Imoralidade suprema: STF remete mensalão tucano para a justiça de Minas Gerais

Mensalao_Tucano19_STF

O STF decidiu remeter a ação penal contra o ex-governador tucano Eduardo Azeredo, o chamado mensalão do PSDB, para a justiça de Minas Gerais.

Najla Passos, via Carta Maior

O STF lavou as mãos e decidiu, por maioria, remeter a Ação Penal 536 contra o ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo (PSDB), conhecida como mensalão do PSDB, para ser julgado pela 1ª instância, como preza a Constituição que deva ocorrer em casos de réus sem direito a foro privilegiado.

A argumentação dos ministros vitoriosos foi a de que a decisão respeita a jurisprudência da corte. O que eles não explicaram é como o mesmo STF que acabou de julgar mais de 30 réus sem mandato eletivo na Ação Penal 470, o chamado “mensalão” do PT, só agora descobriu que há uma lei a ser respeitada.

Azeredo é acusado pelo Ministério Público de ter desviado recursos públicos de empresas estatais mineiras, hoje estimados em mais de R$9 milhões, para sua campanha à reeleição, em 1988, por meio das mesmas agências de publicidade do mesmo Marcos Valério condenado pela AP 470.

Ele perdeu aquela disputa, mas se elegeu, na sequência, para deputado federal pelo PSDB, cargo que ocupou até fevereiro passado, quando vislumbrou a possibilidade iminente do julgamento do seu caso pelo STF. Sem mandado, perdeu o foro privilegiado e, portanto, renunciou na tentativa de escapar de ser julgado sob os holofotes da corte máxima.

Na segunda-feira, dia 24, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que reivindica uma pena de 22 anos de prisão para Azeredo, pediu que o STF mantivesse o julgamento na corte máxima. “A renúncia do réu Eduardo Azeredo se traduz como verdadeira tentativa de burla à jurisdição constitucional da suprema corte”, justificou.

Apenas o presidente da corte, Joaquim Barbosa, atendeu ao apelo, mantendo sua posição histórica de não remeter à primeira instância processos de réus que renunciam para escapar ou retardar o julgamento. “A renúncia do réu ao seu mandato poucos dias após a apresentação das alegações finais tem o propósito claro de retardar o julgamento”, reforçou.

Todos os demais apoiaram a posição de Barroso, que alegou respeito à jurisprudência e à segurança jurídica para embasar a decisão: “A jurisprudência dominante no Supremo é no sentido de que, cessado o mandado por qualquer razão, não subsiste a competência do Supremo para julgar réu de ação penal”, justificou.

O relator observou que, pelo menos desde 1999, a única exceção à regra foi o caso do deputado Nathan Donadon, eleito pelo PMDB de Rondônia, que renunciou na véspera do julgamento, em 2010, tentando escapar da punição, já que havia risco concreto de prescrição dos crimes. O STF, porém, decidiu manter o julgamento e o condenou.

Barroso sustentou que, no caso de Azeredo, não há perigo de prescrição: o processo já está pronto e instruído para ser julgado, seja no STF ou na justiça de 1º grau. “A rigor, a demora no STF tende a ser maior, porque envolveria a elaboração de votos individuais pelo relator e pelo revisor”, opinou.

Critérios objetivos

Se a posição de Barroso de remeter a ação para a justiça mineira saiu vitoriosa, o mesmo não ocorreu com sua proposta de fixar um critério objetivo para casos futuros: o de que a partir do acolhimento da denúncia, mesmo que o réu renunciasse ao mandato, o julgamento seria realizado pelo STF. Embora a maioria dos ministros tenha apoiado a definição de um critério, eles não chegaram a uma maioria sobre qual deveria ser ele.

Na tentativa de convencer os colegas da importância de se estabelecer um parâmetro futuro imediatamente, Barroso exorbitou a incongruência do julgamento de réus sem foro privilegiado na Ação Penal 470 para exemplificar o que acontece quando a corte decide cada caso com pesos e medidas diferentes. “É muito difícil explicar para a opinião publica porque na AP 470 foi julgado todo mundo junto e nessa houve desmembramento. É preciso ter critério”, defendeu ele, sem sucesso. Alegando outros compromissos, o presidente da corte encerrou a sessão.

Leia também:

Mensalão tucano: 10 motivos para que Eduardo Azeredo seja julgado pelo STF

Mensalão tucano: O azar de Eduardo Azevedo

O mensalão tucano e a lista de Furnas

Eduardo Azeredo vira “Paulo Preto” de Aécio e o PSDB o condena à morte política

Mensalão tucano: Azeredo participou “efetivamente” dos desvios, afirma Janot

Confusão no ninho: Azeredo abre o bico e manda recado para “o PSDB todo”

Paulo Moreira Leite: Mensalões diferentes

Áudio incrível: o que acontece nos bastidores do mensalão tucano

Mensalão tucano: Procurador-federal pede ao STF 22 anos de prisão para Azeredo

Mídia se cala: Tucanos envolvidos em corrupção? Bobagem…

Documentos revelam participação de FHC e Gilmar Mendes no mensalão tucano

Trensalão tucano: Se cuida FHC, o MP vai investigar sua eleição

Rogério Correia: “Valério operou ao mesmo tempo para o Aécio e o PT”

Documento (mais um) comprova que o trensalão pagou propina a tucanos

A matéria que motivou a nota do PSDB mineiro

Lista de Furnas: O caso de corrupção que a mídia esconde

Por que o mensalão tucano, a Lista de Furnas e os processos contra Aécio no STF não andam?

Lista de Furnas é esquema comprovado e repleto de provas na Justiça

Tatto defende CPI da Privataria e cobra explicações de FHC sobre Lista de Furnas

Se quiser, Joaquim Barbosa já pode avocar o processo da Lista de Furnas

Lista de Furnas: Deputados do PSDB são acusados de pressionar lobista preso

Lista de Furnas: Amaury Ribeiro já tem documentos para o livro A Privataria Tucana 2

Advogado acusa réu do mensalão tucano de ser mandante da morte de modelo

Perseguido por Aécio e com medo de ser assassinado, delator do mensalão tucano está em presídio de segurança máxima

TJ/MG: Processo que incrimina governantes mineiros desaparece

Adib Jatene: “FHC é um homem sem palavra e Serra, um homem sem princípios.”

A Folha noticiou a compra de votos por FHC para a reeleição, mas depois se “esqueceu”

FHC comprou o Congresso: Fita liga Sérgio Motta à compra de votos para reeleição

FHC comprou o Congresso. O STF não vai fazer nada?

FHC disse muitas vezes: “Não levem a sério o que digo.”

FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?

O retrato do desgoverno de FHC

Governo FHC: O recheio da pasta rosa e o caso do Banco Econômico

Os crimes de FHC serão punidos?

O Brasil não esquecerá os 45 escândalos que marcaram o governo FHC

FHC ao FMI: “CEF, Banco do Brasil e Petrobras estão à venda.”

Dinheiro da CIA para FHC

Tags: , ,

3 Respostas to “Imoralidade suprema: STF remete mensalão tucano para a justiça de Minas Gerais”

  1. José Jésus Gomesde Araújo Says:

    Bem, o ministro Barroso tem moral para pedir o respeito à norma. Vergonha dos que votaram pelo julgamento no Supremo de todos os réus do mensalão petista e, desta vez, apoiam o parecer do ministro Barroso.

  2. Imoralidade suprema: STF remete mensalão tucano para a justiça de Minas Gerais | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  3. Imoralidade suprema: STF remete mensalão... Says:

    […] O STF decidiu remeter a ação penal contra o ex-governador tucano Eduardo Azeredo, o chamado mensalão do PSDB, para a justiça de Minas Gerais. Najla Passos, via Carta Maior O STF lavou as mãos e dec…  […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: