Ricardo Melo: O linchamento de José Dirceu

Veja_Esgoto04_Redacao Ricardo Melo

Irritados com o que consideram manipulação da mídia, vários interlocutores afirmam ter deixado de ler a publicação x ou y. Trata-se de um luxo vedado a jornalistas. Concordando ou discordando, somos permanentemente obrigados a passar os olhos, que seja, pelo maior número possível de publicações. Até para poder comentar, criticar, elogiar ou simplesmente nos informar.

Ainda assim, é difícil encarar com naturalidade a cobertura dispensada a presos do chamado “mensalão”. Sim, é dela mesma que eu falo: da reportagem de capa da revista de maior circulação nacional sobre a vida na cadeia do ex-ministro José Dirceu e outros condenados.

Com um tom acusatório, a revista brinda os seus leitores com frases do tipo: “Lá ele [José Dirceu] gasta o tempo em animadas conversas, especialmente com seus companheiros do “mensalão” […] só interrompe as sessões de leitura para receber visitas, muitas delas fora do horário regulamentar e sem registro oficial algum, e para fazer suas refeições, especialmente preparadas para ele e os comparsas. “O cardápio? Aqui já teve até picanha e peixada feitas exclusivamente para eles”, conta um servidor.

A lista de pretensas mordomias não tem fim, bem como o ridículo da reportagem. “Como o lugar fica longe dos olhos dos presos comuns, os mensaleiros podem desfrutar o tratamento especial sem que seus colegas de prisão reclamem. Dentro da cela, já foram recolhidos restos de lanche do McDonald’s”. Não, não escrevi errado. A transcrição está exata. Prova do tratamento diferenciado, especial, transgressor, ilegal dos presos estão “restos de lanche do McDonald’s”!

A coisa não fica por aí. “No banheiro, em vez da latrina encravada no chão, que os detentos chamam de boi, há um civilizado vaso sanitário.” A reportagem não esclarece se entre os privilégios está o uso de papel higiênico. Mas Dirceu não é o único alvo. Sobra também para o ex-deputado petista José Genoíno. “Numa conversa entreouvida por um servidor, um médico que atendia Genoíno revelou ter escutado do próprio petista a admissão de que deixara de tomar alguns remédios para provocar uma arritmia cardíaca e, assim, poder pleitear a prisão domiciliar.”

O sigilo de fontes é salvaguarda crucial para o trabalho dos jornalistas e geralmente é usado como ponto de partida de uma investigação. Deve ser defendido incondicionalmente. Isso não isenta o autor de medir a gravidade do que escreve. O malabarismo verbal costuma ser uma defesa antecipada de quem faz denúncias impactantes sem ter como prová-las. Exemplo: “Uma conversa entreouvida por um servidor” serve de base para acusar um preso de arriscar a própria vida para ter acesso a benefícios aos quais, por sua vez, já teria direito.

Tão espantoso quanto tudo isso é o fato de, em nenhum momento, a reportagem lembrar ao distinto público que José Dirceu está preso ilegalmente. Mérito do julgamento à parte, queira-se ou não, concorde-se ou não, o ex-ministro foi condenado ao regime semiaberto. Pois bem: desde que a sentença foi promulgada, Dirceu vive em regime fechado ao arrepio da lei. “Ah, mas ele come McDonald’s.”

Cinquenta anos depois do golpe de 1º de abril de 1964, paralelos surgem de todos os lados. Um governo com rótulo de popular, lideranças conservadoras insatisfeitas com tanto tempo longe do Planalto, uma nova derrota eleitoral se desenhando no horizonte. Há diferenças importantes, contudo. Algumas: no momento presente, não se fala da estatização de empresas, reforma agrária radical e ampliação de mecanismos de poder da população. Os donos do dinheiro não têm muito do que reclamar. Agora, ficar esperto não atrapalha ninguém. Nunca é bom dar sopa para o azar.

***

Leia também:

Joaquim Barbosa é responsável pelos crimes da Veja

Depois de morto, Luiz Gushiken derrota Veja: o caso das falsas contas no exterior

Veja acusou o filho de Lula. E agora?

A Veja entregou o milionário tucano Álvaro Dias sem querer

Recordar é viver: Quando FHC trouxe cubanos, Veja aplaudiu

FHC e a reeleição comprada: Por que a Veja não consulta seus arquivos?

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Dublê da Globo é o herói da Veja

Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

A Editora Abril traiu Aécio?

O jeito é Jânio: Operação Barbosa tem a Veja como porta-voz

A Globo, a Folha e a Veja versus José Genoíno

O doutor Joaquim Barbosa, a Veja, o domínio do fato e o apartamento em Miami

Se ainda tinha algum, Veja perde o pudor e prega vaia contra cubanos

Gilmar Mendes e o pitbull da Veja

Os 30 anos de ódio ao MST nas páginas de Veja

Revista Veja é a Mãe Dinah do PIG: Erra todas as previsões

Veja: O “jornalismo” ficcional mau caráter para leitores boimate

Veja produz seu segundo caso Boimate

Veja descobre que Brasil não acabou e pede: “Sorria!”

Resposta à Veja: Onde está o Brasil? Acorrentado ao poste, como aquele negro. A corrente é a mídia

Demóstenes da Veja vai para a cadeia?

É guerra: Veja manda recado cifrado ao PT

A Veja vendida a preço de banana mostra a agonia das revistas no Brasil

Novo rei da Veja deve R$55 mil de IPTU

A Veja São Paulo e o “Rei dos Coxinhas”

Veja abandona o crime e vai dedicar-se ao humor

Alckmin torra R$3,8 milhões da educação em assinaturas da Folha, Estadão e Veja

Em 1999, no (des)governo FHC, a Veja comemorou a vinda dos “doutores de Cuba”

Resenha desmonta livro de repórter da Veja contra José Dirceu

Jornalismo Wando: Entrevista exclusiva com Maycon Freitas, o muso revolucionário da Veja

O canibalismo comunista da Veja

Até a Forbes sabe que Veja se envolve em corrupção no caso Cachoeira

Breve explicação sobre como funciona nossa mídia

Assassinato de reputação: Erenice Guerra foi inocentada. Com a palavra a Folha e a Veja

Reinaldo Azevedo, o rola-bosta da Veja, faz previsões para as eleições 2014

Morte de Chavez: Época e Veja entre facciosismo e demonização

Só depois da posse de Haddad, a Veja percebeu que a cidade de São Paulo está um lixo

TJ/SP confirma direito de resposta a Luis Nassif contra Veja

Renan, o candidato da Globo e da Veja

PSDB usa Folha, Estadão, Globo e Veja para justificar ação contra Dilma

Veja lamenta a criação de 1,3 milhão de empregos em 2012

Luciano Martins Costa: A “barriga” de alto custo da Veja

O futuro da Abril e das grandes empresas de mídia

Associação de historiadores repudia “matéria” da Veja sobre Eric Hobsbawm

Niemeyer é homenageado pelo mundo, mas a Veja o chama de “idiota”

2 Respostas to “Ricardo Melo: O linchamento de José Dirceu”

  1. pintobasto Says:

    Ricardo Melo acertou em cheio,”nunca é bom dar sopa para o azar”, mas o PT deu e continua dando muita sopa e folgas para o ardiloso conluio que pariu a AP 470 sob a batuta de Quinzão que mostrou ser um competente cafetão da justiça, assim para popular comparação porque se adentrarmos o Código Penal, Quinzão passa de cafetão a réu por adulterar processo penal com o intuito de prejudicar arguido que consta como réu, mas não tem culpa formada e se não tem culpa formada, como o condenaram? Sem provas acusatórias?
    Aqui que o PT tem pecado, ficando em silêncio quando já deveria ter convocado seus militantes e simpatizantes em prol dum movimento nacional contra os disparates jurídicos cometidos no STF sob o comando de Joaquim Benedito Barbosa Gomes, vulgo Quinzão, O Vingador!
    Mas não foi só o julgamento que terminou com infundadas e pesadas penas de prisão que incriminam Quinzão, todos os outros procedimentos para efetivar a prisão de José Dirceu e Genoíno mostram excessos, não cumprimento da lei e muita maldade no caso de Genoíno, sofrendo de grave problema cardíaco. Por todo este desfile de insanidades mentais, Quinzão não merece ser aposentado compulsóriamente, tão pouco afastado por impedimento, mas expulso do STF com um tremendo pontapé na bunda!

  2. Ricardo Melo: O linchamento de José Dirceu | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: