Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana

Venezuela_Manifestacao32_Mascara

Na foto, as máscaras de Guy Fawkes, que agora tão bem conhecemos no Brasil, em protestos na Venezuela. Manifestante contratados tentam provocar violências para depois acusar o Estado de “violento”. Tática manjada.

Para ira da mídia brasileira, alinhada ao golpismo venezuelano, o governo brasileiro marcou um golaço nos últimos dias, ao derrotar EUA, Canadá e Panamá, que defendiam, junto à OEA, intervenção externa na Venezuela. O Brasil ganhou a votação por 29 x 3.

É triste constatar que nossa mídia, quando se trata de América Latina, esteve, está e estará sempre ao lado daqueles que defendem soluções não-democráticas para conflitos políticos.

Ora, se o povo venezuelano não gosta de Maduro, então que reúna assinaturas para um impeachment, que lá pode ser feito via plebiscito!

***

Decisão da OEA de não convocar reunião repercute de forma positiva

Leandra Felipe de San Cristóbal (Venezuela), via Agência Brasil

A decisão da Organização dos Estados Americanos (OEA), de não convocar uma reunião de chanceleres e não enviar uma missão observadora à Venezuela, para discutir a situação de protestos continuados em algumas regiões, foi comemorada pelo governo venezuelano e repercutiu de forma positiva na imprensa local, sobretudo nos meios de comunicação ligados ao governo.

Na sexta-feira, dia 7, durante uma reunião extraordinária do organismo, 29 países, incluindo o Brasil, votaram contra uma interferência, e somente o Canadá, os Estados Unidos e o Panamá solicitaram à OEA uma ação no país.

O embaixador da Venezuela na OEA, Roy Chaderton, considerou a decisão como “histórica” pelo fato de o organismo ter optado pela não ingerência. O governo venezuelano reiterou, em diversas ocasiões, que é contra a ação da OEA na mediação ou observação dos prolongados conflitos que deixaram ao menos 22 mortos e mais de 260 feridos em três semanas de manifestações, bloqueios de vias e atentados ao patrimônio público.

“A resolução que votamos será conhecida nos próximos dias e fala de solidariedade, que é uma palavra bonita e histórica, porque a OEA está se afastando de decisões anteriores”, comentou Chaderton, referindo-se à críticas anteriores que a Venezuela lançava contra o organismo, por considerá-lo mais alinhado aos interesses dos Estados Unidos que aos latino-americanos.

Em entrevista à televisão estatal Telesur, Chaderton comentou que o Canadá teria sido mais “agressivo” que os Estados Unidos nas manifestações contrárias “a atuação do governo venezuelano”. Ele também disse que a reunião ter um caráter privado acabou sendo favorável à melhor condução da conversação. “Não tivemos um circo midiático”.

Anteriormente, a decisão da reunião não poder ser acompanhada pela imprensa, divulgada na quinta-feira, dia 6, provocou críticas e reações negativas, inclusive do governo venezuelano. Chaderton informou que a Venezuela “aplaudia o respeito da OEA à soberania de um país ameaçado por ações desestabilizadoras e golpistas”.

O chanceler venezuelano Elias Jaua disse, em entrevista à emissoras de televisão locais, que a OEA “conseguiu ver que a Venezuela trabalha pela paz e que não têm atuado contra os manifestantes, mas sim contra grupos infiltrados de extrema-direita que tentam romper a estabilidade”. Ele acrescentou que é contra esse tipo de ação que o governo está atuando para preservar a lei.

A União das Nações Sul-americanas (Unasul) convocou, a pedido do governo da Venezuela, para quarta-feira, dia 12, uma reunião extraordinária em Santiago, no Chile, para analisar a situação. Chanceleres dos países membros terão um encontro no dia seguinte à posse da presidenta eleita Michelle Bachelet.

No sábado, dia 8, em San Cristóbal, estado de Táchira, local em que foram iniciadas as manifestações estudantis no país, uma Conferência Regional de Paz está sendo realizada com a participação do governo, da sociedade civil e setores da oposição.

Na conferência de paz são discutidos discute temas sensíveis que geram conflito, como os problemas econômicos, escassez de alimentos e criminalidade. Neste sábado, grupos estudantis e representantes da sociedade civil preparam a marcha “de panelas vazias, que será realizada ao mesmo tempo em que acontece a conferência.

Táchira foi o primeiro estado militarizado pelo governo venezuelano após o início da onda de protestos. Há três semanas com ações diárias de manifestações, algumas pacíficas outras de caráter violento, o comércio da cidade reduziu a jornada de trabalho e as lojas estão sendo fechadas por volta de 4 da tarde.

***

Leia também:

O truque o Valor para bater na Venezuela

Quando Hugo Chavez morreu

FHC quer ser o guru de todos os golpes

Analista alemã confirma: EUA manipulam “protestos” em todo mundo

Estudantes nas ruas apoiam a direita na Venezuela

Pedro Barros: “Mídia traz uma Venezuela caricata, completamente deslocada da realidade.”

Por que a Globo é contra o governo venezuelano

Quem está por trás dos protesto na Venezuela?

Passo a passo: O plano da Usaid para acabar com o governo de Hugo Chavez

A 3ª Guerra Mundial acontece na mídia e nas redes sociais

Os jovens, o Brasil e a Ucrânia

Mauro Santayana: A arquitetura da balcanização

A Venezuela e a força das redes sociais

Uma aula de Venezuela e uma dura na Globo, em plena Globo

Quem são os jovens venezuelanos?

Breno Altman: Hora de dizer a verdade para Clóvis Rossi

Como se constrói a encenação de “protestos” antigoverno na Venezuela

Venezuela: A guerra da (des)informação

EUA comandam protestos contra Nicolas Maduro

Venezuela e Brasil não podem retroceder

O coxinha Leopoldo Lopez, pau-mandado do EUA, quer dar golpe na Venezuela

O que querem os EUA numa Venezuela em transe?

Atos na Venezuela são manipulados com fotos falsas

Venezuela: Povo marcha pela paz; opositores pela violência

50 verdades sobre Hugo Chavez

50 verdades sobre Henrique Capriles

Hugo Chavez, presente!

Nasce Hugo Chavez, o mito

Hugo Rafael Chavez Frias (Sabaneta, 28/7/2954 – Caracas, 5/3/2013

Hugo Chavez: Morte produzida em laboratório

A hora e a vez de Hugo Chavez

“Viva Hugo Chavez! Viva para sempre.”

Atílio Borón: ¡Gloria al bravo Chavez! ¡Hasta la victoria, siempre, comandante!

Lula divulga vídeo falando de sua convivência com Hugo Chavez

Chavez fez a Venezuela deixar de ser um quintal dos EUA

Por que a Globo é contra os venezuelanos

Enterro de Chavez: A multidão vermelha faz história

Opositores de Chavez fogem de comparações, igual FHC foge de comparar seu governo ao de Lula

A morte de Chavez e o ódio do senador Aloysio

Lula no NYT sobre Chavez: “Se a figura pública morre sem deixar ideais, o legado chega ao fim.”

O povo idolatra Chavez e Veja vê herança maldita

Mauricio Dias: Água mole em pedra dura…

Em Washington, pobres viviam com ajuda da Venezuela

Morte de Chavez: “Época” e “Veja” entre facciosismo e demonização

Hugo Chavez foi assassinado?

WikiLeaks: O plano da Usaid para acabar com o governo de Chavez

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

2 Respostas to “Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana”

  1. Dilma dribla golpistas e afasta OEA da crise venezuelana | EVS NOTÍCIAS. Says:

    […] See on limpinhoecheiroso.com […]

  2. pintobasto Says:

    A baderna é promovida pela direita golpista, mas está saindo dos limites e Maduro necessita de mandar reprimir duramente os baderneiros que recebem dinheiro da CIA via ONG’s afiliadas

Os comentários sem assinatura não serão publicados.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: