Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?

Alckmin_Espelho01

Alckmin: um governo marcado pelo nada absoluto.

Via Crônicas do Motta

O governador paulista, Geraldo Alckmin, é um político raro: ao contrário da maioria, ele fez sua carreira aparecendo o menos possível na mídia, fugindo de qualquer tema polêmico, se escondendo de tudo e de todos. É um notável exemplo de alguém absolutamente medíocre que deu certo, que chegou lá. Um caso inexplicável de sucesso: a marca de seu governo é o nada, o vazio. Não elege prioridades, não ostenta bandeiras, não contribui com uma ideia para o desenvolvimento do país, não faz um discurso digno de nota – suas frases quase não têm verbo, são como slogans publicitários.

É para ser estudado…

Mas a cada dia que passa sua (indi)gestão, tão bem maquiada pelo silêncio estrondoso da imprensa, sofre pequenos abalos, mínimas fissuras, como os casos recentes do escândalo do Metrô e o colapso do abastecimento de água. Incrível como ele ainda sobrevive a tais calamidades.

Só a benevolência da mídia, a escandalosa blindagem que se construiu em torno de sua figura, o controle da Assembleia Legislativa e a lealdade e união de seu grupo político podem explicar como Alckmin não é hoje um cadáver político insepulto e tenha grandes chances de ser reeleito.

Sua última declaração pública, a respeito do estudo que mostra que a Polícia Militar paulista mata três vezes mais negros que brancos, é um primor de canalhice – nada que contrarie outras que foram dadas sobre o tema da segurança pública, principalmente:

“A academia de Polícia Militar do Barro Branco é muito rigorosa. A formação de nossos policiais é muito rigorosa. Há cursos voltados à questão de direitos humanos, respeito às pessoas. A polícia de São Paulo é extremamente preparada. Ela faz cumprir a lei, mas com respeito às pessoas”, disse o governador, com a convicção dos piores atores canastrões que o cinema já produziu.

O governador do Estado mais rico e importante da federação afirmar uma coisa dessas é, por si só, uma prova de que São Paulo está sendo governado por um lunático, por um sujeito que não vive a realidade, está em outro mundo.

Mas se fosse só isso…

Os sintomas dessa perturbação mental de Alckmin são visíveis ainda nas reiteradas vezes em que iludiu a opinião pública ao dizer que não haverá racionamento de água em São Paulo – quando ele já ocorre de fato nos bairros mais pobres –, em sua inação para pelo menos tentar reverter o quadro de colapso no abastecimento, e, agora, em sua mudez em relação a esse acinte à população que foi a propaganda radiofônica do Metrô que diz que trem superlotado é ótimo porque permite que os manos xavequem as minas.

E o pior de tudo é que não dá para afirmar que esse é o fundo do poço.

Com a eleição se aproximando, é bem provável que a ansiedade e o nervosismo provoquem manifestações ainda mais graves em Sua Excelência.

***

Leia também:

Marcha da Família conta com o apoio de Geraldo Alckmin

Para especialistas, fuga espetacular do PCC foi jogada eleitoral e arriscada

Documento acusa Alckmin de criar “falsa impressão” ao tentar atenuar desabastecimento de água

Plínio de Arruda Sampaio: “Ponho a mão no fogo pelo Alckmin.”

Choque de gestão: Alckmin tira recursos da segurança e educação

E se faltar água em São Paulo?

Racionamento de água e a sina do PSDB

Luciano Martins Costa: A reportagem que nunca foi escrita

Carlos Neder: Alckmin fez opção pela lógica da violência

Alckmin compromete abastecimento de São Paulo pelos próximos cinco anos

Seca: Procuradores acusam Alckmin de provocar colapso no Sistema Cantareira

Em 2010, Alckmin pediu voto para chefão do PCC

Documentos secretos revelam a relação entre PCC e parte da PM de São Paulo

Geraldo Alckmin usou ameaça do PCC para se promover

Trensalão tucano: Cartel dá R$307 milhões de prejuízo à CPTM e Alckmin se finge de morto

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

Trensalão tucano: Novos documentos da Alstom incriminam ainda mais Serra e Alckmin

Trensalão tucano: As pegadas recentes do cartel de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin

A mídia se cala sobre as 27 novas taxas de Geraldo Alckmin

Com invasão da Cracolândia, Alckmin insiste em demonstrar que São Paulo é o túmulo da política

E ele diz que não sabe de nada: Siemens e Alstom financiaram Alckmin e outros tucanos

Por que Alckmin é tão blindado pela “grande mídia”?

O feito extraordinário de Alckmin

Alckmin torra R$87 milhões em propaganda inútil da Sabesp

Trensalão tucano: Delator confirma propina aos amigos de Alckmin

Até o editor de jornal tucano não aguenta mais a corrupção no governo Alckmin

Alckmin não investigou nada sobre o trensalão e pede conclusão rápida das apurações

Os “vândalos” do Metrô: Alckmin acha que pode resolver tudo com a polícia

Alckmin abre arquivos do Dops ao lado de assessor pró-golpe de 64

Novo secretário particular de Alckmin lidera a ultradireita brasileira

O jovem velho que é a cara do PSDB

Ditadura militar: Marcelo Rubens Paiva quer retratação de Alckmin

Endireita, São Paulo: O depoimentos de peessedebista histórico sobre o governo Alckmin

Conheça a biografia de Geraldo Alckmin

Tags:

2 Respostas to “Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade?”

  1. pintobasto Says:

    Geraldo sempre foi matreiro dissimulado, fiel seguidor das artimanhas políticas de seus familiares, como seu pai, udenista de primeira classe conservadora. Empurrado para a política, ganhou o primeiro cargoe tomou gosto pelas malandragens sorrateiras. Com apoio do pai e tios mais suas bajulações da ditadura, montou seu curral eleitoral na região de Pindamonhangaba, até que conseguiu enganar Covas. Foi a vice-governador. Estava feito e com a morte de Mário Covas, subiu ao altar com a glória. Tornou-se mais matreiro e falso. É um mui devoto seguidor do Opus Dei, seita maldita que agrega a pior e mais rica pilantragem espanhola.

  2. Um mistério: Como Alckmin sobrevive à sua mediocridade? | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: