Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone

Hugo_Chavez93_Oliver_Stone

Oliver Stone e seu documentário sobre Hugo Chavez.

Léa Maria Aarão Reis, via Carta Maior

O filme é um documentário do norte-americano Oliver Stone e tem 50 minutos. Chama-se Mi amigo Hugo e foi apresentado na quarta-feira, dia 5, na Telesur, a televisão venezuelana, em cadeia nacional, para marcar um ano da morte prematura de Hugo Chavez.

Trata-se de uma bela homenagem ao amigo de Caracas com quem Stone iniciou uma afetuosa amizade em 2009, quando o conheceu e filmou-o para outro documentário de sua autoria, Ao sul da fronteira, no qual entrevistou chefes dos governos progressistas do continente sul-americano. Do Brasil – o então presidente Lula dizendo: “Chavez, um homem necessário”, Cristina Kirchner, José Mujica, Evo Morales, Rafael Corrêa.

Depois da morte de Chavez, o cineasta retornou a Caracas e conversou com o já então presidente Maduro, com oficiais de ordens do gabinete do presidente morto, seu irmão, alguns amigos e com a companheira, Cília Flores, e diversos políticos que formaram nos ministérios venezuelanos durante o governo chavista. Todos ainda comovidos e leais ao companheiro.

Aliás, a lealdade das equipes de Chavez é notória neste filme.

Deve-se assistir a Mi amigo Hugo. É importante para conhecer uma realidade que as mídias conservadoras sul-americanas e as do norte da fronteira fazem questão de, desonestamente, não mostrar.

É repugnante ver, quase no final do filme, na montagem dos noticiários de diversos canais norte-americanos comemorando sem compostura e com alegria selvagem a morte de Chavez.

É importante, em especial para os mais jovens, assistir ao filme de Oliver Stone porque para estes sempre foi repassada uma imagem negativa, populista e caricata do finado chefe de governo venezuelano. Foram formados assim.

E não apenas pela honestidade com que o personagem é apresentado. É ressaltada a importância do seu trabalho na liderança dos movimentos de independência do continente, “um precursor do atual processo de integração latino-americano e Caribe,” observa Stone. Chavez jogou no lixo a chamada política externa de joelhos antes praticada pelos governos do sul da fronteira do Rio Grande.

Em Ao sul da fronteira, Stone já anotava: “Os norte-americanos não sabem o que está acontecendo aqui” (na Venezuela). Em Mi amigo Hugo ele completa, na sua narração: “Chavez inspira as gerações de jovens líderes políticos do continente.”

Assistir a este doc é também uma oportunidade de conhecer, em grande close, o ser humano expansivo e seu carisma, no cotidiano. O bebedor de café inveterado, cerca de trinta xícaras diárias. Café aguado; “mas não é colombiano; é venezuelano, muito bom,” brinca Chavez. A rotina estafante de trabalho, das sete da manhã até altas horas da noite. O sono insuficiente, com o qual se preocupavam seus próximos e auxiliares. O ritual que cumpria religiosamente, assim que se levantava da cama: informar-se do preço do petróleo.

Imagens de Chavez na ONU, “desinfetando” o púlpito onde George Bush/“o diabo” acabara de discursar. Visitando e conversando com Fidel e na companhia de Morales. Na Academia Militar, onde ingressou aos 17 anos. Já na qualidade de presidente da república bolivariana, cantando canções campesinas nas festas do interior – adorava cantar. Andando (e caindo) de bicicleta.

A resistência ao golpe vergonhoso, frustrado, do governo estadunidense. As sabotagens nas refinarias. E o presidente Maduro dizendo: “Chavez não foi apenas um ser humano; ele é um grande coletivo. Representa uma nova consciência do mundo que exige o respeito entre países.”

Imagens de Chavez sendo vencido pela doença, arfando, subindo escadas com certa dificuldade, e o último discurso, em 4 de dezembro de 2012, na tevê, a despedida, última aparição pública antes de voltar a Cuba pela última vez. A voz embargada, cantarolando, e a paixão pela Venezuela: “Pátria é minha vida, minha alma, meu amor. Viva a pátria, viva a vida.”

Populista? Mas sem a frieza dos príncipes, dos sociólogos e dos gravatas-de-seda.

Autor de alguns filmes que já são clássicos – Platoon, Nascido em 4 de julho, Wall Street –, Oliver Stone se tornou um amigo íntimo, um confidente de Hugo Chavez.

Este seu doc – “é a minha despedida de um soldado e amigo”, ele declara – é obra de profissional. Tem qualidade e transpira afeto e a cordialidade para com Chavez. “Sua generosidade de espírito era incrível”, ele diz. “Era um patriota que adorava seu país.”

Mas é Cília Flores quem resume, com simplicidade, o homem com quem conviveu bem próximo: “Sempre bem humorado, ele transmitia alegria por onde passava.”

***

Leia também: Venezuela*

Venezuela: Pesquisas desmascaram golpistas

Breno Altman: Brasil afasta fantasma da submissão na OEA

Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana

Mauro Santayana: o ninho da serpente

O truque o Valor para bater na Venezuela

Quando Hugo Chavez morreu

FHC quer ser o guru de todos os golpes

Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo

Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Pedro Barros: “Mídia traz uma Venezuela caricata, completamente deslocada da realidade.”

Por que a Globo é contra o governo venezuelano

Quem está por trás dos protesto na Venezuela?

Passo a passo: O plano da Usaid para acabar com o governo de Hugo Chavez

A 3ª Guerra Mundial acontece na mídia e nas redes sociais

Os jovens, o Brasil e a Ucrânia

Mauro Santayana: A arquitetura da balcanização

A Venezuela e a força das redes sociais

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Quem são os jovens venezuelanos?

Breno Altman: Hora de dizer a verdade para Clóvis Rossi

Como se constrói a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Venezuela: A guerra da (des)informação

EUA comandam protestos contra Nicolas Maduro

Venezuela e Brasil não podem retroceder

O coxinha Leopoldo Lopez, pau-mandado do EUA, quer dar golpe na Venezuela

O que querem os EUA numa Venezuela em transe?

Atos na Venezuela são manipulados com fotos falsas

Venezuela: Povo marcha pela paz; opositores pela violência

50 verdades sobre Hugo Chavez

50 verdades sobre Henrique Capriles

Hugo Chavez, presente!

Nasce Hugo Chavez, o mito

Hugo Rafael Chavez Frias (Sabaneta, 28/7/2954 – Caracas, 5/3/2013

Hugo Chavez: Morte produzida em laboratório

A hora e a vez de Hugo Chavez

“Viva Hugo Chavez! Viva para sempre.”

Atílio Borón: ¡Gloria al bravo Chavez! ¡Hasta la victoria, siempre, comandante!

Lula divulga vídeo falando de sua convivência com Hugo Chavez

Chavez fez a Venezuela deixar de ser um quintal dos EUA

Por que a Globo é contra os venezuelanos

Enterro de Chavez: A multidão vermelha faz história

Opositores de Chavez fogem de comparações, igual FHC foge de comparar seu governo ao de Lula

A morte de Chavez e o ódio do senador Aloysio

Lula no NYT sobre Chavez: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, o legado chega ao fim.”

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Mauricio Dias: Água mole em pedra dura…

Em Washington, pobres viviam com ajuda da Venezuela

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Hugo Chavez foi assassinado?

WikiLeaks: O plano da Usaid para acabar com o governo de Chavez

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Uma resposta to “Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone”

  1. Vídeo: “Mi amigo Hugo”, o novo documentário de Oliver Stone | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: