O controle remoto pelo qual a Globo comanda o Brasil

Innovare_Instituto03_Irineu_Marinho

Roberto Irineu Marinho com o juiz que só não foi para o Supremo por ser acusado de pegar uma “mala de dinheiro”.

Paulo Nogueira, via DCM

Roberto Marinho foi um gênio, há de reconhecer. Mas um gênio do mal. Sua maior obra foi montar um esquema inviolável de manipulação dos poderes no Brasil.

As emissoras afiliadas, entregues a políticos amigos, como Sarney e ACM, garantiram que no Congresso a Globo jamais seria questionada seriamente.

Já sem ele, a obra de controle foi estendida à Justiça pelo Instituto Innovare, do qual falei aqui outro dia. Na fachada, o Innovare premia anualmente práticas inovadoras no judiciário em cerimônias às quais comparecem os juízes mais poderosos do país, notadamente os do Supremo.

A aproximação, neste processo, dos Marinhos com os juízes é uma aberração do ponto de vista ético e uma agressão ao interesse público, dados os interesses econômicos da Globo. Contar com juízes amigos é bom para a Globo e ruim para a sociedade.

Um dia Gilmar Mendes, por exemplo, terá de explicar por que concedeu habeas corpus a uma funcionária da Receita flagrada tentando fazer desaparecer os documentos da célebre sonegação – trapaça é a melhor palavra – da Globo na Copa de 2002.

Uma passagem anedótica do Innovare junta Roberto Irineu Marinho, presidente da Globo, e o juiz Cesar Asfor Rocha. Uma foto registra um abraço cordial entre ambos numa premiação. Rocha presidia o STJ e era cotado para uma vaga no STF, na gestão Lula. Acontece que chegou a Lula uma história segundo a qual Rocha pegara uma propina para favorecer uma empresa num julgamento.

O mais curioso é que Rocha acabou votando contra quem lhe deu “uma mala de dinheiro”, segundo gente próxima de Lula. Investigado ele não foi — nem pela Globo, nem pela Polícia Federal, nem por ninguém. Mas, se manteve a alegada bolsa, perdeu a indicação. Rocha, sem problema nenhum com a Justiça depois da denúncia, acabaria decidindo voltar depois para a advocacia.

A melhor prática para a Justiça é absoluta distância da plutocracia para que possa decidir causas com isenção e honestidade. (Investigar juízes acusados de pegar uma mala de dinheiro também vai bem.)

O Innovare é a negação disso.

Que políticos frequentem barões da mídia é lamentável, mas comum mesmo em democracias avançadas como a Inglaterra.

Nos últimos 30 anos, na Inglaterra, Rupert Murdoch – o Roberto Marinho da mídia britânica — foi procurado e bajulado por líderes conservadores e trabalhistas, indistintamente. (Um deles, Tony Blair, acabou estendendo a proximidade para a jovem mulher chinesa de Murdoch, com a qual teve um caso que levaria ao divórcio de Murdoch.)

Mas se juízes frequentassem Murdoch uma fronteira seria transposta. Jamais aconteceu. O juiz Brian Leveson não poderia conduzir as discussões sobre novas regras para a mídia inglesa se privasse com Murdoch.

Isto é óbvio, mas o poder prolongado da Globo a deixou de guarda baixa quando se trata de preservar a própria reputação.

O Innovare é um escândalo em si. E uma inutilidade monumental em seu propósito de fachada: melhorar a Justiça brasileira.

São dez anos de atividade. Quem poderá dizer que a justiça brasileira melhorou alguma coisa com o Innovare?

A Globo tem nas mãos como que um controle remoto com o qual comanda as coisas que lhe são essenciais no Brasil.

Vale a pena ver este vídeo em que, no Senado, Roberto Requião mostra a busca frustrante que fez por informações a respeito da sonegação da Globo. A certa altura, ele pergunta se a Globo comanda o Senado, tais e tantas as dificuldades que encontrou. Requião fez uma pergunta retórica, porque ele sabe a resposta muito bem.

No futebol, um negócio de alguns bilhões por ano, a Globo teleguiou durante décadas os homens fortes da CBF, Havelange primeiro e depois Ricardo Teixeira.

“Teleguiar” significou dar propinas, ou eufemisticamente, “comissões”. O Estadão mergulhou num caso que está na justiça suíça, relativo à Fifa. E escreveu numa reportagem: “Havelange recebeu propinas de uma empresa para garantir o contrato de transmissão do Mundial de 2002 para o mercado brasileiro.”

Quem transmitiu? E que jornal ou revista investigou o caso? A Veja não se gabava tanto de seu poder investigativo? Ou só vale para seus inimigos?

A mesma lógica de ocupação manipuladora a Globo promoveu em sua fonte de receita – a publicidade.

Nos últimos dez anos, a Globo perdeu um terço da audiência, em parte pela ruindade de sua programação, em parte pelo avanço da internet.

Mesmo assim, sua receita publicitária não parou de subir. Há uma aberração no Brasil: com 20% do bolo de audiência, medido pelo Ibope, a Globo tem 60% do dinheiro arrecadado com publicidade.

Ganhar mais publicidade com menos público é façanha para poucos.

O milagre, ou truque, se chama Bônus Por Volume, o infame BV. Basicamente, quanto mais uma agência veicula na Globo, mais recebe.

Meu amigo Jairo Leal, antigo presidente da Abril, me disse que muitas agências simplesmente quebrariam se não fosse o dinheiro do BV.

É claro que uma hora o anunciante vai se incomodar com o dinheiro excessivo posto numa emissora que perde, perde e ainda perde espectadores. Mas até lá você – em boa parte graças ao BV – vai ver os Marinhos no topo dos bilionários do Brasil.

***

Leia também:

MP/SP é contra doação ao Instituto Lula, mas a favor de doação à Globo?

TV Globo: Desfiles e Fantástico têm as piores audiências da história, dentre outros programas

O Brasil é o paraíso dos milionários

Como a Globo manipula a Justiça brasileira por meio do Instituto Innovare

Jornal Nacional: William Bonner é corrigido ao vivo

Como o dinheiro público vem patrocinando a Globo há décadas

Globo orienta jornalistas a evitar “pautas positivas” sobre a Copa

Rede Globo tem contratos sigilosos com Marcos Valério

Andrea Hass, esposa de Pizzolato, pede o Darf para repórter da Globo

PF confirma abertura de inquérito contra sonegação da Globo

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Metodologia da Rede Globo e sua “imparcialidade”

Globo: Eles foram contra o 13º salário

Globo abre o jogo: É contra o pobre

Os bilionários da Globo

Credores norte-americanos pedem falência de empresa da Rede Globo nos EUA

Rede Globo sonega milhões de reais em impostos

A Globo e a ditadura militar, segundo Walter Clark

Estarrecedor: Por sonegação, Receita Federal notificou a Globo 776 vezes em dois anos

Rede Globo tem os bens bloqueados pela Justiça

Ex-funcionária da Receita que sumiu com processos contra TV Globo é condenada à prisão

Leandro Fortes: O povo não é bobo

João, Irineu e José, os filhos de Roberto Marinho: Os bilionários donos do BV

Rede Globo: Quem planta terrorismo, colhe caos

Por que a Globo faz o que faz

Como a Globo manipula gente simples para defender sua visão predadora de impostos

Forbes: A famiglia Marinho tem fortuna de R$52 bilhões

Leandro Fortes: A TV Globo e a ópera bufa no Panamá

Apoio da Globo ao golpe de 1964 foi comercial, não ideológico

Globo se desculpa pelo passado. Mas e o presente?

Golpe de 1964: A Globo devolverá o dinheiro que ganhou com ele?

Ministério Público no DF abre apuração sobre o caso de sonegação envolvendo a Rede Globo

Rede Globo: Só falta o cadáver

Funcionária da Receita foi condenada por sumir com processo contra a Globo

Rede Globo é alvo de uma CPI na Câmara

Sonegação fiscal da Globo fica em segundo plano, agora o caso é de polícia

Processos contra a Globo podem reaparecer no Congresso

Dublê da Globo é o herói da Veja

Professor demonstra manipulação de “O Globo” sobre a Venezuela

Dia Nacional de Lutas: Trabalhadores ocupam as ruas com atos em todo o País

“Grande mídia” tenta abafar protestos contra a Globo

Baba-ovo: TV Globo fará série sobre a mãe de Joaquim Barbosa

Ligações suspeitas entre Globo e Banco Rural, mas ninguém investiga

A ingratidão da Globo

Na lista da máfia do ISS, Globo nega e diz que paga todos os impostos

Por que a Globo é contra os venezuelanos

MPF denuncia coronel Ustra por ocultação de cadáver na ditadura militar

Ditadura militar: O algoz e o crematório

“Coronel Ustra comandava a tortura”, diz ex-sargento

Marco Aurélio Mello: Ministro que defende o golpe de 1964 pode ter lisura para julgar a AP470?

Mauro Santayana: O golpe da informação

O golpe de 1964 em filmes, livros e artigos

O golpe de 1964: Ranieri Mazzilli, o político Modess

O PIG apoiou a ditadura militar: As manchetes do golpe de 1964

Documentos da ditadura estarão disponíveis na internet

31 de março é um dia para lamentar

Dirigentes do PSOL acham que a Globo desempenha papel de vanguarda

Cadu Amaral: A Globo, o complexo de vira-lata e a Copa do Mundo no Brasil

STF paga viagem de jornalista de “O Globo”

Ação Penal 470: Globo dá sinais de que, se farsa reunir, Barbosa é quem vai pagar a conta

A Globo e Joaquim Barbosa são um caso indefensável de conflito de interesses

Como a Globo deu o golpe da barriga em FHC e enviou Miriam para Portugal

Tags: ,

Uma resposta to “O controle remoto pelo qual a Globo comanda o Brasil”

  1. O controle remoto pelo qual a Globo comanda o Brasil | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: