Antonio Lassance: STF fez imenso favor ao PSDB e deu péssimo exemplo ao Brasil

STF_Bessinha_Midia

Os tucanos colecionaram mais um caso em que foram acusados de inúmeros crimes, mas tudo ficou por isso mesmo. Em ano eleitoral, a decisão vale ouro.

Antonio Lassance, via Carta Maior

O Supremo Tribunal Federal fez um imenso favor ao PSDB. Livrou Eduardo Azeredo, do PSDB/MG, de responder, perante o STF, pelos crimes de que é acusado, no chamado “mensalão tucano”.

Alívio para o réu e seu candidato, Aécio Neves. Eles podem comemorar, quem sabe, com um vinho da mesma marca que Merval Pereira e Carlos Alberto Sardenberg apostaram, na CBN, em tom de chacota, para se enebriar com a prisão dos petistas. “Tim-tim”! Um brinde aos dois pesos e duas medidas.

Comparada à fúria com que tratou os petistas na Ação Penal 470, a sessão que tirou Azeredo da reta do Supremo marcou a volta da tranquilidade e da troca de gentilezas às quais a Suprema Corte já parecia desacostumada.

Ninguém bateu boca, ninguém insultou ninguém. Nada como um julgamento de tucano para que os ministros do STF demonstrem que todos estão entre amigos, e o quanto suas excelências são homens cordiais, e não chefes de capangas. Águas passadas, pelo menos, até que apareça outro petista na reta.

Em ano eleitoral, a decisão vale ouro. O STF aliviou para Azeredo, que viu seu processo voltar à estaca zero. Agora, vai responder perante um juiz de primeira instância. Depois, poderá recorrer indefinidamente, até ver sua ação retornar, mais uma vez, ao Supremo.

Quando isso acontecer, muitos dos atuais ministros não mais estarão por lá. Os remanescentes, com mais cabelos brancos, ou cabelo algum, terão que reavivar a memória ou fazer um Google para relembrar quem é Azeredo e o que disseram a seu respeito.

Aécio e o PSDB, ao contrário do que aconteceu com o PT, enfrentarão as urnas sem um condenado enclausurado para ser utilizado pela campanha adversária. Melhor, impossível.

Péssimo exemplo para a Justiça brasileira

O inquérito e a ação penal contra Azeredo tornaram-se um péssimo exemplo para a Justiça brasileira. Para quem dizia que a AP 470 era um divisor de águas, a ação penal contra Eduardo Azeredo foi uma ducha de água fria.

As denúncias contra o tucano vieram à tona no mesmo ano de 2005 e pelo mesmo Marcos Valério, pivô do escândalo contra os petistas. Tudo na mesma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, a CPMI “dos Correios”.

Por alguma razão misteriosa, enquanto a PGR autuou o inquérito contra os petistas em 2007, o de Azeredo só foi providencialmente enviado em 2009.

Agora é tarde para julgar Azeredo

O então procurador, Roberto Gurgel, demorou quatro anos para constatar o óbvio: que o mensalão tucano “retrata a mesma estrutura operacional” e “envolve basicamente as mesmas empresas do grupo de Marcos Valério e o mesmo grupo financeiro (Banco Rural)” que estavam presentes na AP 470. Quatro anos para se chegar a essa conclusão banal merecem um sorvete na testa.

A única diferença substancial entre os dois escândalos era justamente o tempo. As acusações contra Azeredo eram do século passado. Se referiam à sua campanha a governador em 1998.

Tivesse Gurgel dado prioridade à acusação mais antiga, os principais crimes de que Azeredo é acusado não estariam prescritos.

No STF, o inquérito contra Azeredo virou a Ação Penal 536. Seu primeiro relator foi ninguém menos que Joaquim Barbosa. Barbosa, sem alarde, sem esbravejar, declarou Azeredo livre do crime de formação de quadrilha “até mesmo porque já estaria prescrito pela pena em abstrato”, disse no voto em que se desmembrou aquele processo.

Azeredo também está livre de ser julgado por corrupção ativa e corrupção passiva. Tudo prescrito, graças à demora da procuradoria e ao “cochilo” do STF.

Contra o tucano, ninguém gritou pela urgência dos prazos, ao contrário do que fez Gilmar Mendes com Joaquim Barbosa, publicamente acusado de demorar demais a trazer os petistas a julgamento.

Sobre Azeredo, apareceu um Joaquim Barbosa de cabeça baixa e discurso modorrento, que esboçou uma desavença meramente protocolar com a decisão de tirar do Supremo o julgamento desse acusado.

Barbosa, mais uma vez, jogou para a plateia, sem antes sonegar um fato tão concreto quanto seu apartamento em Miami: o julgamento de Azeredo, seja onde for, não levará a nada.

A impunidade já está sacramentada, em grande medida, com o festival de prescrições que o ex-procurador e o Supremo lhe deram de presente. Belo trabalho.

Critério claro e cristalino

Foi uma tarde triste para o Supremo, mas Joaquim Barbosa sequer se deu ao trabalho de franzir a testa. Nem gastou sua saliva para cuspir uma única diatribe.

De maneira patética, a maior parte da sessão que livrou Azeredo foi gasta com a tentativa de se dizer que haverá algum critério para novos julgamentos em que acusados renunciem a seus mandatos. Critério?

Marco Aurélio Mello foi o primeiro a reagir que não se pode obrigar os ministros do Supremo a decidirem sempre do mesmo jeito.

Luís Roberto Barroso pediu, encarecidamente, a compreensão de todos para se dar uma resposta à opinião pública. Como explicar que se julgou os petistas de um jeito, e os tucanos, de outro? Como evitar que isso seja considerado um casuísmo? Impossível. Casuísmo feito, casuísmo é.

Resultado? A sessão acabou sem se definir critério algum. Para contribuir com a discussão, Joaquim Barbosa reclamou que estava atrasado para um evento.

Assim sendo, o único e verdadeiro critério já está claríssimo. Só não vê quem não quer. Para ser condenado, o réu tem que ser filiado ao PT, de preferência, ou ter sido apoiador de algum de seus governos.

Enquanto isso, os tucanos colecionaram mais um caso em que foram acusados de inúmeros crimes, mas tudo ficou por isso mesmo.

Antonio Lassance é cientista político.

***

Leia mais sobre Joaquim Barbosa, o ex-menino pobre que mudou (pra pior) o Brasil:

O Ibovespa e a volta à normalidade do STF

Eduardo Azeredo abre janela para réus da AP 470 irem à OEA

Imoralidade suprema: STF remete mensalão tucano para justiça de Minas Gerais

Juiz preferido por Joaquim Barbosa se afasta da execução da AP 470

Mauricio Dias: O Supremo fraudou a lei

Paulo Moreira Leite: A AP 470 e a lição dos embargos infringentes

Revista Época rompe o namoro com Barbosa na política

Mensalão tucano: Valério é condenado, mas peessedebistas escapam. Que “coincidência”

Antonio Lassance: Coisas de que Joaquim Barbosa se esqueceu de ficar triste

As operações matemáticas do ministro Joaquim Barbosa

Advogados reagem ao “foi para isso mesmo” de Joaquim Barbosa

Ricardo Melo: Ação Penal 470 e o começar de novo

Joaquim Barbosa, a marionete do golpe, morreu pela boca

Janio de Freitas coloca Joaquim Barbosa onde ele merece: Fora do Direito e da Justiça

Paulo Moreira Leite: A guerra contra Delúbio

STF tem um presidente sem compostura

Breno Altman: Cai o castelo de cartas do ministro Joaquim Barbosa

AP 470: A julgar pela cobertura do Jornal Nacional, a candidatura de Joaquim Barbosa foi pro beleléu

Joaquim Barbosa precisa sair para que o STF restaure a dignidade

Joaquim Barbosa e o exemplo do Tea Party

Já vai tarde: Joaquim Barbosa disse a Dilma que só deixará STF em junho

Mídia e Barbosa são derrotados no final do julgamento da AP470

Joaquim Barbosa planejou friamente a sentença e a pena para fechar José Dirceu na cadeia

Gilson Caroni Filho: As virtudes de Joaquim Barbosa no STF

A verdade vem à tona: Após grande derrota na AP470, Joaquim Barbosa ofende ministro do STF

Paulo Moreira Leite: O STF e a parábola sobre a quadrilha

Secretário-fantasma, indicado por Joaquim Barbosa, vive nos EUA à custa do CNJ

Em 10 dias, vaquinha para José Dirceu arrecada o dinheiro necessário para pagar multa

O jeito é Jânio: Operação Barbosa tem a Veja como porta-voz

Joaquim Barbosa: O menino pobre, que se tornou um velho rico, irá morar em Miami?

Paulo Moreira Leite: Barbosa ocultou documentos que inocentavam Pizzolato

Lula bate duro em Joaquim Barbosa: “Mostre a cara.”

Constrangimento: Palestra de Joaquim Barbosa em Londres faz reitor cochilar

Com sua prisão na Itália, Pizzolato conseguirá reabrir julgamento da AP 470 numa corte internacional

PSDB acusa Estátua da Liberdade de quebra de decoro

Punhos cerrados de André Vargas: PSDB atingiu a fase “vou contar tudo pra minha mãe”

Punho erguido: Ao lado de Joaquim Barbosa, André Vargas exalta Dirceu e Genoíno

Operação blindagem para Joaquim Barbosa: Até “blogueiro progressista” atacou blogueiros

Ao contrário de Barbosa, Lewandowski abre mão de diárias pagas pelo STF para fazer palestra nas férias

Em Miami, Joaquim Barbosa tira foto ao lado de bandido procurado pela polícia brasileira

O poder absoluto do STF

AP470: Documentos ignorados por Barbosa no “mensalão” podem esclarecer dúvidas e erros

Engavetado por Joaquim Barbosa, inquérito do PF sobre o Valerioduto é liberado

Joaquim Barbosa sobre suas férias pagas pelos contribuintes: “Tremenda bobagem.”

O diabo, quer dizer, o Joaquim Barbosa veste Prada

De Paris, em férias pagas por nós, Joaquim Barbosa esculacha outros ministros

Solidariedade: Família de Genoíno comemora “dia histórico” pelo pagamento de multa

Do helicóptero dos Perrella à casa de Genoíno: A mídia brasileira como ela é

OsAntiPira: Em 8 dias, Genoíno arrecada R$660 mil e praticamente cobre a multa do STF

Washington Araújo: Joaquim Barbosa e suas inconcebíveis férias na Europa

“Austeridade” e “ética”: Joaquim Barbosa inventa palestras e STF para suas férias na Europa

Gilberto de Souza: O esvaziamento do “mensalão” aranha imagem do STF

O ensaio de golpe branco no STF

Até quando Joaquim Barbosa debochará da justiça?

Vídeo: Lewandowiski contesta o uso da teoria do domínio de fato

O Diário Oficial do Dr. Joaquim é a mídia?

O rolezinho de Demóstenes em Florença

Miguel do Rosário: As arbitrariedades de Barbosa parecem não ter fim

Vaquinha: Vamos ajudar José Genoíno

IPTU de Barbosa em Miami sobe 37%. Mas aí tudo bem…

“Crítica a Barbosa não racial. É política.”

Sem tempo para prender Roberto Jefferson, Joaquim Barbosa cai no samba

Baba-ovo: TV Globo fará série sobre a mãe de Joaquim Barbosa

Juristas isolam Joaquim Barbosa. Agora só lhe resta a mídia

Joaquim Barbosa, o pior brasileiro do ano

Joaquim Barbosa nega direitos a Genoíno. É ilegal, mas e daí?

AP 470 não muda voto de 93% dos brasileiros, diz pesquisa

Na Itália, José Genoíno seria um herói da resistência

Estigma e direitos na execução das penas do “mensalão”

Mauro Santayana: Pena, cadeia e justiça no Brasil

As jabuticabas constitucionais do STF

José Genoíno e a dignidade dos que não se curvam

Resistir é preciso

Uma encrenca chamada Joaquim Barbosa

Joaquim Barbosa é o grande expoente do ódio

Paulo Moreira Leite: Vai aparecer a verdade sobre os R$73,8 milhões da Ação Penal 470?

Breno Altman: Por que José Dirceu sorriu pela segunda vez?

Paulo Moreira Leite: Um laudo pela metade

Miruna Genoíno: “Condenaram meu pai à pena de morte.”

“Barbosa poderá responder por crime de responsabilidade” diz associação de juízes

Paulo Moreira Leite: Um laudo com muitas salvaguardas para Genoíno

Temos um Napoleão no STF. Imperador de si mesmo

Saiba quem são os médicos escolhidos por Joaquim Barbosa para examinar José Genoíno

Joaquim Barbosa trocou juiz com “canetaço” ilegal, diz AMB

O barbosismo, o PT e o pós-julgamento

OAB pede ao CNJ que investigue Joaquim Barbosa

Breno Altman: Por que José Dirceu sorriu pela segunda vez?

O julgamento da AP 470 e o “novo” Estado de repressão

O STF e a encenação do “mensalão”

“Mensalão”: Um assassinato sem um morto

A ocultação deliberada de fatos para condenar o PT

JB e Antônio Fernando sonegaram provas que poderiam mudar julgamento do “mensalão”

Ação Penal 470: Laudo foi escondido no Inquérito 2.474 relatado por Barbosa

Raimundo Pereira: “José Dirceu é inocente.”

João Paulo Cunha e a arte do ministro Joaquim Barbosa

Antônio Gramsci e o herói do “mensalão”

Ação Penal 470: Cai a última acusação contra Henrique Pizzolato

Vazam mais páginas do dossiê de Henrique Pizzolato

AP470: Lembo critica “linchamento” e diz que há base legal para impeachment de Barbosa

Caiu a máscara: Barbosa nomeia tucano para decidir futuro de Dirceu, Genoíno e Delúbio

Joaquim Barbosa, que nem disfarça mais, escolhe juiz tucano

“Mensalão”: Joaquim Barbosa e o sentido da tragédia

Missão de Pizzolato na Itália é destruir o processo do “mensalão”, diz advogado

Joaquim Barbosa violou os direitos dos réus, afirma o jurista Celso Bandeira de Mello

Ação Penal 470: Globo dá sinais de que, se farsa reunir, Barbosa é quem vai pagar a conta

Janio de Freitas cobra punição de Barbosa no CNJ

Joaquim Barbosa e o sensacionalismo

José Genoíno para presidente

Antonio Lassance: Os 10 privilégios dos petistas presos

Rede Globo tem contratos sigilosos com Marcos Valério

De Deodoro da Fonseca a Joaquim Barbosa: As farsas do 15 de novembro

“Mensalão”: O terceiro absurdo

Paulo Moreira Leite: O que Herzog pode ensinar sobre Genoíno

Em carta escrita na prisão, petistas dizem que não aceitam “humilhação”

Mauro Santayana: O júbilo e a hipocrisia

Pizzolato revela na Itália dossiê que embaraça julgamento de Barbosa

A Globo, a Folha e a Veja versus José Genoíno

Cumpra-se a lei: Juiz enquadra a toga colérica

STF tem chance de salvar sua própria dignidade

Juristas e intelectuais gritam contra AI-5 de Joaquim Barbosa

Erros do STF se voltarão politicamente contra a direita

Supremo Tapetão Federal

Destinos cruzados: A vida de Genoíno e a saúde da democracia

Advogados apontam “violações”, ilegalidades” e “desrespeito” nas prisões do “mensalão”

Paulo Moreira Leite: Pizzolato na Itália

Indo buscar justiça na Itália, Pizzolato atrapalha os planos políticos de Joaquim Barbosa

Henrique Pizzolato vai à Itália buscar justiça no caso da Ação Penal 470

O livro “A outra história do mensalão” é um sucesso de vendas

A revista Retrato do Brasil desmonta farsa do “mensalão”

“Mensalão”: A história de uma farsa

Cláudio Lembo, aliado de José Serra, chama o “mensalão” de julgamento medieval

Juristas destroem acusações dos juízes do julgamento do “mensalão”

Ives Gandra, um dos oráculos da direita, afirma que José Dirceu foi condenado sem provas

Agora vai: Ato pró-Barbosa reúne 29 pessoas e pede armas

Sem convite de Dilma para África do Sul, Joaquim Barbosa atende tietes em São Paulo

O chicanista Joaquim Barbosa dá voz ao 12º ministro do STF: A “grande mídia”

Onde Joaquim Barbosa fracassou

Joaquim Barbosa fica na defensiva após revelação de seu patrimônio

Lewandowski tem de processar o indecente Barbosa

Vídeo: A grosseria imbecilizante de Joaquim Barbosa

Julgamento da AP470: Erro crasso motivou acesso de fúria de Joaquim Barbosa

Podem escrever: Comportamento de Barbosa no STF não vai acabar bem

A nova etapa da AP 470 tem de corrigir as injustiças

O arrogante Barbosa volta a ofender Lewandowski e tumultua julgamento da AP470

OAB cobre investigação contra Joaquim Barbosa

Paulo Moreira Leite: Joaquim, Pedro 1º e o racismo

Joaquim Barbosa pode ser destituído por usar imóvel do STF como sede de sua empresa

Joaquim Barbosa, o fora da Lei, utiliza imóvel do STF com sede de sua empresa

A origem do nome da empresa de fachada de Joaquim Barbosa

Joaquim Barbosa e os benefícios fiscais de seu imóvel em Miami

O doutor Joaquim Barbosa, a Veja, o domínio do fato e o apartamento em Miami

Apartamento de Joaquim Barbosa em Miami custou US$10,00

Sócio em offshore nos EUA, Joaquim Barbosa viola estatuto do servidor no Brasil

Joaquim Barbosa, o menino pobre que mudou o Brasil, compra apartamento milionário em Miami

Joaquim Barbosa condenaria eventual réu Barbosa

O laconismo da Uerj e a aliança entre Joaquim Barbosa e Jair Bolsonaro

A relação entre Joaquim Barbosa e a Uerj

O super-herói Joaquim Barbosa recebeu R$700 mil da Uerj sem trabalhar e quer retroativos

Miguel do Rosário: O mensalão de Joaquim Barbosa

O herói da mídia Joaquim Barbosa voa para ver o jogo do Brasil com dinheiro público

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses

Joaquim Barbosa embolsou R$580 mil em auxílios atrasados

Joaquim Barbosa, quando quer, não domina a teoria do domínio do fato

De licença médica, Joaquim Barbosa bebe com amigos e emperra o STF

Nádegas de ouro: Reforma dos banheiros de Joaquim Barbosa custará R$90 mil

Reinaldo Azevedo: “A arrogância de Joaquim Barbosa é espantosa!”

O ético Joaquim Barbosa, o herói da mídia, usou passagens do STF quando estava de licença

Joaquim Barbosa ataca instituições democráticas do Brasil

STF paga viagem de jornalista de “O Globo”

Quando a máfia midiática promove julgamentos

Ação Penal 470: Celso de Mello pediu para votar, mas Barbosa fez chicana

Paulo Moreira Leite: Vergonha no STF

Fenajufe: Joaquim Barbosa tem a mania de perseguir seus adversários políticos

Mais do mesmo: Agora o alvo é o Lula

Bater em mulher é covardia: Quando Joaquim Barbosa não era herói da mídia

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

5 Respostas to “Antonio Lassance: STF fez imenso favor ao PSDB e deu péssimo exemplo ao Brasil”

  1. pintobasto Says:

    Certo está Henrique Pizzolato que caiu fora do círculo de influências malignas do Quinzão, muito embora esteja preso em Itália, mas com a possibilidade de dar uma reviravolta na fantochada do julgamento que o condenou indevidamente. Aqui no Brasil teria a mesma sorte que Dirceu e Genoíno, sofrendo até hoje com as despóticas decisões desse Quinzão que está mais para poltrão que Talião.

  2. Maria Thereza Says:

    Todo mundo sabia que nunca mais veríamos um espetáculo como foi o “julgamento” da AP 470. Quem mais saiu queimado foi o próprio stf e, agora, com essa decisão do Azeredo só escancara sua subserviência a interesses nem tão escusos assim. Por outro lado, tenho alguma esperança que o stf esteja no rumo de deixar de ser picadeiro. Se, como diz o autor, os tucanos não terão o peso de um dos seus presos, o PT terá para exibir e contestar a injustiça e as tramoias cometidas durante o “julgamento” da AP 470. Só quero saber até quando Dirceu ficará preso em regime fechado.

  3. Antonio Lassance: STF fez imenso favor ao PSDB e deu péssimo exemplo ao Brasil | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  4. Antonio Lassance: STF fez imenso favor ao PSDB ... Says:

    […] Os tucanos colecionaram mais um caso em que foram acusados de inúmeros crimes, mas tudo ficou por isso mesmo. Em ano eleitoral, a decisão vale ouro. Antonio Lassance, via Carta Maior O Supremo Trib…  […]

  5. pintobasto Says:

    Ainda não entendi a passividade do PT para com o STF que destratou dois de seus mais importantes membros, José Dirceu e Genoíno, rebaixando-os à categoria de perigosos criminosos e condenando-os a pesadas penas de prisão.sem provas condenatórias.
    Se a AP 470 está repleta de erros que incriminam seu relator, o tristemente famoso Joaqumi Benedito Barbosa Gomes, Quinzão pra suas negas, qual a razão para deixar o PT tão indiferente às ações vingativas contra Dirceu e Genoíno

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: