do Tietê, se alvoroçava quando eram 8 da noite.

Uma televisão, no fundo da redação, começava a passar o Jornal Nacional. A redação parava, mesmo em dias de fechamento, e só voltava a funcionar quando o JN terminava.

Não era só a Veja que parava. Era o Brasil. O JN tinha então 70% de audiência, em média. Às vezes mais. Ditava a agenda política e econômica do país. Roberto Marinho – que na busca de favores da ditadura dizia que a Globo era “o maior aliado” dos generais na mídia, conforme mostram documentos de Geisel reunidos em livro – teria dito que notícia era o que o JN dava.

Para mim, o JN acabaria com minha saída da Veja rumo à Exame, em 1989. Perdi o hábito de vê-lo e jamais senti falta. Não voltei a ver sequer quando trabalhei na Globo, em meados dos anos 2000. Nas reuniões do Conselho Editorial da Globo, às terças de manhã, eu chegava sem ter a mínima ideia do que o JN dera ou deixara de dar, e tinha uma certa dificuldade em me engajar em algumas conversas.

Muita gente fez o que fiz, por variados motivos. (O meu foi o incômodo em ver tanto foco em desgraças depois de ter visto o JN, na ditadura, mostrar um país paradisíaco aos brasileiros. Também o conteúdo influía bem menos na Exame do que na Veja.)

Todas essas reminiscências me ocorrem ao ler que esta semana o Jornal Nacional bateu seu recorde negativo de audiência ao chegar a 18%. É uma derrocada notável – e irremediável. Em alguns anos, os 18% parecerão muito diante da audiência que sobrará para o principal telejornal do Brasil.

O que ocorreu?

A tentação é dizer que é a ruindade técnica do JN que afastou o público. Mas, mesmo pobre o jornalismo do JN, não é esta a razão primeira do declínio.

Isto quer dizer que não adiantaria nada – pelo menos no Ibope – trocar o diretor de telejornalismo da Globo, Ali Kamel, por alguém mais criativo e talentoso. Ou tirar Bonner, que já deve ter mais seguidores no Twitter que espectadores no telejornal que apresenta.

A real causa se chama internet.

A internet é uma mídia que os analistas classificam como “disruptora”: ela não se integra às demais, como sempre aconteceu na história do jornalismo. Ela mata. As demais mídias – tevê aberta incluída – são progressivamente engolidas pela internet.

A situação do JN é análoga à que enfrenta a Veja. A revista definha em circulação, publicidade, influência, importância – em tudo, enfim. Não adianta nada trocar o diretor de redação. Mesmo que a Veja voltasse a ter a qualidade notável da década de 1980, sob o comando dos diretores JR Guzzo e Elio Gaspari, nem assim os leitores retornariam, porque o produto se tornou obsoleto.

O milagre da Globo, hoje, é conseguir faturar como nunca, com audiências em colapso em todas as frentes, dos telejornais às novelas. Proporcionalmente, a Globo ganha em publicidade mais do que ganhava quando alcançava três ou quatro vezes mais pessoas.

Isso se deve a uma coisa chamada BV, Bônus por Volume, uma espécie de propina que é paga às agências de publicidade para que anunciem na Globo.

Foi uma invenção de Roberto Marinho, depois seguida pelas outras grandes empresas de mídia do país, mas com resultados insignificantes se comparados aos da Globo. Hoje, muitas agências dependem do BV para sobreviver.

Graças a isso, com cerca de 20% do mercado de mídia, a Globo tem 60% do bolo publicitário, uma bizarrice. Isso vai mudar quando os anunciantes – que afinal pagam a conta – se recusarem a pagar tabelas cada vez maiores por produtos que alcançam cada vez menos pessoas.

Quanto ao Jornal Nacional, vive em boa parte das audiências passadas. Políticos que fizeram carreira vendo-o influir tanto, sobretudo nos anos 70 e 80, parecem guardar dele a imagem poderosa de antes.

É a geração que está hoje no poder. “O pessoal morre de medo de 30 segundos do Jornal Nacional”, me disse recentemente um desses políticos.

Ele estava falando da dificuldade em fazer o Congresso discutir a regulação da mídia. Por isso, mesmo com uma audiência raquítica, o JN continua a ser um fator de obstrução de avanços sociais.

Novas gerações de políticos vão ver o JN não pelo que foi, mas pelo que é: um programa cada vez visto por menos gente e, por isso, menos influente a cada dia.

Que venham as novas gerações, até por isso.

***

Jornal Nacional marca pior média de audiência de sua história na prévia

O Jornal Nacional bateu seu recorde negativo na sexta-feira, dia 11, segundo a prévia do Ibope. O principal telejornal da emissora registrou 18,3 pontos –cada ponto equivale a 65 mil domicílios na Grande São Paulo.

Até então, a mais baixa audiência do jornalístico havia sido em 31 de dezembro de 2013, quando registrou 19 pontos na média consolidada.

No horário do Jornal Nacional de sexta-feira, dia 11, o SBT foi você líder, com 10,6 pontos na prévia. A Record marcou 7,3, e a RedeTV!, 1,9.

O relatório de audiência consolidada saiu na segunda-feira, dia 14. A média tão baixa é alarmante, já que a atração contava com 58% de participação no número de aparelhos de tevês ligados e a data de hoje não é feriado, muito menos véspera de Ano Novo.

***

Leia também:

Repórter da Globo resolve ser sincera: “A ordem é ouvir só o Paulinho da Força.”

Imperdível: Vídeo sobre o jornalismo da Globo e o golpe militar

Globo se desculpa pelo passado. Mas e o presente?

Golpe de 1964: A Globo devolverá o dinheiro que ganhou com ele?

O controle remoto pela qual a Globo comanda o Brasil

MP/SP é contra doação ao Instituto Lula, mas a favor de doação à Globo?

TV Globo: Desfiles e Fantástico têm as piores audiências da história, dentre outros programas

O Brasil é o paraíso dos milionários

Como a Globo manipula a Justiça brasileira por meio do Instituto Innovare

Jornal Nacional: William Bonner é corrigido ao vivo

Como o dinheiro público vem patrocinando a Globo há décadas

Globo orienta jornalistas a evitar “pautas positivas” sobre a Copa

Rede Globo tem contratos sigilosos com Marcos Valério

Andrea Hass, esposa de Pizzolato, pede o Darf para repórter da Globo

PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Metodologia da Rede Globo e sua “imparcialidade”

Globo: Eles foram contra o 13º salário

Globo abre o jogo: É contra o pobre

Os bilionários da Globo

Credores norte-americanos pedem falência de empresa da Rede Globo nos EUA

Rede Globo sonega milhões de reais em impostos

A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark

Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos

Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça

Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão

Leandro Fortes: O povo não é bobo

João, Irineu e José, os filhos de Roberto Marinho: Os bilionários donos do BV

Rede Globo: Quem planta terrorismo, colhe caos

Por que a Globo faz o que faz

Como a Globo manipula gente simples para defender sua visão predadora de impostos

Forbes: A famiglia Marinho tem fortuna de R$52 bilhões

Leandro Fortes: A TV Globo e a ópera bufa no Panamá

Apoio da Globo ao golpe de 1964 foi comercial, não ideológico

Ministério Público no DF abre apuração sobre o caso de sonegação envolvendo a Rede Globo

Rede Globo: Só falta o cadáver

Funcionária da Receita foi condenada por sumir com processo contra a Globo

Rede Globo é alvo de uma CPI na Câmara

Sonegação fiscal da Globo fica em segundo plano, agora o caso é de polícia

Processos contra a Globo podem reaparecer no Congresso

Dublê da Globo é o herói da Veja

Professor demonstra manipulação de “O Globo” sobre a Venezuela

Dia Nacional de Lutas: Trabalhadores ocupam as ruas com atos em todo o País

“Grande mídia” tenta abafar protestos contra a Globo

Baba-ovo: TV Globo fará série sobre a mãe de Joaquim Barbosa

Ligações suspeitas entre Globo e Banco Rural, mas ninguém investiga

A ingratidão da Globo

Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos

Por que a Globo é contra os venezuelanos

MPF denuncia coronel Ustra por ocultação de cadáver na ditadura militar

Ditadura militar: O algoz e o crematório

“Coronel Ustra comandava a tortura”, diz ex-sargento

Marco Aurélio Mello: Ministro que defende o golpe de 1964 pode ter lisura para julgar a AP470?

Mauro Santayana: O golpe da informação

O golpe de 1964 em filmes, livros e artigos

O golpe de 1964: Ranieri Mazzilli, o político Modess

O PIG apoiou a ditadura militar: As manchetes do golpe de 1964

Documentos da ditadura estarão disponíveis na internet

31 de março é um dia para lamentar

Dirigentes do PSOL acham que a Globo desempenha papel de vanguarda

Cadu Amaral: A Globo, o complexo de vira-lata e a Copa do Mundo no Brasil

STF paga viagem de jornalista de “O Globo”

Ação Penal 470: Globo dá sinais de que, se farsa reunir, Barbosa é quem vai pagar a conta

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses

Como a Globo deu o golpe da barriga em FHC e enviou Miriam para Portugal

Tags: ,

2 Respostas to “O declínio do Jornal Nacional é irreversível”

  1. Bene Nadal Says:

    Essa é uma notícia maravilhosa, que deveria sair no JN, “O PODEROSO JORNAL NACIONAL ATINGE O INÉDITO PICO DE AUDIÊNCIA DE 18,3 %”… Só que o “pico” é para baixo!!!
    Esse é, no meu entender, um grande sinal de que o povo brasileiros está cada vez mais sábio, mais politizado, mais esperto, mais em busca de assuntos interessantes, e eles estão todos na internet, inclusive a informação, só que “sem enganação”!!!

  2. anisioluiz2008 Says:

    Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUA.

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: